quarta-feira, 8 de maio de 2019

A IGREJA NASCENTE E O FIM DOS TEMPOS






A IGREJA NASCENTE E O FIM DOS TEMPOS

(O Evangelho como me foi revelado – Maria Valtorta – Vol. 9- pg. 392 a 403)

Matias, o ex-pastor, aproxima-se de Jesus e lhe pergunta: “Senhor e Mestre meu, eu tenho pensado muito com os companheiros, nas tuas palavras, até que o cansaço tomou conta de nós, e nós dormimos, antes de termos podido resolver o problema que se havia apresentado. E agora estamos mais ignorantes do que antes. Se é que entendemos bem as pregações destes últimos dias. Tu predisseste que muitas coisas mudarão, ainda que a Lei fique sem ser mudada, e que se deverá edificar um novo Templo, com novos profetas, sábios e escribas, contra o qual se levantarão batalhas, mas que não morrerá enquanto que este, se é que compreendemos bem, parece destinado a morrer.”
“Está destinado a morrer. Lembra a profecia de Daniel...”
“Mas nós que somos pobres e poucos, como poderemos edificá-lo de novo, se os reis tiveram que trabalhar muito para edificar este? E depois onde o edificaremos? Certamente aqui não, porque tu dizes que este lugar virará um deserto, enquanto esses não te bendigam como a um mandado por Deus.”
“Assim é.”
“Em teu Reino não. Porque estamos convictos de que o teu Reino é espiritual. E, então, como e onde o estabeleceremos? Ontem tu disseste que o verdadeiro Templo – e não é aquele... e, não será aquele o verdadeiro Templo? Disseste que quando eles pensarem que o terão destruído, aí é que ele se levantará triunfante aos olhos de Jerusalém verdadeira. Onde está ela? Há muita confusão entre nós.”
“Assim é. Que os inimigos destruam o verdadeiro Templo. Em três dias Eu o levantarei de novo, e ele não conhecerá mais a cilada, subindo para onde o homem não lhe possa causar dano.
Quanto ao Reino de Deus, ele está em vós, e por toda parte há homens que crêem em Mim. Estão espalhados por enquanto, mas eles se sucederão sobre a Terra, através dos séculos dos séculos. Depois ele será eterno, unido, perfeito no Céu. Lá no Reino de Deus, será edificado o novo Templo, isto é, lá onde estão os espíritos que aceitam a minha doutrina, a Doutrina do Reino de Deus e que pratica os preceitos Dele. E, como será edificado, se sois pobres e poucos? Oh! Na verdade não são necessários o dinheiro e os poderes para edificar o edifício da nova moradia de Deus, individual ou coletiva. O Reino de Deus está em vós. É a união de todos aqueles que terão a Deus em si, a Deus que é a Graça. A Deus que é a Vida. A Deus que é a Luz. A Deus que é a Caridade. E ele constituirá o grande Reino de Deus sobre a Terra, a nova Jerusalém, que chegará a expandir-se por todos os confins do mundo, e que, completa e perfeita, sem emendas, sem sombras, viverá eterna no Céu.
Como fareis para edificar o Templo e a cidade? Oh! Não sereis vós, mas será Deus que edificará esses lugares novos. Vós teríeis somente que dar-lhe vossa boa vontade. Boa vontade é permanecer em Mim. Viver a minha doutrina é já a boa vontade. Estar unidos à boa vontade. Unidos a Mim, até formardes um só corpo, em cada uma de suas partes e partículas, alimentado pela mesma seiva. Um único edifício, que está apoiado sobre uma única base e conservado unido por uma mística coesão, mas assim como sem a ajuda do Pai, que Eu vos ensinei a pedir, e que Eu pedirei para vós, antes de morrer, vós não poderíeis estar na Caridade, na Verdade, na Vida, isto é, ainda em Mim, e comigo em Deus Pai, e em Deus Amor, porque nós somos uma única Divindade, por isso Eu vos digo que tenhais a Deus em vós, para poderdes ser o Templo que não conhecerá fim. Por vós mesmos não o podeis fazer. Se Deus não edifica, e não pode edificar onde não pode mais ter a sua morada, inutilmente os homens se agitam para edificar e reedificar.
