segunda-feira, 21 de outubro de 2019

A PARÁBOLA DO TRIGO E DO JOIO







A PARÁBOLA DO TRIGO E DO JOIO



Mas as pessoas já estão se reunindo no pequeno jardim da casa do Elias, e estão reclamando a palavra do Mestre. E, ainda que Jesus não esteja muito disposto a fazê-lo, entristecido como está por causa da prisão do Batista e pelo modo como ela foi feita, contudo Ele se dá por vencido e, á sombra das árvores, começa a falar.
“Ainda neste belo tempo dos trigais que estão soltando espigas, Eu vos quero propor uma parábola, tomada dos grãos. Ouvi-a.
O Reino dos Céus é semelhante a um homem que semeou boa semente em seu campo. Mas, enquanto o homem e sés empregados dormiam, veio um inimigo dele, espalhou sementes de joio nos sulcos e foi-se embora. A principio ninguém percebeu nada. Veio o inverno com as chuvas e as geadas, veio o fim do mês de Tebet, e as sementes germinaram. Era um verdor de grandes folhas tenras, que mal vinham despertando. Em sua infância inocente, pareciam todas iguais. Veio o mês de Shebat, depois o de Adar, e as plantas se formaram, e começaram a mostrar suas espigas. Aí é que se viu que aquele verdor não era só do trigo, mas também do joio, que estava bem enroscado, com seus tentáculos, fininhos e pegajosos, nas hastes do trigo.
Ao verem isso, os empregados foram à casa do patrão e lhe disseram: “Senhor, que semente foi que semeaste? Não foi uma semente escolhida, separada de quaisquer outras sementes, que não fossem as do trigo?”
“Certamente que foi. Eu escolhi os grãos todos iguais em sua formas. E, se houvesse outras sementes, eu as teria visto.”
“E, como é, então, que nasceu tanto joio no meio do trigo.”
O Patrão pensou, depois disse: “Algum inimigo meu fez isso para prejudicar-me.”
E os empregados ainda lhe perguntaram: “Não queres que nós vamos por entre os sulcos e, com paciência, apanharemos as espigas do joio e arrancaremos. Manda que iremos fazer.”
Mas o patrão lhes respondeu: “Não. Vós poderíeis ao fazer o que dizeis, arrancar junto o trigo e, quase com certeza, ofenderíeis as espigas ainda tenras. Deixai, pois que um e outro fiquem juntos até o fim da colheita. Naquela ocasião, eu direi aos ceifadores: “Passai a foice em tudo junto; depois, antes de amarrar os feixes, agora que a secura do tempo tornou quebradiças as hastes do joio e que, ao mesmo tempo já estão bem formadas e duras as espigas, agora sim, separai o joio do trigo, e fazei com ele uns feixes à parte. E vós os queimareis depois, e eles vão servir de adubo para o solo. Ao mesmo tempo, vós levareis o trigo puro para os celeiros, e ele vai servir para se fazer um pão muito bom, e para humilhar o inimigo, que só terá ganhado isto: ficar abjeto aos olhos de Deus pelo seu ódio.”
Agora, refleti entre vós como frequentemente acontece, e como é grande a semeadura do Inimigo em vossos corações. E compreendei como é preciso vigiar, com paciência e constância, para fazer que seja pouco o joio que se misture ao trigo escolhido. A sorte do joio é ser queimado. Quereis vós ser queimados, ou tornar-vos cidadãos do Reino? Pois bem. Que saibais sê-lo. O bom Deus dá a Palavra. O Inimigo está vigiando para torná-la nociva, por que a farinha de trigo misturada com a farinha de joio dá um pão amargo e que faz mal ao estômago. Que saibais com boa vontade, se houver joio em vossa alma, separá-lo para jogá-lo fora, a fim de que não sejais indignos de Deus.
Ide meus filhos. A paz esteja convosco.”
As pessoas vão-se afastando lentamente. No pequeno jardim ficaram os oito apóstolos com Elias, seu irmão, a mãe e o velho Isaac, que sente sua alma alimentar-se, quando olha para seu Salvador.
“Vinde ao redor de Mim, e ouvi. Eu vos explico o sentido completo da parábola, que tem ainda dois aspectos. Além daquele de que Eu falei à multidão.
Em um sentido universal, a parábola tem esta aplicação: o campo é o mundo. A semente boa são os filhos do Reino de Deus, semeados por Deus sobre o mundo, à espera de chegarem ao seu limite, quando serão cortados pela Falcífera, e levados ao Dono do mundo, para que os coloque de novo em seus celeiros. O joio são os filhos do Maligno, espalhados, por sua vez, pelo campo de Deus, com a intenção de causar tristeza ao Dono do mundo e de estragar as espigas de Deus. O Inimigo de Deus o semeou de propósito, por meio de um sortilégio, porque o diabo verdadeiramente desnatura o homem, até fazer dele uma criatura sua, e esta semeia, para levar para fora do caminho a outros, que ele não foi capaz de tornar seus escravos de outro modo. A colheita, ou melhor, a formação dos feixes e o transporte dos mesmos até os celeiros é o fim do mundo. E os que fazem essa tarefa são os anjos. A eles foi mandado que reúnam as criaturas cortadas, e separem o trigo do joio e, como na parábola este é queimado, assim serão queimados no fogo eterno os condenados, no Juízo Final.
O Filho do homem mandará que sejam tirados do seu Reino todos os causadores de escândalos e de iniqüidades. Porque então o Reino será no Céu e na terra, e entre os cidadãos do Reino na terra estarão misturados muitos filhos do Inimigo. Estes atingirão, como foi dito também pelos Profetas, a perfeição do escândalo e da abominação em todos os ministérios da terra, e darão grandes aborrecimentos aos filhos do espírito. No Reino de Deus, nos Céus, já terão sido expulsos os corruptos, porque a corrupção não entra no Céu. Agora, pois, os anjos do Senhor, impunhando a foice por entre as fileiras da última colheita, cortarão e separarão o trigo do joio, e jogarão este na fornalha ardente, onde há choro e ranger de dentes, mas levando consigo os justos, o trigo escolhido, para a Jerusalém Eterna, onde eles brilharão como sóis no Reino de meu e vosso Pai.
Isto no sentido universal. Mas para vós há um outro ainda, e vem responder às perguntas que, especialmente como ontem à tarde, costumais fazer. Vós estáveis perguntando a vós mesmos: “Mas, então, no meio do grupo dos discípulos pode existir traidores?”, e tremeis de horror e de medo em vossos corações. Eles podem existir. Disso Eu estou certo.
O semeador espalha a boa semente. Neste caso, mais do que espalhar, poder-se-ia dizer que ele “colhe”. Porque o Mestre, que seja Eu ou que tenha sido o Batista, havia escolhido os seus discípulos. Como foi que houve extraviados? Não, mas pelo contrário, eu falei mal quando chamei os discípulos de sementes. Vós poderíeis entender-me mal. Eu vou chamá-los, então de “campo”. Tantos discípulos, tantos campos escolhidos pelo Mestre para formarem a área do Reino de Deus, os bens de Deus. Com esses o Mestre se afadiga, para cultivá-los, a fim de que produzam cem por cento. Ele toma todos os cuidados. Todos. Com paciência. Com amor. Com sabedoria. Com canseiras. Com constância. Ele olha também as tendências más deles. A aridez e a cobiça deles. Vê as teimosias e fraquezas deles. Mas, fica esperando, espera sempre, e fortalece a sua esperança com a oração e a penitência, porque os quer levar a perfeição.
Mas os campos estão abertos. Não são um jardim fechado, cercado por muros como uma fortaleza, do qual só o mestre é o dono, e no qual só ele pode penetrar. Estão abertos. Colocados no centro do mundo, no meio do mundo e todos podem aproximar-se deles, todos podem entrar neles. Todos e tudo. Oh! Oh! Mas não é só o joio que é a semeadura. O joio: este poderia ser o símbolo da leviandade amarga do espírito do mundo. Mas aí nascem, lançados pelo inimigo, todas as outras sementes. Aí estão as urtigas. Aí as tiriricas. Aí as cuscutas. Aí os cipós-chumbo. Aí, enfim as cicutas e os tóxicos. Por que? Por que? Que são eles?
As urtigas: são os espíritos irritantes, indomáveis, que ferem, por uma superabundância de venenos, e causam tanto mal-estar.
As tiriricas significam os parasitas que esgotam o mestre, pois só sabem rastejar e sugar, aproveitando-se do trabalho dele e prejudicando aos cheios de vontade, que certamente colheriam maiores frutos, se seu mestre não fosse perturbado e distraído pelos cuidados que dele exigem as tiriricas.
Os cipós-chumbo, inertes, que só se levantam do chão, aproveitando-se do trabalho dos outros.
As cuscutas são um tormento no caminho, já difícil, do mestre, e um tormento para os discípulos que o acompanham. Elas se agarram a nós, espetam, ferem, arranham, só causam desconfiança e sofrimento.
Os tóxicos: são os delinqüentes que estão entre os discípulos, aqueles que chegam a trair e a apagar a vida, como a cicuta e outras ervas venenosas. Por acaso, já tereis visto como elas são bonitas com as suas florzinhas, que depois se transformam em bolinhas brancas, vermelhas ou roxo azuladas? Quem diria que aquela corola estrelada, cândida ou levemente rosada, com seu coraçãozinho de ouro, quem haveria de dizer que aqueles corais de todas as formas, tão parecidos com aquelas frutinhas que são a delícia dos passarinhos e das crianças, sejam capazes de, quando maduras, dar a morte? Ninguém. Mas os inocentes aí caem. Crêem que todos são bons como eles... colhem os frutos, comem e morrem.
Acham que todos são bons como eles! Oh! que verdade que sublima o mestre e condena o seu traidor! Como? A bondade não desarma? Não torna inofensivo o querer-mal? Não. Não torna mais assim, porque o homem que tombou como presa do Inimigo, tornou-se insensível a tudo o que é superior. E tudo o que é superior muda de aspecto para ele. A bondade é vista como uma fraqueza, em que é permitido pisar, e refina sua má vontade, refina o desejo de degolar, como em uma fera, só com o sentir cheiro de sangue. Também o mestre é sempre um inocente, e deixa que seu traidor o envenene, porque não quer, e não deixa os outros pensar que um homem seja capaz de dar a morte a quem é inocente.
Dos discípulos, que são os campos do mestre, é que vêm os inimigos. E são muitos. O primeiro é Satanás. Os outros são os servos dele, isto é, os homens, as paixões, o mundo e a carne. Aí está o discípulo mais fácil de ser atingido por eles, porque ele não está completamente ao lado do Mestre, mas está em cima do muro, entre o Mestre e o mundo. Ele não sabe, não quer separar-se completamente das coisas do mundo, da carne, das paixões e do demônio, para estar completamente com quem o leva para Deus. Sobre ele o mundo e a carne, as paixões e o demônio espalham suas sementes. O ouro, o poder, a mulher, o orgulho, um medo de ser mal julgado pelo mundo e um espírito de utilitarismo. “Os grandes é que são os mais fortes. E por isso eu os sirvo, para tê-los como amigos.” E se tornam delinqüentes e condenados por causa de coisas tão mesquinhas!
Por que o Mestre, que está vendo a imperfeição do discípulo, ainda que não queira render-se a este pensamento: “Este vai ser o meu matador”, não o elimina imediatamente do meio dos discípulos? Isto vós perguntais porque é inútil fazer isso. Se o fizesse não impediria que ele continuasse seu inimigo e agora dupla e prontamente seu inimigo, pela raiva ou pela dor de ter sido descoberto, ou por ser expulso. Dor. Sim. Porque às vezes o mau discípulo não percebe que o é. É tão sutil a obra do demônio, que ele nem a percebe. Ele fica endemoninhado, sem nem suspeitar de que está sendo submetido a essa operação. Raiva. Sim. Raiva por estar sendo conhecido pelo que realmente é, quando ele não está inconsciente do trabalho de Satanás, e de seus adeptos: são os homens que tentam o fraco em suas fraquezas, para tirar do mundo o santo, que, só por sua santidade, comparada ás maldades deles, já os ofende. E, então, o santo ora e se abandona a Deus. “O que Tu permites se faça, seja feito”, diz ele. Somente acrescenta esta cláusula: “Contanto que sirva para o teu fim.” O santo sabe que virá a hora em que serão expulsos de suas colheitas os joios daninhos. Por quem? Pelo mesmo Deus, que não permite nada além do que é útil para o triunfo de sua vontade de amor.”
“Mas, se Tu admites que sempre é Satanás e os adeptos dele, parece que a responsabilidade do discípulo diminua”, diz Mateus.
“Nem penses nisso. Se o Mal existe, existe também o bem. E existe no homem o discernimento e, com ele a liberdade.”
“Tu dizes que Deus não permite nada além de tudo que é útil para o triunfo de sua vontade de amor. Portanto, também esse erro é útil, se Ele o permite, e serve para um triunfo da vontade divina”, diz Iscariotes.
“E tu argumentas, como Mateus, que isto justifica o delito do discípulo. Deus havia criado o leão sem ferocidade e a serpente sem veneno. Agora, um é feroz e a outra venenosa. Mas Deus os separou do homem por isso. Medita sobre isso e tira as conclusões. Vamos para casa. O sol já está forte demais. Parece que vem aí o começo de um temporal. E vós estais cansados por causa de uma noite sem dormir.”
“A casa tem uma sala alta, bem ampla e fresca. Nela podereis repousar”, diz Elias.

