segunda-feira, 23 de maio de 2022

TUDO INDICA QUE O AVISO SERÁ EM 2024

 





TUDO INDICA QUE O AVISO SERÁ EM 2024

 

Para início de leitura é bom deixar esclarecido que este não é um prognóstico alarmista ou sensacionalista, com o intuito de elevar o número de visualizações e com isso receber algum bônus. Não me atrai vantagens econômicas ou status de visionário. São estudos e reflexões baseadas nas evidências do nosso mundo atual que corroboram com as Profecias. Além do mais, o Aviso é motivo de alegria e de agradecimento a Deus e não de temor.

Na esperança de tentar desvendar o ano do Aviso, também chamado de Grande Alerta, e consequentemente do Milagre -ambos serão no mesmo ano - profetizado por inúmeros Profetas, mas principalmente em Garabandal, para que possamos nos preparar para este grandiosíssimo acontecimento global de elucidação das consciências.

Não vai ser fácil passar por este milagre do julgamento das almas, individual e global, como alguns podem pensar. Quem estiver em pecado vai sofrer muito. Para estes peço especial atenção, alertando antecipadamente os eventos futuros para que possam ter tempo de pedir perdão pelos pecados cometidos contra Deus.

Considerando as Profecias antigas e atuais, cheguei à conclusão de que o último Aviso para a humanidade se redimir, de acordo com os últimos acontecimentos que antecedem o Aviso(pré-avisos), está nos conduzindo para o ano de 2024. A Profecia de Garabandal, quando diz que o Aviso se dará depois de um Sínodo importante, o qual trará formalmente o Grande Cisma na Igreja de Cristo, é um indicador certeiro; servindo como um agravante para esta afirmação está o Sínodo iniciado em 2021, o qual terminará em outubro de 2023. Não tenho dúvida alguma de que este Sínodo é o Sínodo profetizado em Garabandal. Também tenho plena convicção, de que esta guerra entre Rússia e Ucrânia vai se alastrar pela Europa e chegar ao Oriente Médio eclodindo a terceira guerra mundial.

Por que desta vez é diferente? É muito simples, porque desta vez vem realmente o Cisma do final dos tempos, e com ele a queda da Igreja, o início da desolação, que já está sendo maquinada pela Abominação que se apossou da Cadeira de Pedro conduzindo às iniquidades. E a guerra como consequência inevitável vem a quebra da economia global e a fome, dando a largada dos quatro cavaleiros apocalípticos.

As Profecias se encaixam uma após a outra conforme os desígnios de Deus.

O Cisma na Igreja de Cristo dará início as Profecias do Apocalipse. Tudo está relacionado a este acontecimento dentro da Igreja, pois denota o rompimento da Nova Aliança dos homens com Deus, neste desamor da humanidade vem os castigos divinos contra aqueles que participaram de tal interferência na Nova Aliança para a salvação das almas.

Assim como o alemão Martinho Lutero dividiu a Igreja, novamente o seu legado sugestionado pelo secularismo induziu os Padres e Bispos, em especial os da Alemanha, dando continuidade ao processo de impor doutrinas do protestantismo, iniciadas no Concílio Vaticano II, com a permissão da entrada do ecumenismo sem conversão dos mesmos à doutrina Católica. Atualmente a Maçonaria não usa mais a palavra ecumenismo nestas reuniões sacrílegas inter-religiosas, mas sínodo.

Houve um sínodo da Igreja Alemã em 2019, no qual 86% dos presentes apoiaram o fim do celibato sacerdotal e a admissão de mulheres no sacerdócio. Em 2021 na Alemanha agentes pastorais realizaram cerimonias de bênçãos à casais do mesmo sexo dentro da Igreja. Logo em seguida a quantia exorbitante, para não dizer assustadora, de 2600 Padres e 200 professores de teologia apoiaram estas cerimônias obscenas, sob o lema “o amor vence.” Estes traidores de Cristo, tiveram apoio da  Maçonaria Eclesiástica e Comunistas infiltrados na Igreja, facilitando grandemente o processo de dessacralização. Esta mentalidade nefasta e anticristã influenciará participantes do Sínodo atual para a concretização de suas heresias.

Outro motivo que me leva a crer na proximidade do Aviso, é a idade avançada de Bento XVI, completará 97 anos em 2024. Bento XVI é o Papa das Profecias dos Santos indicando que andará sobre cadáveres e depois será executado pelos muçulmanos apoiados pelo Comunismo. Enquanto Bergoglio é providencialmente salvo pelos iluministas globais, estará na Rússia em companhia de Putin celebrando o fim do katejon.(*)

Nossa Senhora disse em Garabandal que o Milagre (sinal de Deus nos pinos de Garabandal) se realizaria no dia de um Santo Mártir da Eucaristia. Considerando que o Milagre se realizará em 2024, só pode ser no dia 12 de Abril,(conforme a Profecia entre os dias 10 e 16 de Abril numa quinta-feira). Neste dia temos: São Vítor de Braga, também São José Moscati e São Sabas o Godo, como possíveis candidatos.

As videntes de Garabandal fizeram estas revelações abaixo, em inúmeras entrevistas com o passar dos anos, conforme se lembravam com a ajuda do Espírito Santo. Aqui coloco todas juntas para melhor entendermos:  O Milagre ocorrerá em Abril, as 20:30 horas, vai durar de 10 à 15 minutos, e depois um sinal permanente, entre os dias 10 a 16, numa quinta-feira, no dia de um Santo da Eucaristia não popular, com nome raro e estranho, não sendo espanhol, também coincidirá com um acontecimento muito importante, raro, singular, tanto para a Igreja como para toda a cristandade, um acontecimento feliz e venturoso”.

O Aviso acontece antes do Milagre, mas é possível saber quando? A resposta para esta pergunta pode estar numa revelação de Nossa Senhora de Anguera, nos alertando que durante  um eclipse lunar, se dará a destruição de Roma e do Vaticano(*), acontecimento este posterior ao Aviso.

Este eclipse lunar ocorrerá em 2024 no dia 25 de Março. Coincidentemente, em 25 de março de 2022, foi o dia da Consagração da Rússia.

Assim sendo teremos a ocorrência do Aviso a partir do dia 25 de março, dia do eclipse, até alguns dias antes de 12 de Abril de 2024, dia do Milagre. A sequência dos acontecimentos se apresentam da seguinte forma:

Primeiro o Cisma, depois o ataque comunista em Roma, em seguida o Aviso, dali alguns dias o Milagre nos pinos de Garabandal. Tudo indica que a promulgação oficial das mudanças heréticas do Sínodo, que termina em outubro de 2023, será feita em fevereiro de 2024, iniciando o Cisma na Igreja e sua divisão com o fim do Sacrifício Perpétuo.

“Após a iluminação da consciência, a humanidade receberá um presente inigualável: um período de arrependimento que durará cerca de seis semanas e meia, em que o diabo não terá poder para agir. Isso significa que todos os seres humanos terão total liberdade para tomar uma decisão a favor ou contra o Senhor. O diabo não vincula nossa vontade nem luta contra nós. As primeiras duas semanas e meia, em particular, serão extremamente importantes, pois o diabo não retornará naquele momento, mas nossos hábitos voltarão e as pessoas serão mais difíceis de converter. E todos aqueles que receberam Seu desejo, a sensação de que precisam de Sua salvação, serão marcados em suas testas com uma cruz luminosa por seu anjo da guarda”.(Padre Michel Rodrigue-06/06/2020)

Deus mandou um sinal quando um raio caiu na cúpula da Basílica de São Pedro no Vaticano, no dia que Bento XVI renunciou forçosamente induzido pela Maçonaria Eclesiástica. Acontecimento este pré-anunciado quando Jesus disse: “Eu via Satanás cair como um raio”, e de fato logo em seguida um Lobo em pele de cordeiro assumiu a Igreja. Esta mesma frase revela Obama como o Anticristo do final dos tempos.(*) Imaginem neste dia terrível do Cisma para a Igreja o que se sucederá. E nós sabemos o que se sucederá, as Profecias estão aí para serem cumpridas. O que está escrito, escrito está. Não é o que está escrito somente na Bíblia, mas em todas as revelações dos Santos, de Maria e Jesus a seus Profeta até o dia de hoje. Seria uma insensatez acreditar que Deus nos deixaria sem Profetas durante mais de 2.000 anos, principalmente agora no final dos tempos.