O Templo novo, a Minha Igreja, surgirá somente quando o coração hospedar a Deus e Ele convosco, como umas pedras vivas, edificará a sua Igreja.
“Mas, Tu não disseste que o Simão de Jonas é o Chefe dela, a pedra sobre a qual se edificará a Tua Igreja? E não nos fizeste compreender também que Tu és dessa Igreja a pedra angular? Então, quem é o chefe dessa Igreja?”, interrompe Iscariotes.
“Eu sou o Chefe Místico. E Pedro é o Chefe visível. Porque Eu vou voltar ao Pai, deixando-vos a Vida, a Luz, a Graça, pela minha Palavra, pelos meus sofrimentos, pelo Paráclito, que será amigo daqueles que me forem fiéis. Eu formo uma única coisa com a minha Igreja, meu corpo espiritual, do qual Eu sou a cabeça.
A cabeça contém o cérebro, a mente. A mente é a sede do saber, o cérebro é que dirige os movimentos dos membros, por meio de seus comandos imateriais, os quais são os mais válidos para fazer que se movam os membros, do que qualquer outro estímulo. Observai um morto, no qual o cérebro morreu. Terá ele algum movimento em seus membros? Observai alguém que seja completamente estúpido. Não é verdade, que ele é tão inerte, que não saiba ter nem aqueles movimentos mais rudimentares e instintivos, que até o mais inferior dos animais, que até o verme que nós esmagamos, tem? Observai alguém no qual a paralisia desfez o contacto dos membros, de um ou mais membros do cérebro. Terá ele ainda movimento naquela parte que não tem mais ligação vital com a cabeça?
Mas, se a mente dirige com os seus comandos espirituais, então os outros órgãos, como: os olhos, os ouvidos, a língua, o nariz, a pele, que comunicam as sensações à mente, e são as outras partes do corpo que executam e fazem executar aquilo que a mente, advertida pelos órgãos materiais e visíveis, a respeito de tudo o que o intelecto invisível ordena. Poderia Eu, sem dizer-vos: sentai-vos, conseguir que fiqueis sentados neste lado do monte? Mesmo que Eu queira que vós permaneçais sentados, vós não o sabeis, enquanto Eu não transmitir o meu pensamento em palavras, e, então, Eu as digo usando para isso a língua e os lábios. Poderia Eu mesmo sentar-me, se Eu ficasse somente pensando que estou sentindo o cansaço das pernas, se elas não quisessem dobrar-se, e não me pusessem assim sentado? A mente tem necessidade dos órgãos e dos membros para poder fazer e executar as operações que o pensamento pensa.
Assim também é no corpo espiritual, que é a minha Igreja: Eu serei o Intelecto, isto é, a cabeça, que é a sede do intelecto, e Pedro com os seus colaboradores são os que observam as reações, percebem as sensações, e as transmitem à mente, a fim de que ela ilumine, ponha em ordem o que é preciso fazer para o bem de todo o corpo, para que ela possa esclarecer e ordenar, sob minha direção, possam falar e guiar as outras partes do corpo. A mão que afasta um objeto que pode ferir o corpo, ou afasta o que está corrompido ou pode corromper, o pé que passa por cima de um obstáculo, sem esbarrar nele, sem cair nem ferir-se, todas essas partes receberam da parte que dirige a ordem de fazê-lo. O menino, e até o homem que se salvou de um inimigo, ou que, faz qualquer coisa útil, como: procurar a instrução, as boas obras, o casamento, uma boa companhia para um bom conselho recebido, ou para uma boa palavra dita, é por aquele conselho, por aquela palavra que não prejudica ou que faz o bem. Assim será na Igreja. O chefe e os chefes, guiados pelo Divino Pensamento e iluminados pela Divina Lei, instruídos pela Palavra Eterna, darão as ordens e os conselhos, e os membros os porão em prática, e obterão a saúde espiritual e uma vantagem espiritual.