(O Evangelho como me foi revelado – Maria Valtorta –Vol 3 – pg. 170 a 176)

domingo, 20 de outubro de 2019

CARTA ABERTA AOS PADRES E BISPOS CATÓLICOS






CARTA ABERTA AOS PADRES E BISPOS CATÓLICOS


Se faz necessário uma precaução doutrinal, por parte de nossos Sacerdotes e Bispos, com relação ao que está sendo exposto no Sínodo da Amazônia, que implica em mudanças na Igreja nunca vistas. Estou muitíssimo preocupado com o que está por vir. Por favor defendam a Santa e imutável doutrina deixada por Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos deu sua própria vida por esta eterna Igreja, a fim de que permanecesse até o final dos tempos. Defendam o rebanho! Oriente-nos! Cuidai de nossas almas, extremamente necessitadas de amor verdadeiro, da palavra do Senhor, da elevação espiritual, conservando o que sempre nos foi dado como certo para a nossa salvação.
O Sínodo da Amazônia não é um acontecimento em defesa da cristandade, mas uma reunião de globalistas na intenção da dominação religiosa no mundo. A verdadeira intenção é ecumenista, é a unificação de todas as crenças em uma só, e assim conseguirem escravizar, espiritualmente, a população mundial. E com isso, a verdadeira e única Igreja da terra: a Católica, seria suprimida, esquecida e rebaixada. Esta Babel religiosa é a Grande Prostituta mencionada no Apocalipse, que se assenta sobre a Babilônia( a União Européia), mais precisamente na Itália, em Roma, um novo templo será erguido pelo Anticristo, onde será adorado como se fosse um deus. Para que o engano seja grande e fugaz, esta nova religião mundial surgirá dentro da Igreja Católica, com o Anticristo Bergoglio e seus cúmplices comunistas, Maçons e teólogos da libertação, com o controle total dos Iluminatis.
Espero a defesa da Igreja por nossos Padres e Bispos, que não se acovardem diante das perseguições que com certeza haverá. Que permaneçam fiéis a doutrina deixada por Jesus a Pedro e repassada para os Papas subseguentes, até o último Papa verdadeiro da terra: Bento XVI. Vocês são nossas estrelas que iluminam o caminho a seguir, o caminho que nos leva ao Reino de Deus. Os anjos se inclinam diante de vós, oh! Sacerdotes do Senhor, que não se deixam enganar pela Besta da Terra, que seguem em frente ensinando a doutrina eterna, inalterável, de Nosso Senhor Jesus Cristo. A vossa compreensão humana é incapaz de quantificar o quanto Deus vos ama. Lembrai disso.
Leiam as profecias dos Profetas dos últimos tempos:

-Profeta : Maria Divina Misericórdia-  ( MDM). Esta profeta está revelando o Livro da Verdade descrito na Bíblia. O Livro da Verdade está mencionado em Daniel 10.21. É aqui que um misterioso Livro da Verdade é referido.  O Anjo Gabriel explica ao Profeta Daniel que todas as coisas que lhe têm sido reveladas é acerca do futuro, do fim dos tempos, encontram-se no Livro da Verdade. Daniel foi avisado para o selar, pois ele será deixado para ser aberto num outro tempo, chamado “O Fim Dos Tempos”.
 -Profeta : Padre Stefano Gobbi-  ( SG). Movimento Sacerdotal Mariano.” Levar-vos-ei á perfeita compreensão da Sagrada Escritura. De modo especial desvendar-vos-ei as páginas do seu último livro, que estais vivendo.”(Nossa Senhora)
-Profeta : Mary Jane Even- ( MJE)- Lincoln-Nebraska
-Profeta : Padre Santiago Portugal-  (SP)-Portugal
-Profeta : Verônica Lueken- ( VL) Bayside- Nova York
-Profeta : Vassula Rayden- (VR) Egito.
-Profeta : John Leary-  (JL)-Rochester-Nova York
-Profeta:  Nancy Fowler-( NF) Conyers – Georgia.
-Profeta: Christina Gallagher-(CG)- Irlanda
-Profeta: Conchita Gonzáles-Garabandal-Espanha.
-Profeta: Melanie Calvat e Maximino Giraud- Salete- Espanha.
-Profeta: Leslie Garay-(LG)-Boston
-Profeta : Julia Kim-(JK) Naju-Coréia.
-Profeta: Irmã Agnes Sasagawa-(IAS) Akita-Japão.
-Profeta : Luz de Maria(LM) Revelacionesmarianas.
-Profeta : Pedro Régis - Rainha do Rosário e da Paz – (RRP)Anguera – Brasil.
-Profeta : Marie Julie Jahenny – (MJJ)França

É assim que Deus se comunica com os homens, através de seus Profetas. Pensai que Deus nos ama e que sem dúvida nenhuma iria no final dos tempos, nos alertar, avisar sobre a segunda vinda de seu Filho muito amado. Ele não nos deixaria órfãos desta importantíssima informação, que encerra um advento. A Abominação já está no lugar Santo, na cadeira de Pedro, e a desolação aumenta a cada dia que passa com os modernismos e as alterações no Missal, dessacralizando-a, deixando-a completamente ineficaz na salvação das almas.
A Igreja já se dividiu, entre os modernistas e os conservadores. Ficai na paz do Senhor, desejando a Igreja de sempre, os ensinamentos de sempre, as recomendações dos Santos e Mártires de sempre, e principalmente honrar vosso compromisso com Jesus, que vos ama tanto, que vos deseja tanto, Oh! Sacerdotes amados do Senhor! Precisamos de vocês, principalmente agora no final dos tempos, não nos abandonais.
Ficai em paz. Refleti. Rezai. Conversai com Deus iluminados pelo Espírito Santo.
Ficai em paz.

Antonio Carlos Calciolari.

terça-feira, 15 de outubro de 2019

SOMENTE QUEM FAZ A VONTADE DE DEUS SERÁ SALVO






SOMENTE QUEM FAZ A VONTADE DE DEUS CONQUISTARÁ O REINO DE DEUS


As crianças, alegres como passarinhos, já estão tagarelando, correndo e saltando por entre os campos, tomando um bom banho de orvalho, o que provoca um ou outro pescoção, acompanhado do conseqüente choro. Depois as crianças correm até Jesus, que as acaricia, e com isso Ele reencontra o seu sorriso, como se reproduzisse em si aquelas alegrias inocentes. Uma menina quer colocar na cintura dele um ramalhete de flores, que ela apanhou nos prados, “ porque sua veste fica mais bonita assim”, diz ela, e Jesus a deixa fazer isso, apesar dos Apóstolos estarem resmungando e por isso Jesus diz: “ Mas ficai contentes porque elas me amam! E o amor das crianças tira as tristezas do meu coração.”
Ao mesmo tempo, chegam, e vêm vindo no meio dos peregrinos Jesus, que havia descido da montanha, e o escriba João que vem de sua casa com muitos empregados trazendo cestas de pão, outros trazendo azeitonas, pequenos queijos e um cordeirinho, ou cabritinho, assado especialmente para o Mestre. Tudo é colocado aos pés dele, que cuida de distribuí-los, dando a cada um um pão, um pedaço de queijo e um punhado de azeitonas. Mas, uma mãe, que traz ainda ao peito um menino gorducho, que está rindo com os seus dentinhos novos, Ele dá com o pão um pedaço de cordeiro assado, e o mesmo faz com outros dois ou três, que parecem estar necessitados de um alimento especial.
“Mas isso é para Ti”, diz o escriba.
“Eu irei saboreá-lo, não duvides. Mas vê... se Eu sei que a tua bondade é para muitos, em Mim aumenta o sabor”.
A distribuição termina, e o povo já está partindo o pão e reservando uma parte dele para as outras horas. Também Jesus bebe um pouco do leite que o escriba quis encher para Ele uma taça preciosa, ao tirar o leite de um frasquinho que é trazido por um dos servos (parece um bilha).
“Mas, Tu me deves contentar, dando-me a alegria de ouvir-te”, diz João, o escriba, que foi saudado por Hermes com grande respeito, e com respeito ainda maior por Estevão.
“Não irei negar-te isso. Vem cá para a frente”, e Jesus, tendo-se encostado no monte, começa a falar.
“A vontade de Deus nos deteve neste lugar, porque ir para adiante, depois da caminhada que já fizemos, teria sido uma violação dos preceitos e motivo de escândalo. E que isto não aconteça nunca, enquanto a Nova Aliança não for escrita. É justo santificar as festas e louvar o Senhor nos lugares de oração. Mas todo o criado pode ser lugar de oração, desde que as criaturas saibam fazê-lo com sua elevação para o Pai. A Arca de Noé, à deriva sobre as águas, foi lugar de oração, o lugar de oração para Jonas foi o ventre da baleia. Foi lugar de oração a casa do Faraó, enquanto José nela morou, e a tenda de Holofermes para a casta Judite. E não era tão consagrado ao Senhor o lugar corrompido onde vivia como escravo o Profeta Daniel, consagrado por causa as santidade do servo que santificava aquele lugar, a ponto de merecer as altas profecias sobre o Cristo e o Anticristo, chaves dos tempos de agora e dos últimos tempos? Com maior razão, santo é este lugar que, por suas cores, pelos seus perfumes, pela pureza do seu ar, pela riqueza de seus trigais e pelas pérolas de suas orvalhadas, fala de Deus Pai e Criador, e diz: “Eu creio. E vós também credes, porque nós damos testemunho de Deus.” Seja ele para nós a sinagoga, neste sábado e nele leiamos as páginas sobre as corolas e as espigas, tendo como lâmpada sagrada o sol.
Eu vos falei de Daniel. Disse-vos: “Seja este lugar a nossa sinagoga”. Isto nos faz lembrar do jubiloso “bendizei” dos três santos jovens entre as chamas da fornalha: “Céus e águas, orvalhos e geadas, gelos e neves, fogos e cores, luzes e trevas, relâmpagos e nuvens, montes e colinas, todas as coisas germinadas, passarinhos, peixes e feras, louvai e bendizei o Senhor, juntos com os homens de coração humilde e santo”. Este é um resumo do cântico santo que tanto ensina aos humildes e santos. Podemos rezar e podemos merecer o Céu em qualquer lugar. Nós o merecemos, quando fazemos a vontade do Pai.
Quando este dia começou, fizeram-me observar que, se tudo vem da vontade de Deus, também os erros dos homens são queridos por Ele. Isto é um erro e um erro muito difundido. Haverá um pai que possa querer que seu filho se torne condenável? Não pode. O que vemos, até nas famílias, são alguns filhos que se tornaram condenáveis, mesmo tendo eles um pai justo, que lhes mostra o bem que se deve fazer e o mal do qual se deve fugir. E ninguém que seja reto, acusa aquele pai de ter incitado o filho para o mal.
Deus é Pai, os homens são os filhos. Deus mostra o bem e diz: “Eis que eu te ponho nesta contingência para o teu bem”, ou também quando o Maligno e os homens seus servos procuram infelicidade para o homem, Deus diz: “Eis que nesta hora penosa tu ages assim, e, assim fazendo, este mal vai servir para um eterno bem.” Vos aconselha. Mas não vos força. E então se alguém, mesmo sabendo qual é a vontade de Deus, prefere fazer tudo ao contrário, pode-se dizer que esse oposto é que é a vontade de Deus? Não se pode.
Amai a vontade de Deus. Amai-a mais do que a vossa e segui-a contra as seduções e potências das forças do mundo, da carne e do demônio. Também essas coisas têm aas suas vontades. Mas em verdade Eu vos digo que é bem infeliz quem a elas se apega. Vós me chamais de Messias e Senhor. Vós dizeis que me amais e me cantais hosanas. Vós me seguis, e isso parece amor. Mas, em verdade, Eu vos digo que nem todos entre vós entrarão comigo no Reino dos Céus. Mesmo entre os meus mais antigos e próximos discípulos, haverá aqueles que ali não entrarão, porque muitos farão a sua vontade, e a vontade da carne, do mundo e do demônio, mas não a do meu Pai. Não quem me diz: “Senhor! Senhor!” entrará no Reino dos Céus, mas os que fazem a vontade de meu Pai. Somente esses entrarão no Reino de Deus.
Dia virá no qual Eu, que vos estou falando, depois de ter sido Pastor, serei Juiz. Que não vos iluda o aspecto atual. Agora meu cajado reúne as almas dispersas e é doce para vos convidar a vir ás pastagens da Verdade. Então o cajado será substituído pelo cetro do Juiz Rei, e bem outro vai ser o meu poder. Não com doçura, mas com uma justiça inexorável, é que Eu irei separar as ovelhas apascentadas pela Verdade das que misturaram a Verdade com o erro, ou nutriram-se somente com o erro. Uma primeira vez e depois ainda uma outra Eu farei isso. E ai daqueles, entre a primeira e a segunda aparição  diante do Luiz, não se tiverem purificado, pois não poderão mais purificar-se dos seus venenos. A terceira categoria não se purificará. Pena alguma conseguiria purificá-la. Ela quis somente o erro e que no erro fique.
E mesmo entre estes, ainda haverá quem gema dizendo: “Mas como Senhor? Nós não profetizamos em teu nome, em teu nome não expulsamos os demônios, em teu nome não fizemos muitos prodígios?” E Eu, naquele momento, com toda a clareza, lhes direi: “Sim, vós ousastes revestir-vos com o meu Nome a fim de parecerdes ser quem não éreis. Quisestes fazer passar o vosso satanismo, como se estivésseis vivendo vossa vida em Jesus. Mas os frutos de vossas obras vos acusa. Onde estão os que vós salvastes? As vossas profecias, onde foi que se cumpriram? Os vossos exorcismos, a que conclusão chegaram? Os vossos prodígios, que cúmplices tiveram? Oh! bem que tem poder o meu inimigo! Mas não é maior do que o meu. Ele vos ajudou, mas foi para fazerdes maior presa e, por vosso trabalho, o círculo dos pervertidos pela heresia cresceu muito. Sim, vós fizestes prodígios. E até aparentemente, maiores do que os dos verdadeiros servos de Deus, os quais não são estriões para fazerem as multidões ficarem embasbacadas, mas têm uma humildade e uma obediência que fizeram ficar maravilhados os anjos. Estes, os meus verdadeiros servos, com suas imolações, não criam fantasmas, mas os destroem nos corações, estes, os meus verdadeiros servos, não se impõem aos homens, mas mostram Deus às almas dos homens. Eles não fazem mais que a vontade do Pai, e levam os outros a cumpri-la, assim como a onda impele e atrai a onda que a precede e a que a segue, sem precisar colocar-se em um trono, para dizer a elas: “Prestai atenção!” Eles, os meus verdadeiros servos, fazem o que Eu digo, sem pensar senão em fazê-lo e as suas obras têm um sinal meu, uma paz inconfundível, de humildade e ordem. Por isso, Eu posso dizer-vos: estes são os meus servos, a vós, Eu não vos conheço. Ide-vos embora, para longe de Mim, vós todos praticantes de iniqüidades.
Isso será o que direi, então. E será esta uma palavra terrível! Tomai cuidado para que não a mereçais, e vinde pelo caminho seguro, ainda que difícil, da obediência, para alcançardes a glória do Reino dos Céus.
Agora, gozai do vosso repouso do sábado, louvando a Deus com todo o vosso ser. A paz esteja com todos vós.”