Este livro eterno deveria ser completado com as páginas destas revelações do Céu, dadas aos Profetas dos últimos tempos, alguns muito mais relevantes do que os descritos no Velho Testamento. A Bíblia é a palavra de Deus, e esta palavra não se cala nunca, e não há quem possa limitar as providencias divinas necessárias para a nossa salvação.

 “Mas é preciso que antes este Evangelho do Reino de Deus seja pregado em todo o mundo, como um testemunho diante de todas as nações. Aí virá o fim. Haverá uma volta de Israel ao Cristo, que o acolhe, e a pregação da minha doutrina em todo mundo”. (Valtorta-Vol.9-pg.399)

Sobre esta volta de Israel ao Cristo profetizada por Jesus, se dará com o Aviso, e se tornarão a segunda testemunha, juntamente com os cristãos remanescentes,  para a pregação da doutrina de Jesus.

Considerando o que já refletimos, teremos em 2024; primeiro o Cisma, depois a elucidação das consciências com o Aviso, seis semanas e meia sem a interferência satânica(Pe. Michel Rodrigue), três anos e meio de evangelização ao mesmo tempo da Grande Tribulação, onde chegamos aproximadamente no ano provável da segunda vinda de Cristo. Não é possível saber o dia, mês e ano da volta de Jesus, mas é possível estabelecer um espaço de tempo entre a época provável baseando-se no tempo de evangelização do mundo, e da aparição pública do Anticristo, os quais conforme dizem as escrituras, começarão ao mesmo tempo, ambos terão 1260 dias, antes da chegada do Rei dos Reis.

Os remanescentes, constituídos pelas duas testemunhas que não se deixarão enganar pelo Falso Profeta e o Anticristo, formados pelos Judeus e os cristãos, terão o mesmo tempo pré-determinado de combate entre o Bem e o Mal. Esta paridade entre os confrontos do Bem e do Mal nos homens permitida por Deus, é fundamentada na justificação pela escolha em salvar os homens e não os anjos caídos. No início quando o homem caiu, Lúcifer e seus seguidores alados já estavam rebaixados, porém Deus preferiu salvar os homens, e não os anjos caídos. A justificação desta escolha de Deus está na certeza da salvação dos homens no final dos tempos, que através da Graça concedida por Jesus e acolhida pelos corações humanos se concretizará mesmo diante das tentações do Inimigo de Deus. Os anjos caídos não poderão questionar esta preferência de Deus depois de desmentidos seus queixumes.

Bem, como sabemos, todo aquele que se predispõe enfrentar Deus, sabe com antecedência que irá perder, porque fora de Deus existem as suas crias, e um ser criado é sempre inferior ao Criador. Um Anjo disse: Quem como Deus? Querendo dizer na verdade: Não há ninguém como aquele que tudo criou. Uma verdade inquestionável.

A vitória de Deus com os homens ocorrerá com a volta de Cristo, e Satanás vencido lançado no Inferno. A Jerusalém Celeste já está a caminho, vinda dos confins do Universo para se juntar com a Terra renovada, numa união eterna entre o Paraíso Celeste e o Terrestre.   

Como já disse em outra postagem neste blog, é muita coincidência acontecendo ao mesmo tempo, afunilando cada vez mais para a deflagração das Profecias. A  possibilidade de estarmos diante delas em 2024 é quase inevitável.

A possível ocorrência do Aviso e Milagre em 2024 está de acordo com as Profecias que indicam a vinda de Jesus antes de 2033.  Sim, porque depois do Aviso os remanescentes terão um tempo especificado para propagar Jesus em todo o mundo, conforme Jesus nos disse nas escrituras como condição essencial para sabermos se realmente estaremos no fim dos tempos, conjuntamente com os três anos e meio de domínio do Anticristo, se apresentando como “homem da paz” no Oriente Médio, resolvendo os conflitos de guerra. Retrocedendo este período de três anos e meio do ano provável da volta de Cristo, chegaremos fatalmente em 2024, ano do Aviso.

A reflexão sobre a passagem bíblica na profecia da figueira, nos remete a entender quanto ao possível ano da vinda de Cristo no final dos tempos. (*) Analisando Mateus 24:32-34, Lucas 13:6-9, completada em Isaías 66:7-8 e corroborada em Valtorta, Vol. 4, pg. 267-268. A profecia de Isaías já se cumpriu quando Israel se tornou uma Nação em apenas um dia em 1948.

Outra Profecia de Jesus que nos remete para antes de 2033, foi revelado à Maria Valtorta. (vol.9-pg.353) (*) Nesta Profecia Jesus nos diz que não passarão dois tempos de eternidade, ou seja, não passarão 2000 anos sem que antes Ele volte novamente. Quando Jesus fez esta Profecia estava em seu terceiro ano de vida pública, com 33 anos. Somando 33 com 2000 anos obteremos 2033.

Para nossa alegria, temos mais uma profecia que confirma a de Valtorta, revelado a Luíza Piccarreta em 29 de Janeiro de 1919, confirmando que haverá um purificação da humanidade depois de passados 2000 anos da morte de Cristo até sua segunda vinda.

Se unirmos estas três revelações (da Figueira, de Valtorta e de Luíza Piccarreta), a volta de Jesus seria mais ou menos entre os anos de 2028 à 2033. É sábio refletir e aceitar a ideia de que Deus não quer que saibamos o dia, mês e ano de sua volta. Se Deus assim quer, é porque será bom para todos. Devemos amar a vontade de Deus, anulando uma curiosidade desnecessária e provavelmente perigosa para a saúde espiritual de nossas almas.

Como podemos averiguar com argumentos e estudos diversos, não é possível definir o ano exato da segunda vinda de Cristo, mas quanto ao ano do Aviso fica mais fácil chegar a uma conclusão observando as muitas revelações de Jesus e de Nossa Senhora a este respeito, concomitantes com o entendimento do tempo da Tribulação dos últimos dias.

O entendimento sobre os 1260 dias, 1290 dias, 42 meses,  2300 dias de tardes e manhãs.

Ap 11:2“E deixa o átrio que está fora do templo, e não o meças; porque foi dado aos gentios, e pisarão a cidade santa por quarenta e dois meses”.

Os gentios aqui são os seguidores do Anticristo que pisarão, ou seja, perseguirão os remanescentes por 42 meses = 1260 dias ou três anos e meio.

Ap 11:3 -- “E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco”.

Tempo de evangelização mundial das duas testemunhas, por 1260 dias = três anos e meio.

Ap 12:6“E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias”.

Tempo de combate entre os remanescentes cristãos que se consagraram ao Coração de Nossa Senhora, com o Anticristo por 1260 dias = três anos e meio.

Ap 12:14“E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente”.

Tempo dado aos remanescentes que se consagraram ao Coração de Jesus e de Nossa Senhora por 1260 dias = três anos e meio.

