terça-feira, 30 de junho de 2015

JESUS FAZ UMA REFLEXÃO.


AO FINAL DO TERCEIRO ANO DE VIDA PUBLICA, JESUS FAZ UMA REFLEXÃO.


O tempo do terceiro ano de vida publica também chega ao fim. Chegamos agora ao período preparatório para a Paixão. Nele tudo parece limitar-se a umas poucas ações e a poucas pessoas. E quase uma diminuição de minha figura e da minha missão... Na realidade, Aquele que já parecia vencido e esmagado, era o herói, que se preparava para a apoteose, e, ao redor dele, não as pessoas, mas as paixões das pessoas estavam centralizadas e levadas aos seus máximos limites.
Tudo o que precedeu, e que talvez em certos episódios pareceu sem razão de ser aos leitores indispostos ou superficiais, aqui sei ilumina com sua luz fosca ou esplendente. Especialmente as figuras mais importantes. Aquelas que muitos não querem reconhecer que são úteis, precisamente porque nelas está a lição para os mestres de agora, que são mais do que nunca ensinados para se tornarem mestres espirituais. Como Eu disse ao João e ao Manaem, nada daquilo que Deus faz é inútil, nem mesmo um fio de erva. Assim também nada há de supérfluo neste trabalho. Nem as figuras esplendidas, nem as fracas e tenebrosas. Ao contrário, para os mestres de espírito são de maior utilidade as figuras fracas e tenebrosas, mais do que as figuras bem formadas e heróicas.
Como do alto de um monte, perto do cume, se pode ver toda a conformação do monte e a razão de ser dos seus bosques, de suas torrentes, dos pardos e das encostas, para se ir desde a planície até o pico, e de lá se vê toda a beleza do panorama, e, então mais forte se torna a nossa persuasão de que as obras de Deus são todas úteis e estupendas e que uma serve e completa a outra, e que todas estão presentes para formarem a beleza da Criação, assim, para quem é de um espírito reto, todas as diversas figuras, episódios, lições destes três anos da minha vida evangélica, contemplados como lá do alto do cume do monte da minha obra de Mestre, servem para dar uma visão exata daquele complexo político, religioso, social, coletivo, espiritual, egoísta até o delito ou altruístico até o sacrifício, no qual Eu fui Mestre, e tornei-me Redentor.
A grandiosidade do drama não se vê somente em uma cena, mas em todas as partes dele. A figura do protagonista emerge das diversas luzes com que iluminamos as partes secundárias.
Já perto do cume, e o cume era o sacrifício, para o qual Eu me havia encarnado, desdobradas todas as pregas escondidas dos corações e todas as intrigas das seitas, não há mais o que fazer com o viandante que já chegou perto do cume. Olhar, e olhar tudo e todos. Conhecer o mundo hebraico. Conhecer o que Eu era: o Homem acima da sensualidade, do egoísmo, do rancor, o Homem que teve que ser tentado pelo mundo inteiro para a vingança, para o poder, para as alegrias, mesmo as honestas das núpcias e do lar, que teve que suportar tudo, vivendo a distância entre a imperfeição e o pecado do mundo e a minha Perfeição, e que a todas as vozes, a todas as seduções, a todas as reações do mundo, de Satanás e do eu, e permanecer puro, manso, fiel, misericordioso, humilde, obediente até a morte na cruz.
Compreenderá tudo isso a sociedade de agora, a qual Eu dou este conhecimento de Mim, para torná-la forte contra os assaltos sempre mais fortes de Satanás e do mundo?
Também hoje, como há vinte séculos, a contradição estará entre aqueles, para os quais Eu me revelo. Eu sou sinal de contradição, mais uma vez. Mas não Eu por Mim mesmo, ainda que Eu respeite o que neles Eu suscito. Os bons, os de boa vontade terão as reações boas dos pastores e dos humildes. Os outros terão as reações más, como os escribas, os fariseus, os saduceus e os sacerdotes daquele tempo. Cada um dá o que tem. O bom, que entra em contato com os maus, desencadeia uma efervescência de maior maldade neles. E o juízo já terá sido feito sobre os homens, como o foi na Sexta feira de Parasceve, de acordo com o modo que tiverem julgado, aceitado e seguido o Mestre que, com uma nova tentativa de sua infinita misericórdia, se faz conhecer mais uma vez.
A todos os que se lhe abrirem os olhos, e me reconhecerem, e disserem: “ É Ele. Por isso que o nosso coração ardia em nosso peito, enquanto Ele nos falava, e nos explicava as Escrituras.”


(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, Vol 8 pgs. 345,346)

A paz de Jesus.

NADA NO UNIVERSO EXISTE POR ACASO.


NADA NO UNIVERSO EXISTE POR ACASO.


Quando o Criador criou as criaturas. E lhes deu como rei o homem criado á sua imagem e semelhança, mostrou ao homem todas as criaturas, e quis que o homem lhes desse um nome. para distinguir uma das outras. E lê-se no Gênesis que “todos os nomes que Adão deu aos animais eram bons, eram o seu verdadeiro nome.” E ainda no Gênesis se lê que Deus, tendo criado o homem e a Mulher, havia dito: “ Façamos o homem á nossa imagem e semelhança, para que domine os peixes domar, os voláteis do Céu, os animais de toda a terra e os répteis, que se arrastam sobre ela.” E, tendo acabado de criar a companheira de Adão, a mulher, como ele feita á imagem e semelhança de Deus, não sendo conveniente que a tentação fosse feita por meio de alguma cilada, e corrompesse de modo ainda mais feio o homem criado á imagem e semelhança de Deus, disse Deus ao homem e a mulher: “ Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra e tornai-a sujeita a vós, dominai sobre os peixes do mar, sobre os voláteis do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra, e todas as árvores que trazem em si a semente de sua espécie, para que sirvam de alimento a vós e a todos os animais da terra e aos animais dos céus e a tudo o que se move e tem em si uma alma viva, para que tenham vida.”
Os animais e as plantas, e tudo o que o Criador criou para utilidade do homem, representam, pois um presente de amor e um patrimônio posto em custódia pelo Pai para os filhos, a fim de que usem dele com proveito e com gratidão para com o Criador de todas as coisas. Desse modo eles são amados e tratados com o necessário cuidado. Que direis de um filho ao qual o pai desse vestes, móveis, dinheiro. Campos e casas, dizendo-lhe: “Eu tos dou para ti e para os teus sucessores, para que tenhais com que ser felizes. Usai de tudo isso com amor, como recordação do meu amor que vo-lo doa”, e que depois deixassem que tudo se arruinasse, ou dilapidassem todos aqueles bens? Diríeis que não honraram ao seu pai, que não amaram o pai, nem o presente dele. Igualmente o homem deve ter cuidado com tudo o que Deus, com sua providência, pôs á disposição dele. Cuidado não quer dizer idolatria, nem afeto desmedido para com os animais e as plantas, ou qualquer outra coisa. Cuidado quer dizer:  um sentimento de piedade e de reconhecimento pelas coisa menores que estão a nosso serviço, e que têm sua vida própria, isto é, sua sensibilidade.
A alma viva das criaturas menores, das quais fala o Gênesis, não é a alma como a que o homem tem. É a vida, simplesmente a vida, isto é, o ser sensível as coisas atuais, tanto materiais, como afetivas. Quando um animal está morto, fica insensível, porque a morte para ele é o verdadeiro fim. Não existe futuro para ele. Mas, enquanto estiver vivo, sofre a fome, o frio, o cansaço, está sujeito a ferir-se e a sofrer, a gozar, a amar, a odiar, a ficar doente e a morrer. E o homem, pensando em Deus, que lhe deu aqueles meios, para tornar-lhe menos áspero o seu exílio nesta terra, deve ser humano para com os servos menores, que são os animais. No livro de Moisés, por acaso não está escrito que tenhamos sentimentos de humanidade também para com os animais, sejam eles voláteis ou quadrúpedes?
Em verdade Eu vos digo que é necessário saber ver com justiça as obras do Criador. Se as olharmos com justiça, veremos que são boas. E uma coisa boa é sempre amada. Vê-se que são coisas dadas com um fim bom e por um impulso de amor, e tais é que as possuímos e as devemos amar, vendo nelas, além do ser finito que elas são, o Ser infinito que as criou para nós. Vê-se que elas são úteis, e como coisas úteis é que são amadas.
Nada, lembrai-vos bem disso, nada foi feito sem ser para algum uso no Universo. Deus não desperdiça o seu perfeito Poder em fazer coisas inúteis. Este fiozinho de erva não é menos útil do que o tronco poderoso ao qual se apóia este nosso abrigo temporário. As gotas de orvalho, a pequena pérola formada pela geada, não são menos úteis do que o mar imenso. Um mosquitinho não é menos útil do que o elefante, e o verme que está na lama da fossa, menos do que uma baleia. Não há nada inútil, na Criação. Deus tudo fez com um fim bom, com amor para com o homem, e o homem deve usar de tudo com este fim, e com amor para com Deus, que lhe deu tudo o que está sobre a terra, para ser um súdito do Rei da Criação.
(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, Vol 8, pgs 341,342,343)


A paz de Jesus.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

O TRAIDOR JUDAS.