(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta – Vol. 3 – pg 141 a 145)    

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

ENSINAMENTOS ETERNOS







ENSINAMENTOS ETERNOS


Diz Jesus:

“Filhos, minhas palavras estão chegando ao fim, como está chegando ao fim este dia que já declina com o Sol para o lado do ocidente. Desta reunião no monte quero que vós lembreis das palavras que aqui vos foram ditas. Esculpi-as em vossos corações. Tornai a lê-las seguidamente. Que elas vos sirvam sempre de guia. E sobretudo sede bons com quem é fraco. Não julgueis para não serdes julgados. Recordai-vos de que poderia chegar o momento no qual Deus vos fizesse lembrar: “Assim tu julgaste. Por isso sabias que isso era mal. Com conhecimento do que fazias, cometeste o pecado. Cumpre agora a tua pena".
A caridade já é uma absolvição. Tende a caridade em vós para com todos e sobre tudo. Se Deus vos dá tantos auxílios para que vós conserveis retos, não vos enchais de orgulho por isso. Mas procurai subir, porque é a escada da perfeição e estendei a mão aos cansados, aos ignorantes, aos que são presas de súbitas desilusões. Por que ficar observando com tanta atenção o cisco no olho do teu irmão, se não procura tirar antes a trave que está no teu? Como podes dizer ao teu próximo: “Deixa que eu tire do teu olho esse cisco”, enquanto a trave que está no teu te faz cego? Não sejas hipócrita, filho: tira primeiro a trave que está no teu olho e, depois, poderás tirar o cisco do olho do teu irmão, sem que o leses gravemente.
Assim como não deveis cometer faltas de caridade, não tenhais também a imprudência. Eu vos disse: “Estendei vossas mãos aos cansados, aos ignorantes, àqueles que são presas de imprevistas desilusões.” Mas, se é caridade instruir os ignorantes, animar os cansados, dar novas asas àqueles que, por muitas causas, as quebraram é imprudência revelar as verdades eternas aos que estão infeccionados pelo satanismo, os quais se apropriam delas para se fingirem de profetas, para se insinuarem entre os simples, para corromper, falsificar e sujar sacrilegamente as coisas de Deus. Respeito absoluto, saber falar e saber calar-se, saber refletir e saber agir, aí estão as virtudes do verdadeiro discípulo para fazer prosélitos e servir a Deus. Vós tendes uma razão e, se usais dela com justiça, Deus vos dará todas as suas luzes, para guiar ainda melhor a vossa razão. Pensai que as verdades eternas são semelhantes a pérolas, e nunca se viu jogar pérolas aos porcos, que preferem as bolotas e a lavagem mal cheirosa ás pérolas preciosas, e até as esmagariam sem dó com os seus pés, para depois, com a fúria de quem foi ludibriado, virarem-se contra vós para despedaçar-vos. Não deis as coisas santas aos cães. Isto serve para agora e para depois.
Muitas coisas Eu vos disse, meus filhos. Escutai as minhas palavras, quem as escuta e as põe em prática é comparável a um homem que refletiu, quando queria construir uma casa e escolheu um lugar rochoso. Certamente ele se cansou para construir as bases. Teve que trabalhar com picareta e buril, teve que calejar suas mãos e cansar os seus rins. Mas depois ele pôde passar argamassa de cal nas fendas da rocha e ir colocando os tijolos e fechando com eles as paredes, formando como que uma fortaleza, e a casa foi crescendo tanto, sólida como um monte. Vieram as intempéries, os aguaceiros. As chuvas fizeram transbordar os rios, assobiaram os ventos, as ondas bateram na casa, mas ela resistiu a tudo. Assim é aquele que tem uma fé bem fundada. Mas, ao contrário, quem ouve com superficialidade e não se esforça para gravar em seu coração as minhas palavras, porque sabe que isso exige trabalho, que é preciso passar pela dor, extirpar muitas coisas, esse tal é semelhante a quem por preguiça e estultícia constrói sua casa sobre a areia. Nem ainda bem chegou a tempestade, a casa rapidamente construída, rapidamente cai, e o estulto fica olhando desolado para os escombros dela e para a ruína do seu capital.
Mas aqui há mais do que uma ruína, porque esta ainda pode ser reparada com despesas e trabalho. Aqui, tendo vindo abaixo o edifício mal construído de um espírito, não se tem mais nada para construí-lo de novo. Na outra vida não se edifica. Ai de quem lá se apresentar com escombros!
Terminei. Agora, vou descer para o lago e vos abençôo em nome de Deus Uno e Trino. A minha paz esteja convosco.”