Ap 13:5 “E foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para continuar por quarenta e dois meses”.

Tempo da atuação pública do Anticristo, a Besta que veio do Mar por 42 meses = 1260 dias ou três anos e meio.

Daniel 7:25 – “E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos, e a lei; e eles serão entregues na sua mão por um tempo, e tempos, e metade dum tempo”.

Tempo da atuação pública do Anticristo por três anos e meio.

Daniel 12:7 – “E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos, e a lei; e eles serão entregues na sua mão por um tempo, e tempos, e metade dum tempo. E quando tiverem acabado de destruir o poder do povo santo, todas estas coisas serão cumpridas”.

Tempo dado ao povo de Israel para se recompor, depois de ter sido destruído por muitas Nações a mando do Anticristo, até a segunda vinda de Cristo, 1260 dias ou três anos e meio.

Daniel 8:13-14 – “Depois ouvi um santo que falava; e disse outro santo àquele que falava: Até quando durará a visão do contínuo sacrifício, e da transgressão assoladora para que seja entregue o santuário, e o exército, a fim de serem pisados? E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado”.

Tempo entre o fim do sacrifício perpétuo, do Cisma formal, até a vinda de Cristo.

Para os Judeus, da manhã até à tarde compreendem 12 horas, das 6 da manhã às 6 da tarde aproximadamente, do nascer ao pôr do sol, ou seja da primeira à nona hora era considerado um dia, as noites não eram contadas. Crendo nestas observações, os 2300 dias compostos de tardes e de manhãs correspondem a 1150 dias no calendário gregoriano.

Esta pode ser a Profecia que desvenda o tempo abreviado por Deus, fundamental para a nossa salvação, quando diz: ”..e se aqueles tempos não fossem abreviados, ninguém se salvaria”(Mateus 24:22). Ao invés do Anticristo ter 1290 dias de domínio como observamos em Daniel 12:11-12, terá na verdade abreviado o seu tempo para 1150 dias, ou seja, 140 dias a menos. Pode até parecer pouco 140 dias, mas lembremos que no final dos tempos estaremos sob o jugo ditatorial da Marca da Besta, sem podermos comprar ou vender coisa alguma, entre a vida e a morte, e aí faz toda a diferença.

Quanto a Daniel 12: 11-12- “E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias “.

Os 1290 dias, se refere ao dia do início do Cisma formal na Igreja até a volta de Cristo. O Cisma ocorre 30 dias antes do Aviso e consequentemente antes da pregação mundial dos remanescestes e também da aparição pública do Anticristo que terão a duração de 1260 dias, somados aos 30 dias é igual a 1290 dias.

Feliz os que chegam aos 1335 dias, prolongando 45 dias (1335 - 1290 = 45). Estes 45 dias se refere ao tempo dos poucos remanescentes sobreviventes na Terra depois que Jesus voltar, os quais estarão com Ele durante este período de purificação e aconselhamentos, antes de ascender novamente ao Pai. São os primeiros 45 dias dos 1000 anos de paz. Jesus fez o mesmo depois de sua ressurreição preparando os Apóstolos e discípulos durante 40 dias. É absolutamente necessário este período de preparação, conhecimento das diretrizes santas vindas diretas do Céu, para que possamos superar todas as adversidades futuras até o último dia. E também o tempo da chegada da Jerusalém Celeste, que durante estes dias aguardou a purificação da Terra, totalmente renovada e pronta para recebe-la numa junção eterna. Imaginem a emoção destes remanescentes quando virem este acontecimento diante de seus olhos, e mais ainda, serão ressuscitados. Esta é a primeira ressurreição. Por isso está escrito: “felizes os que esperam e chegam até os 1335 dias”. Um mundo novo se abre, uma nova era, um novo ser humano renovado cheio do Espírito Santo, consciente das verdades eternas.

O Sínodo sacrílego atual terá seus trabalhos terminados em outubro de 2023, porém, a conclusão dele com todas as mudanças, será promulgado oficialmente 30 dias antes do Aviso. Ajustando assim os tempos diferentes com seus términos no mesmo dia da vinda de Cristo. Não há discrepância nem contradição, e muito menos erro de tradução com estes tempos diferentes, 1260, 1290 e 1335 dias.

Gráfico explicativo:

Cisma          Aviso                               Tribulação                                                     Volta

                                                                                                                                     Jesus

     /-------------/------------------------------------------------------------------------------------/        

          30 dias                                         1260 dias                                                            

     /--------------------------------------------------------------------------------------------------/

                                                                1290 dias                                                            45dias

     /--------------------------------------------------------------------------------------------------/--------/

                                                                 1335 dias                                                        /----------------------

                                                                                                                                             Início dos 1000

                                                                                                                                             Anos de paz

 

Além de todas as evidencias proféticas já mencionadas, faço lembrar de mais um fator extremamente importante que praticamente define o ano do Aviso. Nós estamos 6 anos atrasados no tempo. O nosso calendário Gregoriano começou a ser contado 6 anos depois do nascimento de Cristo.

Isto aconteceu devido a um erro negligenciado por Dionísio e aceito por outros na época, passando despercebido. O Papa Pio XII foi quem pediu a correção, mas infelizmente não a fizeram, e assim ficou esta lacuna no tempo. Precisamos corrigir os anos proféticos acrescentando 6 anos nas projeções das datas, visto que estamos na realidade no ano 2028 e não 2022.

A Profecia da Figueira ao invés de ser em 2028, é na verdade em 2034.  

A Profecia de Jesus revelada à Valtorta, que considera 2000 anos mais 33 anos, a partir do nascimento de Cristo, é atemporal, não sofre alteração porque independe de estarmos adiantados no calendário. Ela já está no tempo real pois conta o tempo desde o dia real do nascimento de Cristo, mantendo portanto o ano de 2033 como o ano da volta do Senhor.

Como a Profecia de Valtorta e da Figueira indicam o tempo real em 2033 e 2034 respectivamente, é óbvio que o Aviso e o Milagre deverão ocorrer no ano de 2024 do calendário Gregoriano, ou seja, no ano real de 2030, para que as Profecias possam se concretizar no tempo correto. Sim, porque se retrocedermos o período de três anos e meio da Grande Tribulação do ano real da vinda de Cristo em 2033 ou 2034, arredondando daria 2029 ou 2031. Como o Aviso será num ano par, devemos considerar o ano real de 2030 como o ano do Aviso, que corresponde ao ano de 2024 do nosso calendário atual.

Gráfico explicativo

Nasc.        Ano zero                                                                               Prof.      Prof.

Jesus        Calend.Greg.                                                          Aviso     Figue.    Valt.

/- - - - - - -/--------------------------------------------------------------/-----------/---------/

  6 anos                                                                                    2024      2028      2033 

/---------------------------------------------------------------------------/-----------/---------/

                                                                                                  2030      2033      2034

                                                                                                  Aviso      Prof.      Prof.

                                                                                                                  Valt.      Figue.

 

A cronologia dos eventos de purificação da Terra começam com os  sete Selos e depois as sete Trombetas conjuntamente com as sete Taças da ira de Deus. Primeiro os quatro cavaleiros dos Selos: a Apostasia, guerra, fome e o Anticristo, em seguida ao som das Trombetas os  sete castigos finais e finalmente a volta de Jesus. A Apostasia é o estopim que inicia todos os grandes eventos de purificação da Terra e do homem, formalizado no Cisma de outubro de 2023, dessacralizando a Eucaristia, retirando a presença real de Jesus da Igreja e do mundo. A este mundo sem Deus foi dado um tempo de 1290 dias.