A minha Igreja já é assim, porque já possui o seu Chefe sobrenatural Chefe Divino, e tem os seus membros, que são os discípulos. Ela é ainda pequena, por enquanto, e como um germe que se forma, perfeita unicamente no Chefe que a dirige, e imperfeita no resto, que ainda tem necessidade de um toque de Deus para ficar perfeita e do tempo para crescer. Mas, em verdade Eu vos digo que Ela já o é, e que é Santa, por Aquele que é seu Chefe e pela boa vontade dos justos que a compõem. É Santa e invencível... Contra ele se apresentará uma e mil vezes e com mil formas de batalha o inferno, feito de demônios e de homens-demônios, mas não prevalecerão. O edifício será firme.
Mas o edifício não é feito de uma só pedra. Observai o Templo, lá, vasto, belo, ao sol que se põe. Talvez é feito de uma só pedra? É um complexo de pedras, que formam um único e harmônico todo. Ele se chama: o Templo. E isto quer dizer uma unidade. Mas essa unidade é feita das muitas pedras que a compuseram e formaram. Inútil teria sido fazer os fundamentos se eles não tivessem depois que sustentar as paredes e o teto, se sobre eles não se tivesse que erguer as paredes para sustentarem o teto, se antes não tivessem sido feitos, e em primeiro lugar, os fundamentos sólidos e proporcionados para uma construção maciça e de grandes dimensões. Assim, com esta dependência das artes uma da outra, é que surgirá também o Templo Novo. Pelos séculos afora, vós o ireis edificando, apoiando-o sempre sobre os fundamentos que Eu lhe dei, perfeitos, de acordo com seu tamanho. Vós edificareis sob a direção de Deus, servindo-vos das coisas a serem usadas para levantá-lo: espíritos que são a morada de Deus.
Deus estará nos vossos corações para fazer deles umas pedras polidas e sem fendas, para um Templo novo. Será o seu Reino estabelecido com as suas leis no vosso espírito. A não ser assim, vós seríeis uns tijolos mal cozidos, uma madeira carunchada, umas pedras lascadas e quebradiças, que não têm consistência, e que o construtor, se for experiente, rejeita, ou então elas falham, não resistem a pressão, fazendo que uma parte deslize, se o construtor, ou os construtores colocados ídolos de si mesmos, que se pavoneiam em seus corações, sem vigiarem constantemente sobre a construção que se vai levantando, e sobre os materiais usados nela. Esses construtores ídolos, esses mestres de obras ídolos, esses guardas ídolos, são todos uns ladrões. Ladrões da confiança de Deus e da estima dos homens, uns ladrões e uns orgulhosos, que só se comprazem em terem um meio de vida, e um modo de terem um monte de materiais, que eles não observam se são bons, ou já de qualidade vencida, e que pode ser causa de uma ruína.
Vós, ó sacerdotes novos e escribas do Templo novo, escutai. Ai de vós e de quem vier depois de vós, de quem se fizer ídolo e não tomar cuidado, não supervisar a si mesmo e aos outros, os fiéis, a fim de observar bem a boa qualidade das pedras e da madeira, sem confiar só nas aparências, pois se não poderá causar ruínas, deixando que materiais já deteriorados, ou até capazes de prejudicar a obra tenham sido deixados para serem usados na construção do Templo, dando assim um escândalo e provocando a ira divina. Ai de vós, se deixardes que se formem fendas e paredes inclinadas, que estão para cair, porque não estão bem equilibradas nas bases, que são sólidas e bem feitas. Não é de Deus o fundador da Igreja, mas de vós que viria o tombamento da parede, e dele seríeis responsáveis, diante do Senhor e dos homens.
