sábado, 31 de outubro de 2015

MENSAGEM DE NOSSA SENHORA

 A MULHER VESTIDA DE SOL ESTARÁ EM GUERRA COM O DRAGÃO VERMELHO NO FINAL DOS TEMPOS



Vim do céu para vos revelar o Meu desígnio nesta luta que envolve a todos, alinhados para o combate às ordens de dois comandantes opostos: a Mulher vestida de sol e o dragão vermelho. 
Indiquei-vos o caminho a percorrer: é o caminho da oração e da penitência. Convidei-vos à conversão interior da vossa vida.
Preparei-vos também um refúgio para serdes recolhidos, para serdes protegidos e fortalecidos durante a presente tempestade que se tornará ainda maior. O refúgio é o Meu Coração Imaculado.
Agora anuncio-vos que este é o tempo da batalha decisiva. Nestes anos, Eu mesma intervenho, como a Mulher vestida de sol, para levar ao cumprimento o Triunfo do Meu Imaculado Coração, que já comecei por meio de vós, Meus filhos prediletos.
 
Ser-vos-ão pedidos sofrimentos, mas no Meu Coração Imaculado, sereis chamados a saborear também as íntimas alegrias do Meu amor materno.
As trevas adensar-se-ão, mas se tornará ainda mais forte o raio de luz que parte do Meu Coração pra vos indicar o caminho. O pecado cobrirá todas as coisas, mas sereis ajudados por Mim a revestir-vos da Graça Divina, que deverá resplandecer cada vez mais em vós, para dardes a todos um testemunho de santidade.
 
Escutai com docilidade e humildade a Minha voz. Deixai-vos guiar a cada momento por Mim.
Este desígnio, que estou cumprindo há anos no silêncio e no escondimento, em breve se revelará em todo o seu esplendor. Então aparecerá perante toda a Igreja a grande obra-prima do amor do Coração Divino e Misericordioso do Meu FILHO JESUS.”


Fonte: Mensagens de NOSSA SENHORA ao Pe. Stefano Gobbi, 26ª ed., Vol. , em 3 de maio de 1979 (Aniversário da 1ª Aparição em Fátima).




“Sou a Mãe do Verbo Encarnado.
Com o Meu “Sim”, ofereci ao Pai a minha colaboração pessoal para o Seu desígnio de salvação.
Do seio Paterno, o Verbo se depôs no meu seio Materno, para assumir de Mim a Sua natureza humana. Assim, tornei-me verdadeira Mãe de Jesus.
O “Sim” à vontade do Pai floresceu na Minha alma como fruto de uma longa e silenciosa preparação.
Eis o caminho que a vossa Mãe percorreu para chegar a este inefável momento: o caminho da humildade, da confiança, do abandono filial, do silêncio, da íntima e profunda união com Deus.
Desde a infância Me ofereci completamente ao Senhor, pondo-Me como escrava ao seu Serviço, na virgindade perfeita, no escondimento, na oração.
A Minha alma abriu-se a uma luz cada vez maior e a minha existência formou-se no desapego de todas as criaturas, para amar de maneira perfeita o Senhor, cumprindo a sua vontade e escutando a Sua Palavra. Formei-me no gosto de procurar, de acolher e de guardar só a Palavra de Deus.

Quando o Pai decidiu depor o Seu verbo no Meu seio virginal, encontrou a vossa mãe pronta para O acolher com amor e com alegria, na única intenção de cumprir perfeitamente a Vontade Divina.”


Fonte: Mensagens de NOSSA SENHORA ao Pe. Stefano Gobbi, 26ª ed., em 25 de março de 1979.


Quem ainda não conhece as mensagens de Nossa Senhora ao Padre Stefano Gobbi, leia, veja todas as mensagens. Fala sobre o motivo pelo qual muitos Padres e Bispos e Cardeais se perderam, traindo a Igreja de Cristo.






MENSAGEM DE JESUS




ENVIO‐VOS, À MINHA FRENTE, A MINHA PRÓPRIA MÃE. DEIXAI QUE A MINHA CORTE IMPERIAL PREPARE A MINHA ESTRADA.


 (Jesus a Vassula Ryden, em 10.10.1990)

O Meu Regresso é iminente e dou‐vos contínuos sinais para vos preparar. O Amor está no Caminho do regresso. Eu estou no caminho do Meu Regresso. Dizei‐Me: quando um rei entra numa cidade, não se terão, por ventura, feito, antes, os devidos preparativos para o receber? Toda a cidade estará em efervescência e o rei enviará, à sua frente, os seus escolhidos e a sua corte imperial a abrir‐lhe o caminho, tornando‐lhe, assim, mais fácil a sua viagem. Enviará os seus mensageiros, para anunciar‐lhe a chegada. Pedir‐lhes‐á que gritem, a alta voz: "Eis o vosso Rei! O vosso Rei chega, com o Seu Coração na Mão para vo‐Lo oferecer! A Misericórdia inclina‐Se do Céu e do Seu Trono; Ela teve Piedade de vós". E é justamente por isso que também Eu, antes do Meu Regresso, vos envio à Minha frente a Arca da Aliança, vos envio a Mulher do Apocalipse, a segunda Eva, que esmagará, com o Seu calcanhar, a cabeça da serpente. Envio‐vos, à Minha frente, a Minha Própria Mãe, para abrir‐vos uma larga estrada, nesse deserto, e para a tornar plana. Envio‐vos a Rainha do Céu, a Porta do Céu, para vos preparar e para educar todos quantos de vós ainda jazeis no pó, para virdes fazer as pazes Comigo, vosso Deus, antes do Meu Grande Regresso. Envio‐vos a Rainha da Paz, para vos chamar a reunir, de um canto ao outro da terra, e para reunir‐vos a todos, um a um. Envio‐vos, antes do Meu Grande Regresso, os Meus servidores, os profetas, para vos recordar a Minha Lei, a fim de que abandoneis as vossas sendas tortuosas e vivais santamente, e para anunciar‐vos os acontecimentos, antes que se realizem. Envio‐vos os Meus Anjos, para vos lembrarem a Minha Santidade, a Minha Magnificência e o Meu Esplendor. Envio‐vos os Meus porta‐vozes, para que gritem e proclamem, por sobre os telhados das vossas casas, as Núpcias do Meu Espírito Santo. Não Me cansarei de vos chamar, para que venhais a desposar‐ Me. Não desanimarei, por motivo da vossa hostilidade ou da vossa aridez. Continuarei à procura do vosso coração e, tal como um jovem que desposa uma virgem, assim também Aquele que sempre tendes ofendido vos desposará a vós. E, no Meu Amor, far‐vos‐ei substituir os Espinhos que rodeiam o Meu Coração por uma coroa de flores. E, como um jovem que traz a sua coroa nupcial, assim também Eu a ostentarei, porque essa grinalda será a Minha Coroa de Vitória, sobre o Troféu da Minha Misericórdia... Geração, far‐te‐ei Minha. Erguer‐te‐ei e levar‐te‐ei, como um jovem esposo leva a sua esposa para os seus aposentos e, no Meu Amor Eterno, levar‐te‐ei no Meu Sagrado Coração e far‐te‐ ei Minha por toda a Eternidade. Depressa, agora muito depressa, rasgarei os céus, abrindo‐os, para descer, com toda a força! Se compreendêsseis bem aquilo que Eu pretendo fazer, não passaríeis o vosso tempo num estado de letargia: dirigir‐Me‐íeis uma constante oração, porque, inesperadamente, rápido como um relâmpago, descerei numa chama de fogo ardente e revelarei aquilo que vos fora escondido.
Com o Meu Dedo, indicar‐vos‐ei todos quantos Me honravam apenas com os lábios, sem nunca Me servirem com a Linguagem que Eu Mesmo lhes tinha ensinado: a Linguagem da Minha Cruz, a Linguagem do Amor, a Linguagem que vos ensina coisas que ultrapassam toda a compreensão humana. Revelar‐vos‐ei os Cains, cuja linguagem não é a Minha Linguagem, mas a dos ricos mercadores e do comércio. Rezai por esses Cains; não os julgueis; gastai o vosso tempo a rezar por eles. Não consintais à vossa língua que se desvie do bom caminho ; não sejais daqueles que dizem aos Meus videntes: "Não tenhais visões!"; e aos Meus profetas: "Não profetizeis!". Deixai que a Minha Corte Imperial prepare a Minha Estrada. Nenhuma profecia alguma vez veio por iniciativa do homem. Quando os Meus videntes e profetas falam por Mim, é por obra da Graça que o fazem e pelo Meu Espírito Santo que os enche, os anima e lhes abre a boca, para que repitam simplesmente as Minhas Palavras.
E continuarei a lembrar‐vos a Verdade, pelos Meus porta‐vozes, mesmo que vós já conheçais a Verdade. Continuarei a revelar os Meus Planos aos Meus servidores, os profetas, e a mostrar, em visão, a Minha Magnificência, aos videntes. Deixai os Meus eleitos e as Minhas almas prediletas livres de Me preparar o Caminho a Mim, vosso Rei. Deixai‐os ultimar o seu testemunho. Envio‐vos a Minha Corte Celeste, para profetizar em ordem a este Fim dos Tempos, no deserto da vossa era, a fim de que vos convertais, antes que venha o Grande Dia.
Dai‐vos conta de que Eu não desço apenas por Misericórdia, mas também para um Juízo. Não digo aos Meus mensageiros que chamem apenas os justos: digo‐lhes que chamem também os injustos, os pobres, os aleijados, os marginalizados pela vossa sociedade e todos quantos encontrem nas estradas, a fim de que venham encher a Minha Escola. Quero chamar todos aqueles que nunca Me procuraram e tão pouco Me conheceram, a fim de que venham vivificar‐se na Minha Casa, uma vez que estes são os Tempos de Misericórdia e de Graça.  Seguidamente, fazei com que todos quantos vos vêem, vos contemplem e arregalem os olhos, vendo a vossa transfiguração. Seja bem visível nos vossos rostos e pelas irradiações do vosso coração, que vós seguistes a Minha Escola e que vós... vós sois os Meus alunos e Eu o vosso Mestre. Vejam, nos vossos olhos, o reflexo de tudo quanto vós tendes testemunhado. Vejam, no vosso corpo, os sinais das Minhas Chagas. E, se alguém vos perguntar como os recebestes, dizei‐lhe que os recebestes na Casa dos amigos do vosso Mestre, justamente onde Ele Mesmo os recebeu, primeiro... depois, pegai na vossa cruz e segui‐Me.