Uma frase de Jesus que não me sai da cabeça é: “A minha segunda vinda é bem antes do que pensais”  Eu não me lembro para qual Profeta Jesus disse, mas não me esqueço desta frase que toca como um sino de advertência. É bem possível que Ele esteja se referindo a esta lacuna no tempo esquecida por nós.

É compreensível que o segredo desta nossa salvação no final dos tempos esteja relacionado com a brevidade do tempo da Marca da Besta. Rezemos para que esta Marca da Besta seja implantada somente no final do tempo do Anticristo, e não logo no início de seus três anos e meio. Rezemos.

No meu entender já chegamos no tempo dos acontecimentos previstos pelos Profetas. Estamos de fato diante do início de todos os relatos apocalípticos, esperando somente a vontade divina para que tudo se realize. Preparem-se para esta real possibilidade da ocorrência do Aviso em 2024. Avisem seus familiares e amigos com alegria.

Depois do Aviso teremos pouco tempo para propagar o Evangelho. Muitos estarão atordoados com esta experiência sobrenatural e real, vão precisar de socorro e orientação para não caírem nas mentiras que serão ditas pelos filhos das trevas. Outros,  de outras religiões vão procurar desesperadamente um Padre Católico para se confessar. Outros que se achavam santos vão desfalecer de desgosto espiritual diante da verdade dos fatos, ao saberem que cometeram muitos pecados mortais. Os Espíritas vão finalmente conhecer os demônios que se passaram por entes queridos durante as sessões mediúnicas. Muitos ateus ficarão abalados, entre estes alguns reconhecerão Jesus Cristo Salvador e Deus, outros ficarão perturbados emocionalmente sem saber o que fazer de suas vidas, andarão a esmo. Os muçulmanos ficarão angustiados e aterrorizados em saber que o anjo de luz que apareceu à Maomé ditando o Alcorão não foi Gabriel, mas o próprio Lúcifer. Os Judeus vão descobrir que seu Messias tão esperado já se manifestou a 2.000 anos atrás: Jesus de Nazaré, e conhecerão o Deus Verdadeiro que é Uno e Trino. Os Evangélicos e Protestantes são as águas jogadas contra a Mulher Vestida de Sol, Nossa Senhora, finalmente saberão a verdade, descobrirão que a Virgem Maria, depois de Deus, é a maior autoridade em sabedoria e santidade no Paraíso, e a maioria se converterá ao Catolicismo, mas não seus líderes. Os budistas serão desmascarados ao descobrirem que o amor recitado por eles é na verdade pura idolatria macabra, provenientes de invocações ocultas, palavras e mais palavras de um falso amor jogadas ao vento sem qualquer proveito para a alma. Para aqueles que tem uma fé firme no Senhor, será um êxtase espiritual inesquecível.

Aquele que perseverar até o fim de sua vida, será salvo!

Felizes os que chegam até 1335 dias!

“Durante este momento os Santos no Céu, e todos os que morreram em Meu favor, serão levantados com os justos que sobreviverem à Tribulação. Todos serão ressuscitados e receberão como Dom corpos perfeitos, que irá superar a morte conhecida pela Humanidade desde o pecado de Adão. Eles vão desfrutar a paz e a prosperidade sob o Meu Reino Espiritual, até Meu Reino ser entregue ao Meu Pai. Esta será a Primeira Ressurreição e será seguida por um reinado de 1.000 anos de perfeita harmonia de acordo com a Vontade Divina do Meu Pai”. (Recebido segunda-feira, 17 de dezembro de 2012, 12:15, Mensagem 646 do Livro da Verdade. Jesus a Maria da Divina Misericordia)

“Na Minha Segunda Vinda, Minha Ressurreição será verdadeiramente evidente, porque, então, todas as almas, que morreram em Mim e para Mim, também serão ressuscitadas dos mortos e receberão a Vida Eterna. Elas vão subir em corpo e alma, em perfeita união com a Vontade de Deus e viverão em Meu Novo Reino, quando desaparecerem a antiga Terra e Céus, um Novo Mundo irá surgir. Meu Novo Paraíso tornar-se-á o Mundo sem fim - como predito. Todos aqueles, que amam a Deus e que aceitam Minha Mão de Misericórdia, entrarão no Meu Reino Glorioso. Esta foi a Promessa que Eu fiz, quando Eu troquei o Meu Corpo terrestre na morte, para dar a todos a Vida Eterna. Não esqueçam que, o que Deus promete, Ele cumpre sempre! O que Deus predisse a todos os Seus profetas, acontecerá, pois Ele não diz uma coisa, que significa outra.

Quando Deus disse a João, que o mundo iria se dividir nos últimos dias e Seu Templo seria destruído, Ele não mentiu. O reinado dos que desejam destruir a Palavra de Deus, já começou e o momento de todas estas profecias, preditas a Daniel e João, estão sobre vocês! Minha Promessa de vir e separar os cabritos das ovelhas, está prestes a se tornar uma realidade. Ao homem será dado todo tipo de ajuda, através da Intervenção do Céu, e muitas oportunidades para fazer uma escolha final. Ou ele vai Me seguir ou vai ficar para trás. Seu Jesus”. (Recebido quinta-feira, 17 de abril de 2014, 21:00, Mensagem 1105 do Livro da Verdade. Jesus a Maria da Divina Misericordia)

 

Antonio Carlos Calciolari

 

(*) Profecias que indicam o ano de 2033 como data limite da segunda vinda de Cristo, ver postagens neste Blog: “O tempo da segunda vinda de Cristo”, ”A profecia da figueira” e “Profecias que indicam 2.000 anos para a vinda do Senhor”.

(*) Sobre o Falso Profeta, ver postagem neste blog: “O homem que fala como um Dragão”.

(*) Sobre o Katejon, ver postagem neste blog: “Aquele que o detém”.

(*) Profecia -23.03.2008 - Mensagem de Nossa Senhora, nº 2.975-¬Maceió/AL.

(*) Ver artigo neste Blog: “Obama é o Anticristo”.


OUTRAS FONTES QUE INDICAM A VINDA DO SENHOR ANTES DE 2030

 

A DATA DE 2030 REVELADA AO DISCÍPULO QUE OUVE E ENSINA  

Nota do Discípulo – Do ano  1925 ao ano 2025, segundo as mensagens acerca dos anos e tempo proféticos é um século (100 anos) e é este o último desta geração. Depois disto, começa o Novo Céu e Nova Terra. A Terra está hoje à beira da morte nuclear. Antes do ano civil de 2030, terá ocorrido, segundo estas profecias entregues a mim, o que foi anunciado em Garabandal: o Aviso, o Milagre e o Castigo. Portanto, meus irmãos, não pode haver Castigo se não ocorrer o Aviso e o Milagre! Deus é ordem e assim a Criação inteira e toda a humanidade de carne verão três atos justos da Misericórdia Divina: primeiro o Aviso, após, o Grande Milagre, e a seguir, a Justiça de Deus (A Ira de Yahve). Só sobreviverá, então, 25% da humanidade, o Remanescente Fiel da genealogia de cinco séculos da raça de Jacó, as 13 tribos. Glória ao Senhor!

Nota: São as 12 tribos dos filhos de Jacó, e mais uma, da única filha, Dina.

(Diálogo e caminhada do Discípulo com o Senhor São José às 6:45 da manhã e depois às 7:10 da manhã de quinta-feira, 10 de março de 2022, na cidade de Hermosillo, Sonora, México.)