Diligência, observação, discernimento, prudência. A pedra, o tijolo, a viga fraca, que em uma parede interna poderiam ser causa de tombamento, podem servir em partes de menor importância, na construção e até a servir bem. É assim que deveis saber escolher. Com caridade para não desgostar as partes fracas, mas com firmeza, para não desgostar a Deus e arruinar o seu Edifício. E se achais que uma pedra em um ângulo mestre, não é boa ou não está bem equilibrada, sede corajosos, ousados, e procurai saber como tirá-la daquele lugar, e alinhá-la com o escopo de um santo zelo. Se ela grita de dor, não faz mal. Ela vos abençoará durante os séculos, porque vós a tereis salvado. Removei-a dali e empregai-a em outro trabalho. Não tenhais medo nem de afastá-la completamente, se virdes que ela vai ser causa de estranheza e de ruína, desdizendo do vosso trabalho. É melhor haver pouca pedra, do que muito estorvo.
Não tenhais pressa. Deus nunca tem pressa, mas tudo o que Ele cria é eterno, porque é bem calculado, antes de ser feito. Se não é eterno, dura tanto como os séculos. Olhai para o Universo. Há muitos séculos, há milhares de séculos, ele está como Deus o fez, em operações sucessivas... Imitai o Senhor. Sede perfeitos como vosso Pai. Tende a sua Lei em vós, o seu Reino em vós. E não falhareis, mas, se não fôsseis assim, desabaria o edifício, ficando dele apenas a pedra angular, os fundamentos. A mesma coisa acontecerá com aquele Templo. Em verdade, Eu vos digo que com aquele ali vai ser assim, assim será com o vosso, se puserdes nele o que pusestes neste, as vossas contribuições doentes de orgulho, de avidez, de pecado, de luxúria. Como se desfez de repente pelo sopro do vento, aquele pavilhão de nuvens, que parecia estar parado formando uma vista tão bonita acima do cume daquele monte, mas parecendo o soprar de um vento de um castigo sobrenatural para os homens, quando desabarem os edifícios, que de santos só tem o nome.
Jesus se cala pensativo. E quando começa a falar de novo, é para dar esta ordem: “Sentemo-nos aqui, para repousarmos um pouco.”
Eles se assentam sobre um declive do Monte das Oliveiras, que fica em frente do Templo, agora beijado pelo Sol, que já vai-se pondo. Jesus olha fixamente para aquele lugar, com tristeza. Os outros, exultam por verem aquela beleza, mas sobre aquela exultação logo se estende um véu de aflição pela lembrança das palavras do Mestre. Será que toda aquela beleza vai ter que acabar?
Pedro e João falam um com o outro, e depois passam a sussurrar alguma coisa ao Tiago de Alfeu e ao André, que estão perto deles, e eles concordam, fazendo um sinal com a cabeça. Então, Pedro se vira para o Mestre e diz: “Vem aqui para o lado, e explica-nos quando é que se cumprirá a tua profecia sobre a destruição do Templo. Daniel fala nela, mas, se for como ele diz, e como Tu dizes, poucas horas terá ainda o Templo. Mas nós não estamos vendo exércitos, nem preparativos de guerra. Quando será, então, que isso acontecerá? Qual será o sinal disso? Tu já vieste. E Ti dizes que estás para ires embora. No entanto se sabe que isso não acontecerá, se não estiveres entre os homens. Então, Tu voltarás? Quando é que será a tua volta? Explica-nos isso, para que fiquemos sabendo.”
“Não há necessidade de que vamos para outro lado. Estás vendo? Os discípulos mais fiéis ficaram, aqueles que a vós doze ajudarão muito. Eles podem ouvir as palavras que Eu vos estou dizendo. Vinde todos para cá!”, grita por fim, para reunir todos.