Eu, Jesus Cristo, Filho Bem‐Amado de Deus e Salvador, pouso o Meu Sopro em vós e abençôo‐vos a todos, deixando o Suspiro do Meu Amor na vossa fronte. Ide em Paz e sede um, em Meu Nome.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Estes são os profetas dos últimos tempos.

-Profeta : Maria Divina Misericórdia-  ( MDM). Esta profeta está revelando o Livro da Verdade descrito na Bíblia. O Livro da Verdade está mencionado em Daniel 10.21. É aqui que um misterioso Livro da Verdade é referido.  O Anjo Gabriel explica ao Profeta Daniel que todas as coisas que lhe têm sido reveladas é acerca do futuro, do fim dos tempos, encontram-se no Livro da Verdade. Daniel foi avisado para o selar, pois ele será deixado para ser aberto num outro tempo, chamado “O Fim Dos Tempos”. É a continuação da Bíblia, do livro da revelação do Apóstolo João.
-Profeta : Padre Stefano Gobbi-  ( SG). Movimento Sacerdotal Mariano.” Levar-vos-ei á perfeita compreensão da Sagrada Escritura. De modo especial desvendar-vos-ei as páginas do seu último livro, que estais vivendo.”(Nossa Senhora)
-Profeta : Verônica Lueken- ( VL) Bayside- Nova York
-Profeta : Vassula Rayden- (VR) Egito.
-Profeta: Conchita Gonzáles-Garabandal-Espanha.
-Profeta: Melanie Calvat e Maximino Giraud- Salete- Espanha.
-Profeta: Irmã Agnes Sasagawa-(IAS) Akita-Japão.
-Profeta : Luz de Maria(LM) Revelacionesmarianas.
-Profeta : Rainha do Rosário e da Paz – Itapiranga – Brasil.
-Profeta : Bento da Conceição (Pedro II) – Balneário Camboriú – SC-Brasil.

-Profeta : Maria Valtorta –Caserta – Itália.








A CURA DAS OVELHAS DE UM PASTOR PERSEVERANTE NA FÉ



A CURA DAS OVELHAS DE UM PASTOR PERSEVERANTE NA FÉ

... E os seis vão indo, enquanto Jesus os fica esperando na estrada. E, nesse ínterim, Jesus fica rezando, o triste Jesus que ninguém quer... Retornam os apóstolos, com um pequeno balde de leite, e dizem:
“Ele mandou dizer-te que vás até lá, que ele te precisa falar, pois ele não pode deixar lá as cabras inquietas, só com os pequenos pastores.” Jesus diz: “Então, vamos ate lá para comermos o nosso pão.” E lá se vão todos, beirando o despenhadeiro, em cujas bordas estão se dependurando as cabras aventureiras.  
“Eu te agradeço pelo leite que me deste. Que queres de Mim?”
“Tu és o Nazareno, não é mesmo? Aquele que faz milagres?”
“Eu sou aquele que prega a Salvação Eterna. Eu sou o Caminho para ir-se ao Deus Verdadeiro, sou a Verdade que se doa, a Vida que vivifica. Não sou um feiticeiro, que faz prodígios. Os milagres são as manifestações da minha bondade e da vossa fraqueza, que sente necessidade de provas para crer. Mas, o que queres de Mim?”
“É o seguinte: Há dois dias, Tu não estavas em Alexandrecene?”
“Sim. Por quê?”
“Eu também estava lá com os meus cabritos, e quando percebi que havia lá uma briga, procurei sair de lá, porque é costume lá suscitarem brigas para, na hora delas, roubarem o que está nas feiras. Todos são ladrões: os fenícios... e os outros também. Eu não deveria dizer isso, porque sou filho de pai prosélito e de mãe síria, sendo prosélito eu também. Mas é verdade. Bom. Voltemos ao caso. Eu me havia colocado em um grande curral com os meus animais, esperando pelo carro de meu filho. E, à tarde, ao sair da cidade, encontrei uma mulher que estava chorando, com uma filha pequenina nos braços. Ela tinha andado oito milhas, para chegar a Ti. Porque ela mora fora, nas campinas. Eu lhe perguntei o que ela tinha. É uma prosélita. Tinha ido para vender e comprar. Tinha ouvido falar de Ti. E a esperança havia crescido em seu coração. Então, ela foi correndo até sua casa, e apanhou a menina. Mas, quando se leva peso, tem-se que caminhar devagar! Quando ela chegou ao empório dos irmãos, Tu não estavas mais lá. Contudo, eles, os irmãos, lhe disseram: “Eles o expulsaram daqui. Mas Ele nos disse ontem de tarde que fará de novo uma permanência em Tiro.” Eu - também eu sou pai - então, eu lhe disse: “Vai, pois, até lá.” E ela me respondeu: “E, se, depois de tudo o que aconteceu, Ele resolver ir por outros caminhos, para voltar à Galiléia?” E eu lhe disse: “Escuta: ou Ele vai por aquele caminho, ou pelo outro dos confins. Eu pastoreio entre Rohob e Lesendam, justamente aos lados da estrada que serve de limite entre aqui e Neftali. Se eu o vir, lhe direi. Palavra de prosélito.” E acabei de te dizer.”
“E Deus que te pague por isso. Eu irei à mulher.  Pois devo voltar a Aqzib.”
“Vais a Aqzib? Então, podemos viajar juntos, se tu não desprezas a um pastor.”
“Eu não desprezo a ninguém. Para que vais a Aqzib?”
“Porque os cordeiros estão lá... A não ser que não os tenha mais.” “Por quê?”
“Porque por lá está passando a doença. Não sei se foi feitiçaria ou outra coisa. Só sei que a minha bela manada ficou doente. Por isso eu trouxe para cá as cabras, que ainda estão sãs, para separá-las das ovelhas. Aqui estarão com dois filhos. Agora eu estou na cidade, fazendo as compras. Mas vou voltar para lá... para vê-las morrer, as minhas belas ovelhas lanudas...” O homem suspira... Olha para Jesus, e se desculpa: “Falar destas coisas a Ti, que és quem és, e afligir-te a Ti, que já vives aflito pelo modo como te tratam, é uma espécie de estultícia. Mas as ovelhas são afeto e dinheiro para nós, sabes?”
“Eu compreendo. Mas elas ficarão sãs. Tu não as fizeste ver por quem entende do assunto?” “Oh! Todos me disseram a mesma coisa: “Mata-as, e vende suas peles. Não há mais nada a fazer.” E ainda me ameaçaram, se eu as deixar vagueando por aí. Eles têm medo de que a doença pegue nas deles. Por isso, devo conservá-las fechadas... e morrem em maior número. Eles são maus, sabes? aqueles de Aqzib.”
Jesus diz simplesmente: “Eu sei.”
“Eu digo que fizeram feitiço contra elas...”
“Não. Não creias nessas histórias... Quando vierem os teus filhos, vais partir logo?”
“Logo. Daqui a momentos, estarão aqui. Estes são os teus discípulos? São só estes?”
“Não, tenho ainda outros.”
“E por que eles não vêm aqui? Uma vez, perto de Meron, encontrei um grupo deles. O chefe deles era um pastor. Assim se dizia. Um alto, robusto, chamado Elias... Foi em outubro, me parece. Antes ou depois dos Tabernáculos. Agora, ele te deixou?”
“Nenhum discípulo me deixou.”
“Haviam-me dito que...”
“Que foi?” “Que Tu... que os fariseus... Afinal, que os discípulos te haviam deixado por medo, e porque Tu eras um...”
“Demônio. Dize-o logo. Eu sei. Duplo mérito é o teu que, mesmo assim, ainda crês.”
“E, por esse mérito, não poderias, de passagem, abençoar o meu rebanho?”, o homem está muito ansioso...
“Eu abençôo o teu rebanho. Este...”, e levanta a mão, abençoando os cabritos espalhados, “... e também o das ovelhas. Acreditas que minha bênção as salve?”
“Como salvas os homens das doenças, assim poderás salvar também os animais. Dizem que és o Filho de Deus. As ovelhas foram criadas por Deus. Por isso elas são coisas do Pai. Eu... Eu não sabia se era respeitoso fazer este pedido. Mas, se podes, faze-o, Senhor, e eu levarei ao Templo grandes ofertas de louvor. Ou melhor, darei a Ti para os pobres. E será muito bom.” Jesus sorri, e fica calado. Chegam os filhos do pastor e, pouco depois, Jesus com os seus e o velho partem, deixando os jovens tomando conta das cabras. Vão indo rápidos, querendo chegar logo a Quedes, para saírem de lá quanto antes, procurando alcançar a estrada que do mar vai para o interior. Deve ser a mesma que se bifurca aos pés do promontório, por onde passaram, quando iam para Alexandrecene. Pelo menos é assim que compreendo pelas palavras do pastor aos discípulos. Jesus está na frente, sozinho. “Será que não teremos outros aborrecimentos?” “Quedes não depende daquele centurião. Está fora dos confins da Fenícia. Os centuriões, basta não irritá-los, pois se desinteressam pelas religiões.”
“Além disso, nós não vamos parar lá...”
“Seríeis capazes de fazer mais de trinta milhas em um dia?”, pergunta o pastor.
“Oh! Nós somos peregrinos perpétuos!” Vão indo sempre para frente. Já chegaram a Quedes. E Quedes já vai ficando para trás, sem incidentes. Pegam a estrada direta. Num cipo está marcado: Aqzib. O pastor observa isso, e diz: “Amanhã lá estaremos. Esta noite vireis ficar comigo. Conheço cidadãos dos vales, mas muitos estão nos confins da Fenícia... Bem! Atravessaremos a fronteira. E certamente não seremos logo descobertos... Oh! A vigilância deles! Melhor seria que a praticassem com os ladrões...”
O sol vai descendo, e os vales não servem para ajudar a manter a claridade, pois estão cheios de bosques. Mas o pastor tem muita prática, e vai com segurança. Chegam a uma pequena vila, ou melhor, a um punhado de casas.
“Se eles nos hospedarem aqui, são israelitas. Estamos já nos confins. Se não nos quiserem, iremos para outro lugar, que é fenício.”
“Eu não tenho prevenções, homem.”....