                                            MENSAGEM DE NOSSA SENHORA.


O TRAIDOR JUDAS.

Quarta-Feira, 9 de Abril 9 de 2014, 15:30 h..

Minha querida filha, quando Judas Iscariotes traiu o meu Filho, Jesus Cristo, isso teve consequências de longo alcance. Porque ele era um dos aliados mais próximos do meu Filho, e, como membro dos Seus preciosos apóstolos, a traição foi muito dolorosa para o meu Filho. Porque sendo ele, um traidor, vindo de dentro do Domínio do meu Filho, isso significava que as dúvidas se arrastavam entre aqueles que não estavam seguros sobre se o meu Filho era de fato, ou não, o Verdadeiro Messias. As dúvidas espalharam-se e muitos dos seus apóstolos e seguidores sentiam-se confusos, perdidos e com medo. Eles sabiam que uma vez que Ele fosse apanhado pelos Seus inimigos, a Verdade seria questionada e negada. Eles também sabiam que se defendessem o meu Filho em público, também eles sofreriam e poderiam acabar por ter de suportar o mesmo castigo que Lhe fosse aplicado. Eles também sabiam que não iriam ter a coragem de se levantarem e desafiarem os Seus inimigos, por medo do ridículo.
Do mesmo modo, a traição do meu Filho, a partir de dentro de Sua Igreja na Terra, será o mesmo. O Meu filho será traído por um outro Judas, por alguém com grande autoridade dentro de Sua Igreja na Terra. Quando esta, a segunda maior traição, desde que Judas Iscariotes vendeu o meu Filho por trinta moedas de prata, tiver lugar, fará com que as pessoas, de todas as raças, nações e de fé Cristã, questionem a Verdade. Essa traição terá, também, consequências de longo alcance, porque irá pôr em causa todos os aspectos da Divindade do meu Filho. Quando tal acontecer, a Verdade entrará em colapso. No seu lugar, será posto em relevo um cadáver, podre por dentro, sem nenhum sinal de vida. Surgirá uma doutrina morta, vestida com todos os falsos atributos associados ao meu Filho, mas que não darão fruto. Porém, ela parecerá como uma nova conversão. A Verdadeira conversão vem do amor das pessoas por Deus, potenciada pelo Dom do Espírito Santo e por sua própria e livre e vontade. Esta nova doutrina será impingida sobre o mundo, sem o vosso livre-arbítrio. Rejeitai-a e vós sereis punidos pelos inimigos do meu Filho. Aqueles que traírem o meu Filho nos últimos dias não terão vida. 
Aqueles que não O traírem viverão eternamente na Glória de Deus.
A vossa amada Mãe.
Mãe da Salvação.


( O Livro da Verdade – Maria Divina Misericórdia)

EXISTE OUTRA COISA ALÉM DE HOMEM E MULHER?


TEORIA DE GÊNERO?

Por acaso estão sugerindo que além de homem e mulher, existe outra coisa diferente?

A TESE PRINCIPAL da "teoria de gênero" diz: "o gênero é um construto cultural, logo, ele independe do sexo biológico". O que isso quer dizer? "Gênero" é uma palavrinha "mágica" que encobre mais do que revela alguma coisa; significa o papel social masculino ou feminino.

Evidentemente que esse papel é construído, em boa medida, na sociedade, pois ele não vem "pronto", por assim dizer, junto com o sexo biológico. Mas a inferência que se faz a partir do dado verdadeiro da construção cultural dos papéis sociais da masculinidade e da feminilidade, de que tais papéis não têm relação com o sexo biológico, não procede. Isto porque as ideias sobre os papéis sociais dos sexos masculino e feminino nascem precisamente da diferença que, fenomenologicamente, se expressa na fisiologia e na anatomia do varão e da mulher. Tais ideias respondem à pergunta: "como estas diferenças e complementaridade biológicas se projetam na vida social?".

Trata-se, portanto, de interpretar o que é ser varão ou mulher, e não de que cada um "decida" se é homem ou mulher (ou, ainda, um terceiro 'gênero' nem masculino, nem feminino, mas “neutro”). Não se "constrói" a masculinidade ou a feminilidade, simplesmente, mas sim o sentido social desta diferença. A perspectiva de gênero sofisma, – ao tomar uma parte (o papel social do sexo) como o todo (o sexo mesmo), – a ponto de alguns teóricos chegarem a negar a própria realidade do sexo biológico (até esta já seria uma interpretação)!

Uma real preocupação com as injustiças ou opressões concretas que se cometem em nome de uma concepção rígida dos papéis sociais masculino e feminino deveria apelar à igual dignidade ontológica das pessoas feminina e masculina, mas nunca a uma condição sexual amorfa, que poderia ser modelada arbitrariamente. Não existe "pessoa humana" em abstrato: toda pessoa é pessoa feminina ou masculina; a condição sexuada é fato inerente ao ser humano.

Negar essa diferença é, sem percebê-lo, recair numa [falsa] postura "espiritualista", segundo a qual o ser humano é sua "alma", como diriam os antigos, ou sua "mente", como se diz hodiernamente. O corpo não teria nada a ver com a identidade da pessoa, mas seria um mero "acidente" ou "instrumento" que o sujeito –cartesiano – poderia usar ao seu bel prazer. A Filosofia clássica afirma que as diferenças psíquicas nascem precisamente das diferenças corpóreas; nesse sentido, a sexualidade não é um atributo meramente corpóreo, mas pessoal (do ser humano inteiro), portanto, também psíquico ou espiritual.
Se a questão fosse meramente teórica, os parágrafos acima encerrariam o assunto. Porém, os “teóricos” do gênero são, na realidade, ideólogos, e a questão não é científica, mas política: é parte de um programa político mais amplo cuja pretensão é destruir a imagem cristã da família, a beleza da complementariedade entre os sexos, a profundidade do amor humano entre homem e mulher, para erigir, em seu lugar, uma “família” fundada exclusivamente no que a teologia cristã chama “concupiscência”, o desejo irracional propalado por Nietzsche e Freud.
Uma ideologia assim deve ser vencida pela força do testemunho de amor das famílias, conjugado à firmeza na recusa de toda e qualquer influência dessas ideias sobre os filhos. Tais ideias são erradas do ponto de vista lógico e são nocivas do ponto de vista moral.

Fonte: www.ofielcatolico.com.br

O PODER DO AMOR SOBRE O ÓDIO.


A CURA DE UMA POSSESSA.

 


Jesus depois de curar duas pessoas,....

