sexta-feira, 20 de novembro de 2020

A MAIS NOVA ARMA COMUNISTA

 




A MAIS NOVA ARMA COMUNISTA

Para dar início a este tema, é necessário refletir sobre a afirmação do Presidente da Suprema Corte da Venezuela, Miguel Angel Martin, sobre a empresa Smartimatic: “As máquinas começam a emitir votos quando as mesas já estão encerradas.”

Imediatamente me vem à mente as eleições de 2014 entre Dilma e Aécio, quando já no final das apurações, com Aécio Neves na frente, estranhamente a apuração parou, e quando voltou sua adversária estava na frente e venceu. No EUA ocorreu a mesma façanha, quando faltavam alguns estados chaves, com oitenta por cento das urnas apuradas, e Donald Trump na frente, depois da interrupção da contagem dos votos, Biden milagrosamente aparece na frente, vencendo vários destes estados. Agora recentemente aqui no Brasil, novamente houve uma interrupção na apuração, e depois voltou com os percentuais iniciais entre os candidatos exatamente iguais durante toda a votação, principalmente em São Paulo, o que é estranhíssimo tal regularidade em cada ponto de votação.

A Smartimatic foi fundada por dois venezuelanos, Antonio Mugica e Roger Pinãte, que logo se alinharam ao Governo de Chaves com seus programas de tecnologia de votação eleitorais, criados para favorecer e perpetuar ditadores. Enquanto fraudavam eleições na Venezuela não chamavam muita atenção, mas mesmo assim cresceu e se expandiu, atuando em diversos países. Porém o grande salto da empresa se deu em 24 de novembro de 2014, em Londres, anunciando um novo empreendimento global, com a presidência do globalista Lord Mallich-Brown. Brown tem ligações escusas com o especulador imobiliário George Soros, e ambos com a ONU. Para se ter uma noção da influência de Brown, foi listado em sétimo na seção de líderes revolucionários do Time em 2005. A função principal de Brown e Soros, é influenciar governos para adaptá-los aos agendamentos globalistas, para uma Nova Ordem Mundial. Com a implementação do sistema de apuração de votos pela Smartimatic, ficou fácil eleger aqueles que estão engajados em seus projetos. Uma arma poderosa que aniquila o oponente seja ele quem for.

Não podemos confiar numa empresa que não fornece em seu sistema de votação, uma recontagem de votos. Ter que aceitar, de forma ditatorial um resultado, e sem contestação, é anti-democrático. Esta empresa desde que foi fundada está envolvida em fraudes, discordâncias, processos judiciais e escândalos, e mesmo assim continua crescendo. Inacreditável! É óbvio que pessoas poderosas e mau intencionadas estão por trás desta empresa.  Ainda não fabricaram um sistema eletrônico ou digital que seja imune a interferência externa, que seja inviolável. Portanto é mentirosa a afirmação de que o sistema eleitoral usado com a Smartimatic é confiável e seguro. Não poderia estar sendo usado em hipótese nenhuma, em nenhum pais, devido a vulnerabilidade na adulteração de resultados, e na inexistência da checagem de votos.

Paz e bem aos corações.

 

Antonio Carlos Calciolari.


Sem comentários:

Publicar um comentário