O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, Vol. 5)

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

A NOSSA GERAÇÃO VERÁ A SEGUNDA VINDA DE JESUS NA TERRA


A NOSSA GERAÇÃO VERÁ A SEGUNDA VINDA DE JESUS NA TERRA

 

O falso profeta será tratado como um santo vivo

 

Sábado, 21 de Janeiro de 2012, 13:15 h.

Minha amada filha, a cada um dos Meus mensageiros no mundo, nomeados para espalhar a Minha Santa Palavra, tem sido dado um papel diferente. Não há dois iguais. É por isso que os Meus mensageiros nunca devem confundir cada Mensagem, comparando-as com as dos outros. Tu, Minha filha, como 7ª mensageira, foste escolhida para informar os Meus filhos da Verdade. Grande parte da Minha Verdade já te foi dada, mas há muito mais a chegar agora. Devido aos segredos contidos nelas, tu serás, quando elas forem reveladas, ridicularizada, zombada, e vão fazer-te parecer uma tonta.  Estas Mensagens são para ajudar a purificar o Meu povo, incluindo aqueles que aceitam o chamamento para Me seguir, bem como as almas vazias de amor e de coração frio. Sem essa limpeza, a terra não pode ser purificada. Ela precisa de ser Purificada, para que seja digna de Eu andar nela de novo. Meus filhos, deveis alegrar-vos. O medo não é algo que venha de Mim. O medo vem do mal. No entanto, vós sereis perdoados e justificados pelo vosso receio pelas almas que andam na cegueira. Não porque elas não possam ver, mas porque elas preferem não ver. Vós deveis-Me a obrigação, Meu amado exército de seguidores, de Me ajudar a preparar o caminho para o Meu próximo Reino Divino na Terra. Eu preciso da vossa ajuda. Eu preciso das vossas orações. As vossas orações vão enfraquecer o trabalho do anticristo, bem como o do falso profeta que vai ocupar a posição na Santa Sé de Roma. A todos os Meus filhos, vós deveis saber que Eu Sou todo perdão. Mesmo os que estão envolvidos com os grupos satânicos, dos quais Eu falo, podem ser salvos a partir de qualquer descendente, ainda que a alguma distância dos portões do Inferno. O pecado pode ser diluído através da oração. Vós não tendes que ir para a Batalha e lutar com os punhos levantados, tudo que tendes que fazer é rezar. O Meu Novo Paraíso é magnífico, filhos. Muitíssimos preparativos estão concluídos, com as mesmas maravilhas apresentadas a Adão e Eva, as quais eles rejeitaram por causa do pecado. Tudo está pronto. Os Meus seguidores, como vós, beneficiareis do belo Novo Paraíso na Terra, sobre o qual Eu vou reinar. Porque vós, desta geração, fostes selecionados para desfrutar este Paraíso não deveis parar no vosso trabalho, para Me ajudar a levar Comigo todos os Meus filhos ao Meu Reino Glorioso.
Meus filhos, deveis no entanto saber que o falso profeta também vos levará a acreditar que ele está a preparar-vos um lugar similar ao Paraíso. As suas mentiras vão encantar um ingênuo grupo de seguidores católicos. Ele irá apresentar um carisma externo maravilhoso e amoroso e todos os Meus filhos da Igreja Católica serão confundidos. Um sinal no seu olhar mostrará o seu orgulho e arrogância, que se esconde atrás de uma falsa humildade exterior. Assim, ele enganará os Meus filhos, que vão pensar que ele é uma alma excepcional e pura. Ele será tratado como um santo vivo. Nem por uma palavra da sua boca será interrogado. Ele parecerá também ter dons sobrenaturais e as pessoas vão instantaneamente acreditar que ele pode fazer milagres. Qualquer um que se oponha a ele será criticado e considerado um herege. Cada uma dessas almas, os tais acusados de hereges, serão deixadas de lado e serão alimento para os cães. Toda a Verdade sobre os Meus Ensinamentos será distorcida. Tudo será uma mentira. A perseguição irá evoluir lentamente e será basicamente subtil. Os Meus verdadeiros Servos Sagrados terão que celebrar Missas em privado e, em muitos casos, não em Igrejas Católicas. Eles terão que oferecer Missas em refúgios. Filhos, quando isso acontecer vós não deveis perder a esperança. Isso acontecerá durante um curto período de tempo. Rezai pelas almas comprometidas com o falso profeta, esquecidas da Santíssima Trindade, que é o Verdadeiro fundamento sobre o qual a Igreja Católica foi erguida. Muitas religiões seguirão apenas uma entidade da Santíssima Trindade. Algumas honram o Pai, outros, o Filho, mas todas são uma Minha filha. Há Um só Deus Verdadeiro. Que é o Pai, o Filho e o Espírito Santo, Três Pessoas distintas todas em Uma só Essência Divina. A todas as religiões será dada a Verdade em breve e muitas aceitarão esse Mistério Sagrado. Segui-Me até ao caminho da vossa salvação, Meus seguidores, pois tendes um futuro glorioso pela frente, mas deveis permanecer fortes. Esta é a geração eleita para o Meu Novo Paraíso na Terra.
 Não rejeiteis esta Dádiva Gloriosa de Vida, que brilha em toda a sua magnificência. Nenhuma alma o vai querer negar. O Meu Novo Paraíso na terra será uma Era de Paz e felicidade, sem pecado. Esta é a Divina Vontade de Meu Pai, e foi precisamente essa a Sua promessa para a humanidade desde o início. Sede alegres e felizes, filhos, pois vós tendes muito que olhar em frente. Os desafios que tendes pela frente parecerão tênues quando vós testemunhardes o Reino Glorioso que está a vossa espera. Eu amo-vos, filhos. Eu sei que vós Me amais. Por isso vos peço para mostrardes amor por aqueles que estão cegos para o Meu Espírito Santo. Orai por eles em todas as oportunidades, para que eles possam ver de novo a Verdade da Minha Promessa feita à humanidade, quando Eu morri para garantir a vossa Salvação Eterna.
O vosso amado Jesus.
 Salvador de toda a humanidade.


O Livro da Verdade – Maria Divina Misericórdia.
Daniel 10,21
Mas eu te anunciarei presentemente o que está expresso na escritura da verdade: e em todas estas coisas ninguém me ajuda, senão Miguel, que é o vosso príncipe.

O LIVRO DA VERDADE é a continuação da Bíblia. Fonte: www.elgranavisomensajes.com


FILHOS DO TROVÃO




FILHOS DO TROVÃO

14 de novembro de 1945.