Em terceiro lugar vem um grupo de pessoas que estão pedindo a Jesus que saia para fora dos muros do Templo, para expulsar o demônio de uma menina, cujos gritos dilacerantes são ouvidos até La dentro. E Jesus sai atrás deles, e vai chegar á estrada que vai para a cidade.
Algumas pessoas, entre as quais estão uns estrangeiros, se ajuntaram ao redor dos que estão segurando a jovenzinha que está espumando e se contorcendo, revirando os olhos. Palavrões de todos os calibres saem dos lábios dela e, quanto mais eles vão saindo, mais Jesus se aproxima dela, e mais cresce o debater-se dela. Com dificuldade a estão segurando quatro homens, jovens e robustos. E, junto com os impropérios, prorrompem gritos dizendo que ele conhece o Cristo e suplica angustiado o espírito que a possui, pedindo para não ser expulso, e também dizendo algumas verdades, repetidas monotonamente. “ Fora! Não me faças ver este maldito! Vai-te embora! Fora! És a causa de nossa ruína. Eu sei quem Tu és... Tu és o Cristo. Tu és... Não foste ungido por outro óleo, mas pelo lá de cima, o poder do Céu te cobre e te defende. Eu te odeio. Maldito! Não me expulses. Porque nos expulsas, e não nos queres, enquanto tens perto de Ti uma legião de demônios em um só? Sim, que o sabes. Deixa-me aqui, pelo menos até a hora de...” A palavra fica embargada algumas vezes, como que estrangulada, e outras vezes muda, ou se detêm, ou se prolonga por entre gritos desumanos, como quando urra: “ Deixa-me entrar pelo menos nele. Não me mandes lá para o abismo! Por quê nos odeias, ó Jesus Filho de Deus? Não te basta o que já és? Porque queres mandar em nós? Nós não queremos ser mandados. Porque vieste perseguir-nos, se nós te renegamos? Vai-te embora. Não mandes sobre nós os fogos do Céu! Esses teus olhos! Quando ele ficarem apagados, nós nos riremos... Ah! Não! Mas, nem mesmo assim... Porque Tu nos vences. Sê maldito. Tu e o Pai que te mandou e Aquele que de vós procede e é vós. Aaaah!”
Este último grito é realmente espantoso, como o de uma criatura que está sendo degolada, e na qual vai entrando lentamente o ferro homicida, e é causado, pelo fato de que Jesus, depois de ter dado muitas vezes a ordem de cessar aquilo, por meio de um comando mental, põe fim ás palavras da possessa, tocando com um dedo a fronte da jovenzinha. E aquele grito termina com uma convulsão horrível e, com o fragor da risada de quem sai de um pesadelo, quando o demônio a deixa, gritando: “ Mas eu não vou para longe... Ah! Ah! Ah!, o que é acompanhado por um estampido como o de um raio, ainda que o céu esteja completamente limpo.
Muitos fogem dali aterrorizados. Outros se aglomeram ainda mais para observarem a jovenzinha, que se acalmou de repente, descansando nos braços dos que as estavam segurando. Fica assim por alguns instantes, e depois abre os olhos, sorri, vê-se entre pessoas que não têm véu sobre o rosto, nem sobre a cabeça, e inclina seu rosto, para escondê-lo por baixo do braço que lhe levanta o rosto. Quem está com ela gostaria que ela agradecesse ao Mestre. Mas Ele diz: “ Deixai-a em seu pudor. A alma dela já me agradece. Levai-a de novo para casa, para a mãe. É o seu lugar de menina...” , e vira as costas para as pessoas, tornando a entrar no Templo, e indo ficar onde estava antes.

(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, Vol 8, pgs 309,310)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.

domingo, 28 de junho de 2015

A REPREENSÃO DE JESUS AOS HABITANTES DA CIDADE DE BETERON.


A REPREENSÃO DE JESUS AOS HABITANTES DA CIDADE DE BETERON.


Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

Quando Deus está com os homens, os homens tudo podem contra a desventura, seja ela qual for. Mas, quando Deus está do lado oposto, não está com os homens, nada eles podem contra a desventura. Esta cidade, em suas crônicas faz que se recorde isso mais de uma vez. Deus estava com Josué, e Josué derrotou os reis cananeus e, sobre esta estrada, Deus o ajudou a destruir os inimigos de Israel, mandando do céu sobre eles grossas pedras, e deles pereceram muitos, mais pelas pedras de granizo do que pela espada, como se lê no livro de Josué. Deus estava com Judas Macabeu, o qual se postou sobre esta colina, com o seu pequeno exército, para ver o poderoso exército de Seronf, chefe das milícias sírias, e Deus deu grande valor ás palavras do chefe de Israel, com uma vitória fragorosa. Mas a condição necessária para termos Deus conosco, é pôr-nos em movimento, por um motivo justo.
Nas batalhas a vitória não depende do número, mas da ajuda que vem do Céu, diz o Macabeu. Em todas as coisas da vida, o bem não vem da renda, do poder ou de outra causa, mas da ajuda que vem do Céu. E ela vem porque se pede ajuda para coisas boas. Para nossas vidas e para as nossas leis, diz ainda o Macabeu. Mas, quando se recorre a Deus para um fim mau, ou impuro, é inútil invocar á sua ajuda. Deus não responderá, ou responderá com castigos, e não com bênçãos.
Esta verdade está muito esquecida agora em Israel. E quer-se a ajuda de Deus, e se invoca a Deus para fins não bons. Não se praticam as virtudes, e os Mandamentos se guardam, mas não com uma verdadeira observância. Do que eles mandam, se faz o que pode dar na vista e é louvado pelos homens. Mas o que está atrás da aparência é outra coisa. Eu venho para dizer: sede sinceros em vossas ações, porque Deus vê todas as coisas, e são inúteis os sacrifícios, e vãs são as orações, se forem feitas como mera ostentação de culto, enquanto que o coração está cheio de pecados, de ódio e de desejos maus.
Beteron, não faças em teus habitantes aquilo que Abdias diz de Edom, crendo-se seguro, permitia a si mesmo poder oprimir a Jacó, e alegrar-se com suas derrotas. Não faças assim, ó cidade sacerdotal. Toma em tuas mãos e medita sobre o rótulo de Abdias. Medita. Medita. Medita. E muda de caminho. Anda com a justiça, se não queres conhecer dias de horror. Porque se não, não te salvará o estares neste alto, nem estares na aparência, fora dos caminhos de guerra. Eu vejo em ti muitos que não tem a Deus consigo, e que não querem estar com Deus. Estais murmurando? Eu vos estou dizendo a verdade. Eu subi até aqui para vo-la dizer. Para tentar salvar-vos ainda.
O nosso nome não era um só? Todo ele não era Israel? Porque é então que ele se dividiu, e tomou dois nomes? Oh! Verdadeiramente isso me fez lembrar do casamento de Oséias com a mulher das prostituições e dos filhos nascidos de uma que fornicou. Mas, que é que diz o Profeta? O número dos filhos de Israel será como a areia do mar.
E, então em vez de dizer-lhes: “ Vós sois o meu povo”, se lhes dirá: “Vós sois o filho do Deus vivo”. E os filhos de Judá e de Israel se reunirão e elegerão um só chefe, e subirão da terra, porque grande é o dia de Israel, Oh! Mas porque então criticais aquele que deve reunir tudo e fazer um só povo, um grande povo, único, como único é Deus, e que deve fazer filhos do Deus vivo até aqueles que neste momento parecem estar mortos? E vós podeis julgar as minhas ações, os corações deles e o vosso? De onde vos vem a luz? A luz vem de Deus. Mas, se Deus me manda com a tarefa de reunir todos, sob um sã cetro, como podeis vós ter uma luz, que seja verdadeiramente Divina, e que vos mostre as coisas justamente do modo oposto aquele como Deus as vê? Pois vós as estais vendo ao oposto de como Deus as vê.
Não fiqueis murmurando. É verdade. Vós estais fora do que é justo. Mas, ainda mais do que vós estão, aqueles que vos seduzem para não serdes justos. Eles serão duplamente punidos. Vós me acusais de fornicar com o inimigo, com o dominador. Eu estou lendo nos vossos corações. Mas, e vós não estais fornicando com o Satanás, fazendo-vos seguidores daqueles que combatem o Filho, o Enviado por Deus? Aí está o porque me odiais. Mas Eu conheço o rosto de quem instila em vós o ódio. Como está dito em Oséias, Eu vim com as mãos cheias de dons, e o coração cheio de amor, procurei atrair-vos de todas as maneiras mais agradáveis, para fazer-me ser amado. Eu falei ao meu povo como o esposo é esposa, oferecendo-lhe um amor eterno, e paz, e justiça, misericórdia. Ainda há uma hora, para impedir que o povo que me repele, e aos chefes que estimulam o povo, Eu os conheço, que fiquem sem rei, sem príncipe, sem sacrifício e sem altar. Mas perto da toca, onde mais forte é o ódio e mais forte será o castigo, lá estão trabalhando para comprar as consciências e encaminhá-las para o delito. Oh! Como em verdade, aqueles que desviam ou extraviam as consciências serão julgados sete vezes sete vezes mais severamente do que os que foram transviados.
Vamos. Eu vim, e fiz um milagre, e vos disse a verdade para persuadir-vos de quem dou Eu. Agora, vou-me embora. E, se entre vós houver pelo menos um que seja justo, que ele me siga, porque triste é o futuro deste lugar, onde se aninham as serpentes para seduzir e trair.
E Jesus se volta, retomando a estrada por onde veio.
Por quê, Rabi, falaste assim? Eles te odiarão, perguntam os Apóstolos.
Eu não procuro conquistar amor por meio de compromissos e de mentira.
Mas, não teria sido melhor não ter vindo?
Não. É necessário não deixar nenhuma dúvida.
E a quem foi que convenceste?
A nenhum. Por enquanto, a nenhum. Mas, logo alguns irão dizer: “ Não podemos maldizer a ninguém, porque fomos avisados, e nada fizemos.” E, se acusarem a Deus por os estar castigando, sua acusação será como uma blasfêmia.

