segunda-feira, 30 de setembro de 2019

ENSINAMENTOS ETERNOS







ENSINAMENTOS ETERNOS


Diz Jesus:

“Filhos, minhas palavras estão chegando ao fim, como está chegando ao fim este dia que já declina com o Sol para o lado do ocidente. Desta reunião no monte quero que vós lembreis das palavras que aqui vos foram ditas. Esculpi-as em vossos corações. Tornai a lê-las seguidamente. Que elas vos sirvam sempre de guia. E sobretudo sede bons com quem é fraco. Não julgueis para não serdes julgados. Recordai-vos de que poderia chegar o momento no qual Deus vos fizesse lembrar: “Assim tu julgaste. Por isso sabias que isso era mal. Com conhecimento do que fazias, cometeste o pecado. Cumpre agora a tua pena".
A caridade já é uma absolvição. Tende a caridade em vós para com todos e sobre tudo. Se Deus vos dá tantos auxílios para que vós conserveis retos, não vos enchais de orgulho por isso. Mas procurai subir, porque é a escada da perfeição e estendei a mão aos cansados, aos ignorantes, aos que são presas de súbitas desilusões. Por que ficar observando com tanta atenção o cisco no olho do teu irmão, se não procura tirar antes a trave que está no teu? Como podes dizer ao teu próximo: “Deixa que eu tire do teu olho esse cisco”, enquanto a trave que está no teu te faz cego? Não sejas hipócrita, filho: tira primeiro a trave que está no teu olho e, depois, poderás tirar o cisco do olho do teu irmão, sem que o leses gravemente.
Assim como não deveis cometer faltas de caridade, não tenhais também a imprudência. Eu vos disse: “Estendei vossas mãos aos cansados, aos ignorantes, àqueles que são presas de imprevistas desilusões.” Mas, se é caridade instruir os ignorantes, animar os cansados, dar novas asas àqueles que, por muitas causas, as quebraram é imprudência revelar as verdades eternas aos que estão infeccionados pelo satanismo, os quais se apropriam delas para se fingirem de profetas, para se insinuarem entre os simples, para corromper, falsificar e sujar sacrilegamente as coisas de Deus. Respeito absoluto, saber falar e saber calar-se, saber refletir e saber agir, aí estão as virtudes do verdadeiro discípulo para fazer prosélitos e servir a Deus. Vós tendes uma razão e, se usais dela com justiça, Deus vos dará todas as suas luzes, para guiar ainda melhor a vossa razão. Pensai que as verdades eternas são semelhantes a pérolas, e nunca se viu jogar pérolas aos porcos, que preferem as bolotas e a lavagem mal cheirosa ás pérolas preciosas, e até as esmagariam sem dó com os seus pés, para depois, com a fúria de quem foi ludibriado, virarem-se contra vós para despedaçar-vos. Não deis as coisas santas aos cães. Isto serve para agora e para depois.
Muitas coisas Eu vos disse, meus filhos. Escutai as minhas palavras, quem as escuta e as põe em prática é comparável a um homem que refletiu, quando queria construir uma casa e escolheu um lugar rochoso. Certamente ele se cansou para construir as bases. Teve que trabalhar com picareta e buril, teve que calejar suas mãos e cansar os seus rins. Mas depois ele pôde passar argamassa de cal nas fendas da rocha e ir colocando os tijolos e fechando com eles as paredes, formando como que uma fortaleza, e a casa foi crescendo tanto, sólida como um monte. Vieram as intempéries, os aguaceiros. As chuvas fizeram transbordar os rios, assobiaram os ventos, as ondas bateram na casa, mas ela resistiu a tudo. Assim é aquele que tem uma fé bem fundada. Mas, ao contrário, quem ouve com superficialidade e não se esforça para gravar em seu coração as minhas palavras, porque sabe que isso exige trabalho, que é preciso passar pela dor, extirpar muitas coisas, esse tal é semelhante a quem por preguiça e estultícia constrói sua casa sobre a areia. Nem ainda bem chegou a tempestade, a casa rapidamente construída, rapidamente cai, e o estulto fica olhando desolado para os escombros dela e para a ruína do seu capital.
Mas aqui há mais do que uma ruína, porque esta ainda pode ser reparada com despesas e trabalho. Aqui, tendo vindo abaixo o edifício mal construído de um espírito, não se tem mais nada para construí-lo de novo. Na outra vida não se edifica. Ai de quem lá se apresentar com escombros!
Terminei. Agora, vou descer para o lago e vos abençôo em nome de Deus Uno e Trino. A minha paz esteja convosco.”

(O Evangelho como me foi Revelado – Maria Valtorta- Vol. 3 – pg. 133,124,135)  

Sem comentários:

Enviar um comentário