Jesus caminha por uma região muito montanhosa. Não são montes altos, mas é um contínuo subir e descer por colinas e um fluir de torrentes, alegres nesta estação fresca, e agradáveis, límpidas como o céu, ainda novinhas, como as primeiras folhinhas, que sempre vão-se tornando mais numerosas sobre os ramos. Mas, por mais que a estação seja bela e alegre, a ponto de aliviar-nos o coração, não parece que Jesus esteja muito aliviado em seu espírito, e menos ainda do que Ele, os Apóstolos. Eles vão indo muito silenciosos, pelo fundo de um vale. Só os pastores e os rebanhos é o que se apresenta a seus olhos. Jesus, porém, nem parece vê-los. Um suspiro desconsolado de Tiago de Zebedeu e suas palavras imprevistas, nascidas de um pensamento aflitivo, é o que chama a atenção de Jesus...
Tiago diz: “Derrotas... e mais derrotas! Parecemos uns amaldiçoados...” Jesus lhe põe a mão sobre o ombro:
“Não sabes que esta é a sorte dos melhores?”
“É, eu sei disso, desde que estou contigo! Mas, de vez em quando, seria bom termos alguma coisa diferente, e antes nós a tínhamos, para animar de novo os corações e a fé...”
 “Estás duvidando de Mim, Tiago?” Grande é a dor que há nas palavras trêmulas do Mestre. “Naaão!...” O “não” dele, na, verdade, não tem muita firmeza. “Mas, que estás duvidando, estás. De que é, então, que estás duvidando? Já não me amas como antes? Ao veres que fui expulso, ou feito objeto de zombaria, ou somente perdido por estes confins da Fenícia, foi isso que enfraqueceu o teu amor?” Há um pranto cheio de temor na palavras de Jesus, ainda que não haja soluços nem lágrimas. É a própria alma dele que está chorando.
“Isto não, Senhor meu. Pelo contrário, o meu amor por Ti está crescendo mais, quando Te vejo incompreendido, não querido, abatido, aflito. E, para não ver-te assim, para poder mudar o coração dos homens, eu estaria pronto a dar a minha vida em sacrifício. Tu deves crer em mim. Não me fiques triturando o coração, já tão aflito, com essa dúvida de pensar que eu não te amo. Porque senão... Senão, eu sairei do sério. Voltarei atrás, e vou tirar vingança de quem te está fazendo sofrer, para provar-te que te amo, para tirar de Ti esta dúvida, e, se eu for preso ou morto, pouco me importará. Para mim bastará o ter-te dado uma prova de amor.”
“Oh! Filho do trovão! Para que tanta impetuosidade? Queres, então, ser um raio exterminador?” Jesus sorri do ardor e dos propósitos de Tiago.
“Isto já é um fruto destes meus propósitos. Que dizes, João? Deveremos por em prática o meu pensamento para consolar o Mestre abatido por tantas rejeições?”
“Oh! Sim. Vamos nós. Vamos voltar a falar. E, se o insultarem ainda como um rei de palavras, rei de ludíbrio, rei sem dinheiro, rei louco, batamos duro, para que desconfiem que o rei tem também um exército de fiéis, e que estes não estão dispostos a ser escarnecidos. A violência é útil em certos casos. Vamos, meu irmão!”
 Jesus se põe entre os dois, segura-lhes os braços para retê-los e diz: “Ora, escutai só o que estão dizendo! E Eu que já preguei durante tanto tempo! Oh! Surpresa das surpresas. Até João, a minha pomba, se me tornou um gavião. Olhai bem para ele, todos vós, e vede como está feio, perturbado, desgrenhado e com as feições desfiguradas pelo ódio. Oh! Que vergonha! E ainda ficais admirados, se os fenícios ficam indiferentes, se os hebreus estão irados, se os romanos me ordenam que saia, quando vós, os primeiros, ainda não compreendestes nada, depois destes dois anos que estais comigo, agora que vos transformais em fel, pelo ódio que trazeis no coração, quando pondes para fora de vossos corações a minha doutrina de amor e de perdão, e a expulsais como uma coisa sem valor, e acolheis, como vossa boa aliada, a violência! Oh! Pai Santo! Isto, sim, que é uma derrota! Em vez de serdes como outros tantos gaviões, que afiam os bicos e as garras, não seria melhor que fosseis anjos, orando ao Pai, para Ele dar um conforto ao seu Filho? Quando foi que já se viu um temporal produzir o bem, com os seus raios e suas saraivadas? 
Pois bem. Como lembrança deste vosso pecado contra a Caridade, como lembrança de quando Eu vi aparecer em vosso rosto o animal-homem, em lugar do homem-anjo, que Eu quero ver sempre em vós, Eu vos darei um sobrenome: “os filhos do trovão”.
Jesus está meio sério, enquanto está falando aos dois inflamados filhos de Zebedeu. Mas sua censura cessa, diante do arrependimento deles e, com um rosto iluminado pelo amor, Ele os aperta contra seu coração, dizendo: “E nunca mais fiqueis feios assim. E obrigado, pelo vosso amor.” “E também pelo vosso, meus amigos,”, diz ainda Jesus, virando-se para André, Mateus e os dois primos. “Vinde cá, para que Eu vos abrace também. Mas vós não sabeis que, se não houvesse outra coisa, a não ser a alegria de fazer a vontade de meu Pai e de ter o vosso amor, Eu seria sempre feliz, ainda que o mundo todo me esbofeteasse? Estou triste, mas não é por mim, pelas minhas derrotas, como vós as chamais, mas por compaixão para com as almas, que rejeitam a Vida. Aí está. Agora estamos todos contentes, não é verdade, ó grandes meninos que vós sois? Eia, então.  Ide aqueles pastores, que estão tirando o leite de suas ovelhas, e pedi-lhes um pouco de leite, em nome de Deus.” “Não tenhais medo”, acrescenta Ele, ao ver o olhar desanimado dos apóstolos. “Obedecei com fé. Recebereis leite, e não pauladas, ainda mesmo que o homem seja um fenício.”


(De Jesus à Valtorta – O Evangelho como me foi Revelado)

UM SEIO SEM MÁCULA


               Para ser a Mãe de Deus, tinha que ser obrigatoriamente Santa, Santíssima


UM SEIO SEM MÁCULA

16 de agosto de 1944.

 Jesus diz: 

“Hoje escreve apenas isto. A pureza, na sua expressão máxima, tem um tal valor que torna o seio de uma criatura capaz de conter o que não podia ser contido”. A Santíssima Trindade desceu com a sua perfeição em um pequeno espaço, habitando-o com as suas Três Pessoas, encerrando lá o seu Infinito, sem diminuir-se com isso, pois o amor da Virgem e a vontade de Deus dilataram este espaço até transformá-lo num Céu. Eis como essas características se manifestaram:  Assim como no sexto dia, o Pai recria a Criatura, tendo uma “filha” digna e verdadeira, feita à sua perfeita semelhança. 
A imagem de Deus estava estampada em Maria de tal modo que só no Primogênito do Pai lhe era superior. Maria pode ser chamada a “segundo-gênita” do Pai porque, pela perfeição que lhe foi dada e sabida conservar, por dignidade de esposa e mãe de Deus e também de Rainha do Céu, vem depois do Filho do Pai no seu eterno Pensamento, que “ab aeterno” nela se compraz; o Filho, sendo também para ela “Filho” ensinando-a, por mistério de graça, a sua verdade e sabedoria quando ainda não era mais que um embrião que lhe crescia no ventre; o Espírito Santo, aparecendo entre os homens por uma antecipada Pentecostes, por uma prolongada Pentecostes, Amor “naquela que amou”, consolação dos homens, pelo fruto do seu ventre, santificação, pela maternidade do Santo. Deus, para manifestar-se aos homens, da forma nova e completa que inicia a era da Redenção, não escolheu para seu trono um astro do céu, nem o palácio real de um poderoso. Não quis nem mesmo as asas dos anjos como base para seus pés. Quis um seio sem mácula. 
Eva também tinha sido criada sem mancha. Mas espontâneamente quis corromper-se. Maria, tendo vivido num mundo corrupto (Eva, ao contrário, vivera num mundo puro) não quis prejudicar a sua inocência nem mesmo com um pensamento voltado ao pecado. Sabia que o pecado existe. Viu os vultos diversos e horríveis. Viu todos, até o mais horrendo vício: o deicídio. Mas os conheceu para expiá-los e ser, eternamente, aquela que tem piedade dos pecadores e ora por suas redenções.
 Este pensamento será introdução a outras coisas santas que darei para teu conforto e de muitos outros”.