(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, Vol 8, pgs 120,121,122)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.

TODAS AS RELIGIÕES SÃO IGUAIS?

                                      JESUS MORREU NA CRUZ EM VÃO?

TODAS AS RELIGIÕES SÃO IGUAIS?


A PERGUNTA QUE DÁ título a este post é especialmente pertinente em nossos tempos. Vivemos numa sociedade em que a tolerância “politicamente correta” para com as diversas religiões não só está "na moda" como também constitui um verdadeiro compromisso para muita gente e para muitas organizações importantes. Nem todos são mal intencionados. Conheço pessoalmente homens e mulheres de bem que acreditam e pregam a igualdade entre todas as crenças, principalmente em nome da paz. E em nome da paz põem "num mesmo saco" a Religião, as diversas religiões e as seitas de todo e qualquer tipo.

"Pluralismo" e "tolerância" são palavras muito populares para a cultura atual. Todas as religiões teriam o mesmo valor, e nenhuma delas poderia ser considerada verdadeira, ao menos não se isto implicar dizer que alguma outra seja falsa. Quantas vezes cada um de nós já não terá ouvido dizer que “o importante é crer em alguma coisa”, ou, pior ainda, que "o importante é ser feliz"? O maior problema é que, – flagrante contradição, – nesta sociedade supostamente muito tolerante, quem afirma o contrário não é tolerado...

Ainda mais grave, mesmo dentro de ambientes religiosos, que teriam por obrigação defender a verdade perante o mundo, – sem a preocupação de atender a interesses particulares, sem “fazer média” com ninguém, – os conceitos de tolerância e de pluralismo têm adquirido enorme espaço, a ponto de determinados ensinamentos catequéticos terem se tornado, de certo modo, proibidos, porque são considerados assuntos "politicamente incorretos". Temas como o inferno, a necessidade da confissão, a inerrância da Igreja, o pecado mortal que é usar a (assassina) pílula anticoncepcional, – apenas para citar alguns poucos, – estão sendo evitados ou, pelo menos, "suavizados".

Já não se diz a verdade simplesmente, mas procura-se disfarçá-la ou “enfeitá-la”. É o caso, outro exemplo, quando se trata da Justiça de Deus. Muitos padres e catequistas já não querem mais falar em Justiça divina: dizem apenas que Deus é amor, que é misericórdia infinita, dando a entender que vai nos perdoar e levar para o Céu de qualquer jeito, independentemente do que sejamos ou façamos, como se de um dia para o outro a doutrina cristã tivesse mudado.

Nesta nossa época em que domina a pressão globalista a favor do relativismo e do sincretismo religioso, "ter uma fé clara, segundo o Credo da Igreja, muitas vezes é classificado como fundamentalismo", como já esclarecia o grande Cardeal Joseph Ratzinger/ Papa Bento XVI (Missa Pro Eligendo Romano Pontifice, abril/2005).

O que se busca é uma espécie de religião única, globalista, que unifique todos os credos. Assim, cria-se a equivocada sensação de que qualquer proposta religiosa é válida para a salvação, até as mais absurdas, as mais contrárias aos valores que construíram a nossa civilização, a nossa sociedade. A tática consiste na elaboração de um sistema neopagão para o qual não exista nenhuma autoridade planetária que não a política. Obviamente, a doutrina católica, sobretudo o que afirma sobre o papado e a necessidade da Igreja para a salvação (artigos irrenunciáveis da fé cristã), tornam-se pedras de tropeço para esse objetivo.

O Magistério da Igreja, preocupado com a onda relativista, procurou e vem procurando esclarecer esses assuntos, em várias ocasiões. A fé católica não mudou, com de fato não pode mudar: continuamos crendo que o Verbo de Deus se encarnou uma única vez; que somente nEle se encontra a plenitude da Revelação e os meios necessários para o autêntico encontro com Deus. É através de Jesus Cristo e de sua continuação histórica na Terra, que é a Igreja Católica, que o homem pode ser salvo. Sabemos que não há outro Nome debaixo do céu pelo qual a humanidade possa alcançar a salvação (At 4,12), como reafirma a DeclaraçãoDominus Iesus: "Assim como existe um só Cristo, também existe um só seu Corpo e uma só sua Esposa".

Portanto, para nós, católicos, já existe a Religião global e universal. Esta Religião é a católica, – sendo que a palavra quer dizer exatamente isto, universal. – A Católica é a Igreja para a qual todos os seres humanos foram criados, e Jesus veio a este mundo para que todos, aqui na Terra ou derradeiramente no Céu, pertençam a ela. Se alguém duvida que esta é a doutrina católica, basta consultar os documentos oficiais da Igreja, como a Declaração Dominus Iesus (2000) e/ou a notificação da Congregação para a Doutrina da Fé sobre o livro "Para uma teologia cristã do pluralismo religioso", do padre jesuíta Jacques Dupuis (lê-se 'Dipuí'). Este documento (2001) elencou 5 pontos básicos e inegociáveis da doutrina católica, principalmente na temática da salvação. A Santa Sé visava corrigir certos equívocos do seu autor, padre Dupuis, e, ao mesmo tempo, ajudar os católicos a praticarem uma reta reflexão acerca do pluralismo e da tolerância religiosa, dentro do que é aceitável e verdadeiramente católico.

Ponto 1 – Jesus Cristo é o único e universal Mediador da salvação de toda a humanidade. A notificação rechaça a tese de uma certa "ação salvífica do Verbo" alheia à Pessoa de Cristo, ou seja, "independentemente da humanidade do Verbo encarnado". Com isso, a Congregação reafirma a supremacia do cristianismo sobre todas as outras religiões. Somente na fé cristã Deus se encarnou, sofreu e morreu na cruz pela humanidade. A ideia segundo a qual Deus teria, de algum modo, se encarnado em todas as religiões, e que Jesus seria portanto apenas uma dessas muitas encarnações ou avatares é, para o cristianismo, simplesmente absurda, sem qualquer respaldo teológico ou bíblico.

Ponto 2 – A Revelação em Jesus Cristo é una e plena. É um dever de todo cristão crer firmemente na Mediação do Cristo, no cumprimento e na plenitude da Revelação nEle e através dEle. É "contrário à fé da Igreja" afirmá-la "limitada, incompleta e imperfeita". Não há uma única verdade de fé necessária à salvação que não esteja contida na Sã Doutrina cristã e, embora possam existir "elementos de verdade" nas outras religiões, todas elas, de uma maneira ou de outra, derivam "em última análise da Mediação frontal de Jesus Cristo". Nenhuma outra doutrina ou religião “completa” o cristianismo.

Ponto 3 – O Espírito Santo é plenamente capaz de agir "de maneira salvífica tanto nos cristãos como nos não-cristãos". Todavia, é "contrário à fé católica pensar que a ação salvífica do Espírito Santo possa estender-se para além da única e universal economia salvífica do Verbo encarnado". Isso quer dizer que toda ação do Espírito Santo tem por meio a Igreja, – o Sacramento universal da salvação, – mesmo entre os não-cristãos. A ação do Espírito Santo fora da Igreja existe, mas tem sempre a intenção de trazer todas as pessoas à Igreja de Cristo, que confere os Sacramentos para a santificação e salvação.

Ponto 4 – Recorda a vocação universal do homem. Toda a humanidade foi orientada para Jesus: existe uma vocação específica dos seres humanos de todos os tempos, de todos os lugares da História, para a Igreja de Cristo. Com isso, a Congregação afirma que "também os seguidores das outras religiões estão orientados para a Igreja e todos são chamados a fazer parte dela", não sendo possível "considerar as várias religiões do mundo como vias complementares à Igreja em ordem à salvação".

Ponto 5 – A Congregação para a Doutrina da Fé responde à pergunta central: "Podemos afirmar que todas as religiões são caminhos de salvação?" O esclarecimento é categórico ao definir que "não tem qualquer fundamento na Teologia católica considerar as (diversas) religiões, enquanto tais, caminhos de salvação, até porque nelas existem lacunas, insuficiências e erros que dizem respeito a verdades fundamentais sobre Deus, o homem e o mundo". As verdades contidas nestas religiões podem contribuir para a salvação dos seus membros enquanto verdades ligadas à Pessoa de Jesus Cristo. Mas não são, em si mesmas, caminhos de salvação para os homens.