(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta- Vol. 3 – pg. 133,124,135)  

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

COMO DEVEMOS REZAR?







COMO DEVEMOS REZAR?


“Ouvi como deveis orar, com os lábios e com o trabalho, com todo o vosso ser, pelo impulso do coração que ama, sim, a Deus, e o sente como pai, mas que sempre lembra quem é o Criador, e quem é a criatura, e se põe com um amor reverencial sempre na presença de Deus, tanto quando ora, como quando está fazendo seus negócios, tanto quando está andando, como quando está descansando, tanto quando ganha, como quando está distribuindo os seus bens. Por impulso do coração, Eu disse. É esta a qualidade primeira e essencial. Porque tudo vem do coração, e como for o coração assim será a mente, assim será a palavra, o olhar e a ação.
O homem justo tira do seu coração de justo o bem e, quanto mais tira, mais acha para tirar, porque o bem que foi feito cria um novo bem, assim como o sangue que se renova na circulação pelas veias, e volta ao coração enriquecido com sempre novos elementos apanhados com o oxigênio que absorveu e com o suco dos alimentos que assimilou. Enquanto isso, o homem perverso, do seu coração tenebroso, cheio de fraudes e venenos, não pode tirar senão fraudes e venenos, que sempre mais vão aumentando, fortalecidos pelas culpas que se vão acumulando, assim como no homem bom vão-se acumulando as bênçãos de Deus. Podeis, pois, acreditar que a exuberância do coração é que transborda dos lábios e se manifesta nas ações.
Fazei que vosso coração seja humilde e puro, amoroso, confiante, sincero. Amai a Deus com amor pudico que uma virgem tem para com o seu esposo. Em verdade, eu vos digo que todas as almas são como umas virgens desposadas ao Eterno Amor, a Deus nosso Senhor; esta terra é o tempo do noivado, tempo no qual o anjo, dado para a guarda de todo homem, é o paraninfo espiritual e todas as horas e todas as contingências da vida são outras tantas servas, que preparam o enxoval das núpcias. A hora da morte é a hora em que se completam as núpcias, e ai vem o conhecimento, o abraço, a fusão e, com s veste de uma verdadeira esposa, a alma pode levantar o seu véu e lançar-se nos braços do seu Deus, sem que, por amar assim ao seu esposo, possa induzir outros a escândalo. Mas, por enquanto, ó almas ainda sacrificadas no laço do noivado com Deus, quando quiserdes falar com o esposo, ponde-vos na paz da vossa morada, e acima de tudo na paz da vossa morada interior, e falai, - anjo de carne ladeado pelo Anjo da Guarda, - falai ao Rei dos Anjos.
Falai ao vosso Pai no segredo do vosso coração e do vosso quarto interior. Deixai fora tudo o que é do mundo, o desejo de quererdes ser vistos e o de edificar, e os escrúpulos das longas orações cheias de palavras monótonas, cheias de tibieza e pálidas em amor.
Por caridade! Livrai-vos das medidas no orar. Na verdade, há alguns que perdem horas em um monólogo, que eles vão repetindo, apenas com os lábios, e que não passa de um solilóquio, pois nem o Anjo da Guarda o ouve, de tão grande que é o rumor vazio para o qual ele procura achar remédio, aprofundando-se, por sua vez, em uma ardente oração em favor do seu ignorante protegido. Em verdade, há alguns que não fariam uso diferente daquelas horas, nem que Deus lhes aparecesse, e lhes dissesse: “A salvação do mundo depende de que tu abandones esta linguagem sem vida, e vás, simplesmente, buscar água em um poço e derramar essa água no solo, por amor de Mim e dos teus semelhantes.” Em verdade, há alguns que acham que é mais importante o seu monólogo do que o ato delicado de quem acolhe um visitante ou socorre um necessitado. São almas que caíram na idolatria da oração.
A oração é um ato de amor. E amar é coisa que se pratica, tanto quando se ora, como quando se faz pão; tanto meditando, como prestando assistência a um enfermo; tanto fazendo uma peregrinação ao Templo, como cuidando das necessidades da família; tanto sacrificando um cordeiro, como sacrificando até os nossos desejos de recolhimento junto ao Senhor. Basta que nos impregnemos completamente a nós mesmos e as nossas ações com o amor. Não tenhais medo! O Pai está vendo. O Pai compreende. Ele está ouvindo. Ele concede. Quantas graças são concedidas por apenas um só e perfeito suspiro de amor! Quanta abundância por um sacrifício íntimo, mas feito com amor. Não sejais como os pagãos. Deus não precisa que lhe digais o que Ele deve fazer, porque daquilo vós estais necessitando. Isto os pagãos podem dizer aos seus ídolos, que não os podem atender. Não vós a Deus, ao Deus, o verdadeiro Deus espiritual, que não é somente Deus e Rei, mas é vosso Pai, e sabe, antes mesmo que lho peçais, de que é que estais precisando.
Pedi, e vos será dado, procurai e achareis, batei, e se vos abrirá. Porque quem pede, recebe; quem procura, acha e será aberta a porta a quem nela toca. Quando um vosso filhinho vos estende a mãozinha e diz: “Meu pai, estou com fome”, será que lhe dareis uma pedra? Será que lhe dareis uma cobra, quando ele vos pede um peixe? Não, mas vós lhe dais pão e peixe, e além disso, o acariciais e abençoais, porque para o pai é um prazer alimentar o seu filho, e vê-lo feliz em seu sorriso. Se, pois, vós que tendes o coração imperfeito, sabeis dar presentes bons aos vossos filhos, por um amor natural, que até os animais têm para com as suas crias, quanto mais o vosso Pai que está nos Céus concederá àqueles que lhas pedirem as coisas boas e necessárias para a sua vida. Não tenhais medo de pedir, e não tenhais medo de ficar sem receber!
Mas, Eu vos quero pôr em guarda contra um erro muito comum, - mas não façais como os fracos na fé e no amor, os pagãos da verdadeira religião, - porque mesmo entre os que têm fé há pagãos, cuja pobre religião é um emaranhado de superstições e de fé, um edifício arruinado pela metade, no qual se infiltraram as ervas parasitas de todas as espécies, a ponto dele se encher de gretas, e ir-se destruindo, e eles enfraquecidos e pagãos, percebem que sua fé está morrendo, se não forem atendidos.
Vós pedis. E achais que é justo pedir. De fato, para aquele momento não deixaria de ser justa aquela graça. Mas é que a vida não termina naquele momento. E o que é bom hoje, pode não ser amanhã. Disso vós não sabeis, porque vós só conheceis o presente, e isso é também uma graça de Deus. Mas Deus, conhece também o futuro. E muitas vezes, para poupar-vos um sofrimento maior, deixa de atender uma vossa oração. No meu ano de vida pública, mais de uma vez ouvi que os corações gemiam: “Quanto eu sofri, quando Deus não me ouviu.” Mas agora Eu digo: “Foi bom assim, porque aquela graça me teria impedido de chegar a esta hora de Deus.” A outros Eu ouvi dizer, ou dizerem de Mim: “Por que Senhor, não me ouves? A todos ouves, e a mim não?” E Eu, mesmo sentindo a dor de ver que sofriam, precisei dizer: “Eu não posso.” Pois se os atendesse, isso seria pôr um estorvo à frente deles, no vôo em que estavam para a vida perfeita.
Também o Pai as vezes diz: “Não posso”. Não porque não possa fazê-lo imediatamente. Mas porque não o quer fazer, em vista das consequências futuras. Ouvi: Um menino está doente das vísceras. A mãe chama o médico, e o médico lhe diz: “Para que ele fique bom, é preciso que faça um jejum absoluto.” O menino chora, grita, suplica, parece extremamente debilitado. A mãe, sempre compadecida, une os seus lamentos ao do filho. Acha que o médico é muito rigoroso, ao falar daquela proibição total de alimento. Mas o médico continua intransigente. E, afinal, ele diz: “Mulher, eu sei e tu não sabes. Queres que o teu filho morra, ou que eu o salve?” A mãe diz em alta voz: “Eu quero que ele viva!” Então, diz-lhe o médico: “Eu não posso permitir que ele tome alimento. Pois ele morreria.”
Também o Pai, as vezes, diz assim. Vós, ó mães compadecidas do vosso eu, não quereis vê-lo sofrer por lhe ter sido negada uma graça. Mas Deus diz: “Eu não posso. Seria isso o teu mal.” Mas chegará o dia ou virá a eternidade, na qual chega-se a dizer: “Obrigado, meu Deus por não terdes dado ouvidos à minha tolice.”
Tudo Eu disse sobre a oração, digo-o também sobre o jejum. Quando jejuardes, não fiqueis com aquele ar triste, como costumam ficar os hipócritas, que sabem desfigurar o próprio rosto, a fim de que o mundo fique sabendo e acreditando, ainda que não seja verdade, que eles estão jejuando. Também esses já receberam, com o louvor do mundo, a sua recompensa, e outra não terão. Mas, vós, quando jejuardes, tomai um ar alegre, lavai bem o vosso rosto, para que ele apareça vistoso e liso, ungi bossa barba e perfumai vossos cabelos, tende entre os lábios o sorriso dos que estão bem nutridos. Oh! Pois na verdade, não há alimento que nutra tanto como o amor! E, quem jejua com espírito de amor, de amor se nutre! Em verdade vos digo que, ainda que o mundo vos chame de “vaidosos” ou “publicanos”, o vosso Pai está vendo o vosso heróico segredo, e dele vos dará uma dupla recompensa: uma pelo jejum, e a outra, pelo sacrifício de não procurar ser louvados por causa dele.


() Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta- Vol. 3-pgs. 96 a 103)

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

TERCEIRO SERMÃO DA MONTANHA





TERCEIRO SERMÃO DA MONTANHA


“Por tudo o que vos disse ontem, não deveis ficar pensando que Eu tenha vindo abolir a Lei. Não. Somente, visto que Eu sou Homem, e compreendo as fraquezas do homem, o que Eu quis foi encorajar-vos a segui-la, dirigindo os vossos olhares espirituais, não para o abismo escuro, mas para o abismo luminoso. Porque, se o medo do castigo pode fazer alguém deter-se, três em dez vezes, a certeza de um prêmio o faz arremessar-se para a frente sete em dez vezes. Por onde se vê que a confiança faz mais do que o medo. E Eu quero que tenhais uma confiança plena, firme, para que possais fazer não sete em dez partes de bem, mas dez em dez, para conquistardes este prêmio santíssimo que é o Céu.
Eu não mudo nem um i da Lei.
E quem foi que a deu, por entre raios no Sinai? O Altíssimo.
Quem é o Altíssimo? O Deus Uno e Trino.
E de onde foi que Ele a tirou? Do seu pensamento.
E, como foi que a deu? Com sua palavra.
Por que foi que a deu? Pelo seu Amor.
Vede, pois que a Trindade estava presente. E o Verbo, obediente como sempre ao Pensamento e ao Amor, falou pelo Pensamento e pelo Amor.
Poderia Eu desmentir-me a Mim mesmo? Não poderia. Mas Eu posso, já que tudo posso, completar a Lei, torná-la divinamente completa, não como fizeram ficar os homens que, durante os séculos, não a tornaram completa, mas indecifrável, impossível de ser cumprida, sobretudo leis e preceitos, preceitos e leis, tudo tirado do pensamento deles, conforme as vantagens deles, e jogando todo esse entulho para apedrejar e sufocar, para soterrar e esterilizar a Lei Santíssima, que foi dada por Deus. Poderá uma planta sobreviver, se estiver sempre mergulhada em avalanchas, em escombros e inundações? Não. A planta morre. A Lei está morta em muitos corações, sufocada debaixo das avalanchas de exageradas superestruturas. Eu vim para tirá-las todas e, tendo desenterrado a Lei, tendo ressuscitado a Lei, eis que agora Eu faço dela não mais lei, mas Rainha.
As rainhas promulgam as leis. As leis são obras das rainhas, mas não são mais do que as rainhas. Eu, ao contrário, faço da Lei a rainha: Eu a completo, a corôo, colocando no seu ápice a grinalda dos conselhos evangélicos. Primeiro era a ordem. Agora é mais que a ordem. Antes era o necessário. Agora é mais do que o necessário. Agora ela é a perfeição. Quem a desposa, assim como Eu vo-la dou, no mesmo instante se torna rei, porque alcançou o que há de perfeito, porque não se tornou só obediente, mas heróico, isto é, santo, sendo a santidade a soma das virtudes levadas até o ápice, o ponto mais alto que possa ser atingido por uma criatura, heroicamente amadas e servidas com um completo desapego de tudo o que é apetite ou reflexão humana, seja lá o que for. Eu poderia dizer que o santo é aquele para o qual o amor e o desejo servem de obstáculo para qualquer outra vista, que não seja Deus. Não distraído por outras vistas inferiores, ele tem as pupilas do coração firmes no Esplendor Santíssimo que é Deus, e no qual ele vê, pois que tudo é em Deus, a agitação dos irmãos que, suplicantes, lhe estendem as mãos. E, sem afastar o olhar de Deus, o santo se inclina para atender aos irmãos que lhe suplicam. Contra a carne, contra as riquezas, contra as comodidades, ele ergue o seu ideal: servir. Fica pobre o santo? Fica diminuído? Não. Ele chegou a possuir a sabedoria e a riqueza verdadeiras. Por isso, possui tudo. E não sente cansaço, porque, se é verdade que ele é um produtor contínuo, também é verdade que ele é nutrido continuamente. Porque, se é verdade que ele compreende a dor do mundo, também é verdade que ele se alimenta com a alegria do Céu. De Deus ele se nutre, em Deus ele se alegra. Ele é a criatura que compreendeu o sentido da vida.
Como estais vendo, Eu não mudo, nem mutilo a Lei, como também não a corrompo com as superposições de fermentantes teorias humanas. Mas Eu a completo. Ela é o que é, e assim será até o último dia, sem que dela se mude uma só palavra, ou se tire um só preceito. Ela está coroada pela perfeição. Para ter-se a salvação, basta aceitá-la como foi dada. Para ter uma imediata união com Deus, é preciso vivê-la, como Eu a aconselho. Mas, visto que os heróis são uma exceção, Eu falarei para as almas comuns, para a massa de almas, para que não se diga que, por querer a perfeição, Eu faço que fique desconhecido o necessário. Mas, de tudo o que Eu digo, guardai bem isto: quem se permite violar um só entre os menores destes mandamentos será considerado o menor no Reino dos Céus. E aquele que levar outros a violá-los será considerado o menor pelo que ele fez e por causa daqueles que ele tiver levado à violação. Ao passo que aquele que, com sua vida e suas obras, ainda mais do que com as palavras, tiver persuadido outros a obedecerem, este será grande no Reino dos Céus, e sua grandeza irá aumentando por cada um daqueles que ele tiver levado a obedecer e assim santificar-se.
Eu sei que o que estou para dizer-vos será desagradável para muitos. Mas Eu não posso mentir, ainda que a verdade que Eu estou para dizer me crie inimigos.
Em verdade, Eu vos digo que, se a vossa justiça não se criar de novo, e não se separar completamente da pobre e injustamente chamada justiça, que vos foi ensinada pelos escribas e fariseus; que pensam que são justos quando aumentam as fórmulas, mas sem procurar uma mudança substancial em seu espírito, não entrareis no Reino.
Guardai-vos dos falsos profetas e dos ensinadores do erro. Eles vem a vós com veste de cordeiro, mas são uns lobos ferozes. Vêm vestidos de santidade, mas são uns zombadores de Deus, pois dizem que amam a verdade, mas se nutrem com a mentira. Observai-os bem, antes de acompanhá-los.
O homem tem uma língua, e com ela pode falar, tem olhos, e com eles olha, tem mãos, e com elas faz sinais. Mas ele tem uma outra coisa, que dá testemunhos mais verdadeiros de quem ele é: são os seus atos. O que é que quereis vós que seja um par de mãos juntas em oração, se com elas depois o homem se entrega ao roubo e a fornicação? O que é que valem dois olhos que, querendo passar por inspirados, viram-se para todos os lados, se, quando passou da hora daquela comédia, eles sabem fixar-se, bem cobiçosos, sobre uma mulher, ou sobre o inimigo, no primeiro caso para a luxúria, e no outro para o homicídio? O que quereis que seja uma língua, que sabe assobiar uma mentirosa canção de louvores, e seduzir com suas palavrinhas melosas, enquanto por detrás de vós ela vos calunia, e é ainda capaz de jurar falso, contanto que vos possa fazer passar por uma pessoa desprezível? Que é a língua, que faz longas orações hipócritas, e depois sai dali rapidamente, para ir arrasar a boa fama do próximo, ou seduzir a boa fé dele? Dá náusea. Dão náusea aqueles olhos e aquelas mãos mentirosas. Mas os atos do homem, seus verdadeiros atos, isto é, o seu modo de comportar-se em família, no comércio, no trato com o próximo e com os seus criados, esses podem dar dele este testemunho: “Este é um servo de Deus”. Porque as ações santas são o fruto de uma verdadeira religião.