(De Jesus à Valtorta, Vol. 1)

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

A MISERICÓRDIA ANDOU NA TERRA, E SEU NOME ERA JESUS DE NAZARÉ




MILAGRE NO CASTELO EM CESARÉIA DE PANÉADES


“É uma das mulheres do castelo. É casada. Está para ter um filho. É o primeiro e o último, pois seu esposo morreu nas calendas de Casleu. E não sei se ele viverá, porque a mulher, desde quando ficou viúva, nada mais faz, senão desfazer-se em pranto. Parece uma sombra. Estás ouvindo? Não tem nem força para gritar... Tem razão... Viúva aos dezessete anos... E eles se amavam muito. Minha mulher e a sogra dela lhe dizem: “No filho encontrarás de novo Tobias.” Mas isso são palavras.
Vão descendo da torre, e fazendo a volta pelos bastiões, admirando o lugar e o panorama. Depois o intendente insiste em oferecer bebidas e frutas aos visitantes, e eles entram em uma ampla sala do castelo, onde os servos colocam o que foi mandado buscar. O gemido agora está dilacerante e próximo, e o intendente pede desculpas por aquilo, e porque o que está acontecendo obriga sua mulher a estar longe do Mestre. Mas uma gritaria, ainda mais triste do que o gemido de antes, é o que vem suceder a este, e faz que fiquem paradas no ar as mãos que estão trazendo as frutas ou os cálices, que estão indo a caminho das bocas.
“Vou ver o que aconteceu”, diz o intendente. E vai saindo enquanto a confusão dos gritos e prantos vem entrando, ainda mais fortes, pela porta entreaberta.
O intendente já está de volta. “O menino morreu, logo que nasceu... Que angústia. Estão procurando reanimá-lo, mas a vida se lhe escapa... Não respira mais. Está ficando preto...”, e sacode a cabeça, dizendo: “Pobre Dorcas!”
“Traze-me o menino.”
“Mas ele já morreu. Senhor.”
“Traze-me o menino, é o que Eu estou dizendo. Do jeito que ele estiver. E dize à mãe que tenha fé.”
O intendente sai correndo. Depois volta. “Ela não quer. Diz que não o entrega a ninguém. Parece que ficou doida. Diz que estamos fazendo assim para tirá-lo dela.”
“Leva-me até a soleira do quarto dela. Que ela me veja.”
“Mas...”
“Deixa-me ir! Eu me purificarei depois, se for o caso...”
Vão indo depressa, por um corredor escuro, até chegarem a uma porta fechada. Jesus, mesmo a abre, ficando na soleira, em frente da cama, na qual uma mulher pálida está apertando sobre o coração um pequeno ser, que não dá mais sinal de vida.
“A paz esteja contigo, Dorcas. Olha para Mim. Não chores. Eu sou o Salvador. Dá-me o teu pequenino...”
Que havia na voz de Jesus, eu não sei. Só sei que aquela desesperada que, logo que o viu, havia apertado ferozmente o recém-nascido contra seu coração, olha agora para Ele, e os seus olhos, angustiados e loucos, se abrem diante de uma luz cheia de dor, mas também de esperança. Ela entrega o pequenino ser, enrolado em uns panos leves, à mulher do intendente... e lá fica, com as mãos estendidas, com a vida e a fé naqueles olhos dilatados, surda a todos os pedidos da sobra, que a queria colocar sobre umas almofadas.
Jesus pega o pequenino embrulho de carne, já meio fria, e de panos, segura de pé o menino pelas axilas, apóia sua boca sobre aqueles labiozinhos entreabertos, tendo que ficar inclinado, porque a cabeçinha está caindo para trás. Ele sopra com força para dentro daquela garganta inerte... Fica com os lábios apoiados àquela boquinha por um instante, depois se afasta... e um pio, como o de um passarinho, se ouve, trêmulo, através do ar parado... depois, um segundo pio, mais forte... e um terceiro... e finalmente um vagido e um balancear da cabecinha pelada e do rostinho miúdo, e quem lhe responde é o grito da mãe: “Meu filho! Meu amor! A semente do meu Tobias. Sobre o coração! Estás sobre o coração da mamãe!... que ela morra feliz...”, diz a mulher em um sussurro, que termina em um beijo e no abandono de qualquer reação que se pudesse imaginar.
“Ela está morrendo!”, gritam as mulheres.
“Não. Ela está tomando um justo repouso... Quando ela acordar, dizei-lhe que dá ao menino o nome de Jesai-Tobias. Eu a tornarei a ver no Templo, no dia da purificação.” Jesus fecha a porta devagar, e se vira a fim de voltar para onde estava com os seus discípulos. Eles estão todos lá, todos comovidos pelo que viram, e que olham, admirados para Ele.
Voltam juntos para o pátio. Saúdam ao intendente, que está assombrado e que só sabe repetir: “Como vai ficar aborrecido o Tetrarca, por não ter estado aqui!” E retomam a descida, para voltarem à cidade.
Jesus põe a mão sobre o ombro do velho Benjamim, dizendo-lhe: “Eu te agradeço por tudo o que nos mostraste, e por ter sido esse teu convite razão de um milagre.”


(De Jesus à Valtorta, Vol. 5, pgs. 320, 321, 322)

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

A DUREZA DO CORAÇÃO MESMO DIANTE DE UM MILAGRE


A DUREZA DO CORAÇÃO MESMO DIANTE DE UM MILAGRE


Depois de uma dura repreensão aos habitantes de Corozaim e, de contar a parábola sobre os corações incultos, Jesus cura.



“Ó mulher, vem cá!”, diz Ele, fazendo sinal a uma mulher que está ao lado da parede, tão encurvada, que parece um ponto de interrogação.
As pessoas viram para que lado foi que Jesus fez o sinal, enquanto que a mulher, por causa de sua posição, não pode ver a Jesus, nem a mão Dele.
“Vai, então, Marta. Ele te está chamando”, dizem-lhe muitos. E a pobrezinha lá se vai, mancando, com o seu bastão, e , á altura do bastão está a cabeça dela.
A mulher já está diante de Jesus, que lhe diz: “Mulher, toma uma lembrança da minha passagem e um prêmio pela tua fé silenciosa e humilde. Fica livre da tua enfermidade”. Grita Ele finalmente, pousando suas mãos sobre as costas dela.
E, de repente, a mulher se ergue e, reta como uma palmeira, levanta os braços, e grita: “Hosana! Ele me curou! Ele viu sua serva fiel, e lhe fez este benefício. Seja dado louvor ao Salvador e Rei de Israel! Hosana ao Filho de Davi!”
As pessoas respondem com seus hosanas aos hosanas da mulher, que agora está de joelhos aos pés de Jesus, e lhe beija a fímbria da veste, enquanto Ele diz: “Vai em paz, e persevera na Fé.”
O sinagogo, ao qual devem ainda estar queimando as palavras ditas por Jesus antes da parábola, quer lançar seu veneno em forma de censura, e grita indignado, enquanto a multidão se abre para deixar passar a mulher que foi curada: “Tendes seis dias para trabalhar, seis dias para pedir e para dar. Vinde naqueles dias para curar-vos, sem ficardes violando o sábado, ó pecadores e descrentes, corruptos e corruptores da Lei!” E ele procura expulsar para fora da sinagoga a todos, como para afastar a profanação do lugar de oração.
Mas Jesus, que o vê sendo ajudado pelos quatro maiorais de antes e por outros espalhados pelo meio da multidão, os quais dão sinais mais claros de que estão escandalizados... pelo delito de Jesus, agora é Ele, Jesus, quem grita por sua vez, enquanto, com os braços cruzados sobre o peito, com severidade e impotência, olha para ele:
“Hipócritas! Quem é de vós que neste dia não vai soltar o boi ou o asno da manjedoura, e não vai levá-los a beber? E quem não foi levar os feixes de ervas para as ovelhas do rebanho e tirar o leite das maminhas cheias? E, não devia Eu soltar esta mulher de suas correntes, depois de Satanás tê-la tido pressa durante dezoito anos, só porque hoje é sábado?
Ide. Eu pude soltar esta mulher de uma desventura que ela não procurou. Mas não poderei nunca soltar-vos das vossas desventuras, que são voluntariamente procuradas, ó inimigos da Sabedoria e da Verdade!”
As pessoas boas, entre as muitas não boas de Corozaim, aprovam e louvam, enquanto a outra parte, lívida pelo ódio, vai-se embora, deixando no ar o indignado sinagogo.
Também Jesus o deixa no ar, e sai da sinagoga rodeado pelos bons, que o continuam a circundar, até Ele chegar á campina, onde os abençoa pela última vez, tomando depois a estrada mestra, junto com os seus primos, Pedro e Tomé.

(De Jesus à Valtorta, Vol 5, pgs.268, 269 270 – O Evangelho como me foi Revelado)

terça-feira, 27 de outubro de 2015

ESTADO LAICO OU ESTADO PAGÃO?