Fonte: https://sagradoscorazones.wixsite.com/apostolado/2020

 

O INÍCIO DO FIM E O ANO DO FIM PARA OS SATANISTAS

O ex-satanista chamado Daniel Mastral, afirma que a irmandade satânica que atua no mundo todo, informou que o início do fim começa em 31 de outubro de 2023, e que o mundo termina antes de 2030. No meu entendimento os demônios misturam verdades com mentiras para melhor enganar as pessoas, mas neste caso eles sabem que seu servo e amigo Jorge Mario Bergoglio, possesso de vários demônios, dão informações sobre o fim do Sacrifício Perpétuo, o estopim das consequências vindouras, relacionadas com o resultado do Sínodo sacrílego atual que termina em outubro de 2023. Eles, os demônios sabem disso, conhecem as escrituras, sabem o que isto significa. É uma revelação que não foi feita para alertar as pessoas comuns, mas somente os adeptos desta irmandade para que aproveitem o máximo possível o pouco tempo que lhes restam para blasfemar contra Deus. Esta revelação se tornou pública devido à um ex-satanista, caso contrário ficaria oculta, dando uma certa credibilidade, ainda que duvidosa. Mas está de acordo com outras Profecias legítimas.

 

O ANO ESCOLHIDO PELA BABILÔNIA É 2030

“A Agenda 2030 da ONU é um plano de ação global que reúne 17 objetivos de desenvolvimento sustentável e 169 metas, criados para erradicar a pobreza e promover vida digna a todos, dentro das condições que o nosso planeta oferece e sem comprometer a qualidade de vida das próximas gerações. Trata-se de um guia para governos, sociedade, empresas e universidades, no espírito de uma parceria global que deve orientar as escolhas necessárias para melhorar a vida das pessoas, agora e no futuro.” Eles aceitam toda esta utopia como veículo para criar uma nova ordem econômica internacional, ou melhor, uma “Nova Ordem Mundial”.

A ONU condena Israel, apoia os regimes ditatoriais do oriente médio e defende entre outras agendas culturais a ideologia de gênero, a descriminalização da pedofilia e a censura da Igreja. Esta é a agenda do Anticristo para o final dos tempos. Mas o que chama a nossa atenção é a escolha da data 2030 como limite para implementar todas estas falcatruas de dominação mundial. Os integrantes que comandam esta instituição são ocultistas, Maçons, Iluminattis e Comunistas. Esta data só pode ter surgido nos abismos do inferno. Eles não sabem o dia, nem o mês e muito menos o ano da vinda de Cristo, mas como são inteligentes conseguem estabelecer um ano limite para atuar com sua maquinações. Sabem que seu tempo é curto.

A Babilônia é a União Européia onde se encontra os dez governantes que vão colaborar com o Anticristo para a implementação do Governo único, a religião única e uma única forma de comprar e vender.(Marca da Besta)

Antonio Carlos Calciolari





segunda-feira, 16 de maio de 2022

EM QUANTO TEMPO DEUS TUDO CRIOU?

 




EM QUANTO TEMPO DEUS TUDO CRIOU?

 

Tenho plena consciência de que é simplesmente impossível saber com exatidão como Deus criou tudo o que existe. A Bíblia, em Gênesis, nos dá um vislumbre de como poderia ter sido, fazendo nossa imaginação voar em inúmeras hipóteses. Não tenho a intenção de ser um indutor de falsas interpretações com relação a este assunto, e com isso levar alguns cristãos à dúvida quanto ao que ouvimos até hoje sobre o tempo da criação divina. É apenas uma reflexão baseada em algumas revelações de nossos Santos e visionários.

Os jovens de hoje diriam que é um “papo elevado”, que só vai interessar aos pensadores e filósofos. Neste interim devo admitir que para o mundo dos espíritos, onde Deus Reina, não tem relevância nenhuma especificar um tempo à uma obra, porque lá não existe o tempo como nós vivenciamos. Para nós enquanto estivermos vivendo na Terra, pode parecer significativo, mas quando estivermos no Reino de Deus não vamos nem mesmo pensar no tempo que levou para criar isto ou aquilo, nem na morte, mas sim impulsionados a adorar aquele que tudo criou. A vida na Terra passa, mas no Paraíso não passa, se eterniza em sucessivas atividades contínuas.

“Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.” (2 Pedro 3:8)

A contagem do tempo de vida do homem está no próprio homem, em seu Genoma, no DNA, colocado por Deus. Não são as rotações da terra que contam os dias, e as translações em volta do sol que contam os anos, que definem o tempo de vida de um homem. O que faz o homem envelhecer está nesta digital de Deus, encontrada em toda espécie de vida terrestre chamada: Genoma. O nosso calendário gregoriano é uma forma de contagem dos dias e anos. No mundo espiritual de Deus, em sua formação perfeitíssima, incorruptível e imortal, não existe calendário para contar o tempo.

O pensamento de Deus é ordem. Tudo o que faz segue esta ordem de feitio amorosa que tem sempre uma boa razão de ser, com tudo interligado para que possa existir. 

É fácil imaginar que no princípio Deus estava só, porque absolutamente nada existia, e a primeira atitude foi se dividir em três pessoas. Ele como primeira pessoa, a segunda pessoa Jesus e a terceira pessoa o Espírito Santo, surgidos depois de um excesso de amor que iluminou as trevas, o vazio. Sendo três em um, um em três, Uno e Trino. Em seguida fez sua morada: o Paraíso Celeste, depois os Anjos em seguida o universo. Os Anjos colaboraram com a construção do Universo executando as ordens do Criador.

Para fazer o universo também é fácil imaginar, e lógico, que primeiro Deus criou os elementos para depois formar os planetas e toda a via láctea, seguindo uma sequência de ordens de feitio sucessivas para se chegar na totalidade da criação, respeitando a complexidade de cada uma delas. Podemos também aceitar a ideia de que a Terra levou mais tempo para ser feita do que os outros astros, devido sua complexa formação para abrigar vida. Estamos até aqui admitindo que um tempo foi para criar o universo, e outro para adaptar a Terra com condições de sustentar a vida.

Neste momento da criação o nosso sistema solar é um relógio gigantesco, com o sol de base do ponteiro, indicando o tempo conforme os planetas o circundam.

Com a Terra pronta para receber vida, inicia-se a criação de todos os seres vivos, por último, como uma pérola preciosíssima fechando a criação com chave de ouro, Deus criou o homem. Até agora o que refletimos pode ser aceito normalmente por nossa inteligência limitada, porém incapaz de chegar a inteligência da ciência perfeitíssima de Deus com todos os minuciosos detalhes de como tudo realmente foi feito. 

Nosso Senhor Jesus Cristo nos dá uma pista à visionária Maria Valtorta dizendo:

“Não tenhais pressa. Deus nunca tem pressa, mas tudo o que Ele cria é eterno, porque é bem calculado antes de ser feito. Se não é eterno, dura tanto como os séculos. Olhai para o Universo. Há muitos séculos, há milhares de séculos ele está como Deus o fez, em operações sucessivas... Imitai o Senhor. Sede perfeitos como vosso Pai.”( O Evangelho como me foi revelado-Maria Valtorta-Vol.9,pg. 397)

Se Jesus está nos dizendo que o universo foi feito sem pressa, ou seja, sem pensar no tempo. E diz mais, “Olhai para o Universo. Há centenas, há milhares de séculos está como Deus o fez com operações sucessivas”. Jesus está nos dizendo que o universo foi feito depois de milhares de séculos.

Ora, se 1000 anos tem dez séculos, milhares de séculos é um número incalculável de milhões de anos para fazer o universo, como Jesus está nos dizendo.

Para entendermos melhor:

Um século tem 100 anos.

Mil séculos tem 10.000 anos.