Uma árvore boa não dá frutos maus, e uma árvore má não dá frutos bons. Estas moitas de espinho, por acaso poderão dar-vos uvas saborosas? E aqueles cardos, ainda mais espinhosos, poderão dar-vos um dia figos maduros e tenros? Não, porque em verdade, poucas e ásperas frutinhas colhereis das primeiras, e um fruto que não se pode comer é o que virá daquelas flores, pois mesmo estando elas agora em flor, já estão cercadas de espinhos. O homem que não é justo, poderá ele talvez incutir respeito com sua aparência, mas só com ela. Também aquele pé de cardo parece feito de penas, parece um floco de finos fios de prata, que o orvalho recobriu, fazendo que pareçam estar cheios de diamantes. Mas, se, distraidamente, tocardes nele, vereis que não se trata de nenhum floco, mas de um monte de espinhos, que ferem o homem, fazem mal ás ovelhas e, por isso, os pastores os arrancam de seus pastos, e os jogam no fogo que eles acendem de noite, a fim de que nem as sementes escapem. É uma medida justa e previdente. Eu não vos digo: “Matai os falsos profetas e os fiéis hipócritas.” Antes vos digo: “Deixai isso para Deus.” Eu vos digo: “Estai atentos, afastai-vos deles para não vos envenenardes com os seus sucos.”
Como Deus há de ser amado, Eu vo-lo disse ontem. Eu insisto em dizer como é que há de ser amado o próximo.
Noutros tempos se dizia: “Amarás o teu amigo e odiarás o teu inimigo.” Não. Não é assim. Isto era bom naqueles tempos em que o homem não tinha o conforto do sorriso de Deus. Mas agora chegaram os tempos novos, nos quais Deus ama tanto o homem, que lhe manda o seu Verbo para redimi-lo. Agora o Verbo está falando, E é a Graça que já se está difundindo. Depois, o Verbo consumará o sacrifício de paz e de redenção, e a Graça não só se difundirá, mas será dada a todos os espíritos que crêem no Cristo. Por isso é preciso elevar à perfeição o amor ao próximo, a tal ponto que já não se faça diferença entre o amigo e o inimigo.
Estais sendo caluniados? Amai e perdoai. Recebestes agressões ou pancadas? Amai e oferecei a outra face a quem vos esbofeteia, e pensai que é melhor que a ira se desafogue em vós, que a sabeis suportar, do que em algum outro, que iria vingar-se da afronta. Fostes roubados? Não fiqueis pensando: “Este meu próximo é um cobiçoso”, mas pensai com caridade: “Este meu pobre irmão é um necessitado”, e dói-lhe até a túnica, se já vos tirou a capa. Assim fareis que fique impossível para ele cometer um duplo furto, pois não terá mais necessidade de espoliar outro da túnica. Vós dizeis: “Mas poderia ser um vício, e não uma necessidade.” Está bem, mas daí assim mesmo. Deus vos recompensará por isso, e o que for injusto será castigado. Mas muitas vezes, e isso relembra tudo o que Eu disse ontem sobre a mansidão, vendo-se tratado assim, o vício cai do coração do pecador, e ele se redime, chegando até a reparar o seu furto com a entrega do que roubou.
Sede generosos com aqueles que, mais honestos, em vez de roubar-vos, vos pedem o que precisam. Se os ricos fossem realmente pobres de espírito, como vos ensinei ontem, não haveria essas lamentáveis desigualdades sociais, causas de tantas desventuras humanas e sobre-humanas. Pensai sempre: “Mas se eu estivesse na necessidade, como é que eu receberia a recusa de uma ajuda?” E agi de acordo com a resposta do vosso eu. Fazei aos outros o que gostaríeis que vos fosse feito, e não façais aos outros o que não gostaríeis que vos fosse feito.
Antiga é aquela palavra: “Olho por olho, dente por dente”, palavra que não está nos dez mandamentos, mas que foi colocada depois, porque o homem privado da Graça é uma fera tal, que só pode compreender a vingança. Mas aquela palavra antiga está anulada por esta palavra nova: “Ama quem te odeia, reza por quem te persegue, perdoa a quem te calunia, fala bem de quem fala mal de ti, faze o bem a quem te prejudica, sê paciente com o briguento, condescendente com quem te aborrece, ajuda de boa vontade a quem recorre a ti, e não uses de usura com ele, não vivas criticando nem julgando os outros.” Vós não sabeis em que condições são praticadas suas ações pelos homens. Em toda espécie de socorro sede generosos, sede misericordiosos. Quanto mais derdes mais vos será dado, e uma medida bem cheia e calcada será despejada por Deus no seio de quem for generoso. Deus, não só vos dará conforme tiverdes dado, mas mais, muito mais. Procurai amar e fazer-vos amar. As brigas acabam custando muito mais do que entrar em entendimento amigável. E viver em amizade é como um mel, que deixa por muito tempo o seu gosto na língua.
Amai! Amai! Amai amigos e inimigos, para serdes semelhantes ao vosso Pai, que faz chover sobre os bons e sobre os maus, e faz descer a luz do sol sobre justos e injustos, reservando-se o direito de dar sol e orvalhadas eternas, e fogo e saraivadas infernais, no dia em que os bons vão ser separados como espigas escolhidas, por entre os feixes da colheita. Não basta amar aos que vos amam, e dos quais esperais uma retribuição. Isso não tem merecimento, é uma alegria, a até os homens honestos por natureza o sabem fazer. Os próprios publicanos e pagãos o fazem. Mas vós amais como Deus ama, amais por respeito a Deus, que é o Criador também dos que são vossos inimigos, ou para vós pouco amáveis. Eu quero em vós a perfeição do amor, e por isso Eu vos digo: “Sede perfeitos, como perfeito é vosso Pai, que está nos Céus.”
Tão grande é o preceito do amor para com o próximo e do aperfeiçoamento do amor para com o próximo, que Eu não vos digo mais como se dizia: “Não matar”, porque aquele que mata será condenado pelos homens. Mas Eu vos digo: “Não vos ireis”, porque um juízo mais alto que o dos homens, está acima de vós, e leva em conta também as ações imateriais. Quem tiver insultado o irmão, será condenado pelo Sinédrio. Mas quem o tiver tratado de doido, e portanto o tiver prejudicado, será condenado por Deus. É inútil fazer ofertas ao altar, se antes não se fez no interior do coração o sacrifício dos próprios rancores, por causa de Deus, e não se cumpriu o rito santíssimo de saber perdoar. Por isso, quando estiveres para fazer uma oferta a Deus, se tu te lembrares de que tens uma falta contra teu irmão, ou de que ainda estás guardando rancor por uma falta dele, deixa a tua oferta aí, diante do altar, faze primeiro a imolação do teu amor próprio, reconcilia-te com teu irmão, e depois vem para diante do altar, e agora, mas só agora é que o teu sacrifício será santo. Um bom acordo é sempre o melhor que se pode fazer. O juízo dos homens é sempre incerto, e quem, com teimosia, se aventura a crer nele, poderia perder a causa, devendo pagar ao adversário até a última moeda, ou ir apodrecer na cadeia.
Em tudo levantai o olhar para Deus. Perguntai a vós mesmos: “Terei eu o direito de fazer o que Deus não faz comigo?” Porque Deus não é tão inexorável e obstinado como vós sois. Ai de vós, se Ele o fosse! Ninguém se salvaria. Que esta reflexão vos leve a ter sentimentos de mansidão, de humildade, de piedade. E, então, não vos faltará da parte de Deus, nesta vida e na outra, a recompensa.