“Tomai cuidado para que ninguém vos seduza no futuro. Eu sou o Cristo, e não haverá outros Cristos. Por isso, quando muitos vierem dizer-vos: “Eu sou o Cristo”, e estiverem seduzindo a muitos, não acrediteis em suas palavras, nem que elas sejam acompanhadas por prodígios, mas estes podem ser reconhecidos como não bons, porque sempre estarão unidos ao medo, à perturbação e à mentira. Os prodígios de Deus vós os conheceis, eles dão uma santa paz, alegria e salvação, fé e conduzem a desejos e obra santas. Os outros, não. Por isso, refleti sobre a forma e as consequências dos prodígios que podereis ver no futuro, por obra dos falsos cristos e de todos aqueles que se vestirão com vestes de salvadores dos povos, mas que serão umas feras, que os arruinarão.
Ouvireis também, e até vereis os que falam de guerras, e rumores de guerra, e que vos dirão: “Estes são os sinais do fim.” Mas não vos perturbeis, ainda não será o fim. É necessário que tudo isso aconteça antes do fim, mas ainda não será o fim. Levantar-se-á um povo contra o outro, nação contra nação, continente contra continente, e haverá pestilências, carestia e terremotos em muitos lugares. Mas isso não será mais do que o princípio das dores. Então vos lançarão no meio da tribulação, e vos matarão, acusando-vos de serdes os culpados pelos sofrimentos deles e, esperando sair deles, começarão a perseguir e a destruir os meus servos.
Os homens acusam sempre os inocentes de serem eles a causa do seu mal, que os pecadores criam para si mesmos. Eles acusam ao próprio Deus, que é perfeita inocência e a Bondade Suprema, de ser Ele a causa do sofrimento deles, e assim também farão convosco, e vós sereis odiados por causa do meu Nome. E será ainda Satanás que os está açulando. E surgirão falsos profetas, que induzirão muitos ao erro. E ainda será Satanás o verdadeiro autor de tantos males. E, com a multiplicação da iniqüidade, se esfriará a caridade de muitos. Mas quem tiver perseverado até o fim, será salvo. Mas, é preciso que antes este Evangelho do Reino de Deus seja pregado em todo o mundo, como um testemunho diante de todas as nações. Aí virá o fim. Haverá uma volta de Israel ao Cristo, que o acolhe, e a pregação da minha doutrina em todo mundo.
Depois virá um outro sinal. Um sinal do fim do Templo e do fim do Mundo. Quando virdes a abominação da desolação predita por Daniel – quem me ouve, procure entender bem, e quem lê o Profeta, saiba ler por entre as palavras – então, quem estiver na Judéia, fuja para os montes, e quem estiver no terraço não desça para ir apanhar o que estiver em casa, e quem estiver em seu campo não volte à sua casa para apanhar o manto, mas fuja sem olhar para trás, a fim de que não lhe aconteça não poder fazê-lo mais, e ele nem mesmo se vire para olhar, quando fugir, a fim de não conservar no coração o espetáculo horrendo, e enlouquecer por isso. Ai das grávidas e daquelas que estiverem amamentando naqueles dias! E ai delas se a fuga tiver que ser em dia de sábado! Não seria bastante a fuga para quem quisesse salvar, sem pecar. Rezai, pois, para que não aconteça no inverno e em dia de sábado, porque a tribulação será grande, como nunca houve desde o princípio do mundo até essa hora, nem haverá nunca mais outra semelhante, porque essa será a última. Se não fossem abreviados aqueles dias em atenção aos eleitos, ninguém se salvaria, porque os homens-satanases aliarão ao inferno para atormentar os homens.