Fala-se hoje falsamente em nome da laicidade


Cristo ensinou “dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, isto é, o Estado e a Igreja têm atividades diferentes e devem atuar conjuntamente para o bem do povo. O Estado é laico, quer dizer, não professa uma religião específica, mas deve incentivar o valor religioso, que faz parte da grandeza e da dignidade do homem.
Laicidade, corretamente entendida, significa que o Estado deve proteger amplamente a liberdade religiosa tanto em sua dimensão pessoal como social, e não impor, por meio de leis e decretos, nenhuma verdade especificamente religiosa ou filosófica, mas elaborar as leis com base nas verdades morais naturais. O fundamento do direito à liberdade religiosa se encontra na própria dignidade da pessoa humana.
Infelizmente, mesmo em países de profundas raízes cristãs, como a Espanha, este laicismo radical e anticristão é notado com clareza. Um Estado que tenta impedir a vivência religiosa do povo, especialmente o Cristianismo, com uma ação hostil ao fenômeno religioso e a tentativa de encerrá-lo unicamente na esfera privada.
Tenta-se, assim, eliminar os símbolos religiosos mais tradicionais do povo, como que lhe arrancando as raízes. Ora, retirar, por exemplo, o crucifixo de nossos locais públicos, equivale a eliminar a nossa tradição cristã ocidental. Esse sinal sagrado é para nós o que há de mais importante, significa o respeito ao ser humano, a defesa da justiça, da honra, da caridade, da bondade, da pureza, da verdade, do amor. Quem pode ser contra isso? Que filosofia pode ir contra isso?
Como disse um dos personagens de Dostoiévski, em “Irmãos Karamazóvi”: “Se Deus não existe, tudo é permitido”. Se Deus não existe, então, eu sou deus; essa é a mentalidade laicista que se pretende impor mesmo aos cristãos, baseados numa falsa concepção de que Deus não existe e de que não se pode provar a existência d’Ele.
O Vaticano já chamou de “cristianofobia” a aversão ao Cristianismo, tanto no Ocidente quanto no Oriente. Esta expressão foi introduzida pela primeira vez no ano 2003 em uma resolução do Terceiro Comitê da 58ª Assembléia Geral da ONU, e que compreende os atos de violência e perseguição, intolerância e discriminação contra os cristãos, ou uma educação errônea ou a desinformação sobre essa religião [Cristianismo]. Por isso, hoje, em muitos países, os cristãos são vítimas de preconceitos, estereótipos e intolerâncias.
É uma ideologia racionalista e estimulada por poderosas instituições internacionais, como se pode constatar em uma breve consulta na internet. Algumas “fundações” no exterior destinam muitos recursos para esse fim.
Enfim, o laicismo que hoje vemos é o do Estado que caminha para se tornar um Estado com religião oficial e não um Estado laico: um Estado totalitário ateu, que quer eliminar Deus e a religião e que investe fortemente contra a liberdade religiosa. Um Estado cujo deus é o individualismo, o hedonismo, o prazer material e a “liberdade” para aprovar tudo que desejar, sem restrições morais.
No bojo do laicismo encontramos o que o nosso Papa Bento XVI tem chamado de “ditadura do relativismo”, que surge como uma consequência da “ditadura do racionalismo” ateu e materialista, e que elimina a verdade. Ora, a eliminação da verdade coloca o homem nas mãos do mais forte, do útil, da imoralidade.
Fala-se hoje falsamente em nome da laicidade, mas se pratica o laicismo para bloquear a vida e a atividade, especialmente da Igreja Católica, em sua realidade profunda e positiva.


Fonte: cleofas.com.br




MOMENTOS ANTES DA ENTRADA TRIUNFAL NA CIDADE SANTA


MOMENTOS ANTES DA ENTRADA TRIUNFAL NA CIDADE SANTA

30 de março de 1947.

Jesus passa um braço por sobre os ombros de sua Mãe, que se levantou, quando João e Tiago de Alfeu a alcançaram, para dizer-lhe: “O teu Filho vem vindo”, e depois voltaram para trás, para se reunirem com os companheiros, que vão andando lentamente, conversando, enquanto Tomé e o André foram correndo a Betfagé, a fim de procurar a jumenta com o jumentinho e levá-los a Jesus.
Enquanto isso, Jesus fica falando com as mulheres. “Eis-nos aqui perto da cidade. Eu vos aconselho que vades com segurança. Entrai antes de Mim na cidade. Perto de Em Rogel estão todos os pastores e os discípulos de mais confiança. Eles receberam a ordem para servir-vos de escolta e dar-vos proteção.”
“É que... Nós já falamos com Azer de Nazaré e com Abel de Belém, e também com Salomão. Eles tinham, vindo até aqui para verem a tua chegada. A multidão prepara uma grande festa. E nós queríamos ver. Estás vendo como se estão sacudindo as copas das oliveiras? Não é o vento que as está agitando desse modo. Mas é o povo que está apanhando ramos para espalhá-los pelo caminho e cobrir-te dos raios do sol. E aquilo lá? Olha como estão despojando as palmeiras de seus leques. Parecem ser uns cachos pendurados, mas são homens que subiram pelos fustes das palmeiras, e estão colhendo o mais que podem. E nos declives os meninos estão curvados colhendo flores. E as mulheres certamente estão nos hortos e jardins, apanhando corolas e ervas cheirosas, para encherem de flores o caminho. Nós queríamos ver... e imitar o gesto de Maria de Lázaro, que recolheu todas as flores pisadas por teus pés, quando entraste no jardim de Lázaro”, diz afetuosamente por todas, Maria de Céofas.
Jesus acaricia sobre a face a sua velha parenta, que mais parece uma menina cheia de vontade de ver o espetáculo, e lhe diz: “No meio da grande multidão, não veríeis nada. Ide na frente. Ide à casa de Lázaro, aquela que está sob a guarda de Matias. Eu passarei por lá, e vós me vereis, lá do alto.”
“Meu Filho... e Tu vais sozinho? Não posso estar perto de Ti?”, diz Maria, levantando o seu rosto cheio de tristeza, e fitando seus olhos azuis como o céu, sobre seu doce Filho.
“Eu quereria pedir-te que fiques escondida. Como a pomba na fenda do rochedo. Mais do que da tua presença, o de que eu preciso de ti é da tua oração, minha Mãe querida”.
“Se assim é, meu Filho, nós rezaremos, todas nós, por Ti.”
“Sim. Depois de tê-lo visto passar, ireis conosco para o meu palácio, em Sião. E eu mandarei alguns servos ao Templo, e que irão sempre atrás do Mestre, a fim de que eles nos tragam as ordens dele e suas notícias”, assim decide Maria de Lázaro, sempre alerta para compreender o que é melhor fazer-se, e para fazê-lo sem demora.
“Tens razão, minha irmã. Ainda que eu sofra por não poder acompanhá-lo, compreendo que a ordem é justa. E, afinal, Lázaro nos disse que não contradigamos ao Mestre em nada. E que lhe obedeçamos até nas menores coisas. E assim faremos.”
“Então, ide. Estais vendo? As ruas vão ficando movimentadas. O povo já está quase alcançando os apóstolos. Ide. A paz esteja convosco. Eu vos farei vir nas horas que Eu julgar oportuno. Minha Mãe, adeus. Fica em paz. Deus está conosco.” E a beija, e se despede dela. E as obedientes discípulas lá se vão com cuidado.
Os dez apóstolos alcançam Jesus. “Tu as mandastes para frente?”
“Sim. De alguma casa poderão ver a minha entrada.”
“De qual casa?”, pergunta Judas de Keriot.
“Ora” São... tantas já as casas amigas”, diz Filipe.
“Por que não vão para a da Anália”, insiste Iscariotes.
Jesus responde negativamente, e vai-se encaminhando para Betfagé, que fica pouco longe. Ele já vai chegando perto, quando vêm voltando para trás os dois que foram mandados buscar a jumenta e o jumentinho. E eles gritam: “Achamos tudo o que disseste, e te trouxemos os animais. Mas o dono deles quis escová-los e adorná-los com os melhores arreios, a fim de prestar-te uma honra. E os discípulos, unidos aos que passaram a noite nas estradas de Betânia, a fim de te prestarem honras e querem ter a honra de conduzi-los a Ti, e nós consentimos. Pareceu-nos que o amor deles merecia um prêmio.”
“Fizeste bem. Então, vamos para a frente.”
“São muitos os discípulos?”, pergunta Bartolomeu.
“Oh! São uma multidão. Não se consegue nem entrar pelas ruas de Betfagé. Por isso, Eu disse a Isaque que leve o jumento, passando por Cleonte, queijeiro”, responde Tomé.
“Fizeste bem. Vamos até o cume da colina. E lá esperamos um pouco, à sombra daquelas árvores.” Eles vão para o lugar que Jesus lhes está mostrando.
“Mas assim nos afastamos do caminho. Tu estás à altura de Betfagé, deixando-a para trás!”, exclama Iscariotes.
“E, assim Eu quero fazer, quem é que me pode proibir? Será que Eu já sou um prisioneiro, não me sendo permitido ir para onde quero? E haverá pressa para que Eu o seja, e se teme que Eu possa escapar da captura? E, se Eu julgasse justo afastar-me por lugares mais seguros, haverá quem mo possa impedir?” Jesus dardeja com os seus olhos sobre o traidor, que não abre a boca, e dá de ombros, como se dissesse: “Faze o que te parecer.”
De fato, eles passam por detrás da pequena cidade, eu diria por um subúrbio da cidadezinha, porque do lado oeste estão pouco longe dela, fazendo já parte das encostas do Monte das Oliveiras, que coroa Jerusalém do lado oriental. Lá embaixo, entre os declives e a cidade, as águas do Cedron brilham ao sol de abril. Jesus se assenta no meio daquele silêncio verde, e se concentra em seus pensamentos. Depois ele se levanta, e vai até a borda do outeiro.


(logo em seguida Jesus chora sobre Jerusalém- ver artigo anterior.)