Resumo

As muitas religiões, – enquanto religiões, – não são caminhos ou instrumentos de salvação. As verdades contidas nelas, – e que se encontram também fora delas, pois o Espírito Santo age em diversos povos, culturas e mesmo religiões, orientando as pessoas para Cristo e para sua Igreja, – podem servir como instrumentos que acabarão, indiretamente, conduzindo à salvação.

Esta doutrina, que para o gosto dos homens modernos muitas vezes parece antiquada, ao contrário do que alguns podem imaginar, está em plena concordância com o que afirma o Concílio Vaticano II, citada na Constituição Lumem Gentium (nº16). O pluralismo religioso é definitivamente uma realidade incompatível com a Doutrina católica de sempre.

Com estes ensinamentos a Igreja não quer dificultar o diálogo interreligioso, tampouco insuflar a intolerância. A Igreja quer, sim, conviver pacificamente com todas as culturas e religiões. Não raras vezes, convidou e convida para o diálogo humano fraterno e respeitoso. Mas não pode renunciar a missão  que lhe foi confiada por Nosso Senhor: "Ide pelo mundo e fazei discípulos entre todas as nações" (Mt 28, 19). Para que exista um diálogo saudável, é necessário que ambas as partes sejam sinceras e conscientes de suas identidades. Caso contrário, há o risco de se edificar uma casa sobre a areia da mentira e da falsidade, condenando-a, futuramente, ao desmoronamento. Foi o que explicou o Cardeal Ratzinger a propósito das polêmicas relacionadas à Declaração Dominus Iesus.

A missão da Igreja é universal, pois corresponde ao chamado do Salvador, que quer que todos as pessoas sejam salvas. Mas esta missão se dá através dEle, o Filho de Deus encarnado, Jesus Cristo; a salvação dos homens só acontece por meio de Jesus Cristo, em sua continuação histórica neste mundo: a Igreja Católica.


(fonte: www.ofielcatólico.com.br.)

sábado, 27 de junho de 2015

O QUE ACONTECERÁ ANTES DE 'O AVISO.'



Regozijai-vos quando o Céu explodir, pois sabereis que Eu estou a chegar.

 Domingo, 2 de Outubro de 2011, 15:00 h.

Minha querida e amada filha, os padrões climáticos estão a mudar agora, como mais um sinal de que os tempos estão a mudar. Outras mudanças serão sentidas. O sol começará a pulsar e a girar para transformar o mundo conforme está a ser preparado para O Aviso. A Minha Cruz aparecerá primeiro. Eles ficarão chocados, mas tudo isso será dado como sinal, e assim podereis preparar as vossas almas e pedir a redenção. Se fizerdes isso, vós não sofrereis durante O Aviso. Orai, orai, orai, Meus seguidores, por toda a parte. Regozijai-vos quando o Céu explodir, pois sabereis que Eu estou verdadeiramente a chegar ao mundo. Por fim, a humanidade não será capaz de Me negar. O Meu Amor irradiará em todos os cantos do mundo e assim, Eu tentarei apanhar todas as almas em toda a parte. Tão inesperado será esse evento, que o mundo parará em grande choque. Quando lentamente recuperar muitos ainda ficarão na incerteza do que sucedeu. Tal como Eu venho, assim será com também Satanás e os demônios do Inferno, que tentarão devorar as almas dos Meus filhos. Por isso, deveis exortar a todos para aspergirem as vossas casas com Água Benta e terem velas abençoadas em todos os locais da casa. Vós deveis manter-vos protegidos. Para a preparação Eu peço-vos isto. Orai por aqueles que não conseguem aceitar, nos seus corações, a da Verdade dos Meus Ensinamentos. Orai especialmente por aqueles que farão um tremendo esforço para Me negar, embora estejam cientes da Minha Crucificação para os salvar.
 Lembrai-vos que Eu morri por cada um de vós, para vos salvar. Lembrai-vos que desta vez Eu regresso de novo para salvar cada um de vós. Não excluo nem um. Agora, Meus filhos, é a vossa oportunidade de assegurarem um lugar na Era de Paz na terra. Porque não quereríeis vós fazer parte disso? Porque preferiria alguém escolher, intencionalmente, as profundezas do Inferno, por troca desta grande Dádiva?
 Regozijai-vos! Orai. Dai graças a Deus por este Grande Aviso. Agarrai esta Dádiva com amor e alegria nos vossos corações.

O Vosso Salvador Jesus Cristo

(Revelação de Jesus a Maria Divina Misericórdia, do Livro da Verdade.)



ALEGREM-SE, JESUS ESTÁ VOLTANDO! JÁ ESTÁ TUDO PRONTO PARA A SUA SEGUNDA VINDA NA TERRA!  ELE VIRÁ ENTRE AS NUVENS DO CÉU GLORIFICADO COM AS MILÍCIAS CELESTES, E UMA NOVA TERRA E UM NOVO CÉU SURGIRÁ.
PORTANTO, QUALQUER HOMEM QUE DIZER SER O CRISTO, É UM MENTIROSO!

LEIAM O LIVRO DA VERDADE. No site: www.elgranavisomensajes.com

A paz de Jesus.
Antonio Carlos Calciolari.


O PASTOR UNIVERSAL.


O PASTOR UNIVERSAL E A CURA DE UM PARALÍTICO.


Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

Jesus está no meio dos doentes ou dos peregrinos que vieram até Ele de muitos lugares da Palestina. Entre eles há também um navegante de Tiro, que um desastre no mar fez que ele ficasse paralítico, como ele mesmo conta: foi a queda de um fardo, que tombou por causa do balanceamento do navio. As mercadorias pesadas foram para cima dele, e o atingiram na espinha dorsal. Ele não morreu, mas está pior do que um morto, porque, tendo perdido tudo, quer que os parentes deixem de trabalhar para cuidarem dele. Diz ter ido com eles a Cafarnaum, depois a Nazaré, e ter ficado sabendo que o Senhor estava na Judéia, e podia ser encontrado em Jerusalém. Deu-me os nomes dos amigos que te poderiam hospedar. Fiquei sabendo que Tu não desprezas ninguém, nem mesmo os samaritanos. E espero que me atenderás. Eu tenho muita fé.
A mulher dele não fala. Mas, estando acocorada perto do pequeno colchão sobre o qual puseram o doente, fica olhando para Jesus com uns olhos que suplicam mais do que quaisquer palavras.
Em que ponto é que foste atingido?
Por baixo do pescoço. Foi nesse ponto que eu senti o choque mais forte e senti um barulho na cabeça, como o do bronze quando é percutido. Depois se transformou em um mugido contínuo, como o do mar na minha frente... Depois, não senti mais nada, durante muitos dias. Estávamos navegando nas águas de Cintium e eu me dei conta de que estava em minha casa, sem saber como. E tornei a ouvir o mugido na cabeça, a as luzes na vista, por muitos e muitos dias. Depois tudo passou... mas meus braços ficaram mortos, e as pernas também. Eu estava um homem acabado, aos quarenta anos. E tenho sete filhos Senhor.
Mulher, soergue o teu marido, e descobre o ponto em que ele foi atingido.
A mulher obedece, sem nada falar. Com movimentos bem ajeitados e maternais, ajudada pelos que vieram com ela, não sei se é seu irmão, ou cunhado, ela enfia um braço por baixo do ombro do esposo, enquanto com a outra mão, e com aquela delicadeza com que trataria um recém-nascido, ela levanta da pequena cama o pesado corpo. Uma cicatriz, ainda vermelha, mostra o ponto da ferida maior.
Jesus se inclina. Todos espicham o pescoço para olhar. Jesus apóia as pontas dos dedos na cicatriz, dizendo: “ Eu Quero.”
O homem sente uma sacudida, como se tivesse sido tocado por uma corrente elétrica, e dá um grito: “ Que Fogo.”
Jesus tira os dedos de sobre as vértebras lesadas, e diz: “ Levanta-te.”
O homem não espera que Jesus o diga duas vezes. Apoia-se nos braços, que havia meses, estavam inertes sobre a pequena cama, sacode para ficar livre do que o prendia, joga as pernas para baixo da padiolinha e pôr-se de pé, tudo isso foi feito em muito menos tempo do que eu usei para descrever as fases do milagre.
A mulher grita, o parente grita, o homem curado levanta aos braços para o céu, emudecido de alegria. É só um instante de uma estonteante alegria, e depois ele dá meia volta sobre si mesmo, com a firmeza de um homem bem ágil, e se encontra frente a frente com Jesus. Aí ele adquire de novo a voz, e grita: “ Bendito és Tu, e quem te mandou! Eu creio no Deus de Israel e em Ti, seu Messias.” E se joga no chão, para beijar os pés de Jesus, em meio á gritaria do povo.
Em seguida, os outros milagres sobre as crianças pequenas, as mulheres e os velhos em geral. Depois Jesus fala.
Vistes o milagre dos ossos quebrados que se tornam inteiros de novo e de membros que se tornam vivos. Isto vos foi concedido pelo Senhor, poderdes ver para confirmar a fé naqueles que crêem, e suscitá-la naqueles que não a têm. E o milagre foi concedido a pessoas de todos os lugares, que vieram até aqui em busca de saúde, impelidas pela fé no meu poder de curar.
Aqui há judeus e galileus, libaneses e siro-fenícios, habitantes da longínqua Batanéia e das costas marítimas. E todos vieram sem se preocuparem com a estação, nem com o comprimento do percurso, e os parentes os acompanharam se murmurar, sem se lamentarem pelos trabalhos que eles deixaram interrompidos, e pelos negócios deixados por terminar. Porque todo sacrifício era nada em comparação com o que eles iam conseguir.
E, assim como caíram as idéias políticas ou religiosas, que antes formavam como que uma muralha, colocada para impedir que se considerassem todos irmãos, todos iguais no viver e no sofrer, no desejar e esperar saúde e conforto. E Eu, a todos os que souberam unir-se em uma esperança, que já é fé, concedi a saúde e o conforto. Porque é justo que assim seja.
Eu sou o Pastor Universal, e devo acolher a todas as ovelhas que querem entrar no meu rebanho. Eu não faço distinção entre as ovelhas sãs e as doentes, entre as fracas e as fortes, entre as que me conhecem, porque já são do rebanho de Deus, e as ovelhas que até agora não me conheciam e nem mesmo ao verdadeiro Deus. Porque Eu sou o Pastor da Humanidade, e recolho as minhas ovelhas de qualquer lugar onde estiverem, e se dirigirem á Mim. São ovelhas magras, sujas, maltratadas, ignorantes, feridas por pastores que não as amavam e as rejeitaram, dizendo que eram imundas. Mas não há imundície que não possa ser limpa. E não há imundície que, querendo ficar limpa, e pedindo para sê-lo, possa ser rejeitada com a desculpa de que está suja.
Os bons desejos são suscitados por Deus. Se Ele os suscita, é sinal de que deseja que se tornem realidade. É o próprio Espírito de Deus que pede com orações inefáveis essa absorção de todos os homens, que parte do amor, porque o Espírito de Deus deseja efudir-se e enriquecer-se e fundir-se amando um número ilimitado de seres, que são atraídos por Ele, pela doçura de seus perfumes. Por isso não é lícito a ninguém desprezar ou rejeitar a quem quer entrar no rebanho Santo.
Isto seja dito para aqueles entre vós gostam de cultivar nos corações as idéias de muitos em Israel, idéias de distinções e de julgamentos não amados por Deus, porque são contrários aos seus desígnios de fazer de todos os povos um só Povo que leve o Nome do Messias por Ele enviado.
Por enquanto, Eu falo também aqueles que vieram de fora, as ovelhas até agora selvagens, e que sentem o desejo de entrar no único rebanho do único Pastor. E digo: nada os faça desconfiar, nada os envileça. Não existe paganismo nem idolatria, nem vidas diferentes da que eu ensino, que não possam ser renegadas e rejeitadas, permitindo ao espírito poder refazer-se e tornar-se livre de todas as plantas más, para poder ficar apto, a fim de receber as novas sementes e revestir-se de novas fardas. E isso, mais ainda do que a saúde para os membros, é que deveria empurrar as pessoas para Mim.
Como, e sirva o que digo, tanto para os hebreus da Palestina, como para os hebreus e prosélitos e como para os gentios, como sabeis vir a Mim, para que seja tirado de vossas carnes doentes o jugo das enfermidades, assim, sabei vir, para que seja tirado do vosso espírito o jugo do pecado e do paganismo. Deveríeis todos pedir-me em primeiro lugar esta libertação, que é querer o Reino de Deus em vós como o primeiro milagre. Porque tendo esse Reino em vós, todas as outras coisas vos serão dadas, e dadas de tal modo, que o presente não fique pesado como um castigo na outra vida.
Não tendes ficado pensando nas intempéries, nas canseiras, nas perdas de dinheiro quando íeis atrás de saúde para os vossos membros que, mesmo estando hoje cansados, qualquer dia destes perecerão em uma morte física. Com a mesma disposição deveríeis saber enfrentar todas as dificuldades, para conseguirdes a saúde para o vosso espírito, e a vida eterna, com a posse do Reino de Deus.
Escárnios e ameaças dos parentes, ou dos concidadãos, ou das autoridades, que é que são, em comparação com aquilo que todos vós tendes, de qualquer lugar que tenhais vindo, se souberdes dirigir-vos para a Verdade e a Vida? Quem é que deixaria de ir para um lugar, onde soubesse que está esperando uma vida feliz, para se entreter durante um dia com uma festa que dura só até o pôr do sol? No entanto muitos fazem assim. E, para se saciarem com uma fração de tempo, com as insípidas e inúteis alegrias do mundo, deixam de ir ao lugar onde achariam para sempre o verdadeiro alimento, a verdadeira saúde, a verdadeira alegria e sem ter o medo de vê-la ser-lhe tirada pelo ódio do inimigo.
No Reino de Deus não há ódio, nem guerra, nem injustiças. Quem entra nele não conhece mais a dor, a aflição, a violência, mas possui a alegria da paz que emana de meu Pai.
Eu me despeço de vós. Ide. Voltai ás vossas terras. Os meus discípulos já são numerosos, e estão espalhados por todas as regiões da Palestina. Escutai, se quereis conhecer a minha doutrina, e estar prontos para o dia da decisão, da qual dependerá a vida eterna de muitos. Eu vos dou a minha Paz, para que ela vá convosco.
E Jesus tendo abençoado o povo, volta para a casa...
(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, pgs 241,242,243,244, Vol 8)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

PROFECIA DO LIVRO DA VERDADE NA IMINÊNCIA DE ACONTECER.


Profecia do Livro da Verdade na iminência de acontecer.

Quem acompanha os noticiários, sabe que a Grécia está negociando a sua estrondosa dívida com os seus credores da União Européia.  Como isto vai terminar? Jesus sabe e nos diz.

 

Os países europeus vão sucumbir a uma ditadura que não é melhor que os dias de Hitler.

Sábado, 18 de Fevereiro de 2012, 16:00 h.