E já estão, para corromper e arrastar para fora do caminho, justo aqueles que se conservarem fiéis ao Senhor, surgirão os que dirão assim: “O Cristo está lá, o Cristo está aqui. Está em tal lugar. Ei-lo! É este!” Não creiais. Ninguém creia, porque surgirão falsos Cristos e falsos profetas, que farão prodígios e portentos tais, que induzirão ao erro, se isso lhes fosse possível, até aos eleitos, e ensinarão doutrinas em aparência tão consoladoras e boas, que seduziriam até aos melhores, se com eles não estivesse o Espírito de Deus, que os iluminará sobre a verdade ou sobre a origem satânica de tais prodígios e doutrinas.
Eu vo-lo digo. Eu vo-lo prego, para que vós possais acautelar-vos. Mas não tenhais medo de cair. Se estiverdes de pé, firmes no Senhor, não sereis arrastados às tentações e a ruína. Lembrai-vos disso que Eu vos disse: “Eu vos dei o poder de caminhar sobre as serpentes e escorpiões e sobre o poder do inimigo, e nada vos fará mal, porque tudo vos estará sujeito.” Eu vos faço lembrar também que para conseguirmos isso, deveis ter Deus em vós, e deveis alegrar-vos, não porque dominais as potências do mal e as coisas venenosas, mas porque o vosso nome está escrito no Céu.
Permanecei no Senhor e em sua verdade. Por isso ainda Eu vos repito: Qualquer coisa que vos disserem de Mim, não creiais. Somente Eu é que disse a verdade. Somente Eu é que vos digo que o Cristo virá, mas quando chegar o fim. Por isso, se vos disserem: “Ele está lá no deserto”, não vades lá. Se vos disserem: “Ele está naquela casa”, não lhes deis atenção. Porque o Filho do homem, em sua segunda vinda, será semelhante a um relâmpago, que sai do nascente e chispa até o poente, em um tempo tão breve, como o bater de uma pálpebra. E deslizará sobre o grande Corpo, que logo se tornará um Cadáver, acompanhado de anjos luminosos, e por-se-á a julgar. No lugar, seja onde for, em que estiver o corpo, lá se reunirão as águias. E logo depois da tribulação daqueles últimos dias, da qual Eu já vos falei, Eu falo agora do fim do tempo e do mundo e da ressurreição dos ossos, coisas essas de que os profetas falam, o sol escurecerá, a lua não dará mais a sua luz, e as estrelas do céu cairão, como bagos de uva que caem de um cacho maduro demais, e que um vento tempestuoso sacode, e as potências do Céu tremerão.
E, então, no firmamento escuro aparecerá fulgurante o sinal do Filho do homem, e chorarão todas as nações da terra, e os homens verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do Céu, com grande poder e glória. E Ele dará ordens aos seus anjos que ceifem e vindimem, que separem o joio do trigo, que lancem as uvas na dorna, porque terá chegado o tempo da grande colheita da semente de Adão, e não teremos mais necessidade de conservar   a esgalha nem a semente, porque não haverá mais perturbação da raça humana sobre a terra morta. E dará ordens aos seus amigos para que ao alto som das trompas, reúnam os eleitos dos quatro cantos da terra, de uma extremidade à outra do céu, a fim de que estejam ao lado do Divino Luiz, para julgarem com Ele os últimos viventes e os ressuscitados.
Da figueira aprendei esta semelhança: quando vedes que seus ramos ficam tenros, e soltam folhas, sabeis que o verão já vem perto.
Assim também, quando virdes todas essas coisas, ficai sabendo que o Cristo está para chegar. Em verdade, Eu vos digo, não passará esta geração, que não me quis, antes que tudo isso aconteça.
A minha palavra não falha, o que Eu digo acontecerá. O coração e o pensamento dos homens podem mudar, mas minha palavra não muda. O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. E, quanto ao dia e a hora exata, ninguém os conhece, nem mesmo os anjos do Senhor, mas somente o Pai.