(De Jesus a Valtorta - O Evangelho como me foi Revelado.)

sábado, 24 de outubro de 2015

NÃO COMPACTUEM COM AS MENTIRAS QUE DIRÃO SOBRE MIM

                                         O SACRIFÍCIO DE UM DEUS ESTÁ EM JOGO


Eles vão dizer que Eu era casado. Eles vão dizer que Eu era simplesmente um Profeta

Quinta-Feira, 20 de Setembro de 2012, 15:16 h
.
Minha querida e amada filha, o tempo de serem espalhadas mentiras sobre Mim, por todo o mundo, já começou. Como Eu te disse antes, eles vão inventar mentiras e criar falsidades sobre Mim, Jesus Cristo, para que possam negar a Minha Divindade. A Minha Divindade é Todo Poderoso. Eu Vim em carne e humilhei-Me de uma forma que as pessoas não esperavam. Eu não Vim vestido como um rei. Eu não gritei nem Me vangloriei como um rei, para que os outros caíssem aos Meus Pés. Eu não ordenei aos outros para esperarem por Mim. Em vez disso, Eu Vim para servir. Eu vim para implorar a vossa salvação. Para fazer isso, Eu Próprio tive que Me humilhar, tornando-Me um homem, um homem pobre, de origem humilde. Embora Eu viesse como um homem, isso não significa que a Minha Divindade ficasse comprometida de alguma forma. Eu nasci sem pecado. Para Mim, o pecado era impossível. Eu poderia ter tido os mesmos desejos da carne que o homem, mas Eu nunca cometi pecado, pois isso não poderia ser. Eu era puro de corpo, mente e espírito. Eu era como um homem, de muitas maneiras. Mas Eu Ressuscitei dos mortos. As mentiras que vão surgir, as quais negarão a Verdade da Minha Existência, através de uma série de inverdades, vão começar a inundar a Terra. Eles vão dizer que o Meu Corpo ainda pode ser encontrado. Eles vão dizer que Eu era casado. Eles vão dizer que Eu era simplesmente um profeta. Eles tentarão então provar, mais uma vez, que Eu era um herege. Que Eu blasfemei contra Deus. Eles vão ridicularizar as Minhas Palavras, tal como elas estão a ser dadas agora ao mundo, e depois negam-Me. Eles fazem isso por duas razões. A primeira é para contaminar a Minha Divindade e apresentar-Me como um mero homem. A segunda é para criar dúvidas quanto ao Meu papel como Messias. Como eles insultam o Meu Nome. Como eles confundem os Meus seguidores. Não deis ouvidos a mentiras. Não escuteis, quando eles tentam convencer-vos de que Deus não Criou o Universo. Pois, todas estas distrações são projetadas para enfraquecer a vossa fé e roubar as vossas almas. Bloqueai os vossos ouvidos para tal perversidade. Fechai os olhos para as inverdades, pois todos os esforços serão feitos para vos convencer de que Eu não era o Messias, o Salvador e Redentor da humanidade. Como eles são cegos. Como eles aprenderam pouco.


O vosso Jesus.


Daniel 10,21
Mas eu te anunciarei presentemente o que está expresso na escritura da verdade: e em todas estas coisas ninguém me ajuda, senão Miguel, que é o vosso príncipe.

O LIVRO DA VERDADE é a continuação da Bíblia. Fonte: www.elgranavisomensajes.com




NÃO ESQUEÇAM O QUE EU ENSINEI


Um grande choque de valores cristãos tornar-se-á evidente

Quarta-Feira, 5 de Setembro de 2012, 14:30 h.

Minha querida e amada filha, nação após nação, estais agora a atravessar uma transição. Nenhuma nação pode deixar de compreender que muita mudança está no ar. Não só as leis que governam os vossos países começam a mudar, mas a fé, que tiveram uma vez parece ter-se evaporado. Menos padres, menos servidores da Minha Igreja Cristã estão a vir para a frente, para defender as Leis de Deus. Nem dizem em voz alta a sua fidelidade a Mim. Em vez disso, as suas vozes são apenas sussurros no meio do ruído das vozes, na retórica da promoção do amor por vós mesmos. A Palavra de Deus está a ser devorada pelas vozes dos ateus, que disfarçam as suas vozes por detrás da capa das leis governamentais, que estão a ser alteradas em nome da assim chamada tolerância, justiça, para o bem de todos. As mentiras que vos estão a ser apresentadas destinam-se a destruir não somente a Palavra de Meu Pai, mas o Cristianismo, em todo o mundo. A apostasia espalhou-se como fogo e quase atingiu o ponto de ruptura. Este é o tempo para a Intervenção de Deus. Basta de mentiras. O rei das mentiras engana os filhos de Deus em todos os lugares. Não sigais os vossos governantes que proclamam a Palavra de Deus, como sendo uma mentira. Não aceiteis as novas leis que toleram o pecado mortal. Lutai, todos vós. Levantai-vos pelo que é justo. Não permitais que as leis, promovidas pelo rei das mentiras, vos empurrem e às vossas famílias para um poço sem fundo. Se vós permitirdes as leis que proíbem a prática da vossa fé, vós sofrereis. As vossas almas não terão alimento e vós ficareis distantes de Mim. Se vós aceitardes o assassinato e o aborto, e não vos levantardes contra esses males, então o vosso país será punido pela Mão de Deus. Enquanto a apostasia continuar a espalhar-se por toda a parte, a conversão irá por outro lado aumentar, e assim os dois colidirão de frente. Um grande choque tornar-se-á evidente e o homem afastar-se-á do homem. Irmão contra irmão. Vizinho contra vizinho. Haverá dois campos. Aqueles que amam a Deus, e aqueles que não o fazem. Eu darei a cada alma a oportunidade de decidir de que campo querem fazer parte, na esperança de que Me escolham a Mim, o vosso amado Salvador. Vós, Meus discípulos, através das vossas orações, especialmente a recitação da Ladainha da Graça de Imunidade, podeis trazer mais almas para Mim. Então, Eu arrebatarei os bons para o Meu seio, como está profetizado e, num piscar de olhos, eles serão levados para a segurança.
 A Minha promessa é salvar a humanidade. Mas a escolha final virá de baixo, por cada alma, através de sua própria vontade.

O vosso Jesus.

Daniel 10,21
Mas eu te anunciarei presentemente o que está expresso na escritura da verdade: e em todas estas coisas ninguém me ajuda, senão Miguel, que é o vosso príncipe.

O LIVRO DA VERDADE é a continuação da Bíblia. Fonte: www.elgranavisomensajes.com




HÁ COMPATIBILIDADE ENTRE CRISTIANISMO E ESPIRITISMO?

  VOCÊ VAI ACREDITAR NO QUE ALGUNS SIMPLES HOMENS DISSERAM, OU NO QUE DEUS DISSE?



Há compatibilidade entre cristianismo e espiritismo?


CATÓLICOS PODEM frequentar o espiritismo? À primeira vista pode parecer uma questão elementar, principalmente para os fiéis católicos bem formados, todavia essa pergunta volta a baila de tempos em tempos. De fato, nos centros espíritas é dito que sim, que não há problema ser católico e frequentar o espiritismo. Mas o que a Igreja tem a dizer sobre isso?



Vou sempre no centro espirita e sou muito bem tratada, sou católica mas eles dizem que não importa a religião da pessoa. (...) Não troco a minha religião por nada, mas não vejo problema ir no centro espírita. Qual o problema nisso?"

Antes de responder, caríssima Lila, faríamos nós uma pergunta: você foi informada, por lá, que para eles não há problema em "frequentar" as duas religiões. Mas você já se interessou em saber o que a Igreja acha? Já que você afirma que não troca de religião, não seria mais coerente, em primeiro lugar, saber o que a sua religião ensina?

Bem, para entender a situação, em primeiro lugar, é preciso saber o que é espiritismo e o que é ser espírita. Como os espíritas se definem? Os cursos e livros da Federação Espírita Brasileira são claros: espírita é aquele que aceita e observa as revelações que vem dos espíritos. Este é o cerne de toda a doutrina espírita: a orientação dos espíritos, que seriam as informações transmitidas pelas almas de pessoas já falecidas aos chamados "médiuns".

Vemos, então, que toda a doutrina espírita está baseada e fundamentada nas informações e orientações que nos chegam a partir de “entidades" ou espíritos "desencarnados”. São estes que orientam, que revelam os ensinamentos e tudo aquilo que se entende como verdadeiro e recomendável.

Deste ponto de partida muito fundamental já é possível perceber que se trata de um sistema de crenças completamente diferente do cristianismo. As bases da nossa fé não nos foram transmitidas por “espíritos”, no plural: não são “entidades” nem pessoas que já morreram, mas sim o Espírito Santo, isto é, Deus mesmo Quem revela a doutrina e guia a sua Igreja. Cremos que Jesus Cristo instituiu a sua Igreja sobre a Terra. Nós, cristãos, cremos na Revelação de Deus. Os espíritas creem nas revelações supostamente transmitidas por espíritos de pessoas falecidas.