(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta- Pag. 89 a 95- vol 3)

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

A PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE UM ECLIPSE LUNAR






A PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE UM ECLIPSE LUNAR


Nossa Senhora Rainha da Paz, tem nos dado inúmeras revelações em Anguera-BA, ao Pedro Régis. Em uma delas Maria Santíssima nos diz:
“Queridos filhos, os homens, seguidores do falso profeta, marcharão com grande fúria em direção ao templo sagrado. Ali haverá grande destruição. A Igreja irá chorar e lamentar. Um eclipse lunar estará visível neste dia”. (Mensagem de Nossa Senhora 2.975-Maceió/AL em 23/03/2008)
Questionamentos:
---Quem são os homens seguidores do falso profeta?
Resposta: Já nos foi revelado que o Falso Profeta é Jorge Mario Bergoglio, um socialista, humanista, e maçon. E seus seguidores são os Comunistas e a maçonaria. Também não é novidade para ninguém que ele defende mais os Islâmicos e outras crenças, do que propriamente a Católica. Alias, fala como um Dragão, ou seja, contrariando a Santa e Eterna doutrina deixada por Jesus Cristo. Quem não acredita, que pesquise a respeito.  
Quando Nossa Senhora nos diz: “os homens seguidores do falso profeta”, está se referindo aos muçulmanos, pois diz:
Profecia de Nossa Senhora de Anguera-BA –Rainha da Paz – 22/07/2008 -"Queridos filhos, o leão furioso atacará a Igreja e causará grandes sofrimentos aos Meus pobres filhos. As cabeças se unirão e planejarão o grande ataque. O ataque será a destruição do Vaticano pelos terroristas árabes. Lembrem-se que eles nos vêem como infiéis, e na visão deles, devemos ser destruídos para que o Estado Islâmico domine a nossa sociedade.”
---Mas, qual a relação entre o Estado Islâmico e os Comunistas?
Mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz-3.281-em 17/02/2010 – “Chegará o dia em que o leão furioso deitará aos pés do Dragão. A união das feras trará grande sofrimento para os meus pobres filhos.”
O leão furioso é o Islamismo e o Dragão é o Comunismo ateu marxista. A união dos terroristas Islâmicos com o Comunismo marcharão devastando a Europa( a Grande Babilônia), assim os terroristas muçulmanos(maometanos) conquistarão o Vaticano.
É preciso dizer que o Islamismo é obra de Satanás. Lembremos uma página da história: A casa de Nossa Senhora de Nazaré teve que ser transladada pelos Anjos de Deus para vários lugares e finalmente pousou em definitivo na cidade de Loreto-Itália, para fugir da perseguição maometana da época.
Agora para concluir a primeira parte dos questionamentos, refletiremos sobre o eclipse lunar que se dará numa sexta-feira. Como vimos na publicação anterior, o único eclipse lunar que se encaixa dentro das Profecias sobre o AVISO, é o de 10 de Janeiro de 2020.  
Para confirmar ainda mais esta data, Nossa Senhora nos deixou esta outra profecia:
“O calvário da humanidade começará numa sexta-feira. Mas a vitória de Deus virá em seguida e vós sereis conduzidos ao grande dia da Vitória.” (Anguera - Bahia- 13/02/2010.)
O dia 10 de Janeiro de 2020 cai numa sexta-feira, constituindo uma raridade em termos Proféticos, porque aqui temos uma Profecia confirmando o dia da semana de outra Profecia.
---Mas como saber que se trata da invasão Islâmica no Vaticano?
Resposta: Quando Nossa Senhora nos diz que: “O calvário da humanidade começará numa sexta-feira”, está claramente se referindo a um sofrimento global que se inicia numa sexta-feira. Acredito firmemente que a Mãe está falando sobre as consequências do fim do Missal verdadeiro, com a introdução do Falso Missal, dando inicio da abominação para a desolação, da abolição do Sacrifício Perpétuo. Com o Sínodo de Outubro próximo introduzindo as modernidades humanistas, o Missal já não será o verdadeiro e portanto a desolação estará atuando, enganando os desavisados. Padre modernista será contra Padre Tradicionalista, Cardeal contra Cardeal, Bispos contra Bispos, atingindo o ápice da discórdia na Igreja. O AVISO será um calvário global para a grande maioria da população mundial, pois estarão em pecado, será um julgamento da alma, todos nós saberemos tudo o que fizemos de certo e errado em nossas vidas. E só pode estar falando da invasão islâmica no Vaticano, porque faz parte da sequência dos acontecimentos proféticos relacionados com o AVISO. Se encaixa perfeitamente.
---Poderia ser uma coincidência?
Resposta: É difícil acreditar que se trata do acaso, principalmente quando se fala de Profecias. Não existe sorte, o que existe são as providências Divinas, o desejo de Deus, a vontade de Deus se manifestando desde o princípio dos tempos. Se uma folha de árvore no planeta Terra não cai sem o consentimento de Deus, como é possível ser coincidência uma sexta-feira ser também o dia que da aval a outro dia profético? Será que não foi o desejo do Criador?
---Poderia ser outra ocorrência profética?
Resposta: Como esta profecia foi dada em 2010, se referindo a um acontecimento a nível global, fica restrito a poucas ocorrências proféticas. Tais como:
-Dia do Sínodo da Amazônia.
Resposta: Não pode ser porque não será realizado em apenas um dia, mas em vários dias. O Sínodo da Amazônia vai se realizar nos dias 06 a 27 de Outubro.
-Dia do gigantesco terremoto nos EUA que vai durar 20 minutos.
Resposta: Não seria um sofrimento humano global.
-Dia da queda da Bolsa de valores em todo mundo.
Resposta: Aqui os sofrimentos seria mais para aqueles que são ricos, não atingiria a grande maioria da população, que é formada por quem não aplica dinheiro em bolsa de valores. Haveria uma conseqüência na economia mundial sim, haveria desemprego em massa sim, mas não será somente por causa do dinheiro que se iniciará o castigo da humanidade. Será mais um ingrediente do castigo.
-Dia do início da Guerra nuclear (Israel ataca o Irã)
Resposta: Apesar de ser um sofrimento devastador territorial, a guerra na verdade já começou há muitos anos atrás. Será uma conseqüência da guerra e não o início das dores.
-Dia da “declaração mundial” do Anticristo Obama se apresentando como o todo poderoso.
Resposta: Será um tremendo fardo para os remanescentes cristãos, que não se deixaram enganar pelo Anticristo, pois sofrerão a maior perseguição da história. Porém para a outra metade da humanidade sedenta por rebeldia e diversão vão aplaudi-lo e a economia irá crescer com o apoio das 10 maiores potências mundiais que estarão ao seu lado. O sofrimento não será para aqueles que apoiarem o Anticristo. Será restrito a uma parte da população.
-Dia da implantação da Marca da Besta, o Chip.
Resposta: Idem da de cima.
-Dia do Castigo. (colisão da terra com outro planeta)
Resposta: Neste estágio dos acontecimentos, a Terra já terá perdido 1/3 dos seus habitantes e com esta colisão perderá mais 2/3. É óbvio que o inicio do calvário não é neste tempo, porque estará em estágio terminal.
-Dia do início dos três dias de escuridão.
Resposta: Como já vimos na postagem anterior, os três dias de escuridão começam numa quinta-feira e termina no sábado. E também não é o tempo de início do calvário, mas sim o fim de todos os sofrimentos, pois depois destes três dias veremos Jesus voltar.

Concluindo a reflexão da Profecia do eclipse lunar que cai numa sexta-feira. As probabilidades de ser o dia da invasão Islâmica na Europa e no Vaticano são muito grandes. O próprio tempo joga a favor dela, devido aos protagonistas das profecias estarem todos com idades avançadas. Este é o dia do estopim do início da concretização de todas as profecias. Porém, o grande sinal de que realmente irá ocorrer, é a ida do Papa a Moscou, e tem que ser alguns dias antes de 10 de Janeiro de 2010. Sem a concretização deste sinal nada se realizará.
E não menosprezem as revelações de Nossa Senhora de Anguera por ser no Brasil. Tentando minimizá-la, ou menosprezá-la por ser um brasileiro que as está recebendo. Vejam o que Nossa Senhora disse a este respeito: Mensagem de Nossa Senhora – 3.328 –em 05/06/2010 – “O que vos tenho revelado aqui nunca revelei antes em nenhuma das minhas aparições pelo mundo. Somente nesta terra Deus permitiu-me falar-vos dos acontecimentos futuros. O que vos transmito aqui nunca será revelado em nenhum outro lugar do mundo. Deus escolheu esta terra de Santa Cruz para anunciar ao mundo aquilo que virá. Ainda tenho nobres coisas a revelar-vos.”

Que a paz do Senhor esteja em seus corações hoje e sempre.

Antonio Carlos Calciolari