Milhares de séculos é um número indefinido vezes 10.000 anos. Não dá para definir o número de vezes que teremos de fazer sobre 10.000 anos para descobrirmos em quantos anos foi feito o universo. Mas dá para deduzir que são milhões de anos com certeza. Estamos falando aqui sobre nosso sistema solar com todos os planetas e além dele. No término da criação do Universo que levou milhões de anos para se completar, a Terra ainda está sem qualquer tipo de vida.

Encontrei uma revelação que nos leva a ter uma noção mais precisa quanto ao tempo do universo. Uma coreana chamada Há bi Jung, seu Pastor e outros desta congregação cristã, foram ao Paraíso e nos revelou que o Grande Universo foi feito por Deus em 1,7 bilhões de anos, e só então foi criado a Terra. Levou mais 4,5 bilhões de anos para criar a Terra e só então criou o homem, e muitos anos para criar o corpo do ser humano e então criou o espírito. (https://www.youtube.com/watch?v=jHugUe6lXFs )

Eu não perco nem um pouco de minha fé em acreditar nestes números astronômicos sobre a criação do universo revelados a estes cristãos coreanos. Acredito que seja a verdade, porque tudo o que disseram sobre o Paraíso e o Inferno estão de acordo com a doutrina Católica. Então porque não acreditar? Observem que esta revelação da coreana está de acordo com a revelação dada por Jesus à Maria Valtorta, quanto ao tempo da criação do universo, ambas mencionando milhões de anos. Uma destas meninas coreanas é pintora, desenhou e pintou o que viu no Paraíso e no Inferno, com uma criatividade sobrenatural e precisão incrível. Quando se fala em milhões de anos, nos faz imediatamente pensar no que disse Pedro: .”..um dia para o Senhor é como mil anos e mil anos como um dia.”

Quanto ao que está escrito em Gênesis, também nos leva a pensar em tempos diferentes para cada criação divina.

 “No princípio criou Deus o céu e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz; e houve luz. “(Gênesis)

Céu em hebraico significa extensão, amplidão, firmamento ou o universo visível. E a terra, é o nosso planeta, porque Deus está explicando como tudo fez para nós habitantes da Terra. Então seria: No princípio criou Deus o universo conjuntamente com a Terra e a Luz(sol). E completa dizendo que a Terra estava vazia, ou seja, sem vida. Até aqui subentende-se um tempo.

“E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas. E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.”(Gênesis)

A separação entre a luz e as trevas, dia e noite, efeito da rotação e translação de nosso planeta, foi feito por Deus depois de criado o universo, e a este período chama de “o dia primeiro”, composto de uma tarde e manhã. Quando Deus diz “e foi a tarde e a manhã o primeiro dia”, só pode estar se referindo da primeira rotação da Terra, durante a qual fez a separação da luz das trevas, para que houvesse na Terra dias e noites. Aqui é outro tempo.

Usando um pouco de imaginação, baseado no que já refletimos; com relação ao mistério das datações em milhares de anos para fósseis encontrados na terra, um outro tempo deve ser contado quando Deus decide fazer da Terra um oásis de vida, enquanto criava as condições para que o planeta abrigasse vida. Deus fez um teste com alguns animais para ter certeza de que a vida fluiria de maneira perfeita. Os cientistas chamam estes animais iniciais de dinossauros, os quais foram extintos abruptamente depois de terem cumprido o tempo necessário para as devidas verificações do Criador. É coerente aceitar a ideia de que estes animais eram bestas que não poderiam subsistir conjuntamente no mundo dos homens.

Passado o tempo do teste, foram criados os animais atuais e finalmente o homem, o qual podemos fazer uma especulação sobre o tempo de sua criação até os dias de hoje.

Para definir este tempo desde a criação de Adão, existem algumas considerações a fazer, consequentes dos mistérios que saberemos somente no Céu, tais como:

Quanto tempo se passou depois que Deus criou todos os seres vivos até criar Adão?

De Adão até a criação de Eva quanto tempo se passou?

Quanto tempo nossos progenitores se mantiveram sem pecar antes de serem rebaixados?

Não temos como responder a estas perguntas. No meu entender o tempo de vida de Adão começa a ser contado depois de sua queda, depois de ter sido expulso do Paraíso, quando conheceu a dor e a morte. Antes eram perfeitos e eternos, foram criados já adultos para serem sempre jovens. A colocação de Serafins para proteger a Árvore da vida, ordenado por Deus, afim de que Adão e Eva dela não comessem seus frutos e consequentemente voltassem a viver eternamente, foi depois do rebaixamento quando os progenitores se tornaram mortais, no que diz respeito a carne, e não no espírito porque este é eterno.

“Ao entrar adulto no seu reino, depois de ter vivido na casa da mãe, a terra com a qual foi feito, durante a sua infância de Eterno, na sua jornada sobre a terra, este rei teria cometido contra si mesmo o delito de matar-se na Graça e o latrocínio de furtar-se do Céu.” ( Valtorta-Vol 1 pg. 34)

O tempo de 6.000 anos defendido por teólogos, não pode se referir desde a criação do universo, mas do início da vida de Adão sobre a Terra depois de ter sido rebaixado, até os dias de hoje. Este tempo de 6.000 anos pode ser confirmado pela Bíblia com a genealogia de Adão até Jesus Cristo, completando com o tempo de Jesus até os dias de hoje. Também por uma revelação dada por Nosso Senhor Jesus à Luísa Piccarreta em 29 de janeiro de 1919, falando sobre a necessidade da renovação do homem a cada 2.000 anos, dizendo que desde o início do homem até Noé(dilúvio) foram 2.000 anos, de Noé até Jesus(Nova Aliança pela Graça) mais 2.000 anos e de Jesus até sua segunda vinda(separação dos homens bons dos maus) mais 2.000 anos, totalizando 6.000 anos.

Vejam que constatação interessante, somando os 6.000 anos de Adão até a segunda vinda de Cristo, mais os 1.000 anos de paz que vem depois para pôr fim a odisseia humana terrestre com o Juízo universal, são 7.000 anos do início do homem até o fim dos tempos. O número 7 na Bíblia, nos transmite a ideia de totalidade, interação, conclusão, perfeição e consumação.

Pode-se dizer que tudo foi criado por Deus em 6 dias, visto que no sétimo descansou? Se considerarmos o tempo de Deus, sim. Mas se considerarmos o tempo dos homens, não. Porque são tempos diferentes que só podem ser compreendidos refletindo sobre essas diferenças.  

Não vejo desacordo algum em todas estas revelações de nossos visionários, que nos levam a entender com maior abrangência o pensamento de Deus. Vejo o enriquecimento do conhecimento que já possuíamos, nós Católicos privilegiados, por termos as revelações do Céu na sua integralidade, engrandecendo nossa alma de felicidade, pois ela rejubila quando se lembra do lugar onde foi feita, da Fonte, do Paraíso, de Deus, nos dando uma sensação de paz interior.

Que a paz do Senhor esteja em nossos corações sempre.

 

Antonio Carlos Calciolari


PROFECIAS QUE INDICAM 2.000 ANOS PARA A VOLTA DO SENHOR

 



AS PROFECIAS DE 2.000 ANOS PARA A VOLTA DO SENHOR  

 

 

O Espírito Santo Paráclito não deixou de iluminar as consciências dos visionários atuais, antigamente chamados de Profetas. A estes privilegiados cristãos pertencentes a Igreja de Cristo, chamamos de Santos. E foi justamente a estas duas visionárias: Luísa Piccarreta e Maria Valtorta, que nos foi confirmado os 2.000 anos para a volta do Senhor, a partir de sua morte na Cruz.