Nós, cristãos católicos, cremos que Deus inspirou os autores da Bíblia Sagrada para a nossa instrução e meditação. Os espíritas vêem a Bíblia como uma obra que possui valor apenas moral, por sinal bastante relativo e maleável, não sagrado e imutável. Allan Kardec (aliás Hippolyte Léon Denizard Rivail, nome de batismo que estava desacreditado nos meios acadêmicos quando ele adotou o pseudônimo)  escreveu seu “'evangelho' segundo o espiritismo” escolhendo cuidadosamente alguns trechos da Bíblia que lhe pareciam concordar com o que ele próprio ensinava, e descartando todas as partes que claramente o contrariavam.

O que provoca confusão é que muitos espíritas (inclusive autores de muitas publicações) costumam se declarar “cristãos”; falam muito em Jesus e até em Maria, citam nomes de santos católicos e chegam a usar orações da Igreja em seus cultos. Mas de que "Jesus" eles estariam falando, se afinal não creem que Jesus é o Cristo, isto é, nosso Senhor, Salvador e Deus?

Para os espíritas, Jesus é apenas um “espírito evoluído”, uma espécie de “entidade” iluminada que pode indicar o caminho para a nossa "evolução espiritual". Nada mais. Nós, católicos, cremos que Deus se fez homem e habitou entre nós: este é Jesus, o Verbo ou Palavra de Deus, a Revelação de Deus Pai, o Alfa e o Ômega, Princípio e Fim de todas as coisas.

Para o fiel católico Jesus não é “guia”, nem “espírito de luz” ou “entidade” e nem qualquer coisa deste gênero. Jesus é Deus conosco todos os dias. Por Ele tudo se fez, e “é nEle que vivemos, nos movemos, e existimos” (At 17,28).

Como poderíamos nós, cristãos, participar em uma instituição que contraria justamente o princípio mais fundamental da nossa fé? Uma religião ou filosofia que não aceita o Sacrifício d'Aquele que tantas dores e angústias sofreu, até se entregar a mais horrenda das mortes pela nossa salvação? É honesto se declarar "católico" e frequentar, ao mesmo tempo, centros espíritas? Claro e evidente que não!

Além de tudo, cremos que a Igreja é a Presença de Cristo na História. Ela é o Corpo do Senhor, – sendo Jesus mesmo a Cabeça, e a Igreja seu Corpo Vivo neste mundo (Ef 5,23-30). – Para estarmos em Comunhão plena com Deus, precisamos ser membros desta Igreja. O cristianismo, portanto, não é apenas uma “doutrina”: é muito mais do que isso! 

Na Encíclica Deus Caritas Est, o Papa Bento XVI ensina, com muita propriedade e autoridade, que o cristianismo "é um acontecimento”. É Deus que irrompe na História, e nos encontramos com Ele por meio do próprio Cristo Salvador. Tudo isso é negado pelo espiritismo.

Outra diferença profunda é a crença na reencarnação. O espiritismo adotou muitos princípios do paganismo, entre os quais este; para eles, os seres humanos vão “reencarnando” muitas vezes, e assim, por seus próprios esforços e méritos, vão se aperfeiçoando e merecendo a realização espiritual. Nós, cristãos, reconhecemos que, por nossos próprios esforços, não conseguimos chegar a Deus, mas é Deus Quem nos dá a Salvação.

A Bíblia ensina que já há milhares de anos os homens vêm tentando alcançar o céu por seus próprios esforços. É este o grande ensinamento da história da Torre de Babel (Gn 11): os seres humanos tentaram construir uma torre alta o bastante para chegar ao céu: nessa metáfora, a torre é a capacidade humana para crescer, se aprimorar, conquistar a glória e a eternidade. O “céu” representa a Salvação, a vida eterna no mundo dos deuses, conforme os pagãos que construíam a torre acreditavam naquela época, achando que o Paraíso era um lugar acima das nuvens. Deus então confunde as línguas, mostrando aos seres humanos que são incapazes, por suas próprias forças, de alcançar o Paraíso.

Esses antigos pagãos achavam que poderiam subir por eles mesmos, metro a metro, até chegar a Deus. É exatamente isso o que a doutrina da reencarnação ensina. Vamos reencarnando, aprendendo, "evoluindo", e assim chegamos a Deus. Mas como poderíamos "evoluir", se na vida presente nos esquecemos de tudo o que vivemos e aprendemos na encarnação passada? E a pergunta que jamais poderá ser respondida: para que então Jesus teria se entregado ao martírio, se todos nós já seríamos salvos de qualquer jeito, reencarnando milhares de vezes?

Não. Nós não podemos chegar a Deus por nós mesmos. Por isso Deus mesmo veio até nós, na Pessoa de Jesus Cristo, e nos deixou a Sua Igreja, a Sua Palavra e os Seus Sacramentos. – Todos estes são negados pelo espiritismo.

Vemos então que espiritismo e cristianismo são propostas religiosas/filosóficas completamente diferentes. Tudo o que os espíritas pensam e ensinam é o avesso daquilo que nós, católicos, cremos. Por que não podemos ser católicos e espíritas ao mesmo tempo? Simples: porque somos cristãos, e o espiritismo descarta todas as bases sobre as quais o cristianismo se fundamenta: a Divindade do Cristo, a Eucaristia e todos os outros Sacramentos, a intercessão dos santos, a existência dos anjos, a Imaculada Concepção e, principalmente, a salvação pela Graça: salvação que obtemos por Amor, sem depender de uma infinita sucessão de reencarnações.

Que Nosso Senhor ilumine para a fidelidade à Santa Igreja o entendimento de todos aqueles que erram entre seitas espíritas!



E eu completo este assunto colocando a palavra de Jesus e de Nossa Senhora em suas revelações:

Jesus diz:  “ O mundo, e por mundo entendo não só os leigos, nega o sobrenatural, mas diante das manifestações de Deus, está pronto para introduzir no assunto não o que é sobrenatural, mas o que está oculto. Confundem uma coisa com a outra. Agora ouvi:  Sobrenatural é o que é de Deus, oculto é o que vem de uma fonte extraterrena, mas que não tem sua raiz em Deus.”   (de Jesus a Valtorta, vol. 8, pag. 31.)

“Guardai-vos dos falsos profetas e dos ensinadores do erro. Eles vêm a vós com veste de cordeiro, mas são uns lobos ferozes. Vêm vestidos de santidade, mas são uns zombadores de Deus, pois dizem que amam a verdade, mas se nutrem com a mentira. Observai-os bem, antes de acompanhá-los. ( O Evangelho como me foi Revelado-Maria Valtorta-Vol .3,pag.92.)

O Apóstolo João em sua 1ª epístola nos explica a diferença dos bons e maus espíritos dizendo: “Todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne, é de Deus, e todo espírito que divide Jesus, não é de Deus, mas este tal é o Anticristo, do qual vós tendes ouvido que vem, e ele agora está já no mundo.”

“ Milha filha, repita o que digo. Um erro que tem entristecido o Meu Coração e o do Meu Filho. Você tem apenas um corpo, no momento da concepção o espírito da vida é colocado pelo Criador, Nosso Pai, no corpo carregado no ventre da mulher, no momento da criação. O espírito quando o corpo morre, volta para o Pai. Ele não entra em nenhum outro corpo.” (Nossa Senhora a Verônica Leuken)

“ Minhas crianças, lembrem-se e alertem também seus irmãos e as suas irmãs de que o grande erro entre todos os erros é o equívoco que os cientistas fazem da reencarnação. Não minhas crianças não há reencarnação para a humanidade! Quando o ser humano morre e é levado através do véu, o seu espírito a parte vivente dele, a parte vivente e eterna receberá justa recompensa, sendo julgado apenas pelo Pai eterno no julgamento final.” ( Nossa Senhora a Verônica Leuken, 28 de setembro de 1974.)

“  O espírito não transmigra, a não ser do Criador para o ser e do ser para o Criador, ao qual ele se apresenta depois da vida, para receber julgamento de vida ou de morte. ESTA É A VERDADE. E para onde for mandado, lá fica para sempre.”( De Jesus para Maria Valtorta - O Evangelho como me foi revelado, 6 de setembro de 1945.)

Não tenhas a curiosidade de conhecer as coisas ultra terrenas, por temor de que não se apegue a ti o satânico veneno. Foge das coisas ocultas e das coisas que não se explicam. Só uma coisa há de ser acolhida com santa fé, Deus. Mas o que não é de Deus, e não é explicável com as forças da razão, ou não pode ser feito com as forças do homem, foge daquilo, foge, para que não se abram para ti as fontes da malícia, e tu não consigas compreender que estás nu, Nu: repelente na humanidade misturada com satanismo. Por que queres pasmar-te com prodígios obscuros? Pasma com a tua santidade, e que ela seja luminosa, como as coisas que vêm de Deus. Não tenhas desejo de rasgar os véus que separam os vivos dos mortos. Não inquietes os defuntos. Escuta-os se são sábios enquanto estiverem sobre a terra, e venera-os com a tua obediência, até depois de sua morte. Mas não perturbes sua segunda vida. Quem não obedece a voz do Senhor perde o Senhor. E o Senhor proibiu o ocultismo, a necromancia, o satanismo em todas as suas formas.” ( de Jesus a Valtorta.Vol.3.)


A paz de Jesus.