 Minha querida e amada filha, é Minha intenção proteger muitos dos Meus seguidores, quando a Mão do Meu Pai descer em breve, para punir a Humanidade pela sua maldade, e para evitar que atrocidades terríveis sejam cometidas por pecadores que querem destruir muitas nações.  Todos vós estareis protegidos, mas a vossa responsabilidade é para com os outros. Presenciai agora como os países europeus sucumbem a uma ditadura que não é melhor do que os dias de Hitler. Os planos estão no lugar para que o grupo mundial assuma cada país na Europa. A Babilônia(União Européia), vai cair como predito.
O Urso(Rússia) e o Dragão Vermelho(China) vão para a guerra precisamente como foi profetizado.
Roma vai tornar-se a sede do governo perverso de dominação. A Itália vai desmoronar-se.
A Grécia vai ser o catalisador que irá fornecer a desculpa para derrubar a Babilônia. Tudo vai ser agora revelado ao mundo. A oração pode aliviar o tormento dos Meus pobres filhos, que sereis obrigados a pedir a comida que colocais nas vossas bocas. Sereis tratados como crianças, mas sereis pisados quando fordes escravizados pelo grupo global, que trabalha em conjunto com os líderes Europeus. Eles são traidores, todos eles, e não apenas perante aqueles a quem servem, mas perante Deus, Meu Pai Todo-Poderoso. O Seu Nome é odiado por este grupo que já proibiu a homenagem a Ele em seus países. Por isso, eles vão sofrer. Eles serão punidos e impedidos de cumprir a sua missão perversa. A ira do Meu Adorado Pai já atingiu níveis sem  precedentes, aumentando porque a ascensão do grande Dragão Vermelho é iminente. Tamanha destruição, filhos. Tamanho desejo de poder e controle. Tamanho ódio por Mim, o Vosso Divino Salvador. Os quatro mensageiros de Satanás desceram e trabalham agora dentro desses grupos. Os líderes perversos e poderosos estão a ser controlados pelo Anticristo, que está agora muito ativo.
O Anticristo dirige uma organização muito grande. Eles são tão astuciosos que poucos percebem o que realmente fazem. Meus filhos, eles vão tentar assumir o controle, e todos os seus planos parecem estar a desenrolar-se. Mas é então que o Meu Pai vai intervir. Ai daqueles que tenham de enfrentar a Ira do Meu Pai. Eles não vão ter mesmo nenhuma oportunidade de balbuciarem diante d’Ele, se não se arrependerem de imediato. A muito poucos de vós, filhos, está a ser dada a verdade, porque muitas dessas pessoas controlam as notícias em que vós acreditais como sendo a verdade. Vós não tendes outros meios de saber o que está a acontecer no mundo. Aqueles que vós considerais como responsáveis das organizações que se preocupam com as nações são, de fato, os verdadeiros grupos que correm pelo anticristo.
As nações que vós considerais como fracas, estão a ser vitimizadas e usadas como peões, para que assim, em vez deles, apareçam como os maus perante o resto do mundo.  Vós não deveis sempre acreditar no que vos é apresentada em nome da justiça. Orai fortemente por todos os vossos irmãos e irmãs que vão ser espezinhados por essas pessoas. Orai para que O Aviso retarde a sua ação, e orai para diluir o impacto do plano que está a ser orquestrado para abolir os vossos direitos, o vosso dinheiro, o vosso alimento e o vosso direito de praticar o Cristianismo e outras religiões que honram o Meu Pai.

 O Vosso Amado Jesus Cristo.

O Salvador da Humanidade.
( O Livro da Verdade – Maria Divina Misericórdia.)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.

A FORÇA DA PALAVRA.


A FORÇA DA PALAVRA.


Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

Atrás do grosso tronco da nogueira, está uma figura humana. Jesus dá dois passos para o lado dela e diz: Acompanha-me. E vai colocar-se na banqueta de pedra colocada perto da casa, do lado do oriente.
A mulher vai indo para frente, toda velada e inclinada. Jesus coloca a lâmpada sobre a pedra, ao lado dele.
Fala. Ele deu esta ordem com a severidade de um Deus, e a mulher, em vez de continuar para frente e de falar, dá uns passos para trás, inclina-se mais ainda e fica calada.
Fala, Eu te mando. Querias falar comigo. E Eu vim. Fala, diz Jesus com tom de doçura na voz.
Silêncio.
Então Eu vou falar. E Eu te pergunto: porque me odeias tanto, a ponto de servir aos que querem a minha ruína, e a desejam de todos os modos e para ela procuram todas as causas possíveis? Responde. Que foi que Eu te fiz de mal, ó infeliz? Que foi que te fez de mal o Homem, que nem em seu coração zombou da vida infame que tu levas? Será que este homem te corrompeu, Ele que, nem em seu coração te desejou, para que possas odiar assim, e mais do que aqueles que te prostituíram, e te rebaixam cada vez que eles vêm a ti? Responde! Que foi que te fez Jesus de Nazaré, o filho do Homem, que tu apenas conheces de vista, por te teres encontrado com Ele nas ruas da cidade, Jesus que nem conhece o teu rosto, nem ás tuas graças dá importância, e que somente da tua alma é que Ele quer ver suja e enfeada figura, para conhecê-la e curá-la? Então, fala!
Não sabes quem Eu sou? Sim, em parte tu o sabes. E até em duas partes o sabes. Sabes que Eu sou um homem jovem e que a minha pessoa te agrada. Quem te disse isso foi a tua animalidade desenfreada. E a tua língua de ébria te disse a quem pôde ficar ouvindo a confissão de tua sensualidade, e te deu uma arma com que fazer-me mal. Sabes que Eu sou Jesus de Nazaré, o Cristo. Isto te disseram aqueles que desfrutando do teu desejo carnal, te pagaram para que viesses aqui a fim de me tentar. Eles te disseram: “ Ele se diz o Cristo. As multidões o chamam de Santo, o Messias. Ele não é mais do que um impostor. Precisamos ter a prova de sua miséria como homem. Dá-nos essas provas, e te cobriremos de ouro.” E, porque tu, se tens ainda um resto de justiça, a última migalha daquele tesouro de justiça, que Deus havia colocado em tua carne junto com tua alma, mas que tu quebraste e esparramaste por aí, não querendo fazer-me mal, porque, a teu modo tu me amavas, e, então eles te disseram: “ Nós não lhe faremos mal! Pelo contrário! Nós abandonaremos contigo o homem, dando-te os meios de fazê-lo viver como um rei ao teu lado. Basta-nos podermos dizer a nós mesmos, para pormos em paz a nossa consciência, que Ele é um simples homem. Dá-nos essas provas, e te cobriremos de ouro. Será uma prova de que temos razão, não crendo que Ele é o Messias.” Assim disseram eles. E tu, então, vieste. Mas, se Eu aderisse ás tuas adulações, teria o Inferno sobre Mim. Eles já estão prontos para cobrir-me de lama e para prender-me. E tu estás sendo o instrumento para que possam fazer isso.
Estás vendo que não te faço perguntas. Eu falo, porque sei. Sem necessidade de perguntar, se é que tu sabes destas duas coisas. Mas há uma terceira que tu não sabes. Tu não sabes quem Eu sou, além de ser um homem e ser Jesus. Em Mim, tu vês o homem. Os outros te dizem: “ È o Nazareno”. Mas Eu te digo quem sou. Eu sou o Redentor. E, para redimir, devo ser sem pecado. A minha possível sensualidade de homem, olha como Eu a espezinhei. Assim como faço com esta nojenta lagarta que, na escuridão, vinha de uma lama para outra lama, a fim de realizar os seus lascivos amores. Assim, Eu a espezinhei sempre. E assim a espezinho agora também. E assim estou disposto a arrancar de ti a tua doença e espezinhá-la, livrando-te dela, para tornar-te sã e santa. Porque Eu sou o Redentor. Somente isso. Tomei um corpo para salvar-vos, para destruir o pecado, e para amar-vos, mas com um amor que dá a sua vida, o seu sangue, a sua palavra, tudo, a fim de levar-vos para o Céu, para a Justiça, não para amar-vos como a um animal. E, nem mesmo como homem, porque Eu sou mais do que homem.
Sabes tu exatamente quem Eu sou? Não o sabes. Tu não sabias nem mesmo qual era a importância do que tinhas vindo fazer. E disso Eu te perdôo, sem que tu mo peças. Tu não sabias. Mas, e a tua prostituição? Como pudeste viver nela? Tu ao eras assim. Eras boa. Oh! Infeliz! Não te lembras de tua infância? Não te recordas dos beijos de tua mãe? Nem das palavras dela? Nem das oras de oração? Das palavras de Sabedoria, que ouvias ser explicadas de tarde por teu pai, e aos sábados pelo sinagogo? Quem foi que te fez ficar assim hebetada e ébria? Não te lembras? Não tens saudades daqueles tempos? Dize-me: Estás verdadeiramente feliz? Não respondes? Eu falo em teu lugar. E Eu digo: não, não és feliz. Quando despertas, encontras sobre o teu travesseiro a tua vergonha, a dar-te a primeira tortura do dia, cada dia. E a voz da consciência te grita a sua reprovação, enquanto te ficas enfeitando e perfumando com prazer. E sentes um cheiro insuportável, até nas essência mais finas. E um sabor nauseante, até nos alimentos mais gostosos. E as tuas jóias te pesam como umas correntes. E elas o são. E, enquanto te ris e seduzes, alguma coisa geme dentro de ti. E te embebedas para vencer os aborrecimentos e a náusea que te causa a tua vida. E odeias aqueles que dizes amar, a fim de receber algum lucro deles. E maldizes a ti mesma. E teu sono é cheio de íncubos. E a lembrança de tua mãe é uma espada em teu coração. E a maldição de teu pai não te deixa em paz. Além disso, recebes as ofensas dos que se encontram contigo as crueldades dos que abusam de ti, sem piedade, e sempre. Tu és uma mercadoria. Tu és vendida. E uma mercadoria comprada se usa como se quer. Rasga-se, consome-se, pisa-se nela, cospe-se sobre ela. Está sob os direitos do comprador. Tu não te podes rebelar... E será que uma situação assim te faz feliz? Não. Estás desesperada. Estás acorrentada. Estás sendo torturada. Sobre a terra és um farrapo nojento, que por qualquer um pode ser pisado. Se tu procuras, nas horas de sofrimento encontrar conforto e levantar o teu espírito para Deus, sentes a ira de Deus sobre ti, uma prostituta, e vês o Céu fechado, e mais ainda do que o foi para Adão. Se te sentes mal, ficas com grande medo de morrer, porque sabes qual é a tua sorte. Pois o abismo te espera. OH! Infeliz! E tudo isso ainda não bastava? Gostarias de acrescentar a torrente de tuas culpas também a culpa de teres sido a ruína do Filho do homem? Deste que te ama? Ele é o único que te ama. Porque foi por tua alma também que Ele se revestiu com a carne humana. Eu poderia salvar-te, se tu o quisesses. Sobre o abismo de tua objeção, inclina-se o Abismo da Misericordiosa Santidade, e fica esperando um teu desejo de Salvação, para arrancar-te do abismo de tua imundície. Em teu coração tu ainda pensas ser impossível que Deus te perdoe. E ficas ainda procurando bases para este teu pensamento no confronto que fazes com o mundo, que não te perdoa, por seres uma prostituta. Mas Deus não é o mundo. Deus é bondade, Deus é perdão. Deus á Amor.
Tu vieste a Mim, tendo sido paga para me fazer mal. Em verdade Eu te digo que o Criador, contanto que salve uma sua criatura, pode transformar em bem o que é mal. E, se tu quiseres, em bem vai se mudar a tua vinda a Mim. Não te envergonhes do teu Salvador. Não te envergonhes de lhe mostrares nu o teu coração. Ainda que o queiras esconder. Ele o vê, e chora sobre ele. Chora. Ama. Não te envergonhes de arrepender-te. Sê ousada em arrepender-te, como o foste na culpa. Não és tu a primeira prostituta que vem chorar a meus pés, e que Eu reconduzo á Justiça... Eu nunca expulsei nenhuma criatura, por mais culpada que ela fosse. Pelo contrário, sempre procurei atraí-la e salvá-la. Esta é a minha missão. Não me causa horror o estado de um coração. Eu conheço Satanás e as obras dele. Conheço os homens e suas fraquezas. Conheço a condição da mulher que paga, como é de justiça, mais duramente do que o homem, as conseqüências da culpa de Eva. Portanto, eu sei julgar e compadecer-me. E Eu te digo que mais do que para com as mulheres decaídas, Eu sou severo aqueles que as fizeram cair. Quanto a ti, Eu sou mais severo para com aqueles que te mandaram, do que para contigo, que vieste, sem saber exatamente para que estavas sendo usada. Eu teria preferido que tu tivesses vindo impelida por um desejo de redenção, como outras tuas irmãs. Mas, se tu obedeceres ao desejo de Deus e se de uma má ação fizeres a pedra angular da tua nova vida, Eu te direi a palavra de paz.
...Com rapidez, ela agarra uma pedra aguçada que ela viu no chão, e com ela se fere até sair sangue do rosto, e arranha com suas unhas pintadas. O sangue goteja das feridas, as feições ficam inchadas pelos golpes, até que enfim, sua fúria se aplaca, e ela ofegante, exausta, desfigurada, despenteada, rasgada, com as vestes sujas de sangue e de terra, enfim se joga no chão aos pés de Jesus, gemendo: “ E agora me podes perdoar, se estás vendo meu coração, porque não há mais nada do meu passado, nada mais de.. Tu venceste, Senhor, na luta contra os teus inimigos e contra minha carne... Perdoa-me os meus pecados...
Eu os havia já perdoado, desde quando Eu vim ao teu encontro.
Levanta-te, e não peques mais.