Nosso Senhor Jesus para Luísa Piccarreta em 29 de janeiro de 1919:

“A cada dois mil anos, renovo o mundo. Nos primeiros dois mil anos, eu o renovei com o Dilúvio; nos segundos dois mil, renovei-o com a minha vinda à terra quando manifestei a minha Humanidade, da qual, como se de muitas fissuras, brilhou a minha Divindade. Os bons e os próprios Santos dos dois mil anos seguintes viveram dos frutos da minha Humanidade e, em gotas, gozaram da minha Divindade. Agora estamos em torno dos terceiros dois mil anos, e haverá uma terceira renovação. Esta é a razão da confusão geral: nada mais é do que a preparação da terceira renovação. Se na segunda renovação manifestei o que minha Humanidade fez e sofreu, e muito pouco do que minha Divindade estava operando, agora, nesta terceira renovação, depois que a terra for purgada e uma grande parte da geração atual destruída, estarei ainda mais generoso com as criaturas, e realizarei a renovação manifestando o que minha Divindade fez dentro de minha Humanidade; como minha vontade divina agiu com minha vontade humana; como tudo permaneceu conectado dentro de mim; como fiz e refiz tudo, e como até mesmo cada pensamento de cada criatura foi refeito por Mim e selado com minha Divina Volição.”

Maria Valtorta viu e ouviu o seguinte de Jesus:

 “Só depois que esta terra tiver pecado contra Mim, e lembrai-vos que são palavras do Senhor ao seu Profeta, só depois é que o povo, e não somente este, sozinho, mas o grande povo de Adão, começará a gemer: “Vamos ao Senhor, Ele que nos feriu, nos curará.” E dirá ao mundo dos redimidos: “Daqui a dois dias, isto é, daqui a dois tempos da eternidade, durante os quais nos terá deixado a mercê do inimigo que, com todas as armas nos terá espancado e matado, como nós espancamos o Santo e o matamos, - e o espancamos e matamos, porque sempre haverá Cains, que matarão com a blasfêmia e as más obras ao Filho de Deus, o Redentor, disparando flechas mortais, não sobre sua eterno e gloriosa Pessoa, mas sobre as almas deles por Ele resgatadas, matando-as e matando-o por isso a Ele, através de suas almas – só depois desses dois tempos e que virá o terceiro dia, e ressuscitaremos em sua presença, já no reino de Cristo sobre a terra, e viveremos diante dele no triunfo do espírito. Nós o conheceremos, aprenderemos a conhecer o Senhor, para estarmos prontos a sustentar-me diante esse conhecimento verdadeiro de Deus, a última batalha em que Lúcifer desafiará o homem, antes que seja dado pelo anjo o toque da sétima trompa, pela qual se entoará o coro bem-aventurado dos Santos de Deus, tendo eles atingido o número perfeito para sempre – nem o menor dos pequeninos, nem o mais velho dos anciãos poderá jamais aumentar o seu número. “Terminou pobre reino da terra. O mundo passou, com todos os seus habitantes para a resenha do Juiz vitorioso. E os eleitos estão agora nas mãos do Senhor nosso e do seu Cristo, e Ele é o nosso Rei para sempre. Louvor ao Senhor Deus Onipotente, que era, que é e que será, porque Ele assumiu o seu grande poder, e entrou na posse do seu Reino.”(O Evangelho como me foi revelado-pg. 353-Maria Valtorta)

Este texto acima é uma resposta de Jesus ao seu Apóstolo Bartolomeu, sobre a Grande Vítima descrita pelos Profetas. E Jesus profetiza sobre o final dos tempos, quando irá voltar para separar os bons dos maus, usando os três dias em que esteve no sepulcro, para explicar que assim também acontecerá quando Ele voltar. “Daqui a dois dias, isto é, daqui a dois tempos de eternidade...”, e complementa em sequência o seu pensamento: “Só depois destes dois tempos é que virá o terceiro dia.” O qual menciona que virá então a ressurreição dos bons, depois do toque da sétima trombeta, se referindo obviamente sobre sua vitória. Portanto este terceiro dia, são os 1.000 anos descritos no Apocalipse depois da segunda volta de Cristo, o que nos faz pensar que os dois dias anteriores, os dois tempos de eternidade - assim como o terceiro dia tem 1.000 anos - cada destes dois tempos deve ter também 1.000 anos. Sendo assim, a segunda vinda de Cristo será depois de 2.000 anos, mais os 33 anos de idade que tinha quando profetizou, ou seja, 2033. Lembrando que o tempo será encurtado, ou abreviado, pois caso contrário ninguém se salvaria. É claro que o ano, o dia e a hora exata somente Deus sabe, mas podemos ficar esperançosos acreditando que falta poucos anos para que nosso querido Jesus retorne.

Na Bíblia tem sempre o simbolismo e o espírito da lei vagando nas palavras inspiradas. Sabemos que não está escrito literalmente que Jesus voltaria depois de seis mil anos. Porém se pensarmos na criação, Deus levou seis dias para criar tudo o que existe, e descansou no sétimo dia. É correto pensar que para o Criador um dia é como mil anos e mil anos como um dia, é indiferente para Deus o tempo. O simbolismo oculto na criação, visto que o número 6 é número de homem e o número sete é perfeição, nos leva a acreditar que em 6.000 anos foi o tempo dado ao homem para provar sua lealdade ao Senhor, para merecer em seguida outros 1.000 anos de paz, completando 7.000 anos para o Juízo final e a reconciliação eterna com Deus. E descansou Deus no sétimo dia, depois de ter completado sua obra.

Os simbolismos são interpretações diferentes do Espírito da lei. Enquanto o Espírito da lei revela com exatidão o sentido das palavras inspiradas, o simbolismo sugere a ideia de uma interpretação baseada em fatos ou crenças bíblicas. É uma suposição inspirada.

Que a paz do Senhor esteja em nossos corações hoje e sempre.

 

Antonio Carlos Calciolari


domingo, 15 de maio de 2022

A PROFECIA DA FIGUEIRA





 

A PROFECIA DA FIGUEIRA

 

Esta publicação é um complemento da postagem anterior intitulada: O tempo da segunda vinda de Cristo.

A reflexão sobre a passagem bíblica da figueira, ou Israel, nos remete a entender quanto ao possível ano da vinda de Cristo no final dos tempos.

“Da figueira aprendei esta semelhança, quando vedes que seus ramos ficam tenros, e soltam folhas, sabeis que o verão já vem perto. Assim também, quando virdes todas essas coisas, ficai sabendo que o Cristo está para chegar. Em verdade Eu vos digo: não passará esta geração, que não me quis, antes que tudo isso aconteça.” (Valtorta-Vol 9-pg.400)

“Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão. Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam.” (Mateus 24:32-34)

Nos dois textos acima  indicam qual é o povo e sua geração, que não passará sem que antes Ele venha. O povo que não o quis são os Judeus, que também simbolicamente é a figueira. É óbvio que Jesus não estava falando de sua geração com os Apóstolos, pois todos morreram e Jesus não voltou. Não! Ele falava da geração dos Judeus, de Israel. Como os Judeus, depois do deicídio, e da destruição de Jerusalém no ano 70 pelos Romanos, estiveram dispersos pelo mundo sem ter uma nação, era necessário que esta nação surgisse novamente para contar a partir dela a geração mencionada por Jesus. Foi no ano de 1948 que nasceu Israel em um único dia, conforme profetizado nas escrituras. (Isaias 66:7,8) A Bíblia nos revela que os Judeus viviam na época de Jesus no máximo 80 anos. (Salmos 90:10) Sendo assim, é só somar 1948 mais 80 anos, para chegamos aproximadamente, mas não precisamente, em 2028, porque uma geração sugere um tempo variável e incerto.

