sábado, 30 de maio de 2015

UFOLOGIA OBRA DE SATANÁS.


                                                           UFOLOGIA.


Fiquem tranquilos, jamais acharão um parafuso de alguma nave extraterrestre, ou qualquer prova material da existência de seres de outros planetas, simplesmente porque eles não existem. Se existissem  Deus nos avisaria. Imaginem seres de outro mundo, interferindo nos planos de Deus aqui na Terra, seria uma contradição de princípios, sim, porque Deus não criou somente a Terra e os seres humanos, criou todo o sistema solar e o Universo, sendo assim, se tivesse criado mais algum ser inteligente em outro planeta, é obvio que Ele nos avisaria mencionando tais seres nos Evangelhos. Porém não há menção alguma nas Sagradas Escrituras.
Os defensores deste conto de fadas, são na verdade uma organização de pessoas mal intencionadas, se aproveitam da ignorância de muitos desavisados ou descrentes, para criar situações inusitadas com inúmeras falcatruas, para que acreditemos na existência de outros seres inteligentes.
As fraudes de vídeos e de testemunhos duvidosos de pessoas dizendo que tiveram uma experiência, onde foram levados por extraterrestres em suas naves, nos deixam estarrecidos, inconformados com a falta de vergonha na cara destas pessoas. Os demônios podem perfeitamente controlar a mente de um infeliz e, com ele fazer o que bem entender, inclusive fazê-lo dizer que teve uma experiência extraterrestre.  As pessoas que passaram por hipnose e disseram que estiveram em outros corpos, ou em outra vida, ou com marcianos, muitas são pessoas que estiveram possuídas por demônios, outras foram literalmente compradas para mentir. O caso da maioria delas é de exorcismo. Tudo o que sai da boca do homem para contrariar ou negar Deus, parte de Satanás. Para que tenham uma idéia de que a maldade não está no homem em si, e sim no mal que habita o homem, vejam alguns exemplos: Sidarta Gautama, Herodes, Judas Iscariodes, os Fariseus: Caifás e Anás, Nero, Maomé, Napoleão Bonaparte, Hitler, Josef Stalin, Karl Marx, Charles Darwin, Alan Kardec, Jimmy Page, Alister Crowley, Chico Xavier, Bin Laden, todas estas pessoas consentiram de livre e espontânea vontade serem habitadas por Demônios, e foram possuídas por eles, e estando possuídas disseram o que o possuidor quis. Sendo o possuidor inimigo de Deus, é claro que iria contrariar Deus e sua doutrina, dizendo que existe extraterrestre, reencarnação, evolucionismo, defendem o comunismo, etc. Alguns destes foram grandes sedutores da humanidade, com suas idéias ou filosofias, tanto que tais idéias permanecem até hoje enganando muitos fracos na fé, outros por pura ignorância.
 Lembremos o que diz nosso querido Apóstolo Paulo em sua Epístola aos Efésios, 11,12: “ Revesti-vos da armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as ciladas do diabo. Porque nós não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados e potestades, contra os governantes destas trevas do mundo, contra os espíritos de malícia espalhados por esses ares.”  
Os Ufólogos tentam de todas as formas dar credibilidade a estas falsas provas, apenas para garantir seu salário no final do mês, não tem, nunca tiveram e jamais terão alguma prova autêntica da existência de seres inteligentes de outros planetas, fazem uma busca do que não existe. Como podem encontrar o que não existe? Profissão inútil. Não tem sentido nenhum de existir.
A propagação da existência de outros seres inteligentes, pressupõe a existência de outro Deus, ou de outros Deuses, levando os menos avisados a acreditar, e também o crente, a ficar imaginando coisas que se cultivadas podem levá-lo ao erro.
 Na outra vida existem os Anjos, que são seres espirituais inteligentes criados por Deus, e no mundo material, os homens, e nada mais.
Deus é um só, e tudo criou. Assim quis e assim fez.

 “Nesta batalha final, haverá muitos agentes do inferno soltos sobre a terra. Eles estão viajando por meio de transporte conhecido como OVNIs (objetos voadores não identificados). Não se iludam com a falsa teoria da vida além dos céus, exceto o Reino de Deus. Saibam que é Satanás quem exibe estes veículos diante de vocês. Estes são para confundir e enganar vocês. Estes objetos voadores que cruzam a terra são originários do inferno. Eles são apenas os falsos milagres dos seus tempos. Identifiquem-nos, Minhas crianças; estes não são produtos da imaginação do homem. Eles estão presentes na sua atmosfera, e eles se tornarão cada vez mais numerosos à medida que a luta se acirra pelas almas.” (24 de dezembro de 1973- Nossa Senhora á Verônica Lueken) 

 “Os OVNIs de que vocês se espantam são parte do plano de Satanás. Eles são imagens falsas para provocar falatórios de que há vida em outros planetas. Não há vida, pois Eu só criei vida sobre a terra.” (10 de fevereiro de 1978- Jesus á Verônica Lueken) 

 “Eles estão exibindo agora os prodígios e as “maravilhas” para enganar a humanidade. Vocês chamam a um destes fenômenos de OVNIs. Estes são manifestações sobrenaturais do inferno. Eles são criados nas mentes de alguns pelos demônios, que, por causa do grande poder sobre a terra, são capazes de controlar agora os elementos, a natureza.” (1 de fevereiro de 1978- Nossa Senhora á Verônica Lueken) 

“Estas teorias da vida extraterrestre, estas teorias têm sido desenvolvidas por Lúcifer, mesmo os falsos milagres dos fins dos tempos que vocês conhecem como OVNIs. Estes são para enganar e confundir o populacho. Eu repito, eles são de origem sobrenatural. Não existe vida além da terra, somente a vida dada pelo Pai Eterno como dom à humanidade, vida eterna após a morte do corpo no Reino do Céu.” (18 de junho de 1979-Jesus á Verônica Lueken)


A paz de Jesus.
Antonio Carlos Calciolari.

NÃO TER MEDO DE IR COM DEUS.




                                                  NÃO TER MEDO DE IR COM DEUS.

Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

“Eu prefiro o Deus que salva ao Deus que Mata...”
“Tens razão. Maria, não lhe contaste ainda nada de seu Nascimento?, Diz Tiago, apontando o Senhor que escuta e cala.
Não, ainda. Quero que ela conheça bem o passado, antes do presente. Para bem compreender este presente, que tem sua razão de ser no passado. Quando o conhecer, verá que o Deus que lhe faz medo, o Deus do Sinai, não é mais do que um Deus de amor severo, mas sempre de amor.
Oh! Mãe! Dize-o agora a mim. Pelo contrário, eu até ficarei menos cansada para compreender o passado, quando ficar conhecendo o presente que, pelo que dele conheço, já é tão belo, e nos faz amar a Deus sem medo. Eu preciso não ter medo. Diz Àurea.
A menina tem razão. Lembrai-vos sempre todos vós, desta verdade, quando fordes evangelizar. As almas têm necessidade de não ter medo para irem a Deus com toda a confiança. E o que Eu me esforço para fazer vale tanto mais, quanto é verdade que, ou por ignorância, ou por culpas, estão sujeitas a ter muito medo de Deus. Mas Deus, até mesmo o Deus que feriu os Egípcios, e que te faz medo, Àurea, é sempre bom. Vê bem: quando Ele matou os filhos dos Egípcios cruéis, usou de piedade para com os filhos que, não tendo crescido, não se tornaram pecadores como os seus pais. E deu tempo aos pais deles para se arrependerem do mal que fizeram. Portanto, foi uma severidade boa. É necessário saber distinguir a verdadeira bondade do que é frouxidade de educação. Também, quando Eu era pequenino, foram mortos muitos pequeninos, que estavam sobre os seios de suas mães. E o mundo gritou de horror. Mas, quando não houver mais tempo para cada um ou para a humanidade toda, um por um separadamente, todos vós havereis de compreender que felizes foram aqueles que, por terem sido exterminados em sua infância, gozaram da preservação do maior dos pecados: o de serem cúmplices na morte do Salvador.

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.

OS ESCOLHIDOS.



                            OS ESCOLHIDOS PARA O REINO QUE NÃO TEM FIM.

Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

“Senhor, são poucos os que se salvam?”
Se o homem soubesse levar a sua vida respeitando-se a si mesmo e com um amor reverencial para com Deus, todos os homens se salvariam como Deus o deseja. Mas o homem não quer proceder assim. E como um tolo, ele se deixa iludir pelo ouropel em vez de procurar o verdadeiro ouro. Sede generosos em querer o bem. Isto vos é difícil? Mas nisso é que está o merecimento. Esforçai-vos para entrardes pela porta estreita. A outra é bem larga e adornada, mas é sedução de Satanás para desencaminhar-vos. A do Céu é estreita, baixa, nua e escabrosa. Para passardes por ela precisais ser ágeis, rápidos, sem pompa e sem materialidade. É necessário que sejais espirituais para o poderdes fazer. Se não for assim, quando chegar a hora de vossa morte não conseguireis passar por ela. Na verdade, ver-se-ão muitos que irão tentar, sem poderem consegui-lo pelo tanto que eles estarão obesos por sua materialidade, ataviados com pompas humanas, enrijecidos por uma crosta de pecado, incapazes de se dobrarem por causa da soberba que faz deles uns esqueletos. E virá então, o Dono do Reino para fechar a porta e os que estão do lado de fora, os que não puderam entrar no tempo marcado,  continuarão do lado de fora e baterão á porta gritando: “Senhor abre para nós. Nós também estamos aqui!” Mas Ele dirá: “Em verdade, Eu não vos conheço, nem sei de onde estais vindo.” E eles dirão: “Mas como? Não te lembras de nós? Nós comemos e bebemos contigo e te ficamos escutando quando Tu ensinavas nas nossas praças.” Mas Ele responderá: “Em verdade, Eu não vos conheço. Quanto mais olho para vós, mais vós me ficais parecendo umas pessoas que se saciaram com aquilo que Eu havia declarado ser um alimento impuro. Em verdade, por mais que Eu vos perscrute mais vou descobrindo que vós não sois da minha família. Em verdade, eis agora estou vendo que vós sois filhos e súditos, mas do outro. Vós tendes por pai Satanás, por mãe a carne, por nutriz a soberba, por servo o ódio, por tesouro tereis vosso pecado e como pedras preciosas tereis vossos vícios. Sobre o vosso coração está escrito: “Egoísmo.” As vossas mãos estão sujas das rapinas que fizestes aos vossos irmãos. Fora daqui! Para longe de Mim, todos vós, fazedores de iniqüidades.” E então, enquanto das profundezas dos Céus virão fulgindo de glória Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas e justos do Reino de Deus, estes e todos aqueles que não cultivaram o amor mas o egoísmo, não o sacrifício mas a comodidade, serão expulsos para longe e confinados no lugar onde o pranto é eterno e onde só há terror. E os que tiverem ressuscitado para a glória, vindo do Oriente e do Ocidente, do Setentrião e do Meio-Dia, se reunirão todos junto á mesa da festa nupcial do Cordeiro, Rei do Reino de Deus. E se verá que muitos dos pobres e dos “mínimos” do exército da terra serão os primeiros na cidadania do Reino. E então se verá que nem todos os poderosos de Israel são poderosos no Céu e que nem todos os escolhidos pelo Cristo para terem a sorte de serem seus servos terão sabido merecer ser escolhidos para a festa nupcial. Igualmente se verá que muitos que eram considerados “ os primeiros” serão, não somente os últimos, mas nem últimos eles serão. Porque muitos são os chamados, mas poucos  os que terão sabido transformar a sua escolha em uma verdadeira glória.
(O Evangelho como me foi Revelado, Maria Valtorta, Vol 5 pg 474,475)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.


sexta-feira, 29 de maio de 2015

O QUE SIGNIFICA SABEDORIA?



        O QUE SIGNIFICA SABEDORIA E A PARÁBOLA DOS OPERÁRIOS DA VINHA.

Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

O tempo da Graça chegou para todos, não só para Israel, mas para todo o mundo. Homens hebreus, cada qual com motivos diferentes, os prosélitos, os fenícios, os pagãos, todos vós, ouvi a Palavra de Deus, compreendei a justiça, conhecei a caridade. Se tiverdes Sabedoria, justiça e caridade, tereis os meios de chegardes ao Reino de Deus, aquele Reino que não é exclusivamente para os filhos de Israel, mas é para todos aqueles que, de agora em diante amarem o Verdadeiro e único Deus, e crerem na palavra do seu Verbo.
Escutai, Eu vim de muito longe, não com planos de usurpador, nem com a violência do conquistador. Eu vim somente para ser o Salvador de vossas almas. O domínio, as riquezas, os cargos, não me seduzem. Tudo isso para mim é nada, e nem olho para isso. Ou melhor, Eu só olho para ter dó deles, pois fazem compadecer-me, pois são tantas outras correntes para conservarem prisioneiro o vosso espírito, impedindo-o de ir ao Senhor Eterno, único, Universal, Santo e Bendito. Eu olho para todos esses, e me aproximo deles, como quem tem que lidar com as maiores misérias. E procuro curá-los do seu fascinante e cruel engano, que seduz os filhos do homem, para que eles possam usar de suas coisas com justiça e santidade, não como umas armas cruéis, que ferem e matam o homem, e até em primeiro lugar, o espírito de quem não usa delas retamente.
Mas em verdade Eu vos digo, para Mim é mais fácil curar um corpo disforme do que uma alma deformada. Para Mim é mais fácil dar luz aos olhos apagados, saúde a um corpo moribundo, do que dar luz aos espíritos e saúde ás almas doentes. Por que assim? Porque o homem perdeu de vista o verdadeiro fim de sua vida, e se ocupa só com o que é transitório.
O homem não sabe, ou não se lembra, ou então lembra mas não quer obedecer a esta santa injunção de Senhor, e digo também para os pagãos que me estão ouvindo, de fazer o bem, que tanto é bem em Roma, como em Atenas, na Gália como na África, porque a lei moral existe debaixo de todos os céus e em todas as religiões, em todos os corações. E as religiões desde a de Deus até a da individual, nos dizem que a parte melhor de nós sobrevive, e que a segunda, como tiver vivido nesta vida terá marcada também qual será a sua sorte na outra.
Portanto o fim do homem é conquistar a paz na outra vida. Não certas coisas como a folgança, a usura, a prepotência, o prazer, que sendo por tão pouco tempo, são coisas que nem podem ser levadas em conta, em comparação com uma eternidade de tormentos bem duros. E apesar disso, o homem não quer saber desta verdade, não quer lembrar-se dela. Se ele não sabe dela é menos culpado. Se não se lembra dela é culpado até certo ponto, porque a luz da verdade deve ser mantida acesa, como um facho Santo, nas mentes e nos corações. Mas se dela não quer recordar-se e, quando ela brilha, se ele fecha os olhos para não vê-la, considerando-a desagradável como a voz de um reitor pedante, nesse caso a culpa dele é grave, muito grave.
E, no entanto Deus perdoa, se a alma renuncia á sua má ação e toma o propósito de procurar chegar por todo o resto de sua vida ao verdadeiro fim do homem, que é conquistar para si a paz eterna no Reino do Verdadeiro Deus. Tereis vindo até hoje por uma má estrada? Estais desanimados e pensando que já é tarde para retomar o bom caminho? Estais desconsolados e dizendo: “Eu não sabia nada disso”, e por isso sou agora um ignorante e não sei o que fazer? Não. Não fiqueis pensando que tudo acontece como as coisas materiais, e que seja preciso muito tempo e muita fadiga para fazer de novo o que já foi feito, mas agora com Santidade.
A bondade do Eterno e Verdadeiro Senhor Deus é tão grande que não exige de vós que volteis para trás e percorrais todo o caminho já feito, até chegardes aquela encruzilhada onde começastes a errar, deixando o caminho justo para irdes pelo injusto. Aquela bondade é tanta que no momento em que vós disserdes: “ Eu quero estar com a verdade”. Isto é: “ Eu quero ser de Deus, porque Deus é a verdade”, então Deus por um milagre todo espiritual, infunde em vós a Sabedoria, pela qual vós de ignorantes vos tornais possuidores da Ciência sobrenatural, de modo igual ao daqueles que já a possuem há anos.
Sabedoria é querer Deus, amar Deus, cultivar o espírito, inclinar-se para o Reino de Deus, renunciando a tudo que é carnal, ao que é mundo, ao que é de Satanás. Sabedoria é obedecer a Lei de Deus, que é uma lei de caridade, de obediência, de continência, de honestidade. Sabedoria é amar a Deus com todo o nosso ser e amar ao próximo como a nós mesmos. Estes são os dois indispensáveis elementos para sermos sábios com a Sabedoria de Deus. E no próximo estão não só os que são de nosso sangue, da nossa raça ou religião, mas estão todos os homens, ricos ou pobres, sábios ou ignorantes, hebreus, prosélitos, fenícios, gregos, romanos...
Sim isso é amor. Eu não sou um Mestre servil. Eu falo a verdade, porque assim devo fazer, a fim de semear em vós o que é necessário para terdes a vida eterna. Quer gosteis quer não, Eu vo-lo devo dizer, para cumprir com o meu dever de Redentor. Portanto amai ao próximo. Todo o próximo. Com um amor Santo. Não com um sujo concubinato de interesses, pelo qual se transforma em anátema o romano, o fenício ou o prosélito, ou vice-versa, enquanto que se o interesse não for a sensualidade ou o dinheiro, a cobiça da sensualidade ou da vantagem em dinheiro que surgirem entre vós, ai então não é mais anátema.
Ouve-se um outro rumorejar da multidão, e os romanos de seu posto de observação no átrio exclamam: “ Por Júpiter! Como fala bem este homem!”.
Jesus deixa que o rumor se acabe e continua: Amar ao próximo, como gostaríamos de ser amados. Porque nós não gostamos de ser maltratados, de passar por vexames, de ser roubados, oprimidos, caluniados, insultados. Até a susceptibilidade nacional ou individual que nós temos, os outros também a têm. Não façamos pois uns aos outros o mal, o mal que não gostaríamos que nos fosse feito.
Sabedoria é obedecer, é obedecer aos dez Mandamentos de Deus:
“ Eu sou o Senhor teu Deus. Não tenhas outro deus além de Mim. Não tenha ídolos, e não prestes culto.”
“ Não uses o Nome de Deus em vão. É o Nome do Senhor teu Deus, e Deus punirá a quem usa dele sem razão, ou para fazer imprecações, ou para garantia de algum ato pecaminoso.”
“ Lembra-te de santificares as festas, O sábado é consagrado ao Senhor, que nesse dia repousou da Criação e o abençoou e santificou.”
 “ Honra a teu pai e a tua mãe, afim de que vivas em paz por longos anos sobre a terra, e eternamente no Céu.
“ Não Matar.”
“ Não Cometer adultério.”
“Não roubar.”
 “ Não dizer falso testemunho contra o teu próximo.”
“Não desejar a casa, nem a mulher, nem o servo, sem a serva, nem o boi, o asno, nem nenhuma outra coisa que pertença ao teu próximo.”
Isto é Sabedoria. Quem faz assim é sábio, e conquista a Vida e o Reino sem fim. Desde hoje, pois procurai viver segundo a Sabedoria, dando assim mais importância a ela, do que as podres coisas da terra.
Que estais dizendo? Falai. Estais dizendo que já está tarde? Não. Ouvi ainda uma parábola. Um patrão ao despontar do dia, saiu para contratar trabalhadores para a sua vinha e combinar com eles em pagar-lhes um denário por dia. Depois saiu novamente a hora tércia e, pensando que os trabalhadores contratados pela manhã ainda eram poucos e, vendo pela praça muitos desocupados á espera de quem os contrata-se, chamou-os e lhes disse: “ Ide para a minha vinha que eu vos pagarei o que prometi aos outros.” E eles para lá se foram.
Saiu o homem outra vez pela hora sexta e pela nona, e ainda viu outros e lhes disse: “ Quereis trabalhar para mim? Eu pagarei um denário por dia aos meus trabalhadores”. E eles aceitaram e foram.
Saiu o dono da vinha finalmente lá pela undécima hora e viu outros que por ali estavam despreocupadamente tomando os últimos raios de sol. “ Que estais fazendo aqui, assim despreocupados? Não tendes vergonha de ficar assim sem fazerdes nada o dia inteiro?”, perguntou-lhes ele.
“ Ninguém nos assalariou por dia. Teríamos querido trabalhar, ganhar o nosso pão. Mas ninguém nos chamou para a sua vinha.”
Está bem. Eu vos chamo para a minha vinha. Ide e recebereis o mesmo pagamento que os outros. Ele assim disse porque era um patrão bom e tinha dó da humilhação de seu próximo.
Quando chegou a tarde e terminado o trabalho, o homem chamou o seu feitor e lhe disse: “ Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário como foi combinado, mas começa pelos que chegaram por último, que são os mais necessitados, pois nem tiveram durante o dia o alimento que os outros receberam uma e mais vezes e que além disso foram os que por reconhecimento para com a minha compaixão, trabalharam mais do que os outros. Eu os estava observando. Despacha-os para que possam ir tomar o merecido descanso, gozando com os seus familiares do fruto do seu trabalho. E o feitor fez como o patrão lhe ordenou, dando a cada um deles um denário.
Por último chegaram os que haviam trabalhado desde a primeira hora do dia, e ficaram admirados por receberem eles também só um denário, e começaram a queixar-se uns com os outros e com o feitor, e este disse:” Eu recebi esta ordem. Ide reclamar com o patrão e não comigo.”
E ele foram e disseram: “ Tu não estás sendo justo! Nós trabalhamos doze horas, desde antes do orvalho até o meio dia, pelo meio do orvalho, e depois expostos ao sol ardente e em seguida dentro da umidade da tarde, e tu nos deste tanto como aqueles preguiçosos que trabalharam só uma hora!...Por que isso?”, e um especialmente levantava a voz dizendo-se traído e usado indignamente.
Meu amigo, em que fui injusto contigo? O que eu combinei contigo pela manhã? Foi um dia de trabalho contínuo e o salário de um denário. Não é verdade?
Sim é verdade. Mas tu pagaste o mesmo tanto aqueles, por um trabalho menor.
Tu não estiveste de acordo com aquele pagamento e não o julgaste justo?
Sim. Estive de acordo, porque os outros trabalhavam por menos.
Foste maltratado aqui por mim?
Não. Em consciência não.
Eu te concedi um descanso durante o dia e a comida, não é verdade? Três refeições eu te dei. E tanto a comida como o descanso não estavam combinados. Não é verdade?
Sim não estavam combinados.
Porque então os aceitastes?
Mas tu já o disseste: Preferi assim para não fazer que vos canseis, tendo que voltar ás vossas casas. E a nós nem parecia verdade aquilo...A tua comida era boa. E era uma economia, era...Era uma graça que eu vos dava gratuitamente e que ninguém podia pretender receber. Não é verdade?
É verdade.
Então eu vos fiz o bem. Por que então vos estais queixando? Eu que deveria queixar-me de vós que, compreendendo como devíeis proceder com o patrão com um patrão bom, estáveis trabalhando com preguiça, enquanto estes últimos que vieram depois de vós, tendo recebido o benefício de uma só refeição e os últimos até sem nenhuma refeição, trabalharam com mais afinco, fazendo em menos tempo o mesmo tanto de trabalho feito por vós em doze horas. Eu vos teria traído se tivesse partido ao meio o salário para pagar também a estes últimos. Mas não foi assim.
Por isso pega o que é teu e vai-te! Estarias querendo vir á minha casa para me impores o que queres? Eu faço o que quero e o que é justo. Não queiras ser malvado, nem tentar-me para que eu seja injusto. Eu sou bom.
Ó! Vós todos que estais ouvindo, em verdade Eu vos digo que Deus Pai a todos os homens propõe este mesmo contrato, e promete uma recompensa igual. A quem com diligência se põe a serviço do Senhor, Ele dará um tratamento com justiça, ainda que o trabalho seja pouco, por estar próxima a morte. Em verdade Eu vos digo, que nem sempre os primeiros serão os primeiros no Reino dos Céus, e que veremos últimos serem os primeiros e primeiros serem últimos. Lá veremos homens que não são de Israel e mais Santos do que muitos em Israel. Eu vim para chamar a todos, em nome de Deus. Mas se muitos são chamados, poucos são os escolhidos, porque poucos são os que desejam a Sabedoria.(de Jesus para Valtorta, Vol 5)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.



ADULTÉRIO.