( O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta, pgs. 266,267,268,269,270,271, Vol 8)

A paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.  

quinta-feira, 25 de junho de 2015

QUEM CRÊ EM MIM NÃO MORRERÁ JAMAIS.


Como recentemente aconteceu um trágico acidente automobilístico com o cantor Cristiano Araújo e sua namorada, onde os dois perderam a vida, e, querendo eu confortá-los com a palavra de Deus, principalmente seus familiares. Transcrevo abaixo as palavras de nosso Mestre Jesus sobre a saída desta vida para a outra vida. Que sirva também para todos aqueles que perderam algum ente querido, esta linda mensagem de paz.


QUEM CRÊ EM MIM NÃO MORRERÁ JAMAIS.


Maria Valtorta viu e ouviu o que se segue por um milagre de Deus.

Vem para a frente, ordena Jesus.
A mulher vai á frente, mas com medo.
Não deves ter medo de Mim, se me amas, Jesus a encoraja.
Eu te amo. Por isso é que eu vim de Alexandecene. Porque eu pensava que ainda te teria ouvido e... teria aprendido a suportar meus sofrimentos, e ela chora.
Quando foi que ficaste viúva?
No fim do vosso mês de Adar. Se tu tivesses estado aqui, o Zeno não teria morrido. Ele assim dizia... porque ele tinha ouvido a tua palavra e cria em Ti.
Pois então ele não está morto, mulher. Porque quem crê em Mim está vivo. Não é neste dia que a carne vive a verdadeira vida. A vida é aquela que se obtém crendo, acompanhando o Caminho a Verdade e a Vida, e agindo conforme a sua palavra. Ainda que tivesse sido uma fé nele e um seguimento dele por pouco tempo, e trabalhasse por pouco tempo, interrompido pela morte do corpo, ainda que tivesse vivido por um só dia, por uma só hora, Eu em verdade te digo que aquela criatura jamais conhecerá o que é a morte. Porque o Meu Pai é Pai de todos os homens, não irá calcular quanto tempo transcorreu em minha lei e na fé, mas sim a vontade do homem de viver até á morte naquela lei e naquela Fé. Eu prometo a Vida eterna a quem crê em mim, e age segundo o que Eu digo, amando o Salvador, propagando esse amor, praticando, no tempo que lhe é concedido, os meus ensinamentos. 
Os operários da minha vinha são todos aqueles que vêm e dizem: “ Senhor, acolhe-me entre os teus operários”, e nessa vontade permanecem, enquanto o meu Pai não julgar terminado o seu dia de trabalho. Em verdade, em verdade, Eu vos digo que haverá operários que terão trabalhado apenas uma hora, a sua última hora, e que terão preparado para eles o prêmio daqueles que terão trabalhado desde a primeira hora do dia, mas que trabalharam sempre com tibieza, empurrados para o trabalho somente pela idéia de não irem para o Inferno, isto é, por medo do castigo. Não é este o modo de trabalhar, que meu Pai premia, logo em seguida com a glória, Pelo contrário, a esses calculadores egoístas, que têm pressa de fazer o bem, mas somente aquele tanto de bem, que for suficiente para que não se lhes dê o castigo eterno, o Juiz eterno lhes dará uma sentença: a expiação.
Eles deverão aprender, as suas próprias custas, com a expiação, a formar em si um espírito alegre no amor, em verdadeiro amor, todo voltado para a glória de Deus. E vos direi ainda que no futuro haverá muitos, especialmente entre os gentios, que terão sido operários por uma hora, e até por menos de uma hora, e que se tornarão gloriosos em meu Reino, porque naquela única hora, em que corresponderam á Graça, que os terá convidado a entrar na Vinha de Deus, eles terão atingido a perfeição heróica da Caridade! Portanto cria coragem, mulher. 
Teu marido não está morto, mas está vivo. Não está perdido para ti, mas somente separado por algum tempo, de ti. Agora tu como uma esposa que ainda não entrou na casa do esposo, deves preparar-te para as verdadeiras núpcias imortais com aquele pelo qual choras. Oh! Felizes núpcias de dois espíritos que se santificaram, e que se unem de novo e para sempre lá onde não há mais separação, nem medo de desamor, nem sofrimento, lá onde os espíritos se rejubilarão no amor de Deus e em seu amor recíproco!
A morte para os justos é verdadeira vida, porque nada mais pode ameaçar as vitalidades do espírito, isto é, a sua permanência na justiça. Não chores e não tenhas saudade do que é passageiro, ó Sira. Levanta o teu espírito, e vê, com justiça e verdade. Deus te amou, salvando o seu consorte do perigo de que as obras do mundo arruinassem sua fé em Mim.
(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta. Pgs. 279,280-Vol 8)

A Paz de Jesus.

Antonio Carlos Calciolari.