"Um homem tinha uma figueira plantada em sua vinha. Foi procurar fruto nela, e não achou nenhum. Por isso disse ao que cuidava da vinha: 'Já faz três anos que venho procurar fruto nesta figueira e não acho. Corte-a! Por que deixá-la inutilizar a terra?' "Respondeu o homem: 'Senhor, deixe-a por mais um ano, e eu cavarei ao redor dela e a adubarei. Se der fruto no ano que vem, muito bem! Se não, corte-a' ". (Lucas 13:6-9)

O espírito desta passagem bíblica é: Israel foi evangelizada por Jesus durante três anos mas não se converteram, por isso foi destruída e seu povo disperso. Porém no final dos tempos, quando voltar como nação nas terras circundantes de Jerusalém, uma nova chance de reconciliação com Deus será dada.

 “Antes que estivesse de parto, deu à luz; antes que lhe viessem as dores, deu à luz um menino. Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos.” (Isaías 66:7,8)

O espírito desta passagem bíblica é: No início Israel já havia nascido como nação, mas foi destruída e dispersada. Eis que de repente, em um único dia, surge novamente como nação sem precisar de um início, pois já era uma nação sem ter uma terra específica.  

Confirmando a Profecia da Figueira vejamos esta revelação de Jesus:

“Em verdade Eu vos digo que não acabareis, nem vós, nem os que vos sucederem, de percorrer os caminhos e as cidades de Israel, antes que venha o Filho do Homem. Porque Israel, por um horrível pecado será disperso, como o cascabulho levado por um turbilhão, e espalhado por toda terra, e os séculos e os milênios, um após o outro, e mais ainda, se sucederão, antes que seja de novo recolhido no terreno de Araúna, o Jebuseu. Todas as vezes que o tentar, antes da hora marcada, será pego de novo pelo turbilhão, e disperso, porque Israel deverá chorar o seu pecado, por tantos séculos, quantas irão ser as gotas que choverão das veias do Cordeiro de Deus, imolado pelos pecados do mundo. E a minha Igreja deverá também ela, que terá sido ferida por Israel em Mim e nos meus Apóstolos e discípulos, deverá abrir seus braços Israel debaixo do seu manto, como uma galinha faz com os pintinhos que se afastam dela. Quando Israel for toda de Cristo, então Eu virei.” (Valtorta-Vol. 4, pg. 267-268)

Traduzindo portanto o simbolismo desta frase profética de Jesus: “antes que seja de novo recolhido no terreno de Araúna, o Jebuseu.”  Significa: Antes que seja o povo Judeu novamente recolhido em Jerusalém como Nação, então a dispersão deste povo sessará.

Os jebuseus foram, de acordo com a Bíblia hebraica, uma tribo cananeia que vivia em Jerusalém antes da sua ocupação pelo rei Davi, narrada no livro de II Samuel 5:6-9; o Livro dos Reis afirma que Jerusalém era conhecida como Jebus antes da ocasião. O rei chamado Araúna, um Jebuseu, era o dono das terras em volta de Jerusalém que Davi comprou. O terreno do Rei Araúna circunda Jerusalém, onde hoje é Israel.

Quanto a segunda vinda de Cristo, Jesus nos diz que: “Quando Israel for toda de Cristo, então Eu virei.” A aceitação de Jesus-Messias pelo povo Judeu acontecerá depois do Aviso, e a vinda de Cristo será quando terminar a luta entre o Bem e o Mal no fim da Grande Tribulação.

Em Lucas 13:6-9 na parábola da figueira, é um resumo do que foi dito por Jesus em sua época, desvendada na sua integralidade através da mística Maria Valtorta. Jesus começa a contar esta parábola intitulando-a de : “A Parábola do Bom Cultivador,” mas que se trata da mesma parábola da figueira mencionada por Lucas. Vejam como o entendimento se amplia.

Diz Jesus:

“Ouvi esta parábola: Poderia ser intitulada “A Parábola do Bom Cultivador.”

“Um rico tinha uma grande e bela vinha, na qual havia também figueiras de diversas qualidades. Na vinha trabalhava um empregado dele, experiente vinhateiro e podador de árvores frutíferas, que cumpria o seu dever com amor para com seu patrão e para com as plantas. Todos os anos o rico, na melhor estação, ia muitas vezes à sua vinha, para ver como iam amadurecendo as uvas e os figos, e provar alguns deles, apanhando-os das árvores com suas mãos. Mas, um dia, quis dirigir-se a uma figueira que era de ótima qualidade, a única planta daquela qualidade que havia na vinha. Até aquele dia, como nos anos precedentes, ele só encontrou folhas e nada de frutos. Então, ele chamou o vinhateiro e lhe disse: “Há três anos que eu venho procurando fruto nesta figueira e só encontro folhas. Compreende-se que ela parou de produzir frutos. Corta-a, pois é inútil que ela fique aqui ocupando um lugar e tomando o teu tempo, para depois não chegar a nada. Corta-a, queima-a, limpa depois o terreno das raízes dela e no lugar, coloca uma plantinha nova. Com alguns anos ela dará fruto.” O vinhateiro era um homem paciente e amoroso, e respondeu: “Tens razão. Mas deixa-me experimentar por um ano ainda. Eu não vou cortar a planta. Mas vou, com maior cuidado capinar o solo ao redor dela, vou adubá-la e podá-la. Talvez ela não frutifique ainda. Se, depois desta última prova ela não der fruto, então obedecerei o teu desejo e a cortarei.”

Corozaim é a figueira que não dá frutos. Eu sou o Bom Cultivador. O rico impaciente sois vós. Deixai agir o Bom Cultivador.”

“Está bem. Mas a tua parábola não chegou ao fim. A figueira um ano depois produziu fruto?” Perguntou o Zelotes.

“Não produziu frutos, e foi cortada. Mas o Cultivador ficou justificado por cortar uma árvore ainda nova e bonita, porque ele fez todo o seu dever. Eu também quero ser justificado, por causa daqueles nos quais deverei descer o machado, e arrancá-los da minha vinha, para pô-los onde só há plantas estéreis ou venenosas, ninhos de serpentes, sugadores dos sucos da terra, parasitas ou tóxicas, que desgastam ou prejudicam seus companheiros, os discípulos, ou então, que vão penetrando, deslizando com suas raízes maléficas, para proliferarem, sem terem sido chamados à minha vinha, rebeldes a todo enxerto, e que aí penetraram só para espionar, denegrir e tornar estéril i meu campo.

A estes Eu cortarei, quando tudo tiver sido tentado para convertê-los. E, por enquanto, antes do machado, Eu levanto a tesoura e a faca do podador, arranco as folhas e faço o enxerto. Oh! Será um trabalho duro. Para Mim, que o faço, e para aqueles que sofrerão. Mas vai ser feito. A fim de que se possa dizer no Céu: “Ele fez tudo até o fim, mas eles se tornaram cada vez mais estéreis e maus, ainda mais do que antes de pôr Ele serem podados, enxertados, cavados ao redor, adubados com suor e lágrimas, com cansaços e sangue.”(O Evangelho como me foi Revelado-Maria Valtorta, Vol. 5, pg. 274/275)

Todas estas revelações do Céu estão interligadas entre si, todas falam sobre o mesmo tema, da punição de Deus ao Povo deicida, os Judeus, sua destruição, sua dispersão, sua volta à Jerusalém como Nação, e que no final desta geração vem o final dos tempos com a segunda vinda de Cristo.

Que a paz do Senhor esteja em nossos corações hoje e sempre.

 

Antonio Carlos Calciolari