                                          ADULTÉRIO

O que Deus uniu homem nenhum pode desunir.
Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

Alguns Fariseus querendo tentar Jesus perguntaram:
“ Queríamos saber se é licito ao homem repudiar, por qualquer motivo sua mulher. Isso é uma coisa que frequentemente acontece e cada vez cria muito rumor onde acontece. Então dirigem-se a nós para saberem se isso é lícito ou não. E nós, conforme o caso, lhes respondemos.”
Respondeu Jesus:
E aprovais o que aconteceu em noventa por cento dos casos. E os dez por cento que sobraram desaprovados, pertencem á categoria dos pobres, ou dos vossos inimigos.
Como sabes?”, retrucaram os Fariseus.
Porque é assim que acontece em todas as coisas humanas. E uno aquela categoria a terceira classe: aquela que, se fosse permitido o divórcio, mais teria direito a ele, porque ela é de verdadeiros casos penosos como uma lepra incurável, ou uma condenação por toda a vida, ou então certas doenças cujos nomes nem convém citar.
“Então para Ti nunca é lícito?, dizem os Fariseus.
Nem para Mim, nem para o Altíssimo, nem para ninguém que tenha um espírito reto. Não lestes que o Criador no começo dos dias, criou o homem e a mulher? Ele os criou macho e fêmea. E não tinha necessidade de fazer assim porque, se tivesse querido para o rei da Criação feito a sua imagem e semelhança, teria outro meio de procriação que igualmente teria sido bom, ainda que fosse diferente de qualquer outro meio natural. E Ela disse: “Assim, e por isso o homem deixará pai e mãe e se unirá á sua mulher, e os dois serão uma só carne.” Portanto Deus os une em uma só unidade. Logo, já não são mais “dois”, que o homem não o separe porque, se acontecesse uma coisa boa, não estaria sendo tratada com seriedade.
Os Fariseus não satisfeitos, retrucam novamente:
“Mas então porque Moisés disse:”Se um homem tomou uma mulher de alguma coisa feia, ele escreverá um libelo de repúdio e lho dará em sua mão e a mandará embora de sua casa?”
Ele disse isso por causa da dureza do vosso coração. Para evitar com uma ordem, outras desordens muito mais graves. Por isso ele vos permitiu repudiar as mulheres. Mas no princípio não foi assim. Pois a mulher é mais do que o animal, o qual conforme os caprichos do seu dono ou das livres circunstancias naturais, é submetido a este ou aquele macho, que é uma carne sem alma e se acasalam para reproduzir. As vossas mulheres têm uma alma como vós tendes e não é justo que vós piseis nelas, sem delas ter compaixão. Porque se está dito na condenação: “Tu serás submetida ao poder do marido e ele te dominará”, isso haverá de acontecer de acordo com a justiça, e não pela prepotência que lesa os direitos da alma livre e digna de respeito.
Vós repudiando como não vos é lícito, ofendeis a alma de vossa companheira, á carne gêmea que com a vossa se uniu, a um todo que é a mulher que vós desposastes, exigindo dela honestidade, enquanto, ó perjuros, ides a ela sendo desonestos, diminuídos, as vezes até corrompidos e continuais a ser, aproveitando-vos de cada ocasião para poderdes feri-la e abrir um campo mais largo para a libidinagem insaciável que há em vós. Prostituidores de vossas mulheres! Por nenhum motivo podeis separar-vos da mulher que a vós está unida pela Lei e pela Bênção. Somente no caso em que a graça vos toque para chegardes a compreender que a mulher não é uma coisa possuída, mas tem uma alma e por isso tem direitos iguais aos vossos de ser reconhecida como uma parte do homem, e não um objeto de prazer para ele e, somente no caso em que o vosso coração seja tão duro que não saiba considerá-la em sua alta posição de esposa, depois de ter gozado dela como de uma prostituta, somente no caso de precisar remover o escândalo de dois que estão convivendo sem a bênção de Deus sobre a união, é que vós podeis mandá-la embora. Porque nesse caso a vossa não é uma união, mas fornicação, e muitas vezes sem ter a honra de filhos, porque eles são desfeitos por algum ato contra a natureza ou abandonados como uma vergonha.
Em nenhum outro caso. Em nenhum outro. Porque se tendes filhos ilegítimos de vossa concubina, tendes o dever de pôr fim a tal escândalo, casando-vos com ela, se ainda estais livres. Eu não me refiro a casos como o do adultério consumado, com prejuízos da esposa que não o sabe. Para ele existem as santas pedras da lapidação e as chamas do Xeol. Mas, para quem manda embora sua própria mulher legítima, porque dela está saciado e toma uma outra, não existe outra senão esta sentença: ele é adultero. Também adultero é o que toma a repudiada, porque se o homem arrogou-se o direito de separar o que Deus uniu, a união matrimonial aos olhos de Deus, e maldito é o que passa a ter uma segunda mulher sem ter ficado viúvo. E maldito é o que toma de novo a sua mulher e depois, tendo-a mandado embora por repúdio e a tendo abandonado aos riscos da vida, para que consinta em novas núpcias a fim de poder ter o seu pão, a tome de novo se ficar viúva do segundo marido. Porque ainda que seja viúva, ela foi adultera por culpa vossa e vós duplicaríeis o seu adultério.
Compreendestes, ó Fariseus que me tentais?
(O Evangelho como me foi revelado, Maria Valtorta, Vol 5)

Na época de Jesus, eram os Fariseus os rebeldes e revolucionários, que introduziram vários preceitos humanos na Lei, levando muitos ao erro e a condenação. Hoje em dia estamos diante do mesmo dilema. Hoje são os que se tornaram adeptos da maçonaria, os vilões da Lei, e como temos muitos dentro da Igreja, são chamados de Maçonaria Eclesiástica.
Portanto ao invés de dizer: “Compreendestes, ó Fariseus?”, Devo dizer: “Compreendestes Maçonaria Eclesiástica?” 

A Paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.



quinta-feira, 28 de maio de 2015

A RIQUEZA.



                                                                        A RIQUEZA

Em uma cidade não muito distante, um senhor ao ver na esquina um grupo de meninos de várias idades, olhando para todos os lados e bisbilhotando as vitrines das lojas, num gesto espontâneo e querendo entretê-los, dá um grito:
- Quem quer moedas?
Todos os meninos o fitam com curiosidade e ficam insinuantes.
- Eis aqui algumas, peguem-nas quem puder!
E as joga ladeira abaixo, numa rua contrária `aquela esquina, numa cidade não muito distante. Os meninos saem pulando feito loucos atrás das ditas moedas. Alguns deles alcançam as primeiras, mas querem mais, e continuam sua busca frenética pelas outras moedas, se atropelam, um arrasta pé aqui, outro ali, e lá se vão ficando para trás alguns concorrentes.
Na busca cega pelas tais moedas, derrubam outros pedestres pelo caminho, que nem mesmo sabiam o que se passava, mas não param até restarem apenas dois meninos no fim da rua, com apenas uma moeda ainda para pegar.
Na ânsia brutal pela conquista desta última, um deles dá um golpe de ombro e joga o amigo debaixo de um carro que por lá passava, e o pobre coitado, sem chance de se desviar, perde a vida. O grande vencedor dos meninos pega a última moeda, nem mesmo olha para trás para ver se havia ocorrido alguma coisa com seu amigo, coloca a última moeda no bolso já cheio das mesmas e sai sorrindo, se vangloriando de ter conseguido o maior número delas.
 Assim ocorre com os donos da riqueza: vedam os olhos para tudo ao seu redor, pisam em muitos para brilhar, para se ostentar, para agradar única e exclusivamente a si próprio, vivem uma vida solitária espiritualmente, apodrecem a alma, aniquilam os verdadeiros sentimentos, secam as lágrimas legítimas, obstruem o bom senso, assimilam a perda de caráter e  aproximam-se demais do abismo subterrâneo dos ateístas. Prudente é o homem rico que sabe usar parte de sua fortuna para ajudar na evangelização e propagação do reino de Deus. No momento em que procede com caridade e temor a Deus, o camelo reduz o seu tamanho a um minúsculo átomo e passa folgadamente pelo buraco da agulha e contempla a conquista de estar entre os eleitos no Paraíso.

Não é pecado ser rico, pecado é não saber usar o excesso de dinheiro que ganhou para um bem maior.


Do Livro: O Banquete da Verdade, Sim Jesus é Deus, provas materiais da existência de Deus.
A paz de Jesus.
Antonio Carlos Calciolari.







O MILAGRE ESPIRITUAL DA MULTIPLICAÇÃO DA PALAVRA.



O MILAGRE ESPIRITUAL DA MULTIPLICAÇÃO DA PALAVRA.

JESUS DEPOIS DE TER FEITO O MILAGRE DA MULTIPLICAÇÃO DO PÃO E DOS PEIXES....

Diz Jesus:
Eis uma outra coisa que causará aborrecimento aos doutores difíceis. A aplicação que Eu faço desta visão evangélica. Eu não te faço meditar sobre o meu poder e a minha bondade. Nem sobre a fé e obediência dos discípulos. Nada disso. Eu te quero fazer ver a analogia do episódio com a obra do Espírito Santo.
Vê: Eu dou minha palavra. Dou tudo o que vós podeis compreender e, portanto, também assimilar, para fazer daquilo o alimento para a alma. Mas vós vos tornastes tão tardos pelo cansaço e pela inapetência, que não podeis assimilar todo o valor nutritivo que existe em minha palavra. Vós precisaríeis de muitas palavras mais. Mas vós não sabeis receber muitas. Sois tão pobres em forças espirituais! A palavra vos pesa, sem chegar a dar-vos sangue e força. E eis que, então, o Espírito opera o milagre para vós. O milagre Espiritual da multiplicação da Palavra. Com ela vos ilumina e assim a multiplica em todos os seus mais recônditos significados, de tal modo que vós, sem vos submeterdes a um peso que vos esmagaria sem vos fortalecer, vos nutrais dela e não caiais mais prostrados, ao longo do deserto desta vida.
Sete pães e poucos peixes!
Eu preguei durante três anos e, como diz o meu querido João, “ se devesse escrever todas as palavras e os milagres que Eu disse e realizei para dar-vos um alimento abundante, capaz de levar-vos sem deficiências até o Reino, a terra não teria a capacidade de conter todos os volumes”(Jo 21,24-25). Mas, ainda que isso fosse feito, não teríeis podido ler um tal montão de livros. Vós não ledes nem mesmo como deveríeis, o pouco que sobre Mim foi escrito. A única coisa que deveríeis conhecer, como conheceis as palavras mais necessárias desde a vossa mais tenra idade.
E então vem o amor e multiplica. Também Ele, Uno comigo e com o Pai, tem “ dó de vós que estais morrendo de fome” e, com um milagre que vem se repetindo há séculos, duplica, decuplica, centuplica as luzes, o alimento contido em cada uma das minhas palavras.
Eis aí, assim, um tesouro sem fundo, cheio de um alimento celeste
Ele vos é oferecido pela Caridade. Tomai dele sem medo. Quanto mais o vosso amor tomar dele, mais ele que é fruto do Amor, aumentará o seu caudal.
Deus não conhece limites em suas riquezas nem em suas possibilidades, Vós sois relativos. Ele não. É infinito. Em todas as suas obras. E também nesta em que podeis dar a vós mesmos, a qualquer hora, em qualquer ocasião, aquelas luzes de que estais necessitando, justamente naquele momento. E, como no dia de Pentecostes, o Espírito que desceu sobre os Apóstolos deu-lhes a palavra que foi compreendida pelos Partos, Medos, Citas, Capadócios, do Ponto e da Frigia e, como se fosse para eles a língua nativa, aos Egípcios e aos Romanos, aos Gregos e aos Líbios, assim igualmente Ele vos dará conforto se estiverdes chorando, conselho se o estiverdes procurando, participação na alegria, se estiverdes alegres, tudo com a mesma Palavra.
OH! É bem verdade, se o Espírito vos ilumina. “ Vai em paz e não peques mais”, esta frase é um prêmio para quem não pecou, é um encorajamento para o que ainda esta fraco mas que não quer pecar, é perdão para o culpado que se arrepende, é censura misturada com misericórdia para com aquele que mal tem uma sombra de arrependimento. E não é mais do que uma frase. E das mais simples. Mas quantas delas não estão no meu Evangelho! Quantas que, como botões de flor depois de uma boa chuva, em um ar de abril, abrem-se firmes no ramo sobre o qual antes só havia um botão aberto, e o vão cobrindo todo, para alegria de quem fica olhando para elas.(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, Vol 5)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.



O DILÚVIO.



                                                                       O DILÚVIO

As evidências deste acontecimento global, o Dilúvio, são muito fortes, algumas muito contundentes e inexplicáveis para alguns Arqueólogos e Paleontólogos, porém falta a prova essencial para estas confirmações todas, a Arca de Noé. Sabemos a localização da Arca, pois está escrito na Bíblia a pousada da embarcação no Monte Ararat, e se está na Bíblia é verdade. Houve vários avistamentos de parte da embarcação a uma altitude de aproximadamente 4.000 metros (George Greene, Flavius Josephus, Marco Polo, Ron Wyatt, entre outros). Sabemos também da maldade de algumas pessoas, com interesses escusos, onde dizem tê-la visto apenas para figurarem na mídia, e outras com o intuito de inaugurarem uma nova seita religiosa, como foi o caso da “ Noak’s Ark Ministries Internacional “, (Igreja Internacional da Arca de Noé), onde fizeram uma filmagem fraudulenta do suposto interior da Arca. Só para se ter uma ideia do que se tem até hoje sobre estas evidências do Dilúvio, foram encontrados milhares de fósseis Marinhos nas mais altas montanhas do planeta, fazendo-nos pensar como foram parar lá. Já foram encontrados fósseis marinhos no Himaláia, no Everest, na Cordilheira dos Andes, nas Montanhas Yuntai e Sichuan na China (mais de 20.000 fósseis marinhos), em Luoping (fonte-Centro Geológico Chengdu), e mais recentemente no deserto do Atacama, no Chile, onde encontraram nada mais nada menos do que aproximadamente 70 fósseis de Baleias, 20 delas com mais de 8 metros de comprimento, além de golfinhos e focas. Este deserto se revela a mais de 2.400 metros de altitude e a 800 metros de distância do mar, o lugar é geograficamente uma espécie de bacia gigante cercada por montanhas, onde conclui-se, ao baixar da águas, estas baleias, golfinhos e focas ficaram ilhados nesta enorme bacia. Se debateram nos restos de água que ainda restava criando um grande lodo de terra e sendo finalmente encobertos pelo lodo da bacia. O local é extremamente seco e árido ( é o deserto mais árido e seco do mundo), e fez acelerar o processo de secagem do lodo que cobria as baleias, preservando-as assim para a posteridade. Esqueletos inteiros foram aparecendo. Descobriu-se este achado acidentalmente, devido a construção de uma auto estrada. Também no deserto do Peru foi encontrado um fóssil de uma baleia gigantesca, com 17 metros de comprimento numa altitude de 2.400 metros. Somente com o mar encobrindo as montanhas justificaria estas baleias nesta altitude, mas como todos nós sabemos alguns cientistas sempre dão um jeito de negar Deus, neste caso, dando uma datação em milhões de anos às ossadas encontradas. Do Dilúvio Divino até os dias de hoje daria mais ou menos 6.000 anos, as datações deveriam estar neste patamar para se confirmar este grande acontecimento. A Arca de Noé está com certeza no Monte Ararat, uma embarcação de 135 metros de comprimento, 20 metros de largura e 15 metros de altura está à disposição de qualquer pessoa que queira fazer uma expedição até o local e desenterrá-la do gelo milenar que a cobre.


                            Fósseis de uma família de Baleias no deserto do Atacama no Chile.


                                        Fóssil de Baleia no deserto do Sacaco, próximo á Nazca.

Do Livro O Banquete da Verdade, Sim Jesus é Deus, provas materiais da existência de Deus.

A paz de Jesus.
Antonio Carlos Calciolari.








FOI DEUS QUEM CRIOU AS SEMENTES.

                                                                   

                                        AS SEMENTES





                                                                   Semente de Bolbo


                                                 A inteligência na preservação da vida

Toda planta precisa de uma semente para germinar, crescer e depois dar o fruto com as sementes e assim perpetuar a espécie. Já viram a semente do Jequitibá? Elas ficam dentro de uma bolsa, que madura eclode e sendo como cunhas, ao caírem dos galhos penetram no solo para facilitar a fecundação. Outras ao eclodirem, por terem uma membrana finíssima em volta da semente, ao se soltarem com o vento, voam para bem longe, como se tivessem asas abertas. Outras do deserto, ao caírem no solo, por terem inúmeras hastes em forma de uma bola com a semente no meio, rolam com o vento e são distribuídas para terrenos mais distantes.
São sementes com um recurso funcional inteligente usado para perpetuar a espécie, dando maiores chances de fecundação, cada qual com seu próprio recurso criativo. Esta engenharia funcional de cada espécie de sementes, este algo a mais, é de uma criatividade insuperável e perfeita, suplantando em muito, eu diria inatingível, a capacidade de imaginação do homem, visto que são milhares de recursos inteligentes, um diferente do outro. Além de gerar vida, tem este requisito de auto defesa, sugerindo que um feitor inteligentíssimo a idealizou, que acrescentou uma sobrevida, um recurso a mais, vendo que era necessário para aquela espécie, e assim o fez. Um fator ocasional na evolução das espécies de sementes não poderia “pensar” em preservação, pois precisou de inteligência no feitio das sementes.

                                                      Semente de Zanonia Macrocarpa


                                                        O tempo de vida sobrenatural
Outro fator sobrenatural que passa despercebido com as sementes, é do tempo de vida extremamente longo de algumas árvores  (algumas passam de 3.000 anos). Existem materiais muito mais resistentes do que a madeira, e, no entanto, depois de mais de 3.000 anos, se deterioram, alguns viram pó, mas a árvore, com seu corpo,  avança pelo tempo num processo de sobrevivência completamente sobrenatural.



O crescimento sobrenatural

 De uma semente menor que um centímetro se transformar em um ser gigantesco pesando até toneladas em alguns casos, é algo mágico. A ponto de nos perguntarmos: Como isso aconteceu? Mas como uma coisa tão pequenina se transformou em uma coisa tão grande? Se pegarmos a pequena semente na palma da mão e olharmos o tamanho da árvore que se tornou, vamos até duvidar. O fermento contido na semente, que a faz crescer assustadora e sobrenaturalmente,  é um produto Celeste, Divino. Não existe nenhuma causa natural que faça crescer tanto um ser vivo. Deus na sua infinita criatividade foi tão perfeito que passa por nós uma obra Dele gigantesca despercebida, toda vez que passamos ao lado de uma árvore.


As sementes comestíveis vitais para a vida

Um dos quesitos mais evidentes de sua função sobrenatural na Terra são as sementes comestíveis, principalmente as que produzem frutas. Já chegaram a pensar se por um acaso não existissem as frutas? Quem pode negar que as frutas produzidas pelas mais diversas plantas do planeta não foram feitas intencionalmente, propositalmente para sustentar, dar alimento aos seres vivos? Nada surge espontaneamente para preservar vidas! É necessário que exista um alguém querendo preservá-las. É um ser vegetal produzindo um alimento para um ser animal, esta condição só existe admitindo um criador. Percebe-se que houve a vontade de um ser superior que viu a necessidade delas para a sobrevivência de grande parte dos seres vivos, e as criou. Sem as frutas todos os seres vivos dependentes delas seriam extintos, nem mesmo se iniciariam, porque não haveria alimento para sua subsistência. Um ser vegetal servindo de alimento para um ser animal  demonstra dependência no conjunto dos seres vivos, animal e vegetal. Se analisarmos a dependência para a sobrevivência entre os seres vivos, chegaremos à conclusão de que um grande ciclo de vidas teria que surgir juntamente para que sobrevivesse.
                               Abacateiro


                                                                           
A procedência Divina

Nós sabemos a  procedência das sementes atuais: são das árvores que as geraram; e destas também sabemos a procedência, que é da árvore anterior a ela e, assim, seguimos até chegar à primeira árvore de cada espécie surgida no planeta. Mas de onde vieram estas primeiras sementes que geraram as primeiras árvores? Dizer que as primeiras sementes surgiram da terra ou da água espontaneamente, é uma teoria insustentável por dois motivos:
·         1º - Porque se isto fosse verdade ainda hoje veríamos surgir novas sementes de espécies diferentes em todos os cantos da Terra, mas isto não ocorreu e não está ocorrendo. As espécies que existem hoje são as mesmas que já existiram.
·         2º - É a certeza de que somente as árvores já formadas podem produzir sementes.
Como as sementes precisam estar maduras para eclodirem e dar início a uma árvore,  pressupõe-se, por ser lógico e absolutamente imprescindível, que as primeiras sementes foram colocadas na terra, vieram de fora da Terra, chegaram prontas para o plantio.
Isto nos leva a deduzir visto a complexidade e engenhosidade desta explosão de vida que são as sementes, que um ser superior as criou e aqui na Terra as colocou, ficando excluída com este raciocínio qualquer possibilidade de ter existido evolução.



O Gênesis vegetal contido em um centímetro de matéria

Imaginem a quantidade de informação contida dentro de uma semente. No seu DNA já está especificado como ela se transformará com o passar dos anos, a altura, o tempo de vida, o tipo das folhas e dos ramos, o tipo de raiz, o tipo da fruta, quantas sementes haverá dentro de cada fruta, e assim por diante, são milhares de informações. É como se fosse um mini computador gerador de vida. As primeiras sementes das primeiras espécies plantadas no planeta não surgiram sem um feitor, não apareceram sem um idealizador, precisaram ser criadas para existir. De onde sai, brota, surge uma nova vida, sem criação não há existência. Estas primeiras sementes de cada espécie são uma obra prima única no universo, é uma explosão de vida verde, é o Gênesis vegetal contido num minúsculo espaço de matéria.
A semente é o Big Bang vegetal terrestre. É o ser vivo primordial responsável pelo  surgimento  de toda espécie de seres vivos, é uma super expansão de um ciclo de vida, onde as milhares de espécies de sementes são na verdade milhares de ciclos de vida formando conglomerados dependentes, uns dos outros, interligados com as mais variadas formas de vida criadas inteligentemente por Deus.

Só um Deus poderia criar algo tão sobrenatural como as sementes.


Do livro: O Banquete da Verdade, Sim Jesus é Deus, provas materiais da existência de Deus.

A Paz de Jesus.
Antonio Carlos Calciolari.











quarta-feira, 27 de maio de 2015

O PÃO DO CÉU QUE DÁ A VIDA ETERNA.



Detalhe de parte do coração de Cristo, do milagre Eucarístico de Lanciano, onde a hóstia literalmente se transubstanciou em carne. Conforme pesquisas já realizadas e amplamente divulgadas, o tipo de sangue encontrado foi do tipo AB, o mesmo do Santo Sudário de Turim, o mesmo da Túnica de Argenteuil, o mesmo do Sudário de Oviedo, e o mesmo de outro milagre Eucarístico ocorrido em Buenos Aires. Estas constatações todas provam se tratar de uma única pessoa, Nosso Senhor Jesus Cristo.


                                          O PÃO DO CÉU QUE DÁ A VIDA ETERNA.

E então? Ainda não compreendeis que a minha Paternidade está no Céu. E que por isso é de lá que Eu venho? Sim, Eu desci do Céu para cumprir o decreto de meu Pai, o decreto de salvação dos homens, segundo tudo o que foi prometido por Ele no próprio momento da condenação, e repetido aos Patriarcas e Profetas. Mas isto é uma questão de fé. E a fé é dada por Deus a quem tem um espírito cheio de boa vontade. Por isso ninguém pode vir a Mim, se o meu Pai não o conduz a Mim, vendo que ele está nas trevas, mas com razão desejoso de luz. Está escrito nos Profetas: “ Serão todos ensinados por Deus”. Eis. Está escrito. É Deus quem os instrui sobre onde devem ir para serem instruídos por Deus. Todo aquele, pois, que tiver ouvido, no fundo do seu espírito reto, a Deus que lhe fala, já aprendeu do Pai a vir a Mim.
“ E quem achas Tu que tenha ouvido a voz de Deus, ou visto o seu rosto?”, perguntam-lhe muitos, que já começaram a mostrar sinais de irritação e de escândalo. E terminam dizendo: “Tu estás delirando, ou então és um iludido.”
“Ninguém jamais viu a Deus, a não ser aquele que é de Deus. Este sim viu o Pai.”
E agora ouvi qual o Credo da vida futura, sem o qual não nos podemos salvar.
“ Em verdade, em verdade Eu vos digo que quem crê em Mim tem a Vida eterna. Em verdade, em verdade Eu vos digo que Eu sou Pão da vida eterna.”
Os vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Porque o maná era um alimento santo, mas temporário, e dava vida só o tanto de que se precisava para se chegar á Terra Prometida por Deus ao seu povo. Mas o maná que Eu sou, já não terá limitação de tempo, nem de poder. Ele é não somente Celeste, mas é divino, e produz o que é Divino: a incorruptibilidade e a imortalidade de tudo o que Deus criou á sua semelhança. Esta não durará só quarenta dias, mas durará enquanto durar o tempo, e será dado a todos os que dele tiverem uma fome santa aos homens, pelos quais Ele se encarnou, e para que eles tenham a Vida que não morre.
Eu posso dar-me, Eu posso transubstanciar-me, por amor dos homens, para que o pão se torne carne, e a carne se torne Pão, a fim de que a fome espiritual dos homens, que sem este alimento morreriam de fome e de doenças espirituais. Mas, se alguém come corretamente deste Pão, viverá para sempre. O Pão que Eu darei será a minha carne, imolada para a vida do mundo. Será o meu Amor espalhado pelas Casas de Deus, para que á Mesa do Senhor venham todos aqueles que são amorosos ou infelizes, e encontrem recuperação para suas necessidades de unirem-se a Deus e de encontrarem alivio para suas penas.
“ Mas como podes dar-nos a comer a tua carne? Quem pensas que nós somos? Umas feras sanguinárias? Uns selvagens? Uns homicidas? Nós sentimos repugnância pelo sangue e pelo delito.”
“Em verdade, em verdade Eu vos digo que muitas vezes o homem é mais do que uma fera, e que o pecado os faz mais do que selvagens, que o orgulho produz neles uma sede homicida, e que não é a todos os presentes que o sangue e o delito repugnam. Além disso, no futuro o homem será assim, porque Satanás, a sensualidade e o orgulho o tornarão ferino. E, por isso, com mais necessidade do que nunca, deveis e deverá o homem curar-se a si mesmo dos germes terríveis, com a infusão em si do Santo. Em verdade, em verdade Eu vos digo que, se não comerdes a Carne do Filho do homem e não beberdes o seu Sangue, não tereis a vida em vós. Quem come dignamente a minha Carne, e bebe o meu Sangue, tem a vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha Carne é verdadeiramente comida e o meu Sangue é verdadeiramente bêbeda. Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue permanece em Mim, e Eu nele. Como o Pai que vive me enviou, e Eu vivo pelo Pai, assim quem me come viverá também ele por Mim e irá aonde Eu o enviar, e fará o que Eu quero, e viverá austero como homem, e ardente como um Serafim, e será Santo, porque para poder alimentar-se de minha Carne e do meu Sangue, ele se proibirá a si mesmo de cometer culpas, e viverá para ir terminar sua subida aos pés do Eterno.( do livro “O Evangelho como me foi Revelado”, Maria Valtorta, Vol 5,pag 394.395,396)

Eu já não consigo mais receber a Comunhão em pé e na mão, e sim de joelhos e na boca, porque já faz alguns anos que eu percebi depois de uma graça recebida, o verdadeiro significado deste Sacramento. A hóstia e o vinho realmente se transubstanciam e se tornam verdadeiramente Corpo e Sangue de Cristo. Eu tenho esta certeza e por isso, dobro meu joelho diante do Deus Vivo que se apresenta na minha frente, durante a Eucaristia. A minha vida mudou completamente depois desta graça.

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.



terça-feira, 26 de maio de 2015

PROVAS DA CRIAÇÃO.



                                                                       O HOMEM

Observem como somos extremamente mais belos do que os milhares de animais terrestres, andamos eretos e majestosos, temos a fala, o raciocínio, os sentimentos, o paladar múltiplo e a alma, coisa só nossa. Somos os seres especiais do planeta, somos uma criação feita para estar acima e evidenciada das outras, com certeza não estamos aqui por acaso. Se tivéssemos toda a eternidade para pensar em qualquer tipo de alteração para deixar o ser humano mais belo e perfeito do que é, ainda assim seria insuficiente para imaginar alguma modificação, tamanha é a nossa perfeição. O próprio ser humano é prova da existência de Deus Criador. E tem mais, igual a você jamais houve e jamais haverá outro, é um ser único no universo, tanto na aparência física como na alma, que é só sua pela eternidade, uma vez colocada não sai mais de você, pois só assim é possível realizar o julgamento que haverá.
Eu pergunto:  Por que somente um ser entre milhares existentes no planeta é superior, extremamente superior aos demais? Somos especiais entre tudo o que se vê e se sabe. Somos como semideuses colocados na terra para dominar, não só os animais, mas tudo o que existe: as florestas, os rios, os mares e até à Lua já fomos, usando nossas mentes, que é prova de nossa descendência Divina.
 E o macaco continua fazendo a mesmíssima coisa que fazia desde quando foi criado a 8.000 anos atrás, coçando e cheirando o rabo, assim como todos os outros animais, limitados em sua vivência instintiva e condicionada. Não estou querendo com estas palavras desmerecê-los, apenas para servirem de comparação com o homem, para que percebam a imensa diferença entre nós e os animais.
 E por que somente neste planeta chamado Terra existe apenas um ser superior aos demais?
Eu respondo: Porque alguém quis assim, alguém fez assim, não existe a possibilidade de uma ocorrência desta natureza e grandeza acontecer por acaso. Alguém realmente fez assim, quis que fosse assim. E este alguém é meu Pai, nosso Pai, Pai de todos, Deus.
Jesus, que é Deus, define o homem da seguinte forma:

O que é o homem? O homem é a criatura soberana que Deus criou para ser o rei da criação, criado a sua imagem e semelhança, dando-lhe a semelhança segundo o espírito e a imagem, tirando esta imagem do seu pensamento perfeito. Olhai para o ar, para a Terra e para as águas. Porventura vedes algum animal, ou alguma planta, que por mais belos que sejam, cheguem a igualar o homem? O animal corre, come, bebe, dorme, gera, trabalha, canta, voa, rasteja, sobe. Mas não tem fala. O homem também sabe correr e saltar, e no salto é tão ágil, que emula o pássaro, sabe nadar, e no nado é tão veloz que parece um peixe, sabe rastejar e parece um réptil, sabe subir e parece um macaco, sabe cantar e parece um pássaro. Sabe gerar e reproduzir-se. Mas além disso, sabe falar.

E não digais: Cada animal tem a sua linguagem. Sim, um muge, o outro bale, outro zurra, outro chilreia, outro gorjeia, mas do primeiro ao último bovino, todos terão sempre o mesmo mugido, e assim também o ovino balirá até o fim do mundo, e o burro zurrará como zurrou o primeiro,  e o pássaro sempre soltará o seu curto chilreio, enquanto a cotovia e o rouxinol farão ouvir o mesmo hino, ao sol a primeira, e à noite estrelada o segundo, mesmo se for o último dia da Terra, do mesmo modo como saudaram ao primeiro sol e à primeira noite. O homem, ao contrário,  porque não tem apenas uma garganta e uma língua, mas um complexo de nervos, que se concentram no cérebro, sede da inteligência, sabe captar novas sensações e pensar sobre elas, e dar-lhes um nome.” ( de Jesus a Valtorta).

Do livro "O Banquete da Verdade", Sim Jesus é Deus - provas materiais da existência de Deus.

A paz de Jesus.
Antonio Carlos Calciolari.



JESUS E ESTEVÃO.




                                                                  JESUS E ESTEVÃO.

“Estiveste em oração, Mestre?”, pergunta-lhe Estevão em voz baixa por respeito e também inclina o seu corpo pelo mesmo motivo.
“Sim. Por que o sabes, meu filho?”, pergunta-lhe Jesus, pondo-lhe as mãos sobre os cabelos escuros com uma doce carícia.
“Pelo teu rosto de Anjo. Eu sou um pobre homem, mas o teu semblante está tão claro que nele se podem ver as palpitações e as atividades de teu Espírito.”
“ O teu também está claro. Tu és um daqueles que ficam sempre crianças.”
“E o que há no meu rosto, Senhor?”
“Vem cá á parte, e Eu to direi”, e o pega pelo pulso, levando-o para um corredor escuro. “ Caridade, fé, pureza, generosidade, sabedoria. Estas Deus as deu a ti e tu as cultivaste, e mais ainda o farás. Enfim, de acordo com o teu nome, tu tens a coroa: é de ouro puro e com uma grande pedra preciosa, que brilha sobre a fronte. Sobre o ouro e sobre a pedra estão gravadas duas palavras: “ Predestinação” e “Primícia”. Sê digno de tua sorte Estevão. Vai em paz com a minha benção.”