Como nos tempos de Noé, assim acontecerá na vinda do Filho do homem. Nos tempos de antes do dilúvio, os homens comiam, bebiam, se desposavam, se casavam, sem prestarem atenção ao sinal no dia em que Noé entrou na arca, e abriram-se as cataratas dos céus, e o dilúvio submergiu todos os seres vivos, e todas as coisas. Assim também será, quando for a vinda do Filho do homem. Quando chegar a hora, dois homens estarão perto um do outro no campo, e um será levado, enquanto o outro será deixado. Duas mulheres estarão ocupadas em fazer girar o mó do moinho, e uma será levada, e a outra deixada. Isto é o que farão os inimigos aqui na Pátria, e mais ainda os anjos que irão separar o trigo do joio, e não terão tempo de se prepararem para o julgamento pelo Cristo.
Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora virá o Senhor. Pensai de novo o seguinte: se o chefe da família soubesse a que hora viria o ladrão, ele vigiaria e não deixaria que ele despojasse a sua casa. Portanto, vigiai e orai, estai sempre preparados para a vinda, sem que os vossos corações fiquem entorpecidos pelo abuso e a intemperança de todas as espécies, e os vossos espíritos estejam distraídos e obtusos para as coisas do Céu, por causa dos excessivos cuidados com as coisas da terra, e o laço da morte vos apanhe de repente, quando estiverdes despreocupados. Porque, lembrai-vos bem, todos tereis que morrer. Todos os homens, uma vez nascidos, devem morrer, e nessa morte há uma particular vinda do Cristo e em seguida um juízo, que será repetido com todos juntos no dia da vinda solene do Filho do homem.
Que será então, que acontecerá ao servo fiel e prudente, que foi posto pelo patrão a servir aos domésticos o alimento, enquanto Ele estava ausente? Feliz será ele, se o seu patrão ao chegar de repente, o encontrar fazendo o que deve, com diligência, com justiça e amor. Em verdade Eu vos digo que Ele lhe dirá: “Vem, servo bom e fiel. Tu mereceste o meu prêmio. Toma e administra todos os meus bens.” Contudo, se ele parecia, mas não era bom e fiel, e seu interior era mau, assim como no exterior ele era hipócrita, pois logo que o patrão havia partido, ele começou a dizer em seu coração: “O patrão vai tardar a voltar! Vamos aproveitar este belo tempo!”, e começar a bater em uns criados e a maltratar a outros, dando-lhes pouca comida e pouco das outras coisas necessária, a fim de poder ter mais dinheiro para poder gastá-lo em folganças, e com os bêbados, que é que irá acontecer? Acontecerá que o patrão, ao chegar de repente, quando aquele servo ainda estava pensando que o patrão estava longe, mas este, ao ver o mau procedimento do servo, lhe tomará o dinheiro, e o tirará do cargo, e o expulsará, como é de justiça. E assim, naquela situação ele ficará.
Assim acontece com o pecador impenitente, que não pensa que a morte pode já estar perto, e também perto o seu julgamento, e só procura gozar e abusar desse gozo, dizendo: “Depois eu me arrependerei.” Em verdade, Eu vos digo que ele não  terá tempo de fazer isso, e será condenado a ficar no lugar onde há um tremendo horror, onde se ouvem blasfêmias e se vêem o pranto e a tortura, e de lá ele só sairá para o Juízo Final, quando tornará a revestir-se de sua carne ressuscitada, para assim apresentar-se completo ao Juízo Final, assim como foi completo que ele pecou no tempo de sua vida terrena e com corpo e alma ele se apresentará ao Juiz Jesus, que ele não quis aceitar como seu Salvador.
Todos estarão lá, acolhidos diante do Filho do homem. Uma multidão incalculável de corpos restituídos, uns pela terra, outros pelo mar, e recompostos todos, depois de terem virado cinza, há muito tempo. E nos corpos estarão os espíritos. A cada carne que voltou ao seu esqueleto corresponderá o seu espírito, aquele que a animou por algum tempo na Terra. E estarão todos aprumados diante do Filho do homem, que estará esplendente em sua divina Majestade, sentado no trono de sua glória e assistido pelos seus anjos.
