segunda-feira, 12 de setembro de 2022

ESTAMOS NA ÚLTIMA SEMANA PROFÉTICA DE DANIEL

 




ESTAMOS NA ÚLTIMA SEMANA PROFÉTICA DE DANIEL

 

 

Esta é para os amantes das palavras inspiradas contidas na Bíblia, para os estudiosos, para os teólogos, Sacerdotes e leigos interessados em saber a Profecia, de difícil compreensão, dada a Daniel, sobre as setenta semanas.

Como esta profecia fala sobre o tempo da primeira, e da segunda vinda de Jesus, é óbvio que teria de ser quase incompreensível, para que as hostes do mal não pudessem interferir no decorrer dos anos, nestes grandiosos acontecimentos destinados por Deus.

Este enigma de 2500 anos somente agora no final dos tempos está sendo possível compreender graças as revelações de Nossa Senhora e de Jesus à seus Profetas dos últimos tempos.

A Profecia das setenta semanas de Daniel é uma parte do que estava decidido pelo pensamento do Eterno, desde o princípio dos tempos, a necessidade de purificar o homem a cada dois tempos de eternidade que equivale a 2000 anos. A primeira purificação veio com o batismo do dilúvio, a segunda com o batismo do Espírito Santo na Igreja fundada por Deus, a terceira virá com o Crisma, a confirmação para aqueles que permaneceram fieis ao Senhor com a segunda vinda de Cristo. Nesta terceira purificação alma e corpo dos sobreviventes da Marca da Besta passarão pelo crisol e, com ressurreição para aqueles que morreram nesta Grande Tribulação. Para encerrar o ciclo de purificação meritória, os últimos 1000 anos de paz, completando o tempo estipulado pelo Criador de 7000 anos, desde a queda de Adão e Eva.

Quando Jesus respondeu a Pedro dizendo quantas vezes se deve perdoar, estava fazendo também uma alegoria sobre o final dos tempos, além de obviamente estar indiretamente revelando que devemos perdoar sempre. O número de setenta vezes sete para perdoar, é igual a 490, uma referência à Profecia de Daniel das setenta semanas, que também especifica o tempo de 490, como o tempo preestabelecido por Deus para o perdão e purificação da humanidade.

“Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete”. Mt 18:21,22

Primeiro vejamos o que disse Jesus com seus 12 anos, na disputa com os doutores do Templo, sobre a Profecia de Daniel, conforme as visões da Mística e Santa Maria Valtorta:

“...Quando acordo, com a lembrança daquela visão no coração tendo recobrado um pouco as forças e a paz, porque todos estão dormindo, me encontro em um lugar que eu nunca tinha visto antes. Nele há pátios e fontes, séries de pórticos e casas, ou melhor, pavilhões, pois têm mais características de pavilhões do que de casas. Há uma grande multidão de gente, vestida à antiga moda hebraica, num forte vozerio. Olhando ao meu redor, compreendo que estou dentro daquele aglomerado para o qual Jesus estava olhando, porque vejo a muralha com ameias que o rodeia, a torre que o vigia e a imponente construção, que se ergue no centro, e contra a qual vão-se estreitando os pórticos, muito bonitos e  espaçosos, sob os quais há muita gente, tratando de uma coisa ou de outra.

Compreendo que estou no recinto do Templo de Jerusalém. Vejo fariseus com suas compridas vestes ondulantes, sacerdotes vestidos de linho e com uma placa preciosa na parte superior do peito e da fronte, e outros pontos brilhantes espalhados aqui e ali sobre diversas vestes muito amplas e brancas, ajustadas à cintura por um cinto precioso.

Depois vejo outros que estão menos ornados, mas que devem certamente pertencer à classe sacerdotal, e que estão rodeados por discípulos mais jovens. Compreendo que ele são os doutores da Lei. Entre todos estes personagens, eu me encontro desorientada, porque não sei ao certo o que estou fazendo aqui.

Aproximo-me do grupo dos doutores, onde se iniciou uma disputa teológica. Muita gente faz a mesma coisa.

Entre os doutores há um grupo chefiado por um homem chamado Gamaliel e por um outro, velho e quase cego, que defende Gamaliel na disputa. Este que ouço ser chamado de Hilel, parece-me ser mestre ou parente de Gamaliel, porque este o trata com confiança e respeito, ao mesmo tempo. O grupo de Gamaliel tem vistas mais largas, enquanto que um outro grupo, mais numeroso, é dirigido por um homem que chamam de Shamai, dotado daquela intransigência cheia de ódio retrógrado do qual o Evangelho tão bem nos mostra.

Gamaliel, rodeado por um grupo numeroso de discípulos, fala da vinda do Messias e, apoiando-se na profecia de Daniel, sustenta que o Messias já deve ter nascido, porque já há dez anos que as setenta semanas se completaram, desde que saiu o decreto da reconstrução do Templo. Shamai o combate, afirmando que, se é verdade que o Templo foi reedificado, também é verdade que a escravidão de Israel aumentou, e a paz que haveria de trazer consigo Aquele que os Profetas chamavam de Príncipe da paz, está longe de existir no mundo, especialmente em Jerusalém, agora oprimida por um inimigo, que ousa levar sua dominação até dentro do recinto do Templo, que está dominado pela torre Antônia, cheia de legionários romanos, prontos a reprimir com suas espadas qualquer levante de independência dos patriotas.

A disputa é cheia de cavilações, dá sinais de que irá prolongar-se. Cada um dos mestres faz ostentação de erudição, não só para vencer o rival, mas para impor-se à admiração dos ouvintes. Esta intenção é evidente.

Do numeroso grupo dos fiéis, ouve-se sair a voz ovem de um rapazinho.

- Gamaliel está certo!

Então começa um movimento no meio da multidão e do grupo dos doutores. Estão procurando quem foi que disse aquelas palavras. Mas não é preciso procura-lo. Ele não se esconde, e vem abrindo caminho por entre a multidão, aproximando-se do grupo dos rabinos. Reconheço nele o meu Jesus adolescente. Ele está seguro do que diz, com aqueles seus olhos cintilando e cheios de inteligência.

- Quem és tu? – lhe perguntam.

- Sou um filho de Israel, que vim cumprir o que ordena a Lei.

Esta resposta, audaz e firme, agrada e provoca sorrisos de aprovação e benevolência. Interessam-se pelo pequeno israelita.

- Como te chamas?

- Jesus de Nazaré.

A benevolência diminui no grupo de Shamai. Mas Gamaliel, mais benigno prossegue no diálogo com Hilel. Aliás, é Gamaliel que com deferência diz ao velho: “Pergunta ao rapazinho alguma coisa”.

- Em que é que se baseia a tua segurança?

Jesus – Na profecia, que não pode errar quanto a época e quanto aos sinais que a acompanham, quando chega o momento da verificação. É uma verdade que César nos está dominando. Mas o mundo estava tão em paz, e a Palestina em tão grande calma, quando se cumpriram as setenta semanas, que foi possível a César ordenar que se fizesse o recenseamento em seus domínios. Ele não teria podido fazer se houvesse guerra no Império ou levantes na Palestina. Como aquele tempo se cumpriu, assim também está se cumprindo o outro tempo de sessenta e duas semanas mais uma, desde a realização do Templo para que o Messias seja ungido e se confirme a continuação da profecia, para o povo que não o quis. Podeis ter dúvidas? Não vos lembrais que a estrela foi vista pelos Sábios do Oriente e que foi parar justamente no céu de Belém de Judá, e que as profecias e as visões, desde Jacó e após ele, indicam aquele lugar como o destinado a acolher o nascimento do Messias, filho do filho de Jacó, através de Davi, que era de Belém? Não vos lembrais de Balaão? “Uma estrela nascerá de Jacó”. Os Sábios do Oriente, cuja pureza e fé tornaram abertos os seus olhos e seus ouvidos, viram a estrela e entenderam o seu nome: “Messias”, e vieram adorar a Luz que desceu ao mundo.

Shamai, com um olhar rancoroso:

- Tu dizes que o Messias nasceu no tempo da estrela, em Belém Efrata?

Jesus – Eu o digo.

Shamai – Então ele não existe mais. Não sabes, rapaz, que Herodes fez matar todos os meninos de um dia até dois anos de idade em Belém e nos arredores? Tu, que és tão sábio na Escritura, deves saber também isto: “Um grito se ouviu no alto... É Raquel, que está chorando os seus filhos”. Os vales e as colinas de Belém, que recolheram o pranto de Raquel, que estava morrendo, ficaram cheios de pranto, e as mães choravam também sobre seus filhos que foram mortos. Entre elas estava certamente também a mãe do Messias.

Jesus – Estás enganado, ó velho! O pranto de Raquel se transformou em hosana, porque lá onde ela deu à luz o “filho da dor”, a nova Raquel deu ao mundo o Benjamim do Pai celeste, o Filho da sua destra. Aquele que está destinado a reunir o povo de Deus sob o seu cetro, e livrá-lo da mais tremenda escravidão.

Shamai – E como, se Ele foi morto?

Jesus – Não leste a respeito de Elias? Ele foi arrebatado no carro de fogo. E não poderá o Senhor Deus ter salvo o seu Emanuel para que fosse o Messias para o seu povo? Ele, que abriu o mar diante de Moisés, para que Israel passasse a pé seco para a sua terra, não terá podido mandar seus anjos para salvarem o seu Filho, o seu Cristo, da ferocidade do homem? Em verdade, eu vos digo: “o Cristo vive, e está entre vós e, quando chegar a sua hora, Ele se manifestará em seu poder”.

Jesus ao dizer estas palavras, que eu sublinho, tem na voz um som que enche o espaço. Os seus olhos cintilam mais ainda e, com um gesto de império e de promessa, Ele estende o braço e a mão direita, e os abaixa, como fazendo um juramento. É um rapazinho, mas está solene como um homem.

Hilel – Rapazinho, quem te ensinou estas palavras?

Jesus – Espírito de Deus. Eu não tenho mestre humano. Esta é a palavra do Senhor, que vos está falando, através dos meus lábios.

Hilel – Vem cá entre nós, para que eu te possa ver de perto, ó mocinho, e a minha esperança se reavive ao contato da tua fé, e a minha alma se ilumine ao sol da tua.

E Jesus vai, de fato, sentar-se em um banco alto entre Gamaliel e Hilel, e lhe são levados uns rolos para que os leia e explique. É um exame em plena regra. A multidão se aglomera e escuta.

Jesus – “Consola-te, ó meu povo! Falai ao coração de Jerusalém, consolai-a porque a sua escravidão se acabou... Voz do que grita no deserto, preparai os caminhos do Senhor... Então aparecerá a glória do Senhor...”

Shamai – Estás vendo nazareno! Aqui se fala de escravidão que se acaba. Nunca fomos escravos como somos agora, Aqui se fala de um precursor. Onde está ele? Tu estás delirando.

Jesus – Eu te digo que a ti, mais do que a outros, está feito o convite do Precursor. A ti e aos teus semelhantes. De outra maneira não verás a glória do Senhor, nem compreenderás a palavra de Deus, porque as baixezas, as soberbas, as duplicidades serão para ti um obstáculo.

Shamai – falas assim a um mestre?

Jesus – Assim falo. E assim falarei até à morte. Porque, acima do que me é útil, está o interesse do Senhor e o amor à Verdade, da qual sou Filho. E te digo ainda, ó rabi, que a escravidão de que fala o Profeta, e da qual eu falo, não é aquela que pensas, como a realeza não será aquela que pensas. Mas, sim, é pelo mérito do Messias que o homem se tornará livre da escravidão do Mal, que o separa de Deus, e o sinal do Cristo estará sobre os espíritos, livres de todo jugo, e feitos súditos do Reino eterno. Todas as nações curvarão suas cabeças, ó estirpe de Davi, diante do Rebento nascido de ti, e que se tornou árvore que cobre toda a terra, e se levanta até o Céu. E no Céu e na terra, toda boca louvará o seu nome, e dobrarão o joelho diante do ungido de Deus, do Príncipe da paz, do Chefe, Daquele que se dará a si mesmo para delícia das almas cansadas, saciará a alma faminta, do Santo que fará uma aliança entre a terra e o Céu. Não como aquela aliança feita com os Pais de Israel, quando Deus os tirou do Egito, tratando-os ainda como escravos, mas imprimindo a paternidade celeste no espírito dos homens, por meio da Graça novamente infundida pelos méritos do Redentor, pelo qual todos os homens bons conhecerão o Senhor, e o Santuário de Deus não será mais derribado e destruído.

Shamai – Não fiques blasfemando mocinho! Lembra-te de Daniel. Ele diz que, depois da morte de Cristo, o Templo e a Cidade serão destruídos por um povo e por um chefe que virá. E tu estás dizendo que o Santuário de Deus não será mais derrubado! Respeita os Profetas!

Jesus – Em verdade eu te digo que aqui está alguém que é mais do que os Profetas, e tu não o conheces, e não o conhecerás, porque te falta a vontade. Eu te digo que tudo o que Eu disse é verdade. Não conhecerá mais a morte o verdadeiro Santuário. Mas como seu Santificador, ressurgirá para a vida eterna e, no fim dos dias do mundo viverá no Céu.

Hilel – Escuta, jovenzinho – diz Ageu – “virá o Desejado dos povos. Grande será, então a glória desta casa, maior do que a que coube à primeira”. Estará ele se referindo ao Santuário de que tu falas?

Jesus – Sim, mestre. Quer dizer isso. A tua retidão te leva para a Luz, e eu te digo: quando o sacrifício do Cristo se consumar, terás paz, porque és um israelita sem malícia.

Gamaliel – Diz-me Jesus. A paz, de que falam os Profetas, como poderá ser esperada, se a este povo virá a destruição pela guerra? Fala, e dá luz a mim também.

Jesus – Não te lembras, mestre, o que foi que disseram aqueles que estiveram presentes na noite do nascimento de Cristo? Não te lembras de que os exércitos celestiais cantavam: “Paz aos homens de boa vontade?” Mas este povo não tem boa vontade, e não terá paz. Ele desconhecerá o seu Rei, o Justo, o Salvador, porque espera que Ele seja um rei de poderes humanos, enquanto que Ele é o Rei dos espíritos. Este povo não o amará, porque o Cristo pregará o que a este povo não agrada. O Cristo não debelará os seus inimigos com os carros e cavalos, mas sim, os inimigos da alma, que dominam, com possessão infernal o coração do homem criado pelo Senhor. E esta não é a vitória que Israel está esperando Dele. Ele virá, Jerusalém, o teu Rei, cavalgando uma jumenta e um jumentinho, ou seja, os justos de Israel e os gentios. Mas o jumentinho, Eu vo-lo digo, será mais fiel a Ele, e o seguirá precedendo a jumenta, e crescerá no caminho da Verdade e da Vida. Israel, pela sua má vontade, perderá a paz, e sofrerá em si, através dos séculos, aquilo que fizer sofrer seu Rei, depois de tê-lo reduzido ao Rei das dores, de que fala Isaías.

Shamai – Tua boca tem ao mesmo tempo, cheiro de leite e de blasfêmia, nazareno. Responde-me: E onde está o Precursor? Quando o teremos?

Jesus – Ele já está aqui. Não diz Malaquias: “Eis que eu mando o meu anjo a preparar o caminho diante de Mim, e logo virá ao seu templo o Dominador por vós procurado, e o Anjo do Testamento por vós desejado”. Portanto o Precursor virá imediatamente antes de Cristo. Ele já está aqui, como o Cristo está. Se passassem anos entre aquele que prepara os caminhos do Senhor e o Cristo, todos os caminhos se tornariam cheios de entulhos e obstáculos. Deus sabe disso, e predispõe que o Precursor venha uma hora só antes do Mestre. Quando virdes o Precursor, podereis dizer: “A missão do Cristo começou”. E a ti Eu te digo: O Cristo abrirá muitos olhos e muitos ouvidos, quando ele vier por estes caminhos. Mas não os teus, nem os dos iguais a ti, que lhe dareis a morte em troca da Vida, que Ele vos oferece. Mas quando, mais alto do que este Templo, mais alto do que o Tabernáculo, fechado no Santo dos Santos, mais alto do que a Glória sustentada pelos querubins, o Redentor estiver sobre o seu trono e sobre o seu altar, fluirão de suas mil e mil feridas maldições para os deicidas e vida para os gentios, porque Ele, ó mestre, que disso não sabes, não é, eu repito, Rei de um reino humano, mas de um Reino espiritual, e os seus súditos serão somente aqueles que por seu amor souberem regenerar-se no espírito e, como Jonas, depois de terem nascido, renascerem em outra praias, “as de Deus”, através da geração espiritual que virá por Cristo, o qual dará a humanidade a verdadeira Vida.

Shamai e seus acólitos – Este nazareno é Satanás!

Hilel e os seus – Não. Este ovem é Profeta de Deus. Fica comigo, menino. A minha velhice transfundirá tudo o que sabe ao teu saber, e Tu serás mestre do povo de Deus.

Jesus – Em verdade, te digo que, se muitos fossem como tu és, viria a salvação para Israel. Mas a minha hora ainda não chegou. A mim falam as vozes do Céu, e, na solidão, Eu as devo acolher, enquanto não chegar a minha hora. Então, com os lábios e com o sangue, falarei a Jerusalém, e minha sorte será a dos Profetas que foram apedrejados e mortos por esta cidade. Mas, acima do meu ser, está o Senhor Deus, ao qual Eu submeto a Mim mesmo, como servo fiel, para que Ele faça de Mim escabelo à sua glória, na esperança de que Ele faça do mundo o escabelo aos pés de Cristo. Esperai-me na minha hora, Estas pedras ouvirão de novo a minha voz, e tremerão à minha última palavra. Felizes aqueles que naquela voz tiverem ouvido a Deus, e crerem nele através dela. A estes o Cristo dará aquele Reino que o vosso egoísmo deseja que seja um reino humano, mas que é celeste e pelo qual Eu digo: “Eis aqui o teu servo, Senhor, que veio para fazer a tua vontade. Consuma-a, pois Eu anseio para cumpri-la.”

E aqui, com a visão de Jesus com o rosto inflamado pelo ardor espiritual erguido ao céu, os braços abertos, em pé, no meio dos doutores atônitos, termina a minha visão.”

Fonte - O Evangelho como me foi Revelado - Maria Valtorta - vol 1, pgs. 252/258.

 

Agora vamos a revelação da Profecia de Daniel, de acordo com o que já foi amplamente estudado. Conforme a citação em Levítico 25,8, podemos dizer que uma semana corresponde a sete anos, ou cada dia corresponde a um ano. “Também contarás sete semanas de anos, sete vezes sete anos; de maneira que os dias das sete semanas de anos te serão quarenta e nove anos”. Não devemos usar este entendimento de tempo para todas as Profecias Bíblicas, nesta Profecia de Daniel é a que condiz com o pensamento de Deus na escatologia dos eventos futuros.

AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Daniel 9,24-27: Tradução Almeida corrigida

 24”Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo.

25”Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos.

26”E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações.

27”E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador”.

 

O ENTENDIMENTO

Daniel 9:24 - ”Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo”.

Neste capítulo 24, setenta semanas (490 anos) são referentes a tempos diferentes, contados em épocas diferentes, que se concretizarão completamente somente depois da segunda vinda de Jesus Cristo. Sim, porque para cessar a transgressão, dar fim aos pecados, expiar a iniquidade, trazer a justiça eterna, selar a visão e a Profecia, e para ungir o Santíssimo, coisas que só podem ser concluídas no final dos tempos. Muitas visões e Profecias se cumpriram com a primeira vinda de Cristo, mas não todas as Profecias, porque dependem da segunda vinda.

Ungir o Santíssimo, ou o Santo dos Santos, se refere a purificação da Igreja no final dos tempos. Se refere ao novo Tabernáculo, ao novo Templo do Senhor constituído por Jesus Cristo na Nova Aliança com os homens, na doutrina da Boa Nova. Trata-se de uma purificação espiritual por falta de fé, nos corações dos homens dos últimos tempos. Como a Igreja Católica é a única fundada por Deus, logo estamos falando que o lugar Santo é o seio desta Igreja.

Daniel 9:25 - ”Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos”.

Já neste capítulo 25, é especificado um tempo de 7 semanas (49 anos) mais 62 semanas (434 anos), totalizando 483 anos, desde a edificação de Jerusalém até o tríplice batismo de Jesus. Isto porque no hebraico a palavra Messias deste texto significa Ungido.

A meta do Messias é a Salvação mediante a Redenção, carregando para sempre o sinal que salva, o Tau, a Cruz. Jesus é Deus, e Deus não precisa de purificação, o batismo feito por João Batista foi apenas uma formalidade, uma referência para que fizéssemos o mesmo. Por isso o batismo com água não pode ser considerado como unção do Cristo, porque Cristo significa consagrado, e consagrado significa ungido com óleo para cumprir sua missão. Na Bíblia não consta quando Cristo foi ungido com óleo, mas posso dizer com toda certeza de que esta consagração ocorreu na casa de Lázaro em Betânia, dias antes da crucificação de Jesus, pela redimida e cheia do Espírito Santo Maria de Magdala. (Ver Maria Valtorta, “O Evangelho como me foi Revelado”, páginas 282, 283, 284.)

Maria de Lázaro, como era chamada por Jesus, esteve um ano e alguns meses antes, na casa do fariseu Simão, depois de ouvir a parábola da ovelhinha perdida, momento em que se converteu, ungindo os pés de Jesus com lágrimas e óleo, para agradecer e pedir perdão pelos pecados. A resposta de Jesus a este pedido está em Lc 7:30-50. Há! Os doutores difíceis irão com certeza perguntar: “Mas como foi dado esta honra a uma ex-pecadora?” Maria de Lázaro não apenas se redimiu dos pecados, mas continuou crescendo na fé, da larva criou asas como uma borboleta e subiu ainda mais, se queimando de amor como um Serafim, desejando a morte para estar logo com Deus no Paraíso. E foi este serafim terreno escolhido por Deus para Consagrar o Cristo antes de sua morte.

Ungido neste capítulo 24, tem três significados, o batismo com água para Jesus-homem, o batismo com óleo para o Cristo e, como se trata do Messias o Salvador, tem uma amplitude maior, de elevação, de consumação, com sua crucificação batizada com o Sangue Redentor. A purificação da humanidade vem com o poder batismal do Sangue do Cordeiro Eterno numa Cruz.

Este período de 3 anos, entre o Batismo de Jesus por João Batista e sua crucificação, é o tempo indicado na Profecia de Daniel.

O teólogo Sir Robert Anderson, um advogado, investigador da Scotland Yard e um brilhante estudante da Bíblia, relata em seu livro The Coming Price (O Príncipe que há de vir) de 1895, o resultado de seu meticuloso estudo sobre as setenta semanas de Daniel. Nenhum outro teólogo foi mais determinado, minucioso e perspicaz como ele na busca da solução do problema. Por isso tenho que considerar seus cálculos como base.

 Anderson escreveu:

"A data juliana daquele 10 de nisã era domingo, 6 de abril de 32 D.C. Qual foi então a duração do período entre a emissão do decreto para reconstruir Jerusalém e o advento público do 'Messias, o Príncipe' -- entre o 14 de março de 445 A.C. e 6 de abril de 32 D.C.? O intervalo conteve exatamente e até o dia 173.880 dias, ou sete vezes 69 anos proféticos de 360 dias, as primeiras sessenta e nove semanas da profecia de Gabriel”.

O objetivo real desta Profecia, sugere na verdade o espaço de tempo entre o ano 30 D.C. a 33 D.C. Anderson não percebeu que a diferença entre a entrada de Jesus montado num jumentinho em Jerusalém, até a crucificação são apenas alguns dias.

Anderson em sua conclusão chegou até o ano 32 D.C., é uma descoberta impressionante, considerando que estamos falando de uma Profecia que se cumpriu quase 500 anos depois. Esta diferença de um ano para a morte de Jesus em 33 D.C., pode ser explicada com a dúvida entre o ano início da ordem para reedificar Jerusalém, se foi 444 D.C. ou 445 D.C. Além do que, o cálculo para se chegar a uma data precisa é extremamente complexa, exigindo um conhecimento virtuoso em várias áreas e mesmo assim passível de algum erro, mesmo que pequeno. Mas é obvio que o resultado dos estudos de Anderson indica para o período de evangelização de Jesus. Outros teólogos consideraram a ordem de construção de Jerusalém em anos diferentes, dando resultados diferentes, variando entre 27 D.C., 29 D.C., mas todos suscitam a época que Jesus viveu, e todos estes resultados na verdade estavam direcionados para a vida pública Jesus, desde a primeira unção com água até a unção com sangue na Cruz.

A Profecia das setenta semanas de Daniel é considerada por muitos como a mais relevante, a Profecia das Profecias, pois dá veracidade aos escritos bíblicos, concluem, tornam cumpridas inúmeras passagens. Coloco aqui apenas uma pequena parte:

Gênesis 3:15, Êxodo 14:21.22, Números 24:17, 2 Reis 2:11, Isaías 7:14, Isaías 9:6, Isaías 7:14, Isaías 40,1-5, Isaías 52:1-15, Isaías 53,1-12, Jeremias 25:5, Jeremias 31:15, Jonas 2, Miquéias 5:2, Ageu 2,7-9, Zacarias 9:9, Zacarias 11:12, Malaquias 3:1, Salmos 22:16, Salmos 34:20, Salmos 41:9, Lucas 1:26-35, Mateus 1:1, Mateus 1:20-23, João 1:29, Hebreus 10:11-12, e muitas outras.

Não é maravilhoso saber que tantas Profecias já se concretizaram com a primeira vinda do Senhor?

 Decreto

445 A.C.                                                                                         33 D.C.                  

                7 semanas                               62 semanas                      

                49 anos                                    434 anos

/--------------------------/-----------------------------------------------------/

 

A última semana não deve ser colocada em sequência porque não faz parte deste tempo.                                      

                              

 

Daniel 9:26 - ”E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações.

Daniel 9:27 - ”E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador”.

Nestes dois capítulos, 26 e 27, não podem ser entendidos separadamente, porque se trata de um mesmo assunto com acontecimentos conexos. Se refere a segunda vinda de Cristo no final dos tempos.

Nos últimos sete anos antes da segunda vinda do Senhor, na metade da semana, ou seja, depois dos primeiros três anos e meio, um “Príncipe” e seus seguidores farão cessar o Sacrifício, o Rito estabelecido por Cristo à sua Igreja, a Eucaristia, para dar prosseguimento a sua destruição(Grande Tribulação) nos três anos e meio restantes. Este Príncipe é o Anticristo.

A revelação estipula um tempo de maquinação posterior de 434 anos para que o Cristo seja cortado, “morto”, retirado, afastado. A única forma de “matar” Jesus nos tempos atuais, onde não existe mais sua presença física, é fazendo cessar o Sacrifício Perpétuo, o ritual Eucarístico das Igrejas Católicas, onde verdadeiramente Jesus se apresenta transubstanciado em corpo e sangue, na hóstia e no vinho oferecido aos fiéis. Jesus além de Cordeiro eterno, é o Pão da Vida que desceu do Céu, sendo distribuído até o final dos tempos através da Eucaristia, fazendo-se verdadeiramente presente. Como Ele próprio disse: “e eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém”. Mt 28:20.

A retirada da presença de Jesus é na metade da semana, conforme Ap 13:15 e Dn 12:11-12, dizendo claramente que depois de cessar o Sacrifício, o Anticristo do final dos tempos terá os últimos três anos e meio de atuação antes da segunda vinda de Jesus.

Mas qual momento da história da Igreja houve uma ruptura capaz de 434 anos depois fazer cessar  o Sacrifício? Tal divisão, tal cisma só poderia partir dentro da Igreja, de um Católico traidor modificando a doutrina, e completada depois deste período por outro Judas. A Igreja fundada por Jesus sofreu com várias contestações doutrinárias, mas nenhuma fez tanto mal como o protestantismo de Lutero.

Nossa Senhora já nos avisou em La Salete, que no ano de 1864 Lúcifer e um grande número de demônios foram soltos do Inferno. Mas como saber o tempo início das 62 semanas?

Como a história já conta, Lutero publicou suas noventa e cinco teses cismáticas em 1517, depois disso se espalhou pela Europa, porém alguns de seus seguidores não concordavam com todas as teses. E assim foi durante muitos anos uma contestação contra a doutrina Católica, que no princípio tinha como objetivo principal reformar a Igreja. Mas a soberba de Lutero e seus apoiadores, ao invés de humildemente pedir para que os líderes da Igreja Católica reconsiderassem alguns exageros, como qualquer bom cristão faria, e aceitassem o veredito depois, se revoltaram e criaram uma divisão fundando uma nova religião.  

Para se transformar numa nova religião tinha que ter uma nova doutrina estabelecida e promulgada. Somente em 1586 os ministros da igreja protestante Holandesa tornou base na Holanda e na Alemanha, o chamado Catecismo de Heidelberg. Considerado o mais importante documento confessional da igreja reformada Alemã, de acordo com eles “documento notável”. Foi esta nova e cismática doutrina que avançou através dos tempos até os dias de hoje. Depois da igreja Luterana vieram mais de trinta mil denominações diferentes de igrejas, todas dizendo ter a doutrina verdadeira de Jesus. Neste interim de tempo houve a guerra dos trinta anos, desde 1618 a 1648, com motivação inicial as diferenças religiosas entre Católicos e protestantes, mas logo em seguida se tornou uma motivação política com interesses de expansão territorial, econômicas e até a hegemonia na Europa. Foram estes infiltrados políticos de várias nações que se aproveitaram do conflito religioso, para conquistar seus interesses pessoais, promovendo uma verdadeira carnificina na região.

Do catecismo protestante do ano 1586, mais 434 anos = 62 semanas, obteremos o ano de 2020 como o ano que cessa o Sacrifício, a Eucaristia. Lembrando que o Sínodo do Cisma na Igreja Católica começou em 2021 e se estenderá até outubro de 2023 para a sua conclusão fatídica. Coincidência?

Há mais duas possibilidades para chegarmos no tempo início das transgressões doutrinárias:

- A primeira é adotando o procedimento divino de purificação da humanidade a cada 2000 anos, somados com a idade de Cristo quando morreu na Cruz, chegaríamos ao ano de 2033, ano da possível vinda do Senhor. Calculando 2033 menos 62 semanas mais uma = 441 = 1592, menos os últimos 3,5 anos = 1588/89, como ano início da contagem profética de Daniel. (observem que, como estamos calculando à partir do ano possível da vinda do Senhor para trás, obviamente devemos acrescentar nas 62 semanas mais uma semana, e logo em seguida diminuir os 3,5 anos para chegarmos ao ano onde cessará o Sacrifício Perpétuo)

- A segunda, é partindo de outubro de 2023, ano término do Sínodo sacrílego, do Cisma, gerenciado pelo Falso Profeta Bergoglio, fazendo cessar o Sacrifício Eterno. Este é o Sínodo profetizado em Garabandal. Voltando 434 anos no tempo, partindo de 2023, chegaremos em 1589, como ano início das maquinações contra a Eucaristia.

Nas duas possibilidades obtivemos o mesmo resultado: ano de 1589, e na reflexão anterior considerando o ano da promulgação do catecismo protestante, o ano de 1586. Serão mais do que coincidências, ou evidencias reais destes tempos tenebrosos?  

Mas o que ocorreu nestes últimos 434 anos, a partir de 1589, que pudesse culminar com o fim do Sacrifício Perpétuo dentro da Igreja fundada por Jesus Cristo?

Nossa Senhora nos dá uma forte referência:

 “A importância exagerada dada à razão, como critério exclusivo de verdade, leva necessariamente à destruição da fé na Palavra de Deus. De facto, com a reforma protestante rejeita-se a Tradição como fonte da divina Revelação e só se aceita a Sagrada Escritura. Mas mesmo esta última deve ser interpretada por meio da razão, rejeitando-se obstinadamente o Magistério autêntico da Igreja hierárquica, à qual Cristo confiou a guarda do depósito da fé. Cada um é livre de ler e compreender a Sagrada Escritura segundo a sua interpretação pessoal. Deste modo, é destruída a fé na Palavra de Deus. Obra do anticristo, neste período histórico, é a divisão da Igreja, a consequente formação de novas e numerosas confissões cristãs, que são gradualmente levadas a uma perda cada vez mais extensa da verdadeira fé na Palavra de Deus”. (Revelações de Nossa Senhora ao Padre Stefano Gobbi)

Lutero nada mais foi do que um adepto das doutrinas iluministas maçônicas. Teve o apoio da Maçonaria Eclesiástica Católica da época para prosseguir com seu intento, não teria conseguido alcançar seus objetivos sem esta ajuda. A infiltração na Igreja de doutrinas contrárias se multiplicou depois do Concílio Vaticano II. A Maçonaria Eclesiástica neste Concílio era formada por grande parte de Bispos e Cardeais, assim o falso ecumenismo entrou na Igreja com suas teorias humanistas minimizando a espiritualidade.

O espaço de tempo entre o primeiro Lutero, até o segundo Lutero(Papa Francisco), é o tempo profético estabelecido por Deus, nas 62 semanas proféticas de Daniel, o qual resultará na religião mundial do Anticristo.

Visto a constatação estarrecedora das insídias de Satanás neste período de tempo, podemos perfeitamente compreender a decadência da fé na Igreja Católica, provocada pelo secularismo, chegando em 2023 com um complô maçônico perverso, fazendo com que Jesus seja retirado do seio da Igreja, não esteja mais presente no meio dos homens.   

A ÚLTIMA SEMANA:

Esta última semana mencionada na Profecia, se conecta depois das 62 semanas para completar o tempo até a segunda vinda de Jesus. Como já estamos no final dos tempos, basta ter um pouco de discernimento para poder perceber que os sete anos já se iniciaram, quando o mundo todo foi obrigado a usar máscaras e se trancar dentro de casa, envolvidos pelo medo da quimera do vírus covid-19 a partir da metade do ano de 2020. Acrescentando a última semana, ou seja, os últimos 7 anos da Profecia, chegaremos aproximadamente no início de 2028, como o ano da volta do Senhor.

Os homens mais ricos e poderosos do planeta estão criando leis autoritárias que inibem os direitos individuais das pessoas, organizações como a ONU e a OMS “donos da verdade”, e ai de quem for contra estes governantes. Com a obrigatoriedade de se trancar em casa, fechamento de empresas e comércios, o mundo parou. O mundo mudou, não é mais o mesmo depois deste acontecimento global de intimidação. Nunca, em tempo algum, uma dominação mundial como a que está ocorrendo em nossos dias ocorreu. Este é o grande sinal, “a forte aliança do assolador”, dando início aos últimos sete anos profetizados por Daniel.

Para confirmar esta afirmação, vejamos o que Jesus disse em abril de 2020:

“Vós sabeis o que está acontecendo? Pois bem, Eu, o Senhor, vos explicarei com clareza o enorme sacrilégio da dessacralização e a abominável desolação que está no meio de vós. Como o profeta Daniel anunciou, as semanas, os meses e os anos estão se cumprindo; a desolação da abominação total já está fazendo um pacto com os que lideram o mundo”.

Fonte: https://sagradoscorazones.wixsite.com/apostolado/2020

Como se não bastasse, também Nossa Senhora nos revelou em 29 de novembro de 2020:

“A descendência de Jacó, as bênçãos de Abraão, as profecias dos profetas do final dos tempos recordai-as, filhos Meus! E dizei a todos que a semana do Profeta Daniel a estais vivendo. E que continuará assim até que se cumpram os dias e assim as 7 semanas. Na última, um período marcado pelos sonhos proféticos que Meu Filho recebeu, acontecerão o Aviso, o Milagre e o Castigo, mensagem divina que dei ao padre Gobbi em São Sebastião de Garabandal”.

Fonte: https://sagradoscorazones.ixsite.com/apostolado/2020

A conclusão:

Gráfico dos últimos sete anos:

 

Junho 2020                                               abolir Sacrifício                                   volta Jesus

Início dominação                             Fim de 2023 início de 2024                início de 2028

                       3 anos e meio                                               3 anos e meio

 /------------------------------------------------------/-------------------------------------------------/

                                               Última semana = 7 anos

/---------------------------------------------------------------------------------------------------------/

 

Já estamos sob o domínio do assolador em nível mundial. É só fazer as contas, logo compreenderão, que desde o início da dominação mundial na metade de 2020, mais três anos e meio, chegaremos no fim do ano de 2023, início de 2024.  Coincidentemente em outubro de 2023 termina o Sínodo profetizado em Garabandal, formalizando o Cisma na Igreja, que dará andamento nos outros três anos e meio restantes, completando uma semana, ou seja, sete anos, a Grande Tribulação, e a vinda do Senhor. Como estamos em setembro de 2022, falta portanto menos de sete anos para a segunda volta de Jesus Cristo.

É só aguardar e rezar, rezar, rezar...

A paz de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja no coração de todos.

 

Antonio Carlos Calciolari

 

Este é o Credo que Jesus deseja ouvir:

Credo do concílio de Nicéia:

Creio em um só Deus, Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus,  nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por ele todas as coisas foram feitas.  E por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos céus: e se encarnou pelo Espírito Santo,  no seio da Virgem Maria, e se fez homem.

Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado.  Ressuscitou ao terceiro dia,  conforme as Escrituras, e subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai.  E de novo há de vir, em sua glória,  para julgar os vivos e os mortos; e o seu reino não terá fim.

Creio no Espírito Santo,  Senhor que dá a vida, e procede do Pai e do Filho;  e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado:  ele que falou pelos profetas.

Creio na Igreja, una, santa, católica e apostólica. Professo um só batismo para remissão dos pecados. 

E espero a ressurreição dos mortos  e a vida do mundo que há de vir.

Amém.


sexta-feira, 9 de setembro de 2022

MENSAGEM DE NOSSA SENHORA SOBRE O FALSO PAPA

 




 MENSAGEM DE NOSSA SENHORA SOBRE O FALSO PAPA

 

Mensagem da Santíssima Virgem Maria Rosa Mística, recebida na Gruta, Sonora, México, dezembro de 2017.

 

Meus amados filhos, que o Deus da Paz ilumine vosso caminho nesta era de confusão. Muitos afirmam possuir a verdade, mas muito poucos vivem nela. A mentira e o erro se sustentam porque falta o espírito de humildade e a oração.

Sou vossa Mãe da Rosa Mística e vos trago de presente neste fim de ano as Rosas de Meu Coração: a Rosa branca da pureza e da sinceridade. A Rosa dourada do amor do Pai e da honestidade. E a Rosa vermelha ardente do Sagrado Coração de Meu Amado.

Em breve, o grande satélite universal que será colocado em marcha invadirá o espaço com mensagens e palavras subliminares. Se estiverdes de jejum e oração, podereis distinguir o oculto destes sinais, que são dirigidos ao subconsciente de cada ser humano, com o fim de controlar e dominar as vontades.

Amados filhos, um último antipapa se apresentará e afirmará publicamente uma doutrina ecumênica totalmente errônea, a máxima apostasia final da Igreja chegou.

Estas mensagens Minhas não serão aprovadas jamais, porque colocam a descoberto a mentira e o erro, não dos fiéis, mas dos lobos vestidos com pele de cordeiro.

Meu Pedacinho de Coração (assim chama a Santíssima Virgem ao Discípulo desde Julho de 1984). Avisa ao mundo, à humanidade inteira.  Não tenhas medo, sei que é um grande esforço teu, já recebestes bastante humilhação e rejeição, mas Eu, tua Mãe Celestial, tenho a ti, pequeno, em Meu Regaço Materno.  Ali descansarás de tuas fadigas.

Nos 1095 dias de dura luta espiritual que foram anunciados, onde a fé, a esperança e a caridade serão duramente açoitadas pelo espírito da falsa doutrina que um falso papa promulgará universalmente, uma multidão o aplaudirá e dirão que ele é um santo, cheio de humildade, conhecimento e sabedoria. E todo aquele que não o obedeça na Terra será considerado um herege. Haverá muitos que o defenderão com unhas e dentes, e esses, queridos pequenos Meus, estarão desagradados e irritados convosco.

Haverá muitos desacatos ocorrendo no tempo dos 1095 dias. O cisma, a heresia e a apostasia. O falso papa  se encontra com os grandes governos comunistas, ateus e maçons. Uma nova e perversa doutrina será anunciada em alto e bom som e, neste engano, cairão Cardeais e senhores bispos.

O Evangelho de Meu amado Filho será habilmente alterado, Suas palavras serão distorcidas ou mudadas no sentido ensinado nos seminários. Verdadeiros erros doutrinários. 

Imprimi e armazenai tudo isto que Eu estou vos declarando, guardando-o em uma gaveta fechada para que, quando tomeis conhecimento de alguma informação, prontamente vos informeis do que haveis esquecido.

Continuo vos falando do falso papa para que não vos deixeis dominar por ele, porque é um lacaio do anticristo e sua presença traz todo o fumo do inferno à Igreja, cujas portas nunca teriam sido abertas para ele. Eu Sou vossa Mãe e Minhas mensagens são verdadeiras. O antipapa, o papa falso, tem na fronte o selo do demônio. A igreja do inferno o receberá e todos falarão excelentemente dele com títulos vaidosos, pomposos e até ofensivos.

Em Roma, já entrou em colapso o dogma da fé, e não será restabelecido.

Foi dito, Meu amado filho, em outra mensagem, através de vossa serva Sor Faustina da Polônia: “...surgirá A chispa que iluminará o mundo nos tempos finais” (este foi o papa João Paulo II).

 

Fonte: https://sagradoscorazones.wixsite.com/apostolado/2021

Fonte: Mulhervestidadesol.com.br

Comentário meu:

Nesta importantíssima mensagem de Nossa Senhora, ela está nos revelando que desde o momento (o dia) da promulgação da falsa doutrina a nível mundial, proferida por Bergoglio, serão 1095 dias, ou três anos de perseguições aos cristãos. Acredito que nossa Mãe está nos revelando o real tempo de perseguição, já abreviado, conforme as Profecias, que serão na verdade de três anos e não de três anos e meio. Como já sabemos, tal promulgação virá poucos meses depois da conclusão do Sínodo que termina em outubro de 2024. Todas as profecias se encaixam perfeitamente para o cumprimento do plano divino.

Quanto a menção de Nossa Senhora a respeito da mensagem de Jesus dada à Santa Faustina Kowalska:

“Amo a Polônia de maneira especial e se ela for obediente a Minha vontade, Eu a elevarei em poder e santidade. Dela sairá a centelha que preparará o mundo para a Minha vinda derradeira.”

De fato o Papa João Paulo II foi o que mais trabalhou para a conversão das almas em toda a história da Igreja, não somente pelo longo tempo de seu pontificado, mas pelo seu carisma influenciou multidões. Que saudade deste Santo!

Me preocupo também com o Papa Bento XVI, cercado e amordaçado pela Maçonaria Eclesiástica no Vaticano, sofrendo por nós, rezando por nós, consciente da gravidade em que se encontra a Santa Igreja.


quarta-feira, 10 de agosto de 2022

OS TRÊS DIAS DE ESCURIDÃO

 





OS TRÊS DIAS DE ESCURIDÃO

 

Os três dias de escuridão são os últimos três dias antes da segunda vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo à Terra. É durante estes últimos dias que ocorrerá o desfecho final da guerra espiritual do Arnagedon entre os demônios e os Anjos de Deus. É também nestes dias que o grande terremoto apocalíptico vai dividir o Monte das Oliveiras em duas partes, conforme as profecias, e o Anticristo Obama e o Falso Profeta Bergoglio serão lançados vivos no Inferno.

Serão os últimos momentos derradeiros da influência de Satanás e seus demônios sobre os seres humanos. No quarto dia será na verdade o primeiro dia, dos mil anos de paz.

São dezenas de visionários católicos que profetizaram sobre os três dias de escuridão do final dos tempos, mas nenhum deles forneceu tantos detalhes deste acontecimento global como a última Profetiza Maria Divina Misericórdia.

Esta mensageira escolhida por Deus, é uma mulher da Irlanda. O nome dela é Maria da Divina Misericórdia.  Deus a chama: Profetiza dos Últimos Tempos,  Último Profeta, que antecede a segunda vinda do Senhor.

Em importância escatológica, está no mesmo nível do Profeta Daniel, e do Evangelista João.

Segundo Deus esta missão: O LIVRO DA VERDADE, é a última missão de Jesus na Terra para salvar a Humanidade, não haverá outro, ou outros Profetas depois dela, e também não haveria mais tempo, visto que, tanto ela como nós, veremos Jesus voltar.

O LIVRO DA VERDADE foi avisado no Livro de Daniel 10, 21 e também no Livro do Apocalipse 5, 2-9, como o Livro com os 7 Selos.

A comunicação com Maria Divina Misericórdia não está sendo permitida, pelo menos por enquanto, devido as perseguições incansáveis dos servos do maligno, muitos deles estão dentro da Igreja travestidos de cordeiros, maquinando contra estas mensagens do Céu. Hoje em dia os maiores inimigos dos católicos estão dentro da própria Igreja. Deus precisa dar proteção a esta importantíssima e imprescindível Profetiza até que todas as mensagens sejam entregues, a fim de que, as informações para a nossa salvação sejam dadas.  

 

Recebido domingo, 18 de março de 2012, 16:00, Mensagem 377 do Livro da Verdade. Jesus a Maria da Divina Misericórdia:

 Minha amada filha, Meus filhos devem saber que a razão pela qual o mundo está espiritualmente vazio, é porque eles já não sabem mais a diferença entre o certo e o errado.

Apenas por Minha Luz, que preenche cada alma, incluindo os pecadores, o mundo não deixará de existir. É a Minha Luz que mantém o mundo vivo.

Muitos dos Meus seguidores, que se consagram para sofrer em união Comigo, também ajudam a manter esta Luz viva.

Antes que Eu volte, a Minha Luz vai desaparecer do mundo por um período de três dias.

Isso acontecerá no último final, e não deve ser confundido com o GRANDE ALERTA.

Será durante estes três dias que haverá choro e ranger de dentes e as pessoas se movimentarão à procura da Minha Luz, mesmo as que Me rejeitaram. Esta será a hora da Verdade.

Meus seguidores não devem temer estes três dias, em que vocês talvez possam achar que não estarei presente, porque Eu estarei com vocês.

Em seguida, após os três dias, Eu vou voltar à Terra exatamente do jeito que Eu ascendi ao Céu. Eu virei nas nuvens, acompanhado por todos os Anjos e Santos do Céu, em grande Glória. Que belo e alegre será esse dia, quando Eu voltar a reinar sobre a Terra, de acordo com a Vontade de Meu Pai.

Nenhum homem vai ter a menor dúvida de que sou Eu. Nem eles terão alguma dúvida sobre seu futuro. Este será o dia em que Eu virei para julgar. Vou dividir o Meu povo entre aqueles que Me amam e aqueles que Me odeiam.

Aqueles que Me rejeitaram e prestaram homenagem a todas as coisas do mal, vão ser banidos para o fogo eterno do inferno. O restante vai vir Comigo e morar no Paraíso, juntamente com os justos ressuscitados. Este é o objetivo, pelo qual cada alma deve olhar para frente, quando Eu voltar como prometi.

Para os Cristãos, Eu digo isto: Saibam que este grande e glorioso evento acontecerá em breve. Sua geração irá testemunhar Meu Retorno Glorioso. Eu nunca vou revelar o dia, porque só Meu Pai sabe disso, mas Eu posso assegurar-lhes que o tempo para Minha Segunda Vinda está perto. Aos Meus servos sagrados digo que é o seu dever preparar o Meu povo, essas almas pelas quais vocês são responsáveis, de modo que sejam incluídas no Livro da Vida.

Peço a vocês que trabalhem duro, através do poder de comunicação e das orações, para preparar o mundo para Minha Segunda Vinda.

Seu amado Salvador, Jesus Cristo, Redentor da Humanidade.

 

 Recebido domingo, 5 de maio de 2013, 16:15, Mensagem 787 do Livro da Verdade. Jesus a Maria da Divina Misericórdia:

Minha muito amada filha, a dor da separação de Mim, Jesus Cristo, o Filho do Homem, é desconhecida para muitos, mas quando chegar o dia, quando a Minha Luz morrer em direção ao fim, tornar-se-á claro o quão miserável é a agonia.

Aqueles que Me conhecem e que Me amam, sabem que dor traz, quando o pecado forma uma barreira entre o pecador e Deus. Aqueles que não Me conhecem e aqueles que Me rejeitam, vão experimentar essa separação durante os últimos três dias de trevas, quando a Presença de Deus estará longe de ser encontrada.

Só vai ser quando a Luz de Deus desaparecer, que o homem vai finalmente entender, que não há vida sem Deus. Tudo o que resta é um vazio, um deserto e escuridão.

Eu Sou a Luz, que o homem procura, sem o conhecimento dele, a cada segundo de cada dia...

 

1075. Mãe da Salvação: Eles vão apresentar um novo livro vermelho, com a cabeça de uma cabra embutida dentro de sua capa

Então, quando amanhecer o Grande Dia, após os três dias terríveis das trevas, uma grande Luz vai aparecer sobre a Terra. Esta Luz irá cercar o Meu Filho, e o sol, que será na sua maior força, descerá sobre o mundo - os dois ao mesmo tempo. Nenhuma pessoa vai deixar de assistir este espetáculo sobrenatural. O rugido do anúncio será ouvido por todos, através de cada forma de comunicação conhecida pelo homem. Portanto, tudo vai antecipar um grande evento, mas eles não vão saber o momento, a hora ou a data. E então aqueles, cujos nomes estão listados no Livro da Vida, serão reunidos.

Rezem, rezem, rezem, para que o mundo não rejeite a preparação, que é necessária antes que a Humanidade possa ver a Luz do Rosto do Meu Filho!

Sua amada Mãe, Mãe da Salvação.

 

1107. Deus Pai: Poucos de vocês vão rejeitar a nova igreja mundial, e por isso Minha Intervenção será rápida

Assim como o Meu Filho ressuscitou dos mortos no terceiro dia, assim também Ele se revelará no terceiro dia, após os três dias de trevas, em Sua Segunda Vinda. Eu desejo que vocês estejam cientes destes três dias de trevas, de modo que não temam! Velas Abençoadas irão fornecer a única luz, permitida por Mim, para permitir que aqueles, que Me amam, vejam e esperem, com alegria, a chegada do Meu Filho.

 

Recebido terça-feira, 13 de maio de 2014, 08:50, Mensagem 1128 do Livro da Verdade. Jesus a Maria da Divina Misericórdia:

Minha muito amada filha, é Minha maior alegria, testemunhar aos Meus amados seguidores, que têm respondido ao Meu Chamado, recitando as Cruzadas de Orações, que, através do Poder do Espírito Santo, bilhões de almas se salvarão.

Vou usar as Cruzadas de Orações, para renovar e purificar as almas da Humanidade, ao mesmo tempo, em que Eu renovar a face da Terra. A grande renovação será concluída, tudo ao mesmo tempo, para que o mundo esteja pronto e digno de receber-Me, Jesus Cristo, como o Salvador que retorna.

Para acolher a realeza nas nações é necessário muita preparação, antes que o rei ponha os pés em suas terras. Vocês nunca permitiriam a visita de um rei, estando tudo em desordem, em decadência ou com as ruas repletas de sujeira. Portanto os representantes destes Países garantiriam que estes estivessem prontos e preparados adequadamente, para receber os dignitários visitantes. Eles enfrentariam consideráveis dificuldades, para preparar uma digna boa vinda com representantes escolhidos, que eles julgam serem dignos, para saudar o rei que visita. Finalmente, eles vão preparar uma grande cerimônia, para celebrar a chegada do rei, e no grande dia vão se alinhar nas ruas e cantar grandes elogios. Eles vão esbanjar elogios sobre o monarca visitante e sua comitiva. Assim será no Grande Dia do Senhor, quando Eu, Jesus Cristo, vier para julgar.

Eu vou chegar de repente, ao som de trombetas e do doce som do Coro dos Anjos. Antes de Eu voltar, imediatamente, o céu ficará escuro por três dias. Depois brilhará uma grande luz em uma infinidade de cores, nunca visto antes pelos homens. Eu serei visto por cada homem, mulher e criança, de todas as idades, e haverá grande choque, mas também uma grande emoção. As pessoas não vão acreditar em seus olhos e muitos ficarão mudos - outros vão chorar lágrimas de alívio e alegria. Muitos não estarão preparados e vão achar o evento tão esmagador, que vão derramar lágrimas de tristeza, pois saberão em seus corações como eles rejeitaram o Verdadeiro Messias e como são indignos de entrar no Meu Reino. Mas Eu digo a estas pessoas agora: Neste Dia, vocês devem clamar a Mim e Me pedir para lhes perdoar! Então vocês também estarão reunidos em Meu Novo Reino.

Assim como qualquer rei que visita, Eu peço àqueles entre vocês, que Me amam, para se preparar para este Grande Dia. Confiem em Mim, preparem suas almas, rezem pela salvação de todas as almas e venham prontos, vestidos e esperem - assim como uma noiva aguarda o noivo! Neste Dia, vocês, filhos de Deus, irão juntar-se Comigo como um, em União Sagrada com Meu Pai, para o início do novo mundo e da Era Gloriosa, prometida a vocês desde o início.

Fiquem em paz! Preparem-se com amor e simplicidade de coração para este Grande Dia! Não tenham medo dele! Deem boas-vindas a ele! Mesmo se vocês estiverem em grande escuridão, Eu vou levá-los para Minha Luz. Tudo que vocês precisam fazer é estender os seus braços para Mim e Eu vou lhes abraçar como Meus.

Seu Jesus

 

Recebido sexta-feira, 24 de outubro de 2014, 22:50, Mensagem 1250 do Livro da Verdade. Jesus a Maria da Divina Misericórdia:

Minha muito amada filha, o sol é um dos maiores sinais, quando a Intervenção Divina está prestes a ser revelada. Quando vocês virem mudanças no sol, quando ele parecer maior, brilhar por mais tempo e fora de tempo; saibam que está ficando mais perto o tempo da Minha Segunda Vinda!

A mão de Deus vai usar o sol, para alertar o mundo, sua atividade será incomum. Os cientistas não serão capazes de explicar a razão para os movimentos bruscos no sol e para o comportamento incomum deste astro, que lhes leva a luz. Sem a luz do sol, a Terra ficaria mergulhada na escuridão. Assim, como os pecados dos homens aumentam, e o pecado é visto simplesmente como parte da natureza humana, a Terra será coberta com o espírito das trevas. Como o pecado envolve o mundo, o sol vai lentamente perder seu brilho e tornar-se enfraquecido. Quando o homem perder o sentido do amor pelos outros e se tornar imune à dor que ele inflige sobre os outros, por causa do pecado, o mundo vai ficar mais escuro - mais escuro o espírito, mais escuro a cada dia.

Eu continuarei a guiar os filhos de Deus até este momento. Eu vou lhes mostrar o caminho para o Meu Reino e vocês vão ver a Minha Luz. Nada vai distraí-los ao longo do caminho, porque vocês vão ver, claramente, como o mal traz consigo uma terrível escuridão.

O sol irá se dissipar até que, finalmente, nenhuma luz cobrirá a Terra por três dias. A única luz será aquela, que vem da Verdade. E, no quarto dia, os Céus se abrem e a luz, que vocês nunca imaginaram ser possível, derramará dos Céus. Então Eu vou ser visto por todas as pessoas, em todos os Países, ao mesmo tempo, em toda a Minha Glória, quando Eu virei para recuperar o Reino prometido por Meu Pai.

Nunca temam pela preparação que é necessária, para que cada um de vocês estejam prontos para encontrar-Me. Vocês devem garantir que estarão bem preparados para Mim, porque esse será o dia, em que Eu vou entregar-lhes as chaves do Meu Reino, e haverá grandes celebrações. O mal não existirá mais no Meu Novo Mundo que está por vir, e os justos se juntarão em união Comigo e todos os Anjos e Santos.

Olhem para essa Missão, como se estivessem em uma viagem! Cada parte desta sua viagem trará novas descobertas - maneiras em que vocês vão aprender o que é necessário para se prepararem para a próxima fase. A cada obstáculo superado, vocês vão se tornar mais fortes. Mesmo o mais fraco entre vocês vai completar esta viagem, pois Eu vou guiá-los em cada passo que darão, até completá-lo.

Alegrem-se, pois o Meu Reino espera e o tempo será curto.

Seu Jesus.

 

Fonte- Jesusfala.org.

 

O site original da Maria da Divina Misericórdia:  www.thewarningsecondcoming.


PODEMOS CULTUAR IMAGENS?





 

PODEMOS CULTUAR IMAGENS?

 

A questão do culto das imagens é considerada idolatria, baseando-se no Antigo Testamento em Êxodo 20:4 : “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra”.

Naquela época, enquanto Moisés estava no Monte Sinai vendo as Tábuas dos dez mandamentos sendo escritas por Deus, embaixo do Monte os Judeus esculpiam um bezerro de ouro para ser adorado. Mesmo depois de terem visto o poder sem limites do Criador, que lançou dez pragas no Egito para convencer o Faraó à libertar o povo judeu da escravidão, mesmo depois de ver o mar se abrir para passarem à outra margem e se fechar para exterminar os soldados egípcios. Que por quarenta anos fez cair o alimento chamado Maná do céu, para não ver seu povo se rebelar contra Ele. Mostrando-se um povo extremamente difícil, tendencioso, mais carne do que espírito. Por isso Deus providencialmente ocultou o lugar do sepulcro de Abraão, Noé, Moisés, David, Salomão e outros para não dar oportunidade aos homens de praticar idolatria. Deus conhece a fraqueza humana, que a fé da maioria não dura mais do que um verão, tem esta predileção de cultuar alguma coisa para preencher o vazio de seu espírito, por isso colocou a proibição.

Mas como compreender esta proibição quando vemos que nosso Deus também mandou fazer imagens? Estaria Deus se contradizendo? Vejamos:

Em Ex 25,17-22 : O Senhor mandou Moisés colocar dois querubins de ouro sobre o Propiciatório da Arca.

1Rs 6,29s : As paredes do Templo de Salomão foram revestidas de imagens de querubins.

Nm 21,4-9 : O Senhor mandou confeccionar a serpente de bronze para curar o povo mordido por serpentes.

1Rs 7,23-26 : O mar de bronze colocado à entrada do palácio de Salomão era sustentado por 12 bois de metal.

1Rs 7,28s : Havia entre os ornamentos do palácio de Salomão imagens de leões, touros e querubins.

Ez 1 : Deus se apresenta a Ezequiel com uma imagem semelhante ao homem, sobre um firmamento, e abaixo deste firmamento quatro seres viventes semelhante ao homem, com quatro rostos diferentes: de homem, de leão, de boi e de Águia, com quatro asas em cada um deles.

Não devemos olhar como uma contradição, entre o que está escrito no decálogo e estas constatações bíblicas mostrando que Deus usou imagens para se comunicar com os homens. Devemos olhar para a simbologia delas, seu significado e sua aplicabilidade. Deus sabe o que faz, e tudo é para o bem do homem.

Deus não tem uma forma definida, e nem precisa, é espírito perfeitíssimo, mas para salvar o homem se fez forma humana na figura de seu Filho Jesus Cristo. No caso dos querubins no Propiciatório e nas paredes do Templo, significam o tipo de proteção usado pelo Altíssimo nos Céus e exemplificado na terra com as imagens dos Anjos Querubins. Este é o entendimento do espírito da letra. No Caso da serpente de cobre significava cura para os israelitas que olhassem para ela. Foi um claro sinal do poder de Deus, para mostrar aquele povo rebelde quem é o Todo Poderoso. Porque a cura não vinha da escultura da serpente de bronze mas sim da fé daqueles que acreditaram no Senhor. Quanto ao Palácio de Salomão ser ornado com imagens de bois, leões, touros e querubins, era uma referência a visão de Ezequiel, e portanto considerada simbologia como lembrança das coisas celestiais. Deus não mostrou estas imagens para que fossem adoradas, mas apenas como representações designadas para ter cada qual seu significado, conforme o pensamento divino. Tudo o que Deus criou deve ser amado, mas não cultuado como se fossem deuses.

A Igreja ensina que devemos adorar somente a Deus, e venerar, ou seja, respeitar o que representam as imagens ou esculturas relacionados a cristandade, conforme o Concílio de Nicéia II.  Adorar é se entregar totalmente de mente corpo e alma, enquanto venerar é simplesmente cultuar, recordar com respeito, uma forma de agradecimento.

Podemos observar que existem imagens e “imagens”, as primeiras se referem as que podem ser cultuadas, como a Cruz, imagens de Jesus, Maria, e dos Santos, e as outras não, como as imagens de culturas pagãs.

Também podemos distinguir as imagens da cristandade que podem ser adoradas e outras apenas veneradas. As Cruzes nas Igrejas sem a imagem de Cristo devem ser veneradas, enquanto que a Cruz com a Imagem de Cristo deve ser adorada, porque ali está representado Deus segunda pessoa como Redentor. O Véu de Verônica com a imagem de Jesus Cristo enquanto carregava a Cruz, deve ser adorada, porque ali está a representação real da imagem de Deus, enquanto suas relíquias como o Santo Sudário de Turim, de Oviedo, a Túnica, devem ser veneradas. As hóstias e o vinho depois de consagrados na Eucaristia, é a presença real de Cristo nas espécies, e portanto devem ser adoradas, porque não são mais espécies, mas a carne e o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo transubstanciado.

Já tiveram a oportunidade de ver um mendigo que não sabe ler nem escrever, que conhece a história de Jesus muito pouco, ou quase nada, mas que diante daquela imagem que representa Jesus chora de emoção? As estátuas de Jesus e dos Santos tem um forte impacto nos iletrados e humildes cidadãos do mundo. Tornando-se na verdade instrumentos de conversões espontâneas.

Por isso podemos afirmar: quem vê Jesus vê o Pai, e todo joelho deve dobrar-se, mesmo que esteja representado numa imagem esculpida, porque a fé da oração do penitente vê verdadeiramente Deus naquela escultura. Antes de Jesus nenhum artista conseguiu desenhar Deus porque não se conhecia sua forma, mas com a vinda de seu Filho a forma se fez conhecida.

Em João 14:8-9 está escrito: “Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?”

Quando vemos uma escultura de algum santo ou de Nossa Senhora, imediatamente fazemos uma reverência respeitosa pelo que representam para a salvação das almas. Todo aquele que deu sua vida para defender o Senhor é corredentor, e merece o nosso respeito. E dar a vida aqui não significa somente os mártires, mas também aqueles que deixaram tudo para seguir Jesus, evangelizando durante a vida toda. Estes Santos são nossos queridos irmãos tomados pelo Espírito Santo, que fortaleceram a Igreja de Cristo, nossos admiráveis Santos.

Quanto a veneração à Nossa Senhora, é muito mais acentuada do que todos os Santos. A veneração especial à Virgem Maria deve-se ao fato de ser a Mãe de Deus, a Arca maternal, Mãe da Igreja, Mãe da humanidade, a mais pura entre todas as mulheres, Rainha dos Santos, por isso a intercessora mais poderosa e assediada da humanidade. É simplesmente inevitável amar Maria.  

Convenhamos também, e sejamos honestos conosco e com a nossa inteligência, de que a origem da idolatria e de todos os males, inclusive de todo bem, está no nosso livre arbítrio. Devemos usá-lo para o nosso bem refutando a idolatria. Podemos ter um bezerro de ouro dentro de nossas casas, sem que por isso sejamos considerados idólatras, tal escultura seria apenas um ornamento, um enfeite, sem passar pela mente a possibilidade de idolatrar tal figura.

A teoria da frase: “Me diga com quem andas e te direi quem és”, serve somente para os fracos. Estes dizem: “Fui seduzido pelos outros que diziam estarem certos”, tentando jogar a culpa de seu erro nos outros. Que cada um tenha a coragem de admitir seus erros, batendo no peito dizendo sinceramente: “Eu pequei de livre e espontânea vontade”, ou ainda “Eu quis pecar adorando uma imagens pagã”.

Os católicos não são pessoas ignorantes e inconsequentes para adorar uma imagem ou escultura feita de gesso, madeira ou metal. É uma ofensa contra a nossa integridade moral e religiosa nos acusar de tal delito. Diante de tais esculturas vemos o que ela representa e não o tipo de matéria que foi feita.

Uma outra questão que deve ser abordada é a tradição católica  de pedir graças para algum Santo, servindo como intercessor junto a Deus. Não pode ser visto como uma prática errada, como um pecado. Não se trata de invocação de espíritos, de necromancia, como fazem os bruxos, feiticeiros e médiuns espíritas, mas uma comunhão com os Santos, orando e pedindo graças juntos para um bem comum. A comunicação vem apenas com uma oração sincera, e nada mais.

Há dois argumentos fundamentais para entender a permissão de Deus nestes pedidos intermediados. Primeiro porque Deus conhece antecipadamente as aflições de seus filhos, e sabe reconhecer as dificuldades do penitente na sua busca por perdão ou por uma graça. Deus não vai deixar de atender se for um pedido justo, mesmo vindo de um intercessor. O segundo argumento é o uso da humildade, porque se um cristão decidiu pedir a um outro cristão espiritualmente mais elevado do que ele, tido como um Santo, já demonstra humildade em reconhecer no outro uma facilidade maior de se comunicar com o Criador. Muitas vezes por simpatia com aquele Santo, por devoção especifica, humilhando-se e pedindo ajuda, sentindo temor de pedir diretamente a Deus, pois não se achou digno de fazê-lo.

Deus compreende. Oh! Sim, Deus compreende! Ele em alguns casos atende até aos que não pedem, mas vê, com seus olhos no futuro, o desejo escondido no coração, e atende prontamente aquela criatura.

Bendito seja Deus, que tudo faz para nos agradar.

 

Antonio Carlos Calciolari