-O Apóstolo Estevão foi o primeiro mártir de Jesus Cristo. O primeiro cristão mártir Católico. Julgado e condenado pelo Sinédrio, o tribunal dos antigos judeus em Jerusalém, o mesmo que condenou Jesus a morte. Foi morto a pedradas, e suas últimas palavras foram: “Senhor não os considere culpados por este pecado. Senhor Jesus recebe o meu Espírito”.
 

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.


JESUS E O MENINO BENJAMIM.





                                                   JESUS E O MENINO BENJAMIM.
 Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

“Conta-me alguma bela parábola, Jesus”, diz o menino dando seus pulinhos ao lado do Mestre e olhando para Ele de alto a baixo, com um rostinho brilhando de alegria.
Jesus também olha para ele com um sorriso alegre, que lhe descobre a boca sombreada pelos bigodes e pela barba louro-avermelhada que o sol faz ser vista como se fosse de ouro. Seus olhos de safira escura também estão rindo de alegria, enquanto estão olhando para o menino.
“O que vais fazer com a parábola? Ela não é um brinquedo.”
“É mais bonita do que um brinquedo. Quando eu vou dormir, fico pensando nela, e depois sonho com ela, e, na manhã seguinte lembro-me dela, e a repito a mim mesmo, para ser bom. Ela me faz ser bom”.
“Tu te lembras dela?
“Sim. Queres que eu te diga todas as que me disseste?”
“És bravo Benjamim, e mais do que os homens, que se esquecem. Como prêmio vou dizer-te a parábola.”
O menino parou de pular. Vai agora caminhando sério e atento como um adulto, e não perde uma palavra, nenhuma das inflexões da voz de Jesus, para o qual ele está olhando tão atentamente, que nem pensa em olhar onde é que está pondo os pés.
“Um pastor muito bom ouviu a notícia de que em certo lugar do universo havia ovelhas abandonadas pelos pastores não muito bons, e elas andavam em perigo, por caminhos muito maus, por pastagens que lhes faziam mal, e iam sempre terminar em despenhadeiros escuros. Ele foi até aquele lugar e, gastando todos os seus haveres, adquiriu aquelas ovelhas com os seus cordeirinhos. Queria levar a todos para o seu reino, pois aquele pastor era também rei, como foram muitos em Israel. No seu reino, aquelas ovelhas e aqueles cordeirinhos teriam muitas pastagens sadias, águas puras e frescas, estradas seguras e abrigos indestrutíveis para as protegerem dos ladrões e dos lobos ferozes. Por isso, aquele pastor reuniu as suas ovelhas e os seus cordeirinhos e lhes disse: “Eu vim para salvar-vos, afim de levar-vos para o lugar onde não sofrereis mais, onde não conhecereis mais ciladas nem sofrimentos. Amai-me, acompanhai-me, porque eu vos amo muito e, para ter-vos, eu me sacrifiquei de todos os modos. Mas, se me amardes o meu sacrifício não me será pesado. Vinde atrás de mim e vamos...” E o pastor, indo á frente e as ovelhas o acompanhando, tomaram o caminho que vai para o reino da alegria. O pastor, a cada momento se virava para ver se elas o estavam acompanhando, para exortar os cordeirinhos. Como as amava! Dava-lhes do seu pão e do seu sal e, em primeiro lugar provava a água das fontes e a abençoava, a fim de perceber se era boa e para torná-la santa. Mas as ovelhas, tu acreditas, Benjamim?, as ovelhas depois de algum tempo ficaram cansadas. Primeiro uma, depois duas, depois dez, depois cem, ficaram para trás pastando a erva até se encherem sem poderem mais mover-se, e se deitaram, cansadas e saciadas, na poeira e na lama. Outra foram ficar suspensas sobre os precipícios, ainda que o pastor lhes tivesse dito: “Não façais isso”. Umas iam porque ele ia colocar-se onde havia maior perigo a fim de impedir que elas fossem para lá, bateram nele com a cabeça atrevida e, mais de uma vez tentaram precipitá-lo de lá. Assim muitas delas ficaram nos despenhadeiros e lá morreram miseravelmente. Outras começaram a brigar entre si e, ficando uma sem chifres e outra sem cabeça, foram se matando umas as outras. Somente um cordeirinho é que nunca se desencaminhou. Ele corria e, com aquele seu balido, ele dizia ao pastor: “ Eu te amo!”, e ia correndo atrás do bom pastor. Quando chegaram á porta do seu reino, não havia mais do que eles dois: o pastor e o cordeirinho fiel. Então, o pastor não disse: “Entra”, mas disse: “Vem”, e o tomou sobre o seu peito, por entre os braços, e o levou para dentro, chamando a todos os seus súditos dizendo-lhes: “ Aqui está o que me ama. Quero que ele esteja comigo para sempre. E, vós, amai-o, porque ele é o predileto do meu coração”.
A parábola terminou, Benjamim. Agora sabes tu dizer-me:
“Quem é aquele pastor bom?”
“És tu, Jesus.”
“E aquele cordeirinho, quem é?”
“Sou eu, Jesus.”
“Mas agora eu vou-me embora. Tu te esquecerás de Mim.”
“Não Jesus. Não me esquecerei de Ti, porque te amo.”
“Teu amor cessará quando não me vires mais.”
“Eu direi dentro de mim as palavras que tu disseste, e isso será como se Tu estivesses presente. E assim eu te amarei, e te obedecerei. E dize-me Jesus, Tu te lembrarás do Benjamim?”
“Sempre”.
“Como farás para te lembrares de mim?”
“Eu direi a Mim mesmo que tu prometeste amar-me e obedecer-me, e assim me lembrarei de ti.”
“E me darás o teu reino?”
“Se fores bom, sim.”
“Como farás? A vida é longa.”
“Mas também as tuas palavras são muito boas. Se eu as disser a mim mesmo e fizer o que mandam fazer, eu me conservarei bom por toda a vida. E assim farei porque te amo. Quando se quer bem, não se fica cansado de ser bom. Para mim, não é cansativo obedecer a minha mãe, porque lhe quero bem.”
Jesus fica parado e olhando o rostinho cheio de amor, mais do que de sol. A alegria de Jesus é tão viva, que até parece ser um outro sol que se acendeu em sua alma e se irradia de suas pupilas. Ele se inclina e beija o menino na fronte.(“O Evangelho como me foi Revelado”, Maria Valtorta, Vol 5, pag 371,372,373)



Depois desta linda e doce visão sobrenatural, Jesus diz á Maria Valtorta:
Aquilo que disse ao meu pequeno discípulo, o digo também a vós. O Reino é dos meus cordeiros fiéis, que me amam, e me seguem sem perder-se em adulações, me amam até o fim. E digo a vós aquilo que disse aos meus discípulos adultos: “Aprendei dos pequenos.”
Não é o ser doutos, ricos, audazes, aquilo que vos fareis conquistar o Reino dos Céus. Não é o sê-lo humanamente. Mas é sê-lo na ciência do amor, que faz doutos, ricos, audazes, sobrenaturalmente. Como ilumina o amor a compreender a verdade. Como faz os ricos para conquistá-la? Como faz audazes para conquistá-la? Que confiança inspira? Que segurança? Façais como o pequeno Benjamim, a minha pequena flor que me perfumou o coração naquela tarde e cantou para ele uma música angélica, que recobriu o odor da humanidade fervente, nos discípulos, e o rumor das brigas humanas.
E tu queres saber o que aconteceu ao pequeno Benjamim? Permanece o pequeno cordeiro de Cristo e, perdido o seu grande Pastor, porque tornou ao Céu, se fez discípulo daquele que mais parecia comigo(João), tomando por sua mão o batismo, e recebendo o nome de Estevão, meu primeiro mártir.  Foi fiel até a morte, e com ele os seus parentes, arrastados a fé pelo exemplo de seu pequeno apóstolo familiar.
Não é conhecido? Muitos são os desconhecidos dos homens, conhecidos por mim no meu Reino. E por isso são felizes. E por isso eles são felizes. A fama do mundo não acrescenta nem uma centelha á auréola dos bem-aventurados.
Pequeno João(Valtorta), caminha sempre com a tua mão na minha. Irás com segurança e, ao chegares ao Reino, Eu não te direi “Entra”, mas “Vem”, e te tomarei em meus braços para colocar-te lá onde o meu amor te preparou um lugar, e o teu amor o mereceu.
Vai em paz. Eu te abençôo.


A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.