E ele separará os homens uns dos outros, pondo de um lado os bons e do outro os maus, como um pastor que separa as ovelhas pondo-as á direita, e os cabritos a esquerda. E dirá com voz afável e com um semblante benigno aos que, pacíficos e formosos, com uma beleza gloriosa no esplendor do corpo santo, olharão para ele, com todo o amor de seus corações: Vinde ó benditos de meu Pai, tomai posse do reino preparado para vós, desde o começo do mundo. Porque eu tive fome e me deste de comer, tive sede e me deste de beber, fui um peregrino e me hospedaste, estive nu e me vestistes, doente e me visitastes, estava prisioneiro e fostes levar-me conforto.
E os justos lhe perguntarão: Quando foi Senhor que te vimos com fome e te demos de comer, te vimos com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos peregrino, e te acolhemos, te vimos nu e te vestimos, te vimos enfermo ou encarcerado, e te fomos visitar?
E o Rei dos Reis lhes dirá: Em verdade eu vos digo; quando fizestes uma daquelas coisas a um daqueles menores entre os meus irmãos, foi a Mim que o fizestes.
E depois o Juiz se voltará para aqueles que estiverem a sua esquerda, e lhes dirá, com um rosto sério e com uns olhares que serão como umas flechas que fulminarão os réprobos, e em sua voz ressoará a ira de Deus. Fora daqui! Longe de mim ó malditos! Ide para o fogo eterno, preparado pelo furor de Deus para o demônio e para os anjos das trevas e para aqueles que lhes deram ouvidos, quando eles falavam na libidinagem tríplice e obscena. Eu tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me deste de beber, estive nu e não me vestistes, fui peregrino e me repelistes, estive doente e encarcerado, e não me visitastes. Porque vós só conheceis uma lei:
A do prazer do vosso eu.
E eles lhe dirão: quando foi que te vimos com fome, com sede, nu, peregrino, enfermo ou encarcerado? Em verdade, nós não te estamos reconhecendo. Não estávamos presentes, quando estivestes sobre a Terra. E ele lhes responderá: É verdade. Vós não me conhecestes porque não estáveis lá presentes, quando estivestes sobre a Terra. Mas vós conhecestes a minha palavra e tivestes, no meio de vós, os esfaimados, os sedentos, os nus, os doentes, os encarcerados. Por que é que não fizestes a eles o que talvez teríeis feito a mim? Pois já foi dito que aqueles que me tiveram em seu meio fossem misericordiosos para com o Filho do homem? Não sabeis que nos meus irmãos estou eu? E que onde estiver sofrendo um desses meus menores irmãos, sou eu que lá estou? E que o que tiverdes deixado de fazer a um desses meus menores irmãos, foi a mim que deixastes de fazer? A Mim Primogênito dos homens?
Ide-vos e queimai-vos em vosso egoísmo. Ide e que vos fascinem as trevas e o gelo, pois trevas e gelo é o que fostes, mesmo conhecendo onde é que estava a Luz e o Fogo do Amor.
E eles irão para o suplício eterno, enquanto os justos entrarão na vida eterna.
Estas são as coisas futuras.”
Agora, ide-vos. E não vos separeis uns dos outros. Eu vou com João e voltarei a vós lá pela metade da primeira vigília, para a ceia e para irmos depois às nossas instruções.”


O EVANGELHO COMO ME FOI REVELADO – MARIA VALTORTA

3 comentários:

  1. Caro Antônio,

    Caso ainda não conheça a vida e a obra de São Josemaria Escrivá, deixo-lhe essa sugestão.
    Penso que gostara e aproveitará.

    Fique com Deus

    ResponderEliminar
  2. Indiquei a vida e obra de São Josemaria para o Henrique Sebastião, mas infelizmente ele não compartilhou no site para onde vc e eu enviamos, dias atrás, comentários sobre um texto dele :(

    